Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Carta à Berta

Carta à Berta é o local dos Desabafos de um Vagabundo, do Senhor da Bruma, essa bruma a que chamam de internet, de um Haragano, o Etéreo, qual cavalo selvagem que galopa entre cartas alegadamente, quiçá, sem fundamentos.

Carta à Berta é o local dos Desabafos de um Vagabundo, do Senhor da Bruma, essa bruma a que chamam de internet, de um Haragano, o Etéreo, qual cavalo selvagem que galopa entre cartas alegadamente, quiçá, sem fundamentos.

Carta à Berta: O Que Se Passa em Campo de Ourique - Entrevistas à Mesa do Café - II - Vitor Sarameco - O Homem da Bicicleta - Parte II

Berta 530.JPG

Olá Berta,

Termino hoje a entrevista ao “Homem da Bicicleta”, sob o tema “O Que Se Passa Em Campo de Ourique” que denominei de “Entrevistas à Mesa do Café”, ou seja, a entrevista ao senhor Vitor Manuel Fontes Rodrigues, vulgo Sarameco. Esta segunda e última parte decorreu na esplanada da pastelaria “AZ de Comer”.

Tenho a certeza que não foi o facto do Vitor ser do signo de Touro que o fez ganhar uma outra alcunha, esta durante os cinco ou seis anos em que passou pelos Bombeiros Voluntários de Campo de Ourique, mas sim a destreza demonstrada durante os primeiros treinos da sua formação profissional enquanto bombeiro.

A destreza, rapidez e à vontade férrea de provar que estava à altura do desafio, tudo junto, somado à impressionante agilidade com que atravessava telhados, trepava andaimes ou emaranhava pelas paredes fizeram-no ganhar o cognome de Tarzan.

Nos comentários que li nos grupos de Campo de Ourique, a quando da publicação da primeira parte desta carta, houve bombeiros a lembrar o grande trepador como se as coisas se tivessem passado ontem. Achei delicioso o carinho com que ainda é recordado nos Bombeiros de Campo de Ourique. Só quem é boa gente deixa um registo positivo por onde passa, eu acho.

Mas, voltando à entrevista, tratemos de esclarecer o que faz o Tarzan de Campo de Ourique. Conforme já tinha informado o senhor Vitor é aquilo a que se costuma chamar de um “faz-tudo”, mas o que é tudo? Foi essa a pergunta que lhe dirigi. Como resposta fiquei a saber que pode ajudar numa mudança, se faltar força de braços à transportadora, que é pintor, que coloca mosaicos e vários tipos de chão, que efetua trabalhos de pedreiro, aplicação de tijolo e rebocos, que trata de diversos problemas ligados à canalização, esgotos ou até de eletricidade.

Mas pode fazer mais, se alguém precisar de mandar algo pelo correio, se necessitar de levantar e transportar umas compras do supermercado ou da mercearia, de aviar uma receita, de ir buscar ou levar coisas à lavandaria e por aí fora, o amigo Vitor faz o serviço. Não tem preço, mas diz que é barato. É o que a pessoa puder e quiser pagar, foi o que eu entendi sobre o tema. Basta ligar para o 911 75 80 86 e combinar com o Vitor.

Aliás, a bicicleta só funciona quando não está a trabalhar ou quando a usa para fazer esse tipo de recados e isso durante o dia. Afinal, esse ímpeto de ciclista já celebrou vinte anos de atividade. É, segundo me afirmou, uma grande paixão, pedalar e ir deixando música por onde passa. A bicicleta só para por avaria ou nos períodos de dois ou três meses em que se encontra fora do país, em trabalho, enquanto trabalhador emigrante.

O Vitor emigrante já fez um pouco de tudo. Apanha de pimentos e outros vegetais, apanha de fruta, trabalho na indústria dos frangos e na construção civil. “- É o que vier, a gente não escolhe, é o que vier.” Afirma, quando interrogado e acrescenta: “- Nos últimos anos já estive em Maiorca, noutras partes de Espanha, em França, na Alemanha, em Itália, na Bélgica (já lhe disse que tenho 2 filhos em Antuérpia) e em Inglaterra, haja trabalho, e eu saiba, e lá vou eu.”

Agora, aos 58 anos, a bicicleta já lhe pesa nas pernas. A que usa foi ele que a arranjou. Foi um senhor, a quem fez umas pinturas na casa, que lhe a deu, avariada, mas recuperável. Porém, é muito pesada e as pernas ressentem-se. O atual autorrádio que usa não tem “pen drive” e atualmente só consegue usar o rádio.

Quando lhe perguntei como vai fazer para continuar ele sorriu e disse-me que ainda tem três sonhos na vida e que acredita que vai conseguir chegar a todos eles, porque tem fé, muita fé. Os sonhos do Vitor “Sarameco Tarzan” Rodrigues são simples e apenas três.

Primeiro: Arranjar uma bicicleta mais leve e se possível com mudanças.

Segundo: Arrumar um autorrádio que tenha entrada para colocar uma “pen drive”, que possa tocar muitas músicas de seguida (eu já lhe gravei uma “pen” com quase mil canções portuguesas).

Terceiro: Conseguir voltar a ter o amor e o carinho de uma mulher, que o queira como companheiro e a quem ele possa amar, para poder atravessar com ela a velhice, ou seja, o Vitor procura uma esposa.

“- Como o Gil sabe bem eu já não sou novo, nem para novo vou. É muito triste envelhecer sozinho, muito triste.”

Pois é, amiga Berta, desejos simples de uma pessoa simples, transparente e, no meu entender, pura, como a generalidade do nosso povo. Oxalá ele arranje a bicicleta e o rádio mais a companheira para o resto da vida. Oxalá. No rádio e na bicicleta talvez esta carta o possa ajudar, já no campo do amor... isso são contas de outro rosário. Espero que o Vitor tenha sorte nessas coisas do coração. E assim termino, com estes votos, a entrevista sobre o Sarameco Tarzan de Campo de Ourique. Com um beijo me despeço de ti, minha querida Berta, até à próxima carta, este teu amigo do coração,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta: O Que Se Passa em Campo de Ourique - Entrevistas à Mesa do Café - II - Vitor Sarameco - O Homem da Bicicleta - Parte I

Berta 529.JPG

Olá Berta,

Continuando a falar sobre “O Que Se Passa Em Campo de Ourique” na rúbrica que denominei de “Entrevistas à Mesa do Café”, resolvi entrevistar o “Homem da Bicicleta”, o senhor Vitor Manuel Fontes Rodrigues, vulgo Sarameco. Afinal, falei-te nele, por duas vezes, sem muito saber sobre a pessoa que circula, já lá vão vinte anos, no bairro, de bicicleta, dando música a quem o quer escutar.

