Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Carta à Berta / Desabafos de um Vagabundo / Miga, a Formiga / Estro

Julho de 2022: blogs do Senhor da Bruma, assinados por Gil Saraiva, são reunidos em "alegadamente": Estro (poesia), gilcartoon (cartoons) e Desabafos de um Vagabundo (plectro). Tudo deve ser entendido no âmbito do alegadamente.

Julho de 2022: blogs do Senhor da Bruma, assinados por Gil Saraiva, são reunidos em "alegadamente": Estro (poesia), gilcartoon (cartoons) e Desabafos de um Vagabundo (plectro). Tudo deve ser entendido no âmbito do alegadamente.

Carta à Berta n.º 606: Marta Temido Demite-se (Delfins 4 de 5)

Berta 606.jpg Olá Berta,

Já deves ter visto nas notícias, amiga, que Marta Temido, a Ministra da Saúde, apresentou na quarta-feira passada a sua demissão. O caso de Marta estava tremido e o que antes era temido tornou-se realidade. A super-ministra sai, a nova militante do PS desliga-se do Governo, a quinta Delfim de António Costa vira bacalhau com natas. Porquê?

Não é, certamente, Berta, pela morte de mais uma grávida às portas do SNS, conforme anuncia a comunicação social. Nada disso! Nem é cansaço com o peso do cargo, porque Marta pode bem com algum excesso de peso. Nem sequer é porque se tornou incompetente devido aos problemas que se agravam no seio do Serviço Nacional de Saúde.

Nem mesmo será por motivos pessoais, porque, nesse caso, não se ia manter no cargo até lhe ser possível apresentar a restruturação que tem programada para o Ministério, no âmbito do SNS. Nem tão pouco, minha querida, é devido às múltiplas calinadas da Direção Geral de Saúde e do comportamento errático da sua Diretora Geral, Graça Freitas, tornada, pela Covid-19, a taralhouca do Ministério.

Marta Temido, ao contrário dos companheiros de Astérix na BD, não teme que o céu lhe caia em cima da cabeça, Berta. O que faz tremer Marta é o novo Arséne Lupin, de nome Fernando Medina, que conspira, qual doninha fedorenta, nas catacumbas sombrias do Ministério das Finanças.

Porém, ao contrário do famoso ladrão da literatura francesa, amiguinha, este Arséne, tem mais de Arsénio do que de Arséne e se Lupin queria dar uma ideia de Loup (lobo em francês) ou seja, um predador bonzinho que roubava os ricos, distribuía pelos pobres e contentava-se com uma mera comissão pelos seus serviços, o nosso Arsénio é mais Lupin no verdadeiro sentido da palavra em francês (uma vez que Lupin é a palavra francesa para tremoço), é mais, dizia, um tremoço, ou seja, um tipo que não sabe a nada, nem nada sabe, a não ser que sendo um tremoço de Arsénio, é efetivamente um composto mortal. Seca tudo à sua volta.

Se não se adequa a Medina o lobo, já a raposa, cruzada com um vampiro, é bem mais adequada para o nosso Arsénio. Este animal, graças à sua fusão com o venenoso elemento, o Arsénio, na sua fatiota preta, consegue, minha querida, passar disfarçadamente pelos pingos da chuva, sem que ninguém se aperceba bem da sua letal figurinha insignificante. Sim, porque, Fernando Medina, enquanto homem de pequeno porte, nada tem de bailarino. É muito mais um velhaco cínico de sorriso sibilino.

Isto vem, Berta, desde que António Costa o escolheu como Delfim, nos tempos da Câmara Municipal de Lisboa como presidente, para seu sucessor na autarquia de Lisboa. Medina tem de soberba o que Temido tem de capacidade. E este Delfim penteadinho não vai descansar enquanto não limpar do executivo todos os outros Delfins de Costa.

O escorregadio e sebento Delfim continuará a sua senda de eliminar, caso a caso, as duas Ministras políticas de Costa, bem como o barbudo responsável pelas Cavernas, Infraestruturas e Transportes, esse novo Brejnev Coração-de-Leão que cuida da TAP como se ela fosse sua filha porque, minha amiga, Fernando Medina é, mais uma vez, recorrendo à Banda Desenhada de Goscinny, como o Grão-Vizir Iznogoud (leia-se “he’s no good”, ou seja, “ele não presta”). Ele quer ser Califa no lugar do Califa. Ele quer ser, em suma o sucessor de António Costa. E não se vai inibir de, na devida altura, espetar a faca nas costas largas de Costa.

