Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alegadamente

Este blog inclui os meus 4 blogs anteriores: alegadamente - Carta à Berta / plectro - Desabafos de um Vagabundo / gilcartoon - Miga, a Formiga / estro - A Minha Poesia. Para evitar problemas o conteúdo é apenas alegadamente correto.

Este blog inclui os meus 4 blogs anteriores: alegadamente - Carta à Berta / plectro - Desabafos de um Vagabundo / gilcartoon - Miga, a Formiga / estro - A Minha Poesia. Para evitar problemas o conteúdo é apenas alegadamente correto.

Carta à Berta nº. 663: Os Novos 4 Cavaleiros do Apocalipse - Epílogo - VI/VI

Berta 663.jpg Olá Berta,

Está quase a fazer 4 anos que te escrevi sobre os 4 novos Cavaleiros do Apocalipse. Ainda há pouco tempo te reenviei essas cartas para que as recordasses, cara confidente. Porquê? Porque nelas te tinha prometido um epílogo que demorou a chegar. Aparece hoje, finalmente, porque me parece a altura certa. Entre setembro de 2020 e maio de 2024 muita água correu debaixo da ponte e foi longa a caminhada dos 4 Cavaleiros do Apocalipse.

Há quase 4 anos, amiguinha, já a pandemia, a famigerada Covid-19, infetava que nem peste num mundo doente, ceifando vidas a torto e a direito. Contudo, se os dados oficiais apontam hoje para mais de 7 milhões de pessoas que tombaram perante a avalanche, dizem os especialistas que, os dados reais e não declarados, devem ter levado mais de 30 milhões de almas, não parece muito se comparado à população mundial, todavia, daria para encher de gente, por 3 vezes, um país como Portugal.

Há ainda, minha querida, que falar dos infetados que, a acreditar nos especialistas, não foram apenas os 700 milhões referidos nos dados da Organização Mundial de Saúde, mas sim, quase 3.000 milhões, ou seja, mais de um terço da população do globo. Sem a descoberta das vacinas, diz-se num dos últimos estudos publicados, teríamos perdido mais de um quarto da população mundial.

Mesmo que se possa pensar que os números são exagerados, na realidade, pouco importa, porque foram sempre gigantescos. As movimentações do sinistro Cavaleiro da Peste, Bertinha, foram gigantescas e ele nos últimos tempos, muito ativo em todo o planeta.

O imenso Cavaleiro da Fome, então, parece ter tomado proporções ciclópicas e devastadoras. Entre as suas tropas e vassalos, existem atualmente uma parafernália de fenómenos, entre eles, genericamente, em primeiro plano, as alterações climáticas. Na verdade, cara amiga, a subida da temperatura das águas nos oceanos, cujo grau de acidez aumenta a um ritmo assustador, junta-se à desertificação avassaladora de milhões de quilómetros quadrados por todo o globo, ao desaparecimento de lagos e lagoas, ao degelo dos glaciares e à consequente elevação do nível das águas nos oceanos.

Estes novos paladinos da Fome, minha querida, são agora apoiados por hordas de humanos negacionistas, que negam os factos científicos, associados aos fanáticos hooligans das teorias da conspiração e aos destrutivos radicais de direita apostados na instalação do caos.

Ciumento e conflituoso, o imprevisível Cavaleiro da Guerra, caríssima, aproveita-se de toda a situação para germinar um caminho seguro para o Apocalipse. Com efeito, a sua entrada em força no final do primeiro quartel do século XXI, não beneficia, de modo algum, a paz e a harmonia.

Com o seu apoio o Cavaleiro da Fome propaga-se de África para todo o mundo. A seu lado, amiga, está a seca extrema, em certas áreas do planeta, ladeada pelas chuvas devastadoras, por inundações e por cheias sem precedentes nos últimos séculos. Os povos tentam migrar fugindo à desgraça, que nunca vem só, criando mais conflitos, aumentando devastadoramente os fenómenos da xenofobia, do racismo, da homofobia, entre outros, proporcionando o aumento de ódios e o crescimento exacerbado do populismo fácil, destinado a aumentar o caos.