Esta entrevista que realizei com o “Homem da Bicicleta” foi longa, divertida e esclarecedora sobre quem é esta personagem que conquistou o coração de todo o bairro. Daí advém o facto de ter de a dividir em duas partes para que não se torne demasiado longa. Vamos à primeira parte:

Sentámo-nos na esplanada do AZ de Comer. Pedi uma Superbock para mim e outra para ele. O homem tinha começado por pedir uma mini, porém, quando lhe disse que era meu convidado, optou pela Superbock normal. Sorri. Alegre, como sempre, o Vitor tinha alguns esclarecimentos para me fazer que considerava serem importantes.

Um amigo tinha-lhe mostrado as duas cartas que te escrevi e que publicara, sobre ele, no Facebook. Ora, ele fazia questão de me informar que não se chamava Victor com “c”, com a gente fina, mas sim Vitor sem “c”, como era normal entre a gente do povo, como ele, que não precisava do nome escrito à francesa.

Quanto à alcunha de “Sarameco”, ela nascera no tempo em que, em criança e adolescente, jogara à bola no Sport União Fonte-Santense, atualmente designado por Sporting União Fonte Santense e sediado na Rua Possidónio da Silva 35A, 1350-248 Lisboa.

Por essa altura, rondaria ele os 15 anos de idade, ou até um pouco menos, havia nesta associação um jogador da equipa principal, uns sete ou oito anos mais velho, a quem os colegas e amigos chamavam de Sarameco. Quando o Vitor começou a dar nas vistas do futebol do clube, nos escalões mais jovens, era muitas vezes comparado com o tal jogador do primeiro time.

Fisionomia, forma de jogar, camaradagem, timidez e boa disposição, tudo nele lembrava aos outros o Sarameco original. A saída deste da coletividade acelerou mais ainda a transição e herança da alcunha. Fora assim que, por tudo isto, um Sarameco dera lugar a outro Sarameco. O nome colou e de tal forma que, 43 anos mais tarde, continua a haver quem apenas o conheça pela alcunha e nem sequer saiba da existência do seu nome verdadeiro: Vitor. Coisas de bairro.

Ora o Vitor, minha querida amiga Berta, é apenas um ano e meio mais novo do que eu e, ao contrário de mim que só me apaixonei por Campo de Ourique há 13 anos, ele é um produto do bairro onde nasceu há 58 anos, no dia 24 de abril de 1963, em casa, na Vila Amorim, uma habitação situada na Rua Maria Pia, uns cento e cinquenta metros acima da meia laranja, para quem sobe esta rua. Atualmente vive na Rua Francisco Lacerda, outra rua do nosso bairro de Campo de Ourique.

Tem três filhos, de 26, 28 e 30 anos, os quais teve de criar sozinho com a ajuda dos progenitores, pois que a esposa fugiu de casa, no início do milénio, para não mais voltar, deixando-lhe a árdua tarefa de fazer vingar três crianças com idades aproximadamente entre os dois e os seis anos. Atualmente vive feliz com o pai e a madrasta (a mãe, essa, já se encontra no reino dos céus faz algum tempo).

Dos descendentes apenas um se mantém a viver em Portugal, lá para os lados da outra banda, em Almada. Os outros dois a vida fê-los emigrar, desde o tempo em que Passos Coelho aconselhava a saída dos portugueses em dificuldades da sua terra natal, para a Bélgica, onde se instalaram na cidade de Antuérpia, na senda da sobrevivência.

Amanhã termino esta carta, minha querida Berta, sobre este “Homem da Bicicleta” que tão facilmente nos aquece o coração. Por hoje despeço-me com um sorriso, este teu amigo que nunca te esquece e com quem podes contar para o que der e vier,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta: O Que Se Passa em Campo de Ourique - Entrevistas à Mesa do Café - I - Mamma Mia!

Berta 528 1.JPG

Olá Berta,

Escrevo-te para te falar sobre “O Que Se Passa Em Campo de Ourique” na rúbrica que denominei de “Entrevistas à Mesa do Café”. Hoje dedico a minha atenção sobre a “Mamma Mia” a única Geladaria Italiana de Campo de Ourique com fábrica e laboratório próprios em todo o bairro.

No rescaldo da pandemia a Mamma Mia é mais um daqueles negócios que tenta sobreviver ao fecho de portas, fruto das medidas impostas pelo Governo de Costa, por intermédio da DGS. Passar mais de um ano sem poder manter a sua normal atividade comercial, é uma barra muito pesada, para uma atividade de formato familiar e artesanal, que depende totalmente das duas únicas almas que gerem e representam a empresa.

Foi na esplanada da Tentadora que, numa destas tardes, me sentei com o senhor José Perdigoto, o elemento português deste duo, para a “Entrevista à Mesa do Café”. Apaixonado por um bairro onde vive já lá vão trinta anos, era um sonho antigo, deste homem de 53 anos, poder um dia investir as suas poupanças no bairro que o formatou com adulto e onde sempre foi feliz.

A oportunidade apareceu em 2017 quando, devido a um acaso feliz, a sua vida se cruzou com a de um italiano, em turismo pelo nosso país. O italiano vero, Natale Giovanni Tassitani, nascera na Cantábria italiana, na ponta da bota, 52 anos antes, no decorrer do mês de dezembro. Devido ao mês de nascimento os progenitores decidiram chamá-lo de Natal (Natale, em italiano). Ora, segundo fiquei a saber, Natale apaixonou-se pelo nosso país e muito em particular pelo nosso bairro.

Palavra puxa palavra e a amizade entre Zé e Natale cresceu rapidamente. O turista acidental tornou-se repentinamente emigrante e, no mês de julho de 2017, abriam juntos a Mamma Mia, a única geladaria italiana, reforço, com laboratório e fabrico próprio de Campo de Ourique.

Berta 528 2.JPG

O Zé entrou com a maioria do capital e Natale com o conhecimento e o trabalho. Claro que, sempre que é necessário, o Zé arregaça as mangas e dá uma ajuda ao seu sócio. Contudo, não causando nenhum espanto, a alma da Mamma Mia é genuinamente italiana e proveniente de um milagre chamado Natal.

