Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Carta à Berta

Carta à Berta é o local dos Desabafos de um Vagabundo, do Senhor da Bruma, essa bruma a que chamam de internet, de um Haragano, o Etéreo, qual cavalo selvagem que galopa entre cartas alegadamente, quiçá, sem fundamentos.

Carta à Berta é o local dos Desabafos de um Vagabundo, do Senhor da Bruma, essa bruma a que chamam de internet, de um Haragano, o Etéreo, qual cavalo selvagem que galopa entre cartas alegadamente, quiçá, sem fundamentos.

Carta à Berta: Parada's Garden: The Return Of The Yodas Concil - Part III /III

Berta 229.JPG

Olá Berta,

Não quero terminar esta história sem referir, mais concretamente, as 46 senhoras séniores, que contabilizei sentadas, pelo Jardim da Parada, nos bancos proibidos fitados de vermelho e branco, à tarde, na passada terça-feira. Foram elas que me levaram a escrever a terceira parte da carta de hoje intitulada de:

“Parada’s Garden – The Return Of The Yodas  Council – Part III/III”

Tenho todo o respeito pelos cabelos brancos, grisalhos ou pintados de tons de louro ou de escuro, das matriarcas soberanas e séniores do meu bairro. Mas 46 é um número imenso e preocupante num jardim que ocupa a área de apenas um quarteirão. Igualmente de consideração são as árvores centenárias que lhes fornecem a sombra, tão desejada, em dias de Sol. O jardim tem muitas destas também. Algumas delas etiquetadas com os seus altivos nomes em latim, numa demonstração humana da estima que nos merecem.

Com efeito, ao contrário dos cavalheiros, estas damas anciãs, não se reúnem nas mesas do jardim, prontas para um desafio de sueca disputado a 4. Elas preferem matar saudades, com ajuntamentos de 2, 3, 4 ou 5 elementos do seu sexo só as vejo sozinhas ou em grupos maiores do que 5 pessoas quando estão, respetivamente, sentadas a falar para o telemóvel ou quando se encontram, em trajetos curtos, de pé, entre passeios, e um grupo se cruza com um outro grupo conhecido.

Contam as novidades do confinamento e do desconfinamento, falam das saudades de filhos e netos, conversam sobre os acontecimentos da vizinhança, relembram tempos antes da viuvez, ou discutem, como ouvi esta terça-feira, amiga Berta, a forma como puxariam as orelhas ao André Ventura se o dito fosse filho delas.  Aliás, ao contrário do que a minha mente, talvez ainda portadora de algum preconceito inconsciente, conferenciam sobre política e atualidade com perfeita noção de quem tem opinião definida e sabe perfeitamente o que diz.

São as Yodas sagradas no feminino, em toda a sua força e sabedoria. Ao contrário dos homens, não realizam concílios numerosos, dividem-no em partes, de forma a evitar que os temas dispersem e tenham que esperar demasiado tempo para ser de novo a sua vez de voltar a falar. O instinto feminino faz delas, muitas vezes, vozes mais sábias, mais ponderadas e lucidas do que as que normalmente constatamos nos machos séniores. Outra caraterística evidente é a capacidade que têm de lidar com o infortúnio, a desgraça ou a doença muito superior à masculina.

Só que, estas sagradas damas têm necessidade de trocar ideias, de se encontrarem, de manterem os círculos de amizade formados, muitos deles, num passado já remoto e, por isso mesmo, descuram alguns detalhes. Pormenores   de importância muito relevante nos dias que correm, seja a falta da máscara, perdida nos labirintos das suas carteiras, seja o distanciamento social ainda exigido pelo Estado de Calamidade, seja lá o que for, apenas porque o instinto de partilha falou mais alto.

É para evitar essas falhas que uma atenção redobrada da Junta de Freguesia e das Forças da Ordem teria, no Jardim da Parada, que aqui apenas é exemplo de tantas outras Paradas, uma importância determinante. Não era preciso muito, estou convencido que um pequeno alerta aqui ou ali, seriam suficientes para colocar tudo dentro dos parâmetros desejados e requeridos pela presente pandemia.

Com estas observações, minha querida amiga, termino a rúbrica do “Jardim da Parada – O Regresso do Concílio dos Yodas – Parte III/III”. Tenho uma grande e boa amiga de 92 anos, que se encontra institucionalizada num lar privado na Parede, que diz, depois de ter conseguido escapar a um Lar da Santa Casa, que em ambos, por estes tempos, se sente uma prisioneira obrigatoriamente confinada, mas que afirma que, neste último, o confinamento (e pagava o mesmo pelo outro) tem um terço dos utentes para o mesmo espaço e o respeito dos tratadores que a vêm como um ser e não como uma fonte de rendimento por força da sua boa reforma. O problema dos lares da Misericórdia ou da Santa Casa são a falta de nível do seu pessoal e o aquartelamento dos utentes como se fossem carne à espera da hora de partirem para o matadouro.