O Cavaleiro da Guerra rebenta com a pacífica Europa, com Médio Oriente, e, mais disfarçadamente, minha cara, com quase todo o mundo. A China sedenta por Taiwan, a Rússia pelo regresso do Imperio Soviético, Israel disposto a extinguir o povo palestiniano, como se um ataque que ceifou um milhar de israelitas pudesse justificar o genocídio. Já não bastavam o crescendo número de focos terroristas por toda a parte, agora, a guerra contra a Ucrânia chama-se Operação Especial e ser procurado pelo Tribunal Penal Internacional aparenta ser um estatuto de prestígio dos novos “democráticos” líderes mundiais.

O Cavaleiro da Morte, autoproclama-se de Imperador do Mundo e nesta calma aparente em que a comunicação social tudo relativiza, Berta, os cães ladram e a caravana passa. O que tiver de ser… será… e assim me despeço, com um beijo,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta nº. 339: Os Novos 4 Cavaleiros do Apocalipse - Morte - V/VI

Berta 339.jpg Olá Berta,

Esta é a quinta carta que te escrevo sobre os 4 Cavaleiros do Apocalipse. Desta vez para te falar do cavaleiro do cavalo preto, o último dos 4, cuja força reside na forte união que partilha com os outros 3, a Morte. Não é comum, nos dias que correm ouvirmos a palavra. Com efeito, cara confidente, a comunicação social, tem vindo a aprimorar a forma gentil como fala de Morte, principalmente da Morte de seres humanos.

Em situação de Guerra não nos comunicam o número de Mortos, nada disso, falam do número de Baixas, no caso da Fome escutamos a palavra Óbitos, para a Peste, por seu turno, a escolha recair sobre o termo Vítimas. E mesmo quando falam especificamente dos Mortos a palavra é substituída por Falecimentos ou Falecidos. O ridículo, amiguinha, é quando substituem a frase “aqueles que já morreram” pela simpática expressão “aqueles que nos deixaram”.

Os sinónimos são tantos que nos parecem realidades paralelas que nos fazem esquecer a Morte. Falam de Desaparecidos, de Massacrados, de Abatidos, de Trucidados, de Chacinados, de Sacrificados, de Extintos, de Fuzilados, de Finados, de fatalmente Atingidos e Alvejados ou, ainda os Baleados. Relatam os Assassinados, os Martirizados, os Cadáveres e os Corpos, mas, minha cara, evitam os Mortos.

Quando o Rei faz anos, e quando já não dá mesmo para esconder, lá aparece a Morte, os Mortos e a Mortandade, mas é raro, muito raro. Todos os termos são bons para transformar a Morte em algo que parece menos grave do que a verdadeira realidade. Efetivamente, minha querida, é mais fácil ouvir falar em velar o Defunto do que o Morto, como se este pudesse ficar ofendido pelo uso do termo e, quiçá, virar Alma Penada.

A realidade, cara amiga, não precisa de tantos floreados, todos sabemos, desde muito cedo, que o avô não Partiu, mas que Morreu. Para Morrer, aliás, já diz o povo, basta estar vivo. É algo que faz parte da condição humana, das especificidades de todos os seres vivos.

É conhecida a lenda da fonte da juventude, o desejo profundo de enganar a Morte, ficando para sempre jovem e saudável, mas mesmo que a fábula, como por milagre, se tornasse realidade, Bertinha, mesmo assim, a Morte podia acontecer acidentalmente, por muito que fossemos jovens e saudáveis.