Os sorvetes e gelados da Mamma Mia fazem-me lembrar facilmente o início dos famosos Gelados Santini, na linha de Cascais, na altura em que a mestria italiana de Santini e a confeção totalmente artesanal, alicerçada na sabedoria italiana, os tornavam um produto único em toda a área da zona de Lisboa e Vale do Tejo, antes da ganância e da propagação da marca Santini, por diversas lojas e espaços, fazerem diluir a mestria artesanal do criador e se perder o requinte único da casa mãe.

A Mamma Mia não é fácil de encontrar, sendo uma loja de rua não é totalmente visível para quem sobe, pelo lado direito, a Rua Saraiva de Carvalho até ao número 147. Com efeito, o espaço está localizado no acesso pedonal que faz a ligação, por entre os prédios, com a Rua do Patrocínio, até à pastelaria Maria Farinha. Esta zona pedonal entre ruas, é designada pelo nome de Galeria Campo de Ourique, e a loja 3, onde se situa a geladaria, é logo a primeira à esquerda de quem entra neste acesso, pelo 147 da Rua Saraiva de Carvalho. O telefone é o 213 970 628.

Berta 528 4.JPG

Mas o que faz realmente lembrar os antigos Gelados Santini na Mamma Mia é todo o carinho, amor e mestria que Natale põe na confeção artesanal dos mesmos. Um saber italiano tradicional com uma história muito antiga. Assim, sejam sorvetes (feitos com água e frutas frescas do dia) ou gelados (com leite, frutos secos ou café), é voluptuoso poder degustar as delícias da Mamma Mia. No inverno os crepes são outra iguaria do espaço, mas, nesta época, sejam batidos de fruta, gelados ou sorvetes o importante é ter-se a certeza da deliciosa qualidade e do genuíno sabor dos produtos.

Os sabores clássicos da geladaria italiana, seja o pistáchio, a avelã, o chocolate, a nata, o café, a manga, o coco, o morango, o ananás, a framboesa ou a noz ou o caramelo salgado, o arroz doce, o creme de ovo, a abóbora ou o requeijão, que são as variedades móveis da geladaria, contribuem, em conjunto, para a festa do palato de todos os clientes. Mas se, por mero acaso, alguém for apreciador de café não se deve sair da Mamma Mia sem experimentar um Affogato, que é algo de ir às lágrimas pois, efetivamente, a bola de gelado afogada em café expresso desperta sensações sensoriais incríveis que eu, pessoalmente, desconhecia de todo. Aquilo é uma iguaria ímpar verdadeiramente digna dos deuses.

Berta 528 3.JPG

Agora, se não tem tempo para ficar na geladaria a degustar calmamente o seu gelado, a Mamma Mia tem umas embalagens de esferovite, de diferentes tamanhos, para que se possa, uma vez chegado a casa, tirar partido da mestria de Natale no conforto do lar.

Outro detalhe delicioso é poder-se observar, se houver vontade e tempo, a confeção das diferentes iguarias, através das vitrines da montra e da loja, que dão para o laboratório e fábrica de confeção. Em termos de conceito e transparência acho que a geladaria Mamma Mia é pioneira, em absoluto, nesta faceta e que vale o tempo empregue na observação desta que é verdadeira arte culinária.

Se voltares a Campo de Ourique, querida Berta, tenho que te levar à Mamma Mia. Ela, por si só, é suficiente para se ter ciúmes de não se morar em Campo de Ourique. Por hoje é tudo, despeço-me com o costumeiro beijo de até à próxima, este teu amigo,

Gil Saraiva

Berta 528 5.JPG

 

 

 

Carta à Berta: O Que Se Passa em Campo de Ourique - Entrevistas à Mesa do Café - I - Mamma Mia!

Berta 528 1.JPG

Olá Berta,

Escrevo-te para te falar sobre “O Que Se Passa Em Campo de Ourique” na rúbrica que denominei de “Entrevistas à Mesa do Café”. Hoje dedico a minha atenção sobre a “Mamma Mia” a única Geladaria Italiana de Campo de Ourique com fábrica e laboratório próprios em todo o bairro.

No rescaldo da pandemia a Mamma Mia é mais um daqueles negócios que tenta sobreviver ao fecho de portas, fruto das medidas impostas pelo Governo de Costa, por intermédio da DGS. Passar mais de um ano sem poder manter a sua normal atividade comercial, é uma barra muito pesada, para uma atividade de formato familiar e artesanal, que depende totalmente das duas únicas almas que gerem e representam a empresa.

Foi na esplanada da Tentadora que, numa destas tardes, me sentei com o senhor José Perdigoto, o elemento português deste duo, para a “Entrevista à Mesa do Café”. Apaixonado por um bairro onde vive já lá vão trinta anos, era um sonho antigo, deste homem de 53 anos, poder um dia investir as suas poupanças no bairro que o formatou com adulto e onde sempre foi feliz.

A oportunidade apareceu em 2017 quando, devido a um acaso feliz, a sua vida se cruzou com a de um italiano, em turismo pelo nosso país. O italiano vero, Natale Giovanni Tassitani, nascera na Cantábria italiana, na ponta da bota, 52 anos antes, no decorrer do mês de dezembro. Devido ao mês de nascimento os progenitores decidiram chamá-lo de Natal (Natale, em italiano). Ora, segundo fiquei a saber, Natale apaixonou-se pelo nosso país e muito em particular pelo nosso bairro.

Palavra puxa palavra e a amizade entre Zé e Natale cresceu rapidamente. O turista acidental tornou-se repentinamente emigrante e, no mês de julho de 2017, abriam juntos a Mamma Mia, a única geladaria italiana, reforço, com laboratório e fabrico próprio de Campo de Ourique.

 

O Zé entrou com a maioria do capital e Natale com o conhecimento e o trabalho. Claro que, sempre que é necessário, o Zé arregaça as mangas e dá uma ajuda ao seu sócio. Contudo, não causando nenhum espanto, a alma da Mamma Mia é genuinamente italiana e proveniente de um milagre chamado Natal.

Os sorvetes e gelados da Mamma Mia fazem-me lembrar facilmente o início dos famosos Gelados Santini, na linha de Cascais, na altura em que a mestria italiana de Santini e a confeção totalmente artesanal, alicerçada na sabedoria italiana, os tornavam um produto único em toda a área da zona de Lisboa e Vale do Tejo, antes da ganância e da propagação da marca Santini, por diversas lojas e espaços, fazerem diluir a mestria artesanal do criador e se perder o requinte único da casa mãe.