Face ao que já referi, cara amiga, nem sequer considero que esteja em causa a capacidade de Marta para reestruturar as carreiras Médicas, de Enfermagem e dos respetivos Auxiliares no seio do Serviço Nacional de Saúde, penso até que ela sabe bem como reformular a gestão hospitalar e o restante SNS, porém, nada pode fazer contra o tenebroso Arsénio. Também sei que não devo escrever este tipo de afirmações sobre o nosso Ministro das Finanças, pelo que, reitero que as minhas conjeturas se alojam no nublado mundo daquilo que poderia ser alegadamente verdade, mas que só o será depois de provado com factos e evidências.

É claro que, sobre Fernando Medina, o que atrás vai dito apenas são as minhas alegadas conclusões do seu comportamento político, mas posso estar enganado e tratar-se de uma pessoa que até seja um verdadeiro poço de virtudes, mas, Berta, embora não tenha olho clínico estou longe de pensar estar a errar.

Tenho pena de ver sair Marta Temido, mas esta batalha foi vencida por outro Delfim… talvez nem mesmo um Delfim, mas antes um tubarão branco disfarçado de golfinho, não há como saber, pelo menos por agora, deixemos o tempo correr e vamos esperar pelo desenrolar dos acontecimentos… deixo um beijo de despedida, querida amiga,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta n.º 598: Os 4 Cavaleiros da Minha Indiferença - Parte I/IV - SNS e Covid-19

Berta 598.jpg Olá Berta,

Sabes, minha querida amiga, a maior parte das notícias de hoje em dia consegue fazer-me atingir um tal grau de saturação que eu nem vontade tenho de expressar a minha opinião sobre elas. Porém, há alturas em que a minha indignação me faz explodir e desabafar. Vou-te dar apenas quatro exemplos, em quatro cartas e nem sequer me vou alongar muito em volta deles para não partir para o insulto.

Como as cartas que te escrevo, cara Berta, estão incluídas no meu blog “alegadamente” e tudo o que eu te digo é enquadrado dentro do domínio do supostamente em vez do campo da realidade, espero evitar com isso ter de ir a tribunal defender as minhas ideias. Não sei se as vais achar absurdas ou claras e evidentes, mas isso já é responsabilidade tua e depende exclusivamente do teu entendimento sobre elas. Nesta e nas próximas três cartas vou-te relatar os meus quatro exemplos tentando não me alargar demasiado.

Vamos às situações concretas. Vou começar, minha amiga, pela ocultação governamental dos dados sobre a Covid-19. Conforme já te disse um dia, Portugal ocupa, em número de habitantes, se considerarmos a atualização dos censos de 2021, o lugar 87 entre os 228 países e territórios do globo. Quando a pandemia começou e durante quase um ano, ocupámos a posição 43 no ranking dos mais infetados, o que não era assim tão mau pois estamos exatamente colocados no centro geográfico do chamado mundo ocidental.

Assim, Berta, se pegares num mapa-múndi e desenhares uma circunferência cujo raio apanhe a costa leste dos Estados Unidos da América, tendo a nossa capital como centro, facilmente verificarás que deixamos de ser um país periférico da Europa, para passarmos a ser o centro do mundo ocidental, não só apanhamos os EUA e o Canadá, como o México e o Brasil, ou boa parte de África, toda a Europa e uma fatia da Ásia. Esta evidência coloca-nos no centro geográfico do universo ocidental. Por isso, somos ponto de passagem para gente do todo o Ocidente. Não por sermos bonitos, mas porque estamos no caminho de quase todas as deslocações de pessoas entre continentes nesta parte do globo.

É isso que justifica, minha querida, não termos tido infeções de Covid-19 proporcionais ao nosso número de habitantes, mas o dobro disso. Como ponto de passagem estamos muito mais sujeitos a levar com todas as influências ocidentais quer sejam as boas, quer sejam, logicamente, também as más. Não há volta a dar neste assunto.

Ora, Berta, durante 2020, o primeiro ano da pandemia, portámo-nos que nem heróis e fomos diversas vezes apontados, neste mundo Ocidental, como um exemplo a seguir no que ao combate à Covid-19 dizia respeito, porém, graças ao desleixo das festas natalícias de 2020, fomos atacados forte e feio por uma variante da Covid-19 que matava a torto e a direito e nos meses de fevereiro e março de 2021 a desgraça foi total. Depois de algumas trapalhadas, pois não vale a pena chover no molhado, lá conseguimos voltar a exemplo máximo do Ocidente ao termos colocado um vice-almirante no comando da vacinação nacional contra a Covid-19.