Não há como enganar o Derradeiro Destino, chamado Morte. Ele vai vir, vai chegar e vai acontecer, quer queiramos quer não. Pode estar na moda tentar disfarçar a dureza dos factos e da vida, podem existir mil termos para não falar de Morte, mas não é por isso que ela deixa de existir. Por hoje é tudo, Berta, voltarei, para o epílogo final um destes dias. Beijo deste teu amigo de sempre,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta nº. 338: Os Novos 4 Cavaleiros do Apocalipse - Peste - IV/VI

Berta 338.jpg Olá Berta,

Nesta quarta das 6 cartas sobre os regressados 4 Cavaleiros do Apocalipse, o assunto deriva para a Peste, um mal que nunca vem só. Hoje em dia, minha amiga, com a evolução da medicina, já não se fala desse termo arcaico e em desuso que dava pelo nome de Peste. Nos nossos dias a Peste chama-se Pandemia e é mais mundial do que nunca, no entanto, continua a ter os seus efeitos mais devastadores nas classes mais baixas da sociedade.

Seja por falta de informação, seja por falta de espaço para confinamentos, seja por dificuldades de isolamento dos infetados nos estratos mais baixos seja porque, nestas coisas o mexilhão é sempre quem mais se lixa, cara confidente. A Covid-19 é apenas a última forma pomposa de se falar em Peste.

Este flagelo, que ceifa a vida de milhões em todo o mundo, nem se sabe bem como surgiu. Os adeptos das teorias da conspiração, ainda sem estudos que o comprovem, afirmam ter a Covid-19 sido criada, em laboratório, pelos chineses, que podem ter espalhado deliberadamente a fatídica maleita. Outros afirmam, Bertinha, que os culpados continuam a ser os chineses, mas por comerem animais infetados como morcegos, como se os hábitos alimentares de um país ou de um povo pudessem, por si só, ser justificativos de uma Pandemia global.

Há até governantes responsáveis no mundo ocidental a declarar, com a maior das latas, que a pandemia é uma invenção conspirativa, que visa confinar e controlar as pessoas. Exemplos como Donald Trump, nos Estados Unidos da América, ou Jair Bolsonaro, no Brasil, caríssima, estão no pote dos casos mais evidentes.

À custa deles, e das seitas que os seguem, perdem-se milhões de vidas humanas por falta de medidas preventivas. Os Negacionistas são outra Peste igualmente perigosa nos dias de hoje. Apenas existe neste tipo de gente uma preocupação: a manutenção do poder do líder a qualquer custo. Na verdade, minha querida, os exemplos são, infelizmente, mais do que muitos.

Depois temos, por outro lado, os oportunistas. Uma quantidade de negócios que exploram as fraquezas humanas para prosperarem no seio da desgraça. É o caso das empresas farmacêuticas, cara amiga, que enchem os cofres à custa da Peste, sem grande preocupação em fazer dos povos cobaias, na procura interesseira de uma solução, que lhes dê o esperado rendimento.

Esta gente arranjará por certo, uma, duas, dez soluções, mas, infelizmente, nenhuma delas será altruísta. Os países que podem pagar, principalmente os mais desenvolvidos, estarão sempre na linha da frente, amiguinha, enquanto os outros terão de aguardar pelas migalhas, enquanto o seu sistema de saúde putrifica nas bases.

Não será a Covid-19, a última Peste do século XXI, enquanto o lucro e o poder forem os únicos valores dos ricos e poderosos, continuaremos a assistir ao aparecimento de outra Peste qualquer, seguida de outra e de mais outra. O imperialismo e o capitalismo desregulados até já inventaram uma nova forma de serem servidos disfarçadamente aos povos. Agora, Berta, são chamados pelo termo pomposo e fofinho de Liberalismo. Amanhã entro na quinta carta, contudo, por hoje fico-me por aqui, recebe um beijo saudoso, deste amigo do coração,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta nº. 337: Os Novos 4 Cavaleiros do Apocalipse - Fome - III/VI

Berta 337.jpg 

Olá Berta,

Nesta terceira das 6 cartas sobre os regressados 4 Cavaleiros do Apocalipse, vou falar-te da Fome, um flagelo cada vez mais agressivo que é proporcional ao aumento acelerado e progressivo das desigualdades sociais no mundo inteiro, minha amiga. Com efeito, a frase popular: “os ricos que paguem a crise”, devia, neste momento, já ter força de lei na maioria dos países. A miséria alastra nas classes mais baixas da sociedade, sugando, à sua passagem, os estratos mais baixos da antiga classe média.