A Mamma Mia não é fácil de encontrar, sendo uma loja de rua não é totalmente visível para quem sobe, pelo lado direito, a Rua Saraiva de Carvalho até ao número 147. Com efeito, o espaço está localizado no acesso pedonal que faz a ligação, por entre os prédios, com a Rua do Patrocínio, até à pastelaria Maria Farinha. Esta zona pedonal entre ruas, é designada pelo nome de Galeria Campo de Ourique, e a loja 3, onde se situa a geladaria, é logo a primeira à esquerda de quem entra neste acesso, pelo 147 da Rua Saraiva de Carvalho. O telefone é o 213 970 628.

Berta 528 4.JPG

Mas o que faz realmente lembrar os antigos Gelados Santini na Mamma Mia é todo o carinho, amor e mestria que Natale põe na confeção artesanal dos mesmos. Um saber italiano tradicional com uma história muito antiga. Assim, sejam sorvetes (feitos com água e frutas frescas do dia) ou gelados (com leite, frutos secos ou café), é voluptuoso poder degustar as delícias da Mamma Mia. No inverno os crepes são outra iguaria do espaço, mas, nesta época, sejam batidos de fruta, gelados ou sorvetes o importante é ter-se a certeza da deliciosa qualidade e do genuíno sabor dos produtos.

Os sabores clássicos da geladaria italiana, seja o pistáchio, a avelã, o chocolate, a nata, o café, a manga, o coco, o morango, o ananás, a framboesa ou a noz ou o caramelo salgado, o arroz doce, o creme de ovo, a abóbora ou o requeijão, que são as variedades móveis da geladaria, contribuem, em conjunto, para a festa do palato de todos os clientes. Mas se, por mero acaso, alguém for apreciador de café não se deve sair da Mamma Mia sem experimentar um Affogato, que é algo de ir às lágrimas pois, efetivamente, a bola de gelado afogada em café expresso desperta sensações sensoriais incríveis que eu, pessoalmente, desconhecia de todo. Aquilo é uma iguaria ímpar verdadeiramente digna dos deuses.

Berta 528 3.JPG

Agora, se não tem tempo para ficar na geladaria a degustar calmamente o seu gelado, a Mamma Mia tem umas embalagens de esferovite, de diferentes tamanhos, para que se possa, uma vez chegado a casa, tirar partido da mestria de Natale no conforto do lar.

Outro detalhe delicioso é poder-se observar, se houver vontade e tempo, a confeção das diferentes iguarias, através das vitrines da montra e da loja, que dão para o laboratório e fábrica de confeção. Em termos de conceito e transparência acho que a geladaria Mamma Mia é pioneira, em absoluto, nesta faceta e que vale o tempo empregue na observação desta que é verdadeira arte culinária.

Se voltares a Campo de Ourique, querida Berta, tenho que te levar à Mamma Mia. Ela, por si só, é suficiente para se ter ciúmes de não se morar em Campo de Ourique. Por hoje é tudo, despeço-me com o costumeiro beijo de até à próxima, este teu amigo,

Gil Saraiva

Berta 528 5.JPG

 

 

 

Carta à Berta: Victor, o Ciclista de Campo de Ourique

Berta 525.jpg

Olá Berta,

O site https://lifespray.wordpress.com/ publicou em três de dezembro de 2012, já lá vão quase nove anos, a notícia que seguidamente transcrevo sobre o meu amigo Victor de Campo de Ourique, que se mantém ativo, na sua bicicleta, a dar música ao Bairro de Campo de Ourique, ostentando a bandeira do seu clube (o Benfica) quer este esteja em forma ou tenha acabado de ser derrotado, como foi o caso do presente ano, pelo rival Sporting.

Não consegui até ao momento apurar quem são os autores do site, mas pela quantidade e qualidade de erros de ortografia que tive de corrigir, para passar para aqui a presente publicação, sou levado a concluir que não se trata de gente que domine bem a língua portuguesa. Aqui vai o seu conteúdo:

 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Berta 526.jpg

LIFESPRAY

moments.flashes.thoughts.views.

03/12/2012

1 COMENTÁRIO

SEM CATEGORIA

O HOMEM DA BICICLETA

Afinal, o Homem da bicicleta não é maluco. Afinal, o que ele é, é um homem livre. Que vai atrás do que gosta e gosta do que traz atrás. Dá música por onde passa, deixa um rasto nos olhares que somos nós, que sem saber já nos conformámos, descontando a sua loucura.

Mas, afinal de contas, o homem assim decidiu a sua vida levar: anda de bicicleta com uma telefonia empoleirada, mas bem amarrada, a bandeira do seu clube de eleição (Benfica é a sua cor), bronzeado sempre, concentrado no transito e a deslizar pelas ruas de Lisboa.

Encontro-o muita vez no Jardim da Estrela ou nas Amoreiras, depende da hora do dia. Mas, Campo de Ourique é o seu bairro. E confere. O senhor da Bicicleta aos 49 anos anda à procura do Amor. E não desiste, faz ele bem.

----------------------------------"-------------------------------

Comentário

One thought on “O HOMEM DA BICICLETA”

08/12/2012 às 10:17 pm

  1. duarte diz: muito bom!!!!!

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Pelo que consegui entender este site, que mais parece um blog, embora mantenha o acesso na internet, teve a curta duração de um mês. Nada é dito sobre o seu autor ou autora, nem mesmo ficamos a saber se estamos a lidar com uma pessoa de nacionalidade portuguesa. Porém, o que aqui se destaca é que, nas parcas publicações feitas no site, cerca de meia dúzia, uma delas é dedicada ao nosso ciclista de eleição em Campo de Ourique, o senhor Victor, ferrenho adepto do Benfica, que enche, há mais de duas décadas, o coração de Campo de Ourique com as melodias ambulantes, transmitidas em alto som, a partir da sua passagem de bicicleta pelo bairro sempre que está sem trabalho.

Hoje, enquanto te escrevia esta segunda carta, amiga Berta, sobre o meu amigo Victor, entrei no meu blogue, para verificar da aceitação ou não, da primeira carta sobre ele, principalmente a reação à mesma por parte dos utilizadores do Facebook. Ora, sempre que te escrevo uma carta, costumo ter uma afluência média de leitores entre cinquenta a setenta pessoas, maioritariamente de gente que me acompanha os blogues através do Facebook. Desta vez, em apenas dezasseis horas, tive mais de duas mil visitas à carta. A grande maioria (de um modo esmagador) de gente solidária ou agradecida a este típico ícone do bairro de Campo de Ourique, o ciclista, pintor e faz-tudo, benfiquista, o bem-disposto e meu amigo, Victor.