As coisas correram até melhor do que era esperado, minha querida, e as mutações do vírus, para versões cada vez menos mortais no seio dos vacinados, tiraram-nos a pressão de cima. Assim que isto aconteceu, o Governo cansado de ser quase transparente (quase, porque nunca divulgou, por exemplo, o número de infetados por freguesia, embora tivesse esses dados) resolveu voltar à opacidade.

Promoveu, por um lado, cara amiga, o vice-almirante a almirante e devolveu-o à Marinha e até o fez chegar a Chefe do Estado Maior da Armada. Por outro lado, deixou de divulgar os dados da Covid-19 de forma diária, passando a semanal, mas agora com muito menos parâmetros divulgados. Já ninguém sabe sequer quantos internados por Covid-19 temos no SNS e, muito menos, quantos estão nos cuidados intensivos.

É saturante ver como o Estado nos tenta manter distantes da realidade, querida Berta. Desde o regresso ao obscurantismo da nossa Direção Geral de Saúde e de todo o Ministério da Saúde, que tudo se agravou, sem que o soubéssemos. Temos receitas da inflação a acumular nos cofres do Estado, mas as urgências do país em colapso total, o SNS a degradar-se e a Covid-19 a sair de controlo. Tudo isto não é mais grave não porque, realmente, não o seja, mas porque o Governo oculta um enorme manancial de informação.

Podes querer, Berta, que tudo está bem pior do que imaginamos, todavia, a gravidade das situações vai trazendo à ribalta aquilo que, rebentando pelas costuras, aqui e ali, nos vai levantando pontas de um imenso véu. É isto que me dá vontade de nem ligar, de deixar de ouvir, de me sentir farto por dentro, mesmo, às vezes, sem saber bem o porquê de esse sentir tão pegajoso.

Hoje, minha querida, por acaso, fui ver os dados mundiais relativos à Covid-19 e fiquei parvo com a situação de Portugal. Eramos o quinto país do mundo com mais testes por habitante, e tínhamos mais de quarenta países à nossa frente no ranking dos mais infetados.

Hoje somos o vigésimo segundo país com mais infeções desde o início e o vigésimo quinto com mais testes por milhão de habitantes, mas a coisa é inacreditável, pois, pela informação disponível, uma em cada duas pessoas em Portugal já teve Covid-19, num total de 5 milhões e 400 mil portugueses, ou seja, já ultrapassámos os 50% de população infetada. Com quase 25 mil mortos por Covid-19 até à data. Às vezes, sinto-me triste por sermos governados desta maneira, muito triste. Deixo um beijo de amigo,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta n.º 577: Alerta DGS - Os Serviços Secretos da Saúde em Portugal

Berta 577.jpg Olá Berta,

Há quem diga que somos um país transparente, mas isso não é assim e nunca foi. O Estado em Portugal sempre preferiu a opacidade e o segredo a dar conhecimento ao povo daquilo que faz e das decisões que toma e em que são fundadas. Efetivamente, é mais fácil decidir se, quem tem de cumprir, não souber bem porque é que o tem de o fazer. Está na lei, dizem.

Podem pensar alguns que esta é a maneira socialista de governar, mas o erro será grave para quem pense desta forma. Este modo de agir vem dos tempos da monarquia, da ditadura e manteve-se depois de iniciada a democracia. Porém, como dá jeito, nunca se acabou com isso. Não importa se é o PS ou o PSD quem controla o Governo, porque ambos agem, nesse campo específico, exatamente da mesma maneira.

Desta vez foi a DGS (leia-se Direção Geral de Saúde) que decidiu tornar ainda mais opaca a pandemia em Portugal. Já existiam laivos graves de secretismo, todos sabemos que os dados da pandemia por freguesia, embora fossem conhecidos do Governo, nunca foram transmitidos ao público. Contudo, já nos tínhamos habituado a esta opacidade, agora, na ânsia da DGS se tornar em DGSS (leia-se Direção Geral de Saúde Secreta), o Ministério da Saúde permitiu que a esta direção geral se tornasse, de um momento para o outro, na Direção de Saúde mais secreta do mundo, aliás, corrigindo, na segunda Direção de Saúde mais secreta do mundo, pois que o primeiro lugar é ocupado pela Coreia do Norte, no que há divulgação dos dados da COVID-19 diz respeito.