No final do século passado, cara confidente, quando se ouvia a comunicação social falar de Fome eramos normalmente conduzidos a imagens de África, onde crianças subnutridas enchiam os televisores, com um ar miserável e os corpos esqueléticos cobertos de moscas, contrastando com as habituais barrigas imensas próprias da carência alimentar.

Porém, Bertinha, passadas 2 décadas depois de se entrar no século XXI a Fome está por todo o lado. Mesmo uma grande fatia das populações dos apelidados países desenvolvidos tem, atualmente, uma faixa de população urbana e trabalhadora que não consegue, com o que recebe de salário, mensalmente, pagar habitação e ter uma alimentação condigna com a sua própria condição de ser humano produtivo. A Fome alastra, escondida e envergonhada não apenas em África, mas em todo o mundo.

Mas, minha querida, com a globalização do fenómeno, os meios de comunicação deixaram de nos falar de Fome, isso parece muito dramático e trágico para países europeus, ocidentais e evoluídos. O eufemismo utilizado, com que agora se referem à Fome é: Crise.

Crise serve para tudo. Serve, caríssima, para esconder que os ricos estão cada vez mais ricos à custa da crise, serve para sobrecarregar de taxas e impostos a população que depende de um salário ao final de cada mês, serve para justificar a subida dos combustíveis, serve até para nos tratarem como se fossemos todos muito estúpidos e não fossemos capazes de analisar que 3 quartos da crise é artificial e visa enriquecer mais ainda uma pequena minoria.

Pior ainda, a palavra crise, minha amiga, serve para esconder a Fome. Como é preciso comer, quem tem o dinheiro contado, acaba por recorrer à comida barata, cheia de gorduras, de corantes e conservantes e coisas mais enervantes, cheias de emulsionantes, que provocam colesterol, problemas digestivos, cardíacos, obesidade e até cancro.

Depois, amiguinha, do alto da sua sabedoria, somos informados cinicamente, pelas empresas dos ricos que devíamos ter uma alimentação saudável e “oferecem-nos”, a pagar, uma série de soluções que passam por ginásios, veganismo, nutricionistas e especialistas em retirar mais a quem já nada tem. Porquê?

Porque é sempre possível esmifrar mais um pouco. Afinal, é tudo para o nosso bem. Em Portugal, por exemplo, ainda nos insultam a dizer que somos pouco produtivos. Quem tem Fome ou, usando o vocabulário atual, sente a Crise todos os dias no bolso e no estomago, tem de ser mais produtivo porque assim mandam os ricos e poderosos. Estou, Berta, farto de tanta hipocrisia. Por hoje, fico-me por aqui. Deixo um beijo de até amanha, este teu eterno amigo,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta nº. 336: Os Novos 4 Cavaleiros do Apocalipse - Guerra - II/VI

Berta 336.jpg Olá Berta,

Nesta segunda de 6 cartas sobre os renovados 4 Cavaleiros do Apocalipse, vou falar-te da Guerra, que se tem vindo a desenvolver usando outros nomes mais imaginativos, pseudónimos que tentam esconder ao que vem, para que não se dê conta, cedo demais, do seu verdadeiro objetivo, minha amiga.

Às portas da terceira década do primeiro século do terceiro milénio d.C., a famígera usa agora, minha cara, nomes diferentes como, por exemplo, cibercrime, terrorismo (um termo que tem vindo a ganhar valoração própria desde o quarto quartel do século XX), nova ordem, “fakenews”, distorção histórica e sensibilidade hipócrita. Há mais, mas estes são apenas padrões entre outros.

Voltemos, amiguinha, à guerra, deste novo século. Desde 2000 que a Bielorrússia e a Rússia assinaram um tratado de cooperação, indicando uma possível formação de uma União Estatal. Esta foi a forma dissimulada com que Putin, com o conluio de Alexander Lukashenko, se tornou dono e senhor da denominada Rússia Branca (tradução de Bielorrússia), mantendo um fantoche no poder.