Face a isso resolvi lançar hoje aqui um pequeno apelo: se nos próximos dias passar pelo ciclista de Campo de Ourique por favor não se iniba e lance-lhe um “obrigado Victor” para que ele saiba que é querido pelo esforço que faz, à sua maneira tão peculiar, de espalhar alegria por todo este bairro, ou, se não quiser gritar, mostre-lhe os dois polegares bem para cima.

Quanto a ti, amiga Berta, obrigado pela tua resposta à carta de ontem. Fico contente que, também tu, gostes do Victor como eu gosto. Despeço-me com um beijo saudoso, feliz com essa tua opinião,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta: O Vitor da Bicicleta de Campo de Ourique

Vitor em Campo de Ourique.jpgOlá Berta,

Não me lembro se, nas tuas visitas a Campo de Ourique, alguma vez te deparaste com um sujeito, usando uma camisola do Benfica e uma bandeira do mesmo clube, a percorrer incansavelmente o bairro de bicicleta, enquanto uma aparelhagem adaptada ao veículo vai debitando música, bem alto, pelas ruas, praças e jardins de toda esta minha freguesia. Minha e, claro está, de todos os outros que também a tratam como sua.

Trata-se do Senhor Victor, um jovem (quase a chegar aos 60 anos de idade), que, pelo menos desde inícios deste milénio, percorre o bairro espalhando música e anunciando o amor evidente ao seu glorioso Benfica. O qual conquistou com o correr dos anos o estatuto de figura pública do bairro, querida por quase todos, mesmo por aqueles que não são do seu clube da águia. A verdade é que o Victor, por onde passa, tem sempre um aceno, um cumprimento e um sorriso para quem o interpela.

A situação, com o decorrer dos anos, tornou-o num caso sério de popularidade. Aliás, nem mesmo o dia da vitória do clube rival, neste campeonato, o impediu de sair, na sua habitual demanda, pelas ruas e de sorrir aos sportinguistas que lhe acenavam, batendo no emblema ao peito das suas camisolas verdes e brancas. Mais “fair play” do que esta demonstração do ciclista é difícil de encontrar na capital.

Em 2015, uma jornalista do Correio da Manhã, resolveu dedicar-lhe uma página inteira no matutino. Ainda me lembro muito bem do artigo. A senhora jornalista (que morava na Estrela) via e ouvia passar, de vez em quando, o nosso ciclista pelo Jardim da Estrela, e com a rudeza de um estivador do porto de Lisboa, dos finais do século XIX, resolveu dedicar-lhe cinquenta linhas da edição online com uma verborreia paupérrima e triste sob o título de “O Ciclista Maluco”.

No texto, a senhora jornalista, não se limitava  a apelar à intervenção da PSP, da Câmara Municipal de Lisboa e de outras autoridades, mas resolvera também insultar um homem, que não conhecia e sobre o qual não fez nenhuma investigação, com juízos de valor que começavam precisamente no pseudónimo de maluco e de louco, passando por perturbador da ordem pública, etc.. É claro que a dita jornalista desconhece as centenas (para não dizer milhares) de turistas que pedem ao senhor Victor licença para fazerem uma “selfie” com ele, sempre que o apanham parado no início da Rua Saraiva de Carvalho ou junto ao quiosque em frente ao cemitério dos Prazeres.

É igualmente claro que a mesma senhora nem imagina o carinho imenso que todo o bairro de Campo de Ourique tem por esta pessoa que não é maluco, nem nunca foi. É um faz-tudo, um pintor, um canalizador, um eletricista e um desenrasca, sempre pronto a ajudar o seu semelhante.

Ah, mas ele cobra esses serviços. É verdade, eu próprio já recorri a ele por diversas vezes, contudo, nunca senti que se esticasse nos preços e, bem pelo contrário, sempre o achei muito barato. O que a senhora jornalista podia atualmente noticiar é que, desde que há pandemia em Portugal, desde março de 2020 que, todos os dias, o santo do Victor montou aquela bicicleta e se fez às ruas do bairro para que os habitantes sentissem a sua presença.

Hoje, quando calhou falarmos, ele, por acaso todo feliz porque finalmente ia tomar a vacina, explicou-me porque não tinha parado um dia que fosse durante a pandemia. A justificação era de responsabilidade. Afinal, afirmava seriamente, ele sabia que tinha o dever de levar um pouco de alegria às centenas de idosos que vivem sozinhos e tristes no bairro, principalmente desde que a pandemia se instalara.

 “- Quando passam um dia sem me ouvirem na bicicleta ou sem me verem eles dizem-me que ficam mais tristes. Eu não posso falhar a esta gente.” Depois ria e dizia-me que muitos deles nem sequer eram do Benfica. “- Mas adoram picar-me e eu respondo sempre com um sorriso ou um aceno.”

O Victor é um homem do povo, de maluco ou de louco nada tem e, no meu entender, até já devia estar a receber, de há muitos anos para cá, um ordenado ou um apoio da freguesia, da Câmara de Lisboa ou até do Benfica, porque o Victor tem passado por sérias dificuldades para conseguir por pão na mesa da sua casa e cuidar da sua família.

Enfim, querida Berta, isto sou eu a falar. A minha opinião pouco vale nos corredores do poder. Contudo, a minha gratidão por este homem, que há duas décadas alegra os corações de tanta gente, é infinita. Podes nem concordar comigo e ser como a acéfala da senhora jornalista do Correio da Manhã, mas que era justo o homem ser compensado não tenho a menor dúvida. Deixo um beijo de despedida, deste teu eterno amigo,

Gil Saraiva

VÍDEO   I:   https://www.facebook.com/ILoveCampoDeOurique/videos/699365187288463/   

VÍDEO II:  https://www.facebook.com/ILoveCampoDeOurique/videos/3001581416556323/

Pedalando em CO.jpg

 

Carta à Berta: Campo de Ourique - Uma História de Três Gerações

Berta 474.JPG

(Campo de Ourique – 1º Andar de casa da R. Tenente Ferreira Durão - Foto de autor, direitos reservados)

Olá Berta,

Aos 102 anos de idade, a poucos meses de fazer 103, faleceu, no lar onde atualmente se encontrava, a Dona Irene. Uma senhora cuja morada oficial ainda é, na Rua Tenente Ferreira Durão, aqui, Bem na zona central do bairro de Campo de Ourique. Conheço o caso devido à minha amizade com a nora da Dona Irene, a minha amiga Ilda. Uma menina de 72 anos, com um sorriso afável, sempre pronta a ajudar quem precisa, amante convicta de animais.