Com efeito, até a Rússia Czarista de Putin é mais transparente relativamente aos dados da COVID-19 do que a nossa DGS. É triste que estejamos no 225.º lugar, em 226 países e territórios do total mundial, no que à transparência dos dados da COVID-19 diz respeito. Nem a China, nem a Venezuela, ocultam desta forma e com tanto apego os dados relativos à COVID-19. Aliás, conforme já disse e reforço, pior que nós só mesmo a Coreia do Norte.

Poderão os mais despreocupados dizer que também não precisamos de saber tudo. Que vivemos num país de medricas e que era preciso afastar da cabeça dos portugueses o fantasma da COVID-19. Todavia, o mais grave é que a DGS não está a ocultar os dados apenas da generalidade dos portugueses. Está enganado quem pensar que assim é. Até os especialistas, aqueles que até agora, desde que a pandemia começou, tinham acesso aos dados, para poderem criar os cenários de atuação ou fazer previsões da evolução futura da pandemia, ficaram, de um momento para o outro, sem acesso aos dados.

Mais grave ainda é que a tabela semanal divulgada pela DGS, vem agora carregada de erros. Por exemplo, esta semana, pelos dados divulgados e fazendo as contas seria de pensar que o famoso RT era inferior a 1, mas é o próprio relatório da DGS que afirma que ele já se encontra em 1,06. A coisa é de tal forma alarmante que o matemático Henrique Oliveira, veio esta semana denunciar que tudo está mal nesta nova atitude da DGS porque ela torna, assim, "verdadeiramente impossível fazer previsões a médio e longo prazo”, uma vez que os relatórios não incluem os dados diários e reportam dados com dias de atraso.

O matemático vai mais longe e chega a dizer que o novo relatório “é um relatório pobre” e que, “como matemático, não hesitaria em chumbar um aluno" que lhe "apresentasse um relatório destes”, com “muito pouca qualidade”. O homem diz não perceber “porque é que de repente números que são conhecidos das autoridades de saúde ficam secretos” e pede que: “Divulguem os dados, não soneguem informação, não escondam informação dos cidadãos”, para acrescentar que: é "verdadeiramente impossível fazer previsões a médio e longo prazo, uma vez que os relatórios não incluem os dados diários e reportam dados com dias de atraso, por serem divulgados à sexta-feira, com informação relativa à segunda-feira anterior.” Por isso, afirma: “É completamente impossível monitorizar e prever. E é completamente impossível atuar.”

Este e os outros especialistas que frequentavam as reuniões do INFARMED, para aconselharem o Governo nos passos a dar seguidamente, dizem que deixaram de ter acesso a qualquer informação credível, fiável e fidedigna, como até aqui acontecia. Ora sem isso, dizem, o país está a navegar completamente às cegas a coberto da guerra da Rússia e da invasão da Ucrânia.

Porém, afirmam, que o mais grave é que tudo aponta para estarmos a caminhar para uma sexta vaga e para um novo fenómeno já chamado de Longo Covid, uma doença que não fica no hospedeiro por uns dias, mas que pode demorar semanas ou meses a passar. Se nada for feito, afirmam, podemos um destes dias acordar no olho da tempestade perfeita, só que, nessa altura, será tarde demais para atuar.

É assim, minha querida Berta, que este nosso país à beira-mar plantado continua. Sujeito às birras de uma Graça Freitas (e companhia), que pretende retomar o poder perdido e agir a seu belo prazer. Só espero que alguém faça alguma coisa a tempo, enquanto há tempo. Despeço-me por hoje, com um beijo saudoso,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta: A Alegadamente Ignóbil Graça Freitas - Parte II/II

Berta 552.jpgOlá Berta,

Terminando o assunto relativo à entrevista dada ao jornal Público, no início da semana pela alegadamente ignóbil Graça Freitas, passo a comentar a restante entrevista e o que me ficou por assinalar sobre essa senhora na carta anterior e que não quero deixar de referir.

Na entrevista ao Público, a Diretora-Geral de Saúde sublinhou que, num tempo em que a Covid-19 está a começar a ser confinada, muitas das normas que estão em vigor deverão desaparecer brevemente. Ora, minha querida amiga, tu vês algum controle efetivo da pandemia? Neste momento só não estamos pior do que nos meses de janeiro e fevereiro e talvez março deste ano. O famoso RT continua acima dos 0,8. O número de casos ainda não baixou do milhar e os óbitos não mostram qualquer esperança de passarem a residuais. Onde está então o controle? Na vacina?  No excelente trabalho do almirante? Claro que isso ajuda, mas não resolve a situação.