Porém, Berta, isso poderá ser tema para um dia, noutra carta, que não nesta. Recebe um beijo deste teu amigo,

Gil Saraiva

 

 

Carta à Berta: Parada's Garden: The Return Of The Yodas Concil - Part I /III

Berta 226.jpg

Olá Berta,

Este domingo passado fui obrigado a sair do casulo onde tenho estado confinado desde que o ano teve início, pois tive de ir à farmácia por falta de um comprimido de toma diária e obrigatória. Foi esta saída que me levou a escrever a carta de hoje a qual intitulei de:

“Parada’s Garden – The Return Of The Yodas  Council - Part I/III”

O confinamento foi devido primeiro por um problema de saúde e depois por eu fazer parte de 2 ou 3 dos chamados grupos de risco. Em 5 meses e pouco esta foi a quarta ou quinta vez que tive de sair de casa.

À exceção da minha saída voluntária, para ir à reabertura do restaurante Verde Gaio, também ele localizado na minha rua, a Francisco Metrass, todas as outras foram por obrigações ligadas com o meu estado de saúde. Idas ao médico, consultas de controle e farmácia. Enfim, querida Berta, saí apenas e quase para o absolutamente necessário e imperativo.

Claro que a ida ao Verde Gaio, a 19 de maio, foi exclusivamente um imperativo da minha cabeça de confinado. Mas não deixou de ser um imperativo. Já fui até ao momento, testado, por 2 vezes, à Covid-19, e continuo tão negativo como antes da pandemia. Embora esta negatividade seja uma daquelas em que o sinal de menos é algo de positivo, não estava preparado para o cenário a que assisti ontem nas ruas do bairro. Tive a noite para pensar no assunto e mesmo assim não consegui descobrir o que poderia aconselhar à minha vizinhança.

Acompanhado pela música de um ciclista, muito conhecido de todos os residentes, que se passeia de bicicleta pelo bairro, em circuitos previamente determinados por um raciocínio que desconheço, engalanado com a bandeira do Benfica e com um rádio e gravador quase no máximo, a pimpar por onde passa, pude conferir o comportamento dos meus irmãos de bairro, nesse dia solarengo, de 7 de junho. Embora o ser domingo tivesse ajudado, a quantidade de gente que vi na rua, não me pareceu conjugada com a existência de um Estado de Calamidade.

Os cafés e as pastelarias, criaram verdadeiros salões de baile dentro dos seus espaços, sendo os únicos locais onde me apercebi haver realmente algumas medidas ligadas ao momento e às restrições. “O Meu Café”, o “Trigo da Aldeia” e o “Az de Comer” são 3 bons exemplos disso.

Quanto ao Jardim da Parada o desrespeito pela pandemia não tem descrição razoável que se possa fazer (eu dei uma volta maior do que o que realmente precisava para ver como as coisas corriam). A Hamburgueria da Parada esticou-se jardim fora, qual polvo que alarga os seus tentáculos gulosos, em vez de apenas reduzir o número de mesas. Os bancos, todos com as fitas vermelhas e brancas de proibição de uso, estavam salpicados de idosos a descansar as pernas e a ver o ambiente. O uso de máscara pareceu-me ter sido esquecido, porque deu para contar com as mãos, quantas pessoas as estavam a usar.

Contudo, o que mais me afligiu, minha amiga, embora não faça ideia como é que este espaço esteve no resto do domingo, foi ver a quantidade de séniores a encher, por completo, as 4 mesas de jogo do jardim, fixas ao chão, como sempre, a dizer que dali não vão a lugar nenhum, rodeadas de mais duas (ou mais) dezenas de gente de risco a assistir em pé, bem perto dos 16 jogadores sentados, ao decorrer das partidas. Perfeitamente indescritível.

Este perigoso, aflitivo, dramático e irresponsável ajuntamento de séniores, mais parecia saído da Saga da Guerra das Estrelas, onde o episódio anunciaria em título “Parada’s Garden – The Return Of The Yodas  Council - Part I/III”, em português seria algo como: “Jardim da Parada – O Regresso do Concílio dos Yodas - Parte I/III”.

Regressei a casa a pensar que assim, dificilmente, os números de infetados poderão vir a baixar em Lisboa. Se o que vi for realmente uma amostra do que se passa no resto da zona da Grande Lisboa e Vale do Tejo, então, sem dúvida, estão explicados os números e o aumento dos casos registados. Todavia, como sou fulano positivo, acalento ainda a esperança de que tudo isto tenha sido apenas um desabafo domingueiro e que esta segunda-feira todos voltem à normalidade cuidadosa que os tempos exigem.

Despeço-me com um beijo, este teu amigo do peito, com quem sempre podes contar,

Gil Saraiva

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em destaque no SAPO Blogs
pub