A casa da Dona Irene, que fica no primeiro e último andar, tem estado ocupada pelo seu neto. Um jovem que ainda se passeia pela maravilhosa década dos quarenta. O funeral a que só puderam ir o filho, nora e netos, mas não os bisnetos, foi de caixão selado, sem que ninguém pudesse sequer identificar a senhora. Não houve direito a velório de igreja, nem a câmara ardente, nem mesmo a um último adeus. É que a Dona Irene faleceu vítima de Covid, no dia a seguir à família ter sido informada, pelo lar onde se encontrava, de que a centenária menina, se encontrava quase recuperada de uma febre que acusara Covid e que já apresentava melhorias significativas.

Na verdade, ao dia das melhoras significativas, seguiu-se uma noite da qual a Dona Irene não chegou a acordar. Há quem chame a este óbito uma morte santa. Para mim, se não está há espera que alguém faleça, é somente um choque e ao mesmo tempo triste, seja qual for a perspetiva em que se queira olhar toda a situação.

Independente do pesar da família, tema que não vou abordar por respeito, Campo de Ourique perdeu mais um dos seus centenários residentes. Até aqui, imagino eu, esta é a história, com mais ou menos drama, do que tem acontecido a quase quinze mil portugueses desde que a Covid entrou no pais. Seria até bom que todos tivessem partido com a mesma calma silenciosa da Dona Irene e, sabemos bem, que infelizmente não é essa a regra.

Estou a tentar, amiga Berta, não colocar demasiado sentimentalismo nesta carta, até porque, pessoalmente, eu não conhecia a Dona Irene, nem imagino sequer o tipo de pessoa que foi ou deixou de ser em vida. Apenas sei que faleceu, que era sogra de uma grande amiga e que as traseiras da sua casa dão precisamente para as traseiras da minha. A fotografia que junto é precisamente da parte de trás da casa dela.

O que me faz confusão, e que me levou a descrever toda a situação, tem três dias. Ou seja, ontem, no dia que se seguiu ao funeral, o neto da Dona Irene, um homem que trabalha num dos restaurantes, que ainda fazem entregas ao domicílio em Campo de Ourique, no caso a Padaria do Povo, recebeu, na caixa do correio, o aviso do senhorio dando-lhe 30 dias para entregar a casa. Assim, sem mais nem menos, porque é o que a lei permite, mas que a ética condena de forma severa. Não sei quem é o senhorio da casa, mas, num tempo como este em que vivemos, o ato é desumano.

Penso por mim, que em tempos também já fui senhorio. Eu teria não apenas transmitido os meus pêsames, como indagaria se ele pretendia manter-se na casa e se estaria preparado para a atualização da renda, de acordo com a legislação em vigor. Perguntaria também, caso ele não achasse ter condições para lá se manter, de quanto tempo precisaria ele para se mudar. Só perante a resposta, e sendo esta negativa, quanto à manutenção, é que tentaria encontrar um prazo razoável, mas com o acordo de ambos, se possível, para a entrega da chave.

Eu entendo até a pressa do senhorio em rentabilizar um bem que tem estado alugado a baixo preço há muitos anos. Mas a humanidade, a ética e a solidariedade nunca deixaram de fazer parte do perfil da pessoa humana ou deixaram? Provavelmente o problema deve ser meu que sou um romântico. Procuro sempre a melhor solução para evitar o conflito e para não criar stress ou nervosismo aos outros. Um sócio, que tive há mais de 20 anos, dizia-me que eu tinha a mania que era a Santa Casa da Misericórdia. Porém, ele estava errado, tratava-se apenas de procurar ser humano para com os outros humanos.

Não sou melhor nem pior que ninguém, nem me quero armar aqui em santinho. O que digo aqui é o que tenho praticado toda a minha vida e, confesso, nem sempre me saí bem pelo facto de ser como sou. Quando digo “saí bem” estou a falar económica ou financeiramente, mas sempre fiquei de consciência tranquila. Em paz comigo mesmo. Que é realmente aquilo que mais devia importar nas relações sociais. Para quem é ateu como eu, e que não tem a ajuda da fé e da religião, continuo a considerar que esta é a melhor forma de nos sentirmos bem connosco e de alcançar paz de espírito.

Afinal, a vida dá muitas voltas e um dia, sem sabermos ler nem escrever, podemos muito bem vir a encontrarmo-nos do outro lado de uma situação idêntica. A justiça é uma balança moral com dois pratos equilibrados e muitas vezes diverge dos ditames da lei. A economia de mercado, o capitalismo, a procura do maior lucro e a sociedade de consumo, não podem tornar-se, quase exclusivamente, nos únicos valores universais. Hoje, como ontem, foi mais um dia triste para mim (para alguém alegre como eu, dois dias assim, já é uma eternidade).

Espero que me tenhas entendido, querida amiga Berta, eu sei que tenho este feitio fora do tempo em que vivemos, porém, se queres saber, na verdade, acho que ainda há muita, mas muita gente, como eu. Despeço-me com o carinho do costume, este teu amigo,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta: Campo de Ourique Está Triste

Berta 473.JPG

(Campo de Ourique – Jardim da Parada - Foto de autor, direitos reservados)

Olá Berta,

Campo de Ourique está triste. Desde que este ano começou apenas sai duas vezes de casa. Em ambas as situações por razões de força maior. Na primeira foi para dar um salto à clínica de análises Joaquim Chaves, bem na esquina da Rua de Infantaria 16 com a Rua Tenente Ferreira Durão e a segunda para ir a uma consulta no Hospital Egas Moniz. É claro que em qualquer delas aproveitei para ir ao pão, à porta do Trigo da Aldeia, e passar no minipreço para comprar algumas coisas que gosto de ser eu a escolher, em vez de encomendar pela internet.

Contudo, porque já que me fazia falta andar um pouco, aproveitei para dar um pequeno passeio higiénico e rever o meu bairro. Acabei por regressar a casa invadido por uma melancolia imensa. O maior centro comercial de ar livre do país está quase totalmente encerrado. Como no meu quarteirão tenho três supermercados, não me tinha apercebido da diminuição das pessoas, nem do panorama que é ver loja atrás de loja encerrada, algumas das quais já dá para perceber que não voltarão a abrir portas.

Porém, foi no Jardim da Parada que se me apertou a alma e que senti o coração chorar. No percurso que fiz consegui contar apenas três pessoas atravessando, como eu, o jardim com destino a algum lado, certamente por razões de primeira necessidade.