Foi neste formato, minha querida, num golpe de estado apelidado de tratado, que um país recentemente separado da antiga União Soviética, e a prosperar em democracia, se viu novamente sob o jugo do poder do novo Czar russo, Vladimir Putin. Também sob o jugo russo ficou a Venezuela, graças à forjada reeleição de Nicolás Maduro, em 2018, que se tornou assim um falso democrata. Um ditador que transformou um país próspero numa terra de corrupção (um outro nome da nova Guerra), enfim, numa nação à beira da miséria.

Com Bin Laden, em setembro de 2011, a palavra terrorismo ganhou folego para traduzir mais um aspeto assumido da nova Guerra. Com efeito, doce confidente, por toda a Europa se seguiram atentados, atos terroristas e tentativas de instalar o caos. Culpando o todo pela parte, o Ocidente ganhava uma nova aversão aos árabes, aos muçulmanos e a Guerra, Bertinha, rapidamente adotou os conceitos de racismo, xenofobia, supremacia branca, com rancor pela igualdade de género ou pela liberdade sexual dos indivíduos que tão justamente vinha em crescendo.

Um vento de direita, impulsionado pela revolta (nome oculto da Guerra) fazia renascer o machismo, gerava conflitos religiosos entre católicos, protestantes, evangelistas, muçulmanos, só para citar alguns. Por outro lado, ajudava a conflitos contra o Irão, contra a Rússia, que entretanto ocupou a Crimeia, gerando por toda a parte o aparecimento de líderes sem espinha vertebral, capazes das maiores mentiras e teorias da conspiração, como se tudo fosse, cara amiga, tão normal como beber água. As ideias de direita ajudavam à Guerra e ao conflito.

Subitamente ascenderam ao poder pessoas como Viktor Orbán, na Hungria, Erdogan na Turquia, Donald Trump, nos Estados Unidos, Jair Bolsonaro no Brasil, Benjamin Netanyahu em Israel, e os exemplos não vão parar de crescer, minha querida. Não importa que se prometa, mentido, o paraíso aos carneiros, o sentimento de frustração e abandono dos mais desfavorecidos, dos ignorantes e a ascensão dos oportunistas, vai ajudar a fazer crescer a direita, novamente, como se de uma coisa normal se tratasse, conduzindo a manada que, entretanto, cegou.

A ideia, Berta, é banalizar conceitos antidemocráticos como sendo estes os verdadeiros representantes da nova verdade. Centralizar o poder e voltar a valores arcaicos e feudais de modo a que se possam voltar a instalar ditaduras como se de democracias se tratassem. A guerra agora é outra, mas poucos se dão conta do caminho que está a ser encetado paulatinamente. Enfim, amanhã falarei da fome. Recebe um beijo deste teu amigo do peito,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta nº. 335: Os Novos 4 Cavaleiros do Apocalipse - Introdução - I/VI

Berta 335.jpg Olá Berta,

Ao entrarmos na terceira década, do primeiro século do terceiro milénio d.C., pairam no ar notícias de 4 renovados Cavaleiros do Apocalipse. Na verdade, minha cara, embora aparentem ser novos cavaleiros apenas a roupagem é diferente e simplesmente muda a forma e o feitio do embrulho com que nos são presenteados.

Nesta carta e nas próximas 5 seguintes, vou tentar dar-te a conhecer, o melhor que posso e sei, aquilo a que me refiro. Serão, portanto, um total de 6 cartas sobre estes obstinados personagens que nos invadem o quotidiano. Esta é, Bertinha, a carta introdutória de apresentação dos cavalgantes. Antigamente eles eram perfeitamente identificáveis, o primeiro era a Guerra, sempre montada num cavalo malhado de cor indefinida entre o cinza e castanho. 

O segundo era a fome, que galopava embalado pelo primeiro, num garanhão creme, de crina ruiva, quase vermelha, determinado a levar a melhor sobre as gentes que encontrava no seu caminho. Sem se importar minimamente se ao passar devastava ou não, amiguinha, uma população amedrontada que tentava, a todo o custo, sobreviver. Unicamente focado em servir a causa dos 4 emissários.