A dona Graça fala no regresso à normalidade. Sempre com enfoque na vacina. Mas faz tábua rasa das previsões da Organização Mundial de Saúde, que apontam uma subida de mortos para a Europa, durante o inverno, que poderá ultrapassar o quarto de milhão de futuras vítimas. A senhora Freitas disse igualmente que: “Vamos tender a voltar à nossa vida como era em 2019”. Ninguém reforma esta mulher?

Ela prepara-se para enviar para o “Domínio dos Deuses” e para o “Reino da Opacidade” a informação referente ao evoluir da Covid-19 em Portugal seguindo o único exemplo mundial que sempre assim atuou, desta forma tão iluminada, a Coreia do Norte. Como é óbvio, amiga Berta, o fim dos boletins diários da covid-19 é um ato absolutamente condenável e de falta de respeito pelos portugueses. Se a DGS acabar mesmo, como promete a dita Freitas com os documentos que todos os dias informam o público do número de casos, mortes e internamentos pela pandemia, entraremos no âmbito norte-coreano da desinformação, situação que, no meu modesto entendimento, viola os direitos constitucionais de todo a população portuguesa.

Se esta entrevista, minha amiga, fosse efetuada pelo falecido Max, a senhora Graça seria equiparada certamente à mula da cooperativa por afirmar convictamente a seguinte asnice: “O foco da DGS vai tender a ser na doença propriamente dita e não tanto na infeção. Para isso, o boletim vai deixar de ser diário, para libertar os portugueses do peso dos números. Queremos aumentar o intervalo desta publicação, sendo que, sempre que acontecer alguma coisa inesperada, comunicaremos”.

Uma atitude que, a acontecer, vai levar este país em que vivemos a uma nova e gravíssima crise pandémica. Pode não morrer tanta gente como aconteceu até esta fase da vacinação, mas as consequências serão de uma gravidade completamente inimaginável. Despeço-me triste com tanta asneirada proferida por alguém que devia ter responsabilidades sérias na gestão da pandemia. Os meus votos, desejos e anseios vão para que Marta Temido e António Costa se apercebam da asneirada antes de esta se iniciar e que a possam extinguir atempadamente. Ah, resolvi nem esperar pela reunião do INFARMED para escrever esta segunda parte. Por hoje é tudo. Recebe um beijo de despedida deste teu amigo de sempre,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta: A Alegadamente Ignóbil Graça Freitas - Parte I/II

Berta 551.jpgOlá Berta,

Por mais que eu não queira voltar a falar desta senhora, lá vem, de novo, a dita cuja Diretora Geral de Saúde, dizer uma alarvidade que me tira do sério. Desta vez, Graça Freitas (a alegadamente ignóbil diretora das ideias peregrinas e dos raciocínios absurdos), cujo nome já se tornou famoso no país, veio, através de uma entrevista dada ao jornal Público anunciar, como se algo de bom se tratasse, mais uma tentativa de fuga à transparência, com o mais vil descaramento.

Relembro-te, querida Berta, que a ela se deve o alegado facto de, em todo o país, (e principalmente nas zonas metropolitanas de Lisboa e Porto) nunca terem sido divulgados os casos, infeções e óbitos ao nível das freguesias, no âmbito da pandemia, mesmo contrariando com isso o que os especialistas acham ser o procedimento mais correto e eficaz para ajudar as populações a fazer uso das medidas anunciadas de combate à Covid-19. Usar de maior transparência podia trazer à ribalta e à vista de todos a imensa incompetência inicial da gestão pandémica.

O anúncio que a Dr.ª Freitas tinha para fazer ao país, minha querida amiga, bem no final da entrevista, como se isso alguma vez pudesse repor a normalidade no quotidiano ou como se fosse algo que realmente viesse a trazer algum benefício às pessoas, foi o seguinte:

“Vamos libertar os portugueses desta carga que é recordar todos os dias quantos casos, quantos internamentos, porque isso também dá um peso à nossa vida.”

Fazer esta afirmação a um órgão de comunicação social, como se estivesse a querer fazer algo de positivo não só é ridículo como é uma afronta à inteligência das pessoas. Graça Freitas não quer é continuar a ser escortinada pelos portugueses e está a tentar arranjar uma desculpa (esfarrapada, diga-se) para levar a água ao seu moinho. Esta é mais uma atitude inaceitável. Acabar com os relatórios diários da pandemia e os respetivos gráficos, numa altura em que os casos diários se mantêm na ordem dos milhares, a cada dia que passa, só pode servir interesses obscuros e quiçá sinistros.