A hamburgueria, encerrada, lembrava um jazigo do cemitério dos prazeres. Bem perto as mesas metálicas, pintadas de verde, pregadas no chão, acompanhadas das suas quatro cadeiras, a condizer, gritavam pela falta dos velhotes da sueca e dos mirones envolventes, como se fossem mobiliário de um longínquo Chernobil. Ao passar pelo lago não vi patos, nem cagados, nem mesmo pombos nas redondezas, apenas folhas mortas navegando perdidas à tona de água sem destino ou rumo certo.

Foi como olhar para uma paisagem e vê-la a preto e branco, distante, perdida, abandonada. Os bancos do jardim, todos eles, sem exceção, com fitas vermelhas e brancas e um autocolante garrido a proibir o seu uso. Ninguém por ali para dar de comer aos pombos que, aliás, nem existiam naquele momento. Deles apenas vislumbrei algumas penas, mais pequenas do que as que sentia no meu âmago, esquecidas no chão, como despejos de uma batalha fantasma.

A solidão das estruturas do parque infantil lembrava, vagamente, que aquele era um lugar para crianças, mas não se escutava o chilrear da pequenada cheia da energia que, noutras alturas, até me costumava incomodar e que hoje me chegava à memória com uma saudade imensa. Na solidão do jardim as enormes árvores agigantavam-se mais ainda e a luz do Sol parecia ampliar uma sinistra presença de um ambiente surreal. O pequeno quiosque de livros gratuitos, feito na cabine telefónica transformada, estava despido.

Aquele vazio, sem nada nas prateleiras, apenas me lembrava um equipamento abandonado e fora de contexto. Foi nessa altura, uns metros à frente, que me deparei com a estátua da Maria da Fonte e, não sei porquê, dei comigo a chorar, ao olhar para aquela figura de pedra que normalmente me fazia lembrar a revolta popular que a imortalizara.

Hoje, a Maria da Fonte parecia gritar de desespero e revolta pelo que a pandemia fizera ao seu jardim. A ideia de que ela reclamava o regresso do povo, como nunca o fizera nos cem anos da sua presença no jardim, ardia-me na alma, murchando-me o coração. Maria da Fonte parecia gritar, agitar-se em desespero e chorar ao mesmo tempo e eu, confuso, perdido nas memórias de outros tempos, ali fiquei durante uns minutos que me pareceram horas, tentando apaziguá-la, para no final terminar, novamente, a chorar com ela, solidariamente, essa mágoa imensa. Campo de Ourique está triste, muito triste.

Um beijo, querida Berta, até amanhã,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta: Novo Incêndio em Campo de Ourique

Berta 311.jpg

Olá Berta,

É comum ouvir-se a expressão: “Não acredito em bruxas, mas, que as há, há!” É precisamente esse o caso do que se anda a passar em Campo de Ourique. Sexta-feira tivemos o incêndio na cobertura do prédio (umas águas-furtadas) na Rua Francisco Metrass, número 59, pelo início da tarde (13, 30). O resultado final foi um edifício dado como inabitável lá para a hora de jantar. Com o piso superior a desabar (interiormente) sobre o piso de baixo.

Relativamente à minha morada, a distância é curta e apenas a Rua Almeida e Sousa me separa da zona do infeliz incidente. Uma distância, em linha reta, bem abaixo dos 100 metros, talvez a uns 30 apenas, mais coisa menos coisa, da minha porta.

Ontem, segunda-feira, 3 dias, 4 horas e 10 minutos depois da deteção do primeiro fogo, temos, segundo me informou o senhor Victor Gil, chefe dos Sapadores de Lisboa de serviço no local, pelas 17,40 da tarde, os Bombeiros foram avisados de um novo incêndio, tendo a primeira viatura chegado ao local apenas 6 minutos mais tarde. No total tratava-se de um edifício com 11 habitações das quais 7 estavam habitadas por um total de 11 pessoas. O fogo, cujas chamas foram filmadas das traseiras do edifício localizado na Rua Tenente Ferreira Durão, na cobertura do número 19, segundo o chefe Victor Gil foi dominado às 19 horas e 12 minutos.

Posteriormente, sempre com o apoio pronto dos Bombeiros Voluntários de Campo de Ourique, passou-se à fase de rescaldo. A ocorrência foi dada como terminada já depois das 20 horas. Entre sapadores, voluntários, proteção civil, polícia municipal e PSP, este fogo teve a intervenção de mais de 50 operacionais. A rua esteve cortada ao trânsito até depois das 21 horas e já se sabe que o prédio está inabitável.

Na internet encontram-se disponíveis vários videoclipes do incidente. Tratou-se de um fogo intenso e teve até direito a ser registado pela objetiva de um drone, segundo fonte do Correio da Manhã.

Este fogo localizado na rua para onde dão as traseiras da minha casa, está localizado, mais uma vez a menos de 100 metros, em linha reta do meu prédio. Qual é a possibilidade de uma coisa destas se repetir desta forma, consecutivamente num espaço de 76 horas de diferença, com esta proximidade e com caraterísticas tão semelhantes às do primeiro incêndio? Vejamos as coincidências.

Dois incêndios seguidos no mesmo bairro, a uma distância de menos de 100 metros um do outro e a menos de 100 horas de intervalo temporal, ambos em coberturas, igualmente ocorridos da parte da tarde, tendo o piso da origem do fogo desabado também no piso debaixo, os dois em portas ímpares, os dois com números terminados em 9, verificando-se como resultado final a inabitabilidade de ambos os locais. A única diferença visível é não se conhecer ainda a origem deste último fogo. Talvez, mais tarde, as peritagens o indiquem.

Por tudo isto é que eu sou levado a repetir, minha querida amiga Berta, nesta hora em que me despeço de ti com o habitual beijo virtual, que: “Não acredito em bruxas, mas, que as há, há!”

Gil Saraiva

 

Nota um dos vídeos pode ser visto em: https://www.cm-tv.pt/atualidade/detalhe/video--chamas-consomem-cobertura-de-predio-em-lisboa-veja-as-imagens

 

 

 

Carta à Berta: Campo de Ourique: Um Incêndio à Porta de Casa...

Berta 208.JPG

Olá Berta,

Ontem, à hora de almoço, quase às 13 e 30, tive o fogo a aquecer um início de tarde, já por si quente, embora arejado por uma brisa que se sentia na pele. Por outras palavras, um incêndio no terceiro andar, umas águas-furtadas, da minha rua, a Francisco Metrass. Por baixo, no rés-do-chão, ficam a Cervejaria Europa e, ao lado no mesmo prédio, a Farmácia Porfírio.