O terceiro era a peste, que ajudava os 2 primeiros a manter o foco da missão, transportado pelo seu alazão branco, de meias negras, que sem piedade pisava e destruía a saúde daqueles que com ele se deparavam à sua passagem. Tudo porque, doce confidente, o seu objetivo era mesmo o de massacrar seres humanos. Sendo, como todos os outros, absolutamente insensível ao padecimento das suas vítimas, fossem elas homens, mulheres ou crianças.

O quarto era a morte, que trotava uma besta negra reluzente, enorme e possante, suportado pelo apoio dos outros 3 cuja missão era, minha querida, apenas e só ceifar vidas. Um verdadeiro colecionador de almas, corações, corpos e seres. Temido por não poupar nada, nem ninguém, na sua rota devastadora com destino ao abismo dos mortais, relegados à cova escura dos estros sem saudade ou esperança.

O facto de todos eles terem nomes femininos, Berta, era apenas mais um logro. Afinal, guerra, fome, peste e morte eram uma maneira, pouco subtil, de dizerem ao que vinham, sacudindo a água dos seus próprios capotes. Desprovidos de piedade e consciência, toda a vida, escudados nos seus contos e mentiras.

Amanhã, falo-te de como o primeiro destes cavalgantes iniciou o seu adaptado trotar neste princípio do terceiro milénio. Não mudou de nome, apenas adotou mais uns pseudónimos, para tentar passar despercebido no início da sua viagem pelos dias que correm. Deixo-te um beijo de despedida, alma gémea, com carinho, deste teu amigo de sempre,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta: O Porquê da Campanha da Bandeira Azul

Berta 81.jpg

Olá Berta,

Comecei este ciclo de cartas sobre o ambiente e não falei até ao momento daquele que é o mais antigo e permanente programa ambiental nesta transição de milénios em Portugal. O adiamento teve a ver, principalmente, por não saber, numa altura em que estamos em pleno inverno, se era relevante referir uma Eco Crónica, feita para o Expresso, em que, a Voz da ABAE explicava ao público em que consistiam as Campanhas Anuais da Bandeira Azul.

Contudo, acho que tem muito a ver com aquilo que te venho referindo, minha amiga, porque, até o banho se deseja sustentável… afinal, todos nós, ou pelo menos a maioria dos portugueses, gostamos de “ir a banhos” sempre que uma época balnear tem início. É natural, é próprio de um povo banhado pelo oceano, e está-nos na “massa do sangue”. Hoje em dia a praia tornou-se um bem, um prémio sublime após cada ano de trabalho, um ponto de vital interesse para os turistas que nos visitam em busca de Sol e Mar.

A praia traduz-se, neste despontar do Terceiro Milénio, numa oportunidade de usufruto de algo superiormente relaxante, na demonstração de uma determinada qualidade de vida, numa fonte de receita turística que parece infindável como o próprio oceano, que tão gentilmente banha todo o nosso vasto litoral. Bronze é status! Mar é surf, bodyboard e desportos radicais!

Praia é prazer, relaxe, turismo, ou seja, recurso natural com propriedades únicas. Mas nem sempre aquilo que parece é. O recurso natural e infindável tende a desaparecer a “olhos vistos”. O problema: somos nós mesmos. A matéria-prima está cada vez mais contaminada. Lixo, poluição marítima das águas que banham as praias, estruturas mal concebidas para exploração do recurso, enfim… a lista parece nunca mais ter um fim que se considere aceitável.

Devido a toda esta problemática, Berta, era imperativo educar, mas educar ambientalmente, ensinando os utilizadores e os exploradores deste precioso bem a preservá-lo. A ABAE, sendo uma associação diretamente vocacionada para a educação ambiental, tomou a seu cargo, há mais de 15 anos, o papel de moderadora e conselheira, tornando-se numa verdadeira orientadora, no que às boas práticas e respetivos cuidados importava levar em linha de conta, para que o uso das praias se apresentasse cada vez mais como um recurso reutilizável com qualidade.