É tão grave como quando afirmou, com total desconhecimento médico e científico, que: “O uso generalizado de máscara, por parte dos portugueses, só vai trazer à população uma falsa sensação de segurança.” Ainda te lembras amiga Berta?

A Dr.ª Freitas também queria ficar, alegadamente, com o controlo da vacinação em Portugal, imagina só o que poderia ter acontecido querida Berta. Para nossa sorte quer a Ministra da Saúde, Marta Temido, quer o Primeiro-Ministro, António Costa, dessa vez, estavam atentos e à revelia da DGS nomearam uma task-force cujo comando, depois das barracas de mais um burocrata, acabou por ser assumido, com o máximo sucesso, por um militar, o vice-almirante Gouveia e Melo.

É preciso arranjar uma forma de impedir que Freitas cancele os relatórios diários sobre a Covid-19 a que a DGS está atualmente obrigada, e isso, custe o que custar. Para não me alongar em demasia terminarei esta carta na próxima sexta-feira, já depois da reunião do INFARMED na quinta-feira, ou seja, amanhã. Despeço-me com um beijo saudoso,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta: Certificado Digital Covid - Vergonha e Incompetência!

Berta 531.jpg

Olá Berta,

Hoje e mais uma vez, infelizmente, venho falar das trapalhadas do Ministério da Marta. A culpa do mau serviço pode não ser diretamente da Temido, mas temo que se fique pela esfera da sua ação e dos seus procedimentos. São quatro os problemas com que me vi pessoalmente confrontado nos últimos tempos. Penso que todos eles se prendem com a disfunção tática da Direção Geral de Saúde.

Com efeito, a DGS, liderada pela alegada barata tonta da senhora, dita doutora, Graça Freitas, não só parece autista na maneira como comunica com o país, sem qualquer desprimor para quem sofra de autismo (pois a comparação apenas pretende demonstrar a falta de clareza em comunicar e em atuar em certas situações por parte da DGS, que é bem mais disfuncional do que qualquer autista, que não tem culpa de ter uma tal enfermidade), como é incapaz de resolver os diferentes problemas com que, ao longo da pandemia, se vai defrontando.

No decorrer das próximas cartas vou-te, minha querida amiga, descrever cada um deles, porque não é fácil inclui-los todos na mesma missiva sem me tornar maçador. O problema que hoje abordo é o do Certificado Digital Covid, e a sua emissão em Portugal. Nas outras cartas falarei do homicídio por negligência, do auto agendamento e dos adiamentos aos pacientes não Covid na área da saúde.

É do conhecimento de todos que, tendo o Governo de Portugal aderido ao Certificado Digital Covid proposto pela União Europeia, já existe inclusivamente site (https://www.sns24.gov.pt/servico/obter-certificado-digital-covid-da-ue/) para baixar o respetivo certificado, o qual, engloba três possíveis situações:

1) Certificado de Vacinação - Comprova que o cidadão foi vacinado contra a COVID-19. - A emissão dos certificados de vacinação contra a COVID-19 é efetuada de acordo com a orientação 007/2021 de 15 junho de 2021 da DGS.

A) Caso o seu certificado não apresente ainda a última dose recebida de determinada vacina, deve repetir o pedido após 48 horas.

B) Caso tenha tido COVID-19 antes da administração de uma dose de determinada vacina e por esse motivo complete o esquema vacinal com apenas uma dose, nas situações em que o mesmo habitualmente se completa apenas com duas doses, o seu certificado de vacinação ainda apresentará o esquema vacinal de duas doses durante esta fase piloto.

C) Até ao dia 1 de julho de 2021 (data da produção integral de efeitos dos Regulamentos (UE) 2021/953 e 2021/954, ambos de 14 de junho) o certificado passará a identificar de forma clara que o esquema vacinal, nestes casos, se completa apenas com uma dose, sugerindo-se que proceda à repetição do pedido de emissão após aquela data.Certificado de Testagem - Comprova que o cidadão realizou um teste à COVID-19. - A emissão dos certificados de testagem à COVID-19 é efetuada de acordo com a orientação 007/2021 de 15 junho de 2021 da DGS.

2) O certificado de testagem de testes rápidos de antigénio (TRAg) estará disponível a partir de 1 de julho de 2021 (data da produção integral de efeitos dos Regulamentos (UE) 2021/953 e 2021/954, ambos de 14 de junho).