Relativamente à proximidade do edifício onde vivo distam uns 30 metros, mais coisa menos coisa, mas existe uma rua (a Almeida e Sousa) a separar-me do ocorrido. Foi perto, mas não demasiado próximo de mim. Não tendo o meu terceiro andar sido sequer penalizado pelo fumo intenso provocado pelo incêndio e, muito menos ainda, pelo trabalho dos Bombeiros Sapadores de Lisboa, coadjuvados pelos Bombeiros Voluntários de Campo de Ourique.

A fotografia que te envio ilustra a minha perspetiva do local do incêndio e foi tirada já quase no final dos trabalhos a meio da tarde. Não me perguntes porquê, mas optei por não colocar imagens do incêndio propriamente dito. Não sei se é devido à proximidade e vizinhança, se por outro motivo que agora não discorro, mas poderás ver online, se tal te interessar, bastantes fotografias ilustrativas do fogo e até vários clips, com pequenos filmes, descrevendo o que se passou. Eu preferi só incluir a imagem que te envio.

Reconheço que, mesmo sendo jornalista, a cobertura de um evento que me é próximo me tira algum discernimento e lucidez, mas vou tentar dar-te uma ideia aproximada dos acontecimentos.

Pese embora o facto de saber o nome da pessoa residente no sótão onde o incêndio teve início, não pretendo aqui crucificá-lo, nem nada que se pareça, pelo que vou utilizar o nome fictício de Manuel.

O senhor Manuel é um ancião do bairro. Vive sozinho, nas águas-furtadas de um prédio sem elevador, que corresponde a um terceiro andar. A sua idade, que já ultrapassou as 80 primaveras dá-lhe o direito de se achar sabedor das coisas da vida e de rejeitar conselhos de vizinhos atrevidos e metediços na vida privada e alheia, com que nada tem a ver, muito menos a comentar.

Na realidade o senhor Manuel já fora advertido, vezes sem conta, pelos vizinhos do seu prédio e pelos outros do prédio das traseiras do edifício, que assar sardinhas ou fazer grelhados, na varanda oposta à fachada da casa, era perigoso e que um dia ainda causaria um problema qualquer. Contudo, pensava o nosso ancião, ele não estava xexé nem sequer para lá caminhava, sabia perfeitamente aquilo que fazia. O problema deste raciocínio é que os imponderáveis acontecem, independentemente da idade dos protagonistas, e muitas vezes sem nada ter a ver com a sua atenção ou falta dela relativamente ao que estão a fazer.

Foi o caso de ontem. O ancião desta narrativa, afastou-se por uns minutos do almoço que estava a grelhar na varanda, quiçá para ir ver se os acompanhamentos já estavam confecionados e o desastre aconteceu. Poderia ter acontecido a qualquer um, porém, para azar do senhor Manuel foi a ele que lhe calhou a fava.

O incêndio espalhou-se rapidamente e o discernimento do protagonista, aflito com a situação, não foi suficiente para que reagisse em tempo útil. Tanto que, quando foi retirado das águas-furtadas, quase meia hora mais tarde, ainda andava, no meio de um fumo imenso, à procura do telemóvel e da chave da entrada para fechar a porta antes de abandonar a habitação. Com algum esforço acabou por entender que a porta teria de se manter aberta para que os bombeiros pudessem atuar e foi conduzido, atordoado e confuso, à saída do prédio.

Foram quatro as vítimas de inalação de fumo e as duas águas-furtadas do edifício ficaram sem cobertura e com estragos avultados. Até o prédio vizinho, mais recente, foi afetado pela água utilizada para apagar o fogo. Também os andares imediatamente anteriores às habitações do topo se viram afetados pela água, como não poderia deixar de ser. Quando às 18 horas vim para casa para escrever esta carta, amiga Berta, ainda os homens da Companhia do Gás, tentavam aferir se as condutas do prédio teriam ou não sido afetadas pela tragédia. Não cheguei a saber o resultado.

Conforme já dei a entender a pronta atuação dos bombeiros do bairro e dos sapadores da capital impediu uma tragédia de maiores dimensões. Contudo, embora seja fácil colocar a culpa no senhor Manuel, eu acho que se trata apenas de um retrato menos bonito da situação social em que vivemos desde finais do século passado. Todos sabemos que por toda a cidade e pelo país fora temos anciãos a viver sozinhos em suas casas sem a mobilidade necessária e muitas vezes o discernimento requerido, para que situações trágicas possam ser evitadas.

Deveria existir algum mecanismo social que ajudasse a prevenir estas situações. Mas entre dever e haver vai muito mais do que a diferença dos verbos. Aliás, recordo-me que no prédio onde habito, já lá vão umas dezenas de anos, vivia um casal de reformados no rés-do-chão (e ainda hoje vivem). O homem estava ausente e a senhora resolveu ir ao mercado municipal, situado no início da rua, fazer uma pequena compra. Porém, esqueceu-se da comida do cão ao lume.

O incêndio que se gerou foi igualmente debelado, atempadamente, pelos mesmos corpos de bombeiros que atuaram hoje e também não houve consequências de maior a relatar, exceto na referida cozinha. Hoje o casal vive com uma neta, o que me deixa muito mais descansado, ainda mais porque a memória e o discernimento da senhora se têm vindo sempre a degradar.

O que eu quero dizer, amiga Berta, é que o caso de hoje não é, nem será proximamente único e excecional. Na mesma situação aflitiva estão centenas de anciãos no nosso querido Bairro de Campo de Ourique (já para não falar do país). Muitos deles sem a totalidade e plenitude das suas capacidades. Algum tipo de acompanhamento e aconselhamento deverá ser alargado, pois já existem algumas iniciativas neste sentido, por forma a se poder ajudar a prevenir futuras situações trágicas desnecessárias e que nalguns casos podem até mostrar-se fatais.

Quanto ao incêndio de hoje não me posso esquecer de deixar demonstrada a minha solidariedade para com a Cervejaria Europa e para com o seu gerente, o senhor Paulo, que não só perdeu hoje a receita dos 19 clientes, que a quando do incêndio se encontravam a almoçar, mas que, quando me vim embora, ainda não sabia se poderia voltar a usar o gás proximamente.

Hoje foram 400 euros perdidos num almoço que até estava a correr melhor do que o costume, para os tempos de pandemia que vivemos. Porém, no momento a situação para ele e funcionários ficou mais incerta e insegura. Os mesmos votos deixo à farmacêutica, a Doutora Graça, e a todos os funcionários da Farmácia Porfírio que hoje se viu obrigada a fechar portas. Que as coisas corram pelo melhor a ambos é o que desejo. Despeço-me com um beijo amigo,

Gil Saraiva

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

Em destaque no SAPO Blogs
pub