Ao lançar a Campanha Bandeira Azul em Portugal a ABAE, membro da internacional Fundação para a Educação Ambiental (FEE), já lá vão mais de 30 anos, resolveu premiar anualmente os municípios que defendem as suas praias, cumprindo e fazendo respeitar um conjunto rigoroso de critérios de qualidade praia a praia, caso a caso. O intuito não apenas tinha como preocupação o uso devido dos recursos disponíveis, mas também ensinar como fazê-lo.

Para uma praia poder aspirar a uma Bandeira Azul passou, então, a ser necessário, que o município onde esta se encontra, se candidate ao galardão. Para o fazer, porém, tinha, e tem, de reunir, em torno da praia ou praias que escolher, uma série de qualidades balizadas por critérios bastante rigorosos e apertados. Qualquer praia pode-se candidatar, desde que esteja oficialmente designada como Zona Balnear (nacional ou internacionalmente) pela entidade responsável e desde que cumpra os requisitos que lhe são exigidos.

Existiam, e mantêm-se, 2 tipos de critérios distintos na candidatura ao Galardão. Os imperativos, que implicam a obrigatoriedade do seu cumprimento absoluto e os critérios tipo guia, que apontam linhas de conformidade a cumprir uma vez que, eles próprios, tendem a evoluir, gradualmente, para se tornarem critérios imperativos.

Os 2 tipos de critérios encontram-se ainda divididos em três grupos chave: Qualidade da Água de Banho; Informação e Educação Ambiental; Gestão Ambiental e Equipamentos. Todos os grupos são classificados por valores imperativos (que têm de ser cumpridos) e valores guia (que se aconselha o cumprimento), mas não importa agora descrevê-los. Importa reter sim, é a noção de que se, por exemplo, a Qualidade da Água de Banho não se encontrar dentro dos parâmetros imperativos a praia não recebe o galardão ou este pode mesmo ser-lhe retirado a meio de uma determinada temporada.

Todos nós, ou pelo menos a maioria dos portugueses gosta de “ir a banhos” sempre que uma época balnear tem início. É natural, é próprio de um povo banhado pelo oceano, e está na nossa própria génese. A Campanha Bandeira Azul apenas nos ajuda a cumprir, com segurança, qualidade, informação e conhecimento, esse prazer nas nossas praias, assim como contribuir para que os recursos possam manter a longevidade que todos desejamos. “Bons banhos, Portugal” é, sem dúvida alguma, o fito último destas campanhas e foi este objetivo de guia e orientador que manteve vibrante, viva e atuante a própria campanha ao longo de todos estes 30 anos.

Contudo, pese embora a sua extrema importância, há um outro critério que a associação mantém sobre vigília, mas que continua sem entrar nas contas das atribuições dos galardões da Bandeira Azul. Estou a referir-me à qualidade das areias nas praias em todo o território nacional.

Em 2002 a ABAE lançou um programa importantíssimo de monitorização da qualidade das areias em zonas balneares, em parceria com diferentes entidades, que variaram ligeiramente ao longo dos anos, entre as quais o Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (INSA), diferentes e variadas Câmaras Municipais, e as diferentes entidades que mais tarde foram agrupadas na APA (a Agência Portuguesa para o Ambiente).

Uma imensa quantidade de amostras das areias balneares foi sendo recolhida em mais de 30 zonas distintas, tendo revelado, em cerca de 20 por cento delas a existência de fungos e bactérias, entre elas a “E.coli”, embora estes microrganismos surgissem em valores abaixo dos máximos admitidos, na maioria das praias, segundo os dados apresentados nos estudos laboratoriais encomendados ao Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (INSA) e com o apoio da Agência Portuguesa do Ambiente (APA).

Estas iniciativas, sobre a Monitorização da Qualidade das Areias em Zonas Balneares, da Associação Bandeira Azul da Europa, passaram a ser divulgadas, anualmente, em relatórios, que são habitualmente publicados e também difundidos pela Agência Lusa, para que os seus resultados cheguem facilmente à generalidade dos utentes, exploradores e utilizadores das praias portuguesas.