3) Certificado de Recuperação - Comprova que o cidadão recuperou da COVID-19. - A emissão dos certificados de recuperação da COVID-19 é efetuada de acordo com a orientação 007/2021 de 15 junho de 2021 da DGS.

A) O certificado de recuperação tem validade de 180 dias a partir da data do teste positivo à COVID-19.

Até aqui tudo está bem e parece perfeitamente bem estabelecido e organizado. O Governo prepara-se inclusivamente para usar estes certificados chamados conjuntamente de: Certificado Digital Covid, como documento comprovativo suficiente para se poder sair de uma cerca sanitária, como a que atualmente acontece ao fim-de-semana na zona de Lisboa e Vale do Tejo.

Para além disso, também se prevê que possa ser usado não apenas nas viagens dentro da União Europeia, como sirva de atestado sanitário para participação em eventos ou frequência de certas áreas e espaços que necessitem de maior controlo sanitário dentro do território nacional.

As explicações no site sobre o certificado e cada uma das vertentes são mais completas e elaboradas, porém, amiga Berta, se quiseres saber mais basta seguires o endereço que referi no quarto parágrafo, pois estão lá todas as explicações necessárias.

Ora, conforme pudeste verificar, até este momento tudo parece bem feito e um produto com a qualidade que se espera de uma organização estatal como a DGS. Todavia, é no momento em que se acede ao pedido do Certificado Digital Covid que tudo muda de figura. Na página, que já te referi, um quadrado verde, com letras brancas, anuncia o acesso ao documento com os seguintes dizeres: “Obter o Certificado Digital Covid”.

Eu entrei e cliquei na primeira opção (a da vacinação). De seguida, no formulário presente inscrevi nome e número de utente do SNS. Comecei pelo da minha mulher-a-dias que me tinha pedido ajuda para o obter, o serviço enviou um código para ser inserido numa nova janela por sms (e também por email), coisa que fiz e, dois minutos depois, já lhe estava a entregar o devido certificado impresso. Seguidamente tentei o meu e a desgraça começou.

Tudo correu bem até ao pedido do código de confirmação por email e sms. O problema foi que o sistema não enviou o código respetivo. Nem desta vez, nem das 23 vezes que tentei obtê-lo nos últimos três dias. Liguei para o número de apoio do SNS24 e, à terceira insistência, um rapaz do “call center”, mandou-me clicar na opção cinco, que não é referida na gravação automática, mas que é (secretamente) a opção dos serviços administrativos relacionados com o site, segundo me confirmou o senhor João Mendonça do serviço de atendimento.

Tudo porque, dizia-me ele, o próprio site tem uma ressalva nas opções finais, para insistir no envio do código quando ele não é enviado automaticamente. Visto isso também nunca ter resultado comigo vez nenhuma, teriam de ser os serviços administrativos a resolver o problema. Agradeci, satisfeito por encontrar, por fim, uma solução para o meu problema, marquei o 808 24 24 24, ouvi a voz gravada da menina e cliquei na opção 5, não anunciada no registro da gravação. A chamada foi estabelecida.

Depois de expor o meu problema, o número de tentativas efetuadas e todos os passos dados, fui informado por um simpático brasileiro de que, assim sendo, o serviço administrativo não podia fazer mais nada. A solução, se precisar mesmo do certificado, dizia-me ele, era continuar tentando até que a coisa resulte. “- Da nossa parte o processo não tem mais seguimento.” - afirmou.

Verdadeiramente incomodado com a situação, resolvi tentar saber se aquilo só tinha acontecido comigo, se era invulgar ou se acontecia com muito mais pessoas. Liguei para 21 dos meus contactos, pessoas que já sabia terem a vacinação completa. Para meu espanto (exceto dois que tinham os telemóveis desligados), dos dezanoves contactados, todos já tinham pedido o Certificado Digital Covid. Porém, apenas oito o tinham conseguido receber e imprimir.

Assim sendo, desta pequena amostra, apenas 40% dos utilizadores dos serviços tinham conseguido obter o Certificado Digital Covid. Todos os outros estavam na mesma situação que eu, sem saberem o que fazer e a quem recorrer. Uma coisa inadmissível.

Conforme podes constatar, minha querida amiga Berta, sempre que entra em ação a mão humana e a coordenação da Direção Geral de Saúde o resultado é como que o de uma lotaria. Se tivermos sorte temos prémio, se o azar nos bater à porta, temos pena. Com esta observação me despeço até à próxima carta, este teu amigo de sempre,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta: A Arte de Desconfinar com CUPIDO

Berta 523.jpg

Olá Berta,

“Portugal é o país da União Europeia com menos novos casos diários de infeção por SARS-CoV-2 e continua entre os com menos mortes por milhão de habitantes nos últimos sete dias, segundo o site estatístico Our World in Data”, divulgado hoje pelo site nacional “Notícias ao Minuto”.

Ainda, segundo as mesmas fontes: “Desde a semana passada, Portugal desceu em número de novos casos por milhão de habitantes para 32,29, muito longe do país em pior situação, Chipre, com uma média de 499 novos casos diários.” Por fim, pode-se ler ali também que: “Em relação à média de mortes por milhão de habitantes atribuídas à Covid-19 nos últimos sete dias, Portugal aumentou ligeiramente na última semana de 0,17 para 0,21, igual à Finlândia e quatro centésimas acima da Dinamarca, que é o país com a média inferior.”

Tudo isto é muito bonito, principalmente se nos lembrarmos do passado mês de janeiro, em que vertiginosamente atingimos o topo no ranking dos piores países do mundo em termos de pandemia. A grande questão é saber como conseguimos este feito de passar do pior país do mundo, no que à Covid diz respeito, para o ranking dos melhores em apenas dois meses. Há quem fale na vacinação eficaz, nas medidas de confinamento implantadas, da sensatez dos portugueses ou da agilidade da nossa DGS. Tudo treta.

A recuperação de Portugal ficou a dever-se, isso sim, à implantação de um método transparente, e de fácil perceção pelos cidadãos, de gestão da pandemia. Este novo processo de confinar ou desconfinar, dividido por várias fases, cada uma delas com objetivos específicos, e acompanhado por gráficos da evolução dos parâmetros adotados, permitiu o entendimento total do problema pela generalidade da população.

A reforçar a ideia, a possibilidade de os concelhos avançarem ou regredirem no confinamento, consoante o seu comportamento face ao padrão adotado, implementou responsabilidade e união em torno de objetivos comuns, ou seja, o povo sabe comportar-se se as coisas lhe forem devidamente explicadas.

É claro que a vacinação competente, o aumento do rastreio, a maior dinâmica no acompanhamento dos surtos e o grande acréscimo da testagem, também contribuíram para o sucesso, mas nada teria sido conseguido sem a implementação deste espetacular método.

Na elaboração do esquema o Governo optou, e muito bem, por criar limites aos desconfinamentos que, há data da sua implementação, eram metade dos exigidos na União Europeia, ou seja, 120 casos por cem mil habitantes, por concelho, para períodos de 14 dias, face aos 240 adotados na maioria dos países europeus e recomendados pela EMA. Uma jogada inteligente que cedo deu frutos.

Aliás, se registássemos a patente deste método, sem sermos líderes no âmbito da inteligência artificial, nem mesmo sermos produtores de qualquer tipo de vacina para a Covid-19, veríamos facilmente a importância do valor acrescentado que Portugal deu no combate a este flagelo, que não para de fazer vítimas em todo o mundo.

Fora de brincadeiras e de patentes, aplicar na Índia o método luso, poderia ajudar mais os indianos a recuperar do que qualquer ajuda material que Portugal consiga dar a este povo com quem tem laços seculares. Aliás, o mesmo se poderá dizer relativamente ao Brasil e a muitos outros países do mundo, em que as populações não conseguem compreender porque é que os seus governantes mandam confinar e desconfinar sem uma explicação evidente.

Portugal foi inovador na criação de um sistema eficaz e fácil de compreender, composto por parâmetros ambiciosos e por consequências de desvios ao plano imposto. Foi tão inovador que lhe deveria, no meu entender, minha querida amiga Berta, dar-lhe um nome.  Talvez CUPIDO (Criação Única de Processos Interativos de Desconfinamentos Organizados). Tal como o deus do arco e flecha que leva amor aos corações dos amantes este CUPIDO transporta, com provas dadas, a saúde aos lares de todo o pais, sendo radicalmente eficaz no combate à pandemia. Viva CUPIDO! Por hoje é tudo, deixo um beijo e a promessa de escrever em breve, recebe ainda um grade abraço deste amigo de todos os dias,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta Aberta: A Pandemia e as Quatro Vagas

Berta 520 C.jpg

Olá Berta,

Há coisas que me irritam nos meus colegas de imprensa. Quando, por exemplo, falam da pandemia, basta que