Importa referir, que, à medida que a segurança e qualidade das zonas balneares se for desenvolvendo, não será de estranhar que a qualidade das areias passe a constituir um critério de igual valor aos até agora adotados. Apenas é preciso arranjar, amiga Berta, os mecanismos de agilização da recolha, análise e interpretação dos resultados em tempo útil, como já se consegue fazer com as análises referentes à qualidade das águas do mar.

Nas nossas praias é fácil encontrarmos a presença de “fungos leveduriformes”, de “fungos filamentosos” que são potencialmente patogénicos ou alergénicos, bem como a de “fungos dermatófitos”.

Por outro lado, no que às bactérias diz respeito, os aparecimentos mais frequentes são as da “Escherichia coli”, “coliformes e enterococos” intestinais. Contudo, estamos longe de concluir e garantir que a presença destes microrganismos, nomeadamente das bactérias, dê origem ao desenvolvimento de uma doença ou outra doença. Aliás, afirmam os especialistas, ter fungos ou bactérias não quer dizer que as areias das zonas balneares tenham má qualidade.

A única coisa que é certa é que existem vários fatores que influenciam negativamente a qualidade das areias e que importa monitorizar, minha  querida amiga, sendo os principais o lixo abandonado na areia e nas dunas, a sobrelotação de diversas praias por parte dos utilizadores, as atividades piscatórias com rede junto das zonas balneares e o respetivo abandono na areia de peixes e crustáceos não comercializáveis, a admissão de animais domésticos sem recolha imediata das suas fezes, a presença significativa de aves marinhas e o abandono de matéria orgânica disponibilizando-a no meio envolvente da praia.

Para resolver estas, e outras situações de menor importância, é recomendada a recolha frequente do lixo abandonado na areia, bem como a remoção mecânica e diária dos lixos, se possível associada ao revolver do areal, arejando-o e renovando a sua exposição aos raios UV do Sol. Para além disso, é importante a colocação de recipientes de lixo adequados às dimensões das praias e dos espaços adjacentes e a limitação do acesso às praias por trajetos bem definidos, sem com isso retirar o espaço necessário ao lazer circundante.

Outra área fundamental, que não pode, nem deve, ficar esquecida, é a da prevenção, implicando a realização de análises às areias ao longo de todo o ano para que se possa constituir um perfil da qualidade de cada praia, tornando assim possível a prevenção e a criação de métodos adequados para que se evitem os picos de contaminação microbiológica.

As alergias respiratórias, as renites alérgicas, o aparecimento de fungos na pele, entre outros problemas menos repetidos, estão dentro dos problemas mais frequentes das zonas balneares menos cuidadas, cara Berta. Falta ainda salientar que é igualmente importante identificar, vigiar e tratar, se necessário, outras fontes de contaminação adjacentes às praias como, por exemplo, a existência de cursos de água afluentes junto às zonas balneares, como é o caso das ribeiras.

Outra coisa que se deveria evitar é o ciúme demonstrado entre as diferentes associações ambientais, que tentam de todas as formas roubar protagonismo à associação rival. Um bom exemplo disso foi (e ainda é) a criação por parte da Quercus do galardão “Praias de Qualidade de Ouro” em concorrência nítida com as praias de Bandeira Azul atribuídas pela ABAE. A duplicação de recursos não só não é benéfica como confunde o público em geral. Eu sou, minha amiga, pelo ditado que afirma “cada macaco no seu galho”.

A Quercus não precisa de ter protagonismo nesta área, tem uma dinâmica bem enraizada noutras áreas da defesa ambiental e por aí se deveria manter. Mas isto sou eu a pensar, que nada tenho a ver com o assunto.

Muito mais haveria a dizer sobre toda esta temática, mas julgo, minha amiga, que ficaste com uma ideia geral sobre a Campanha da Bandeira Azul da Europa que era o que nesta carta importava referir. Despeço-me com um beijo, este teu saudoso amigo de sempre,

Gil Saraiva

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em destaque no SAPO Blogs
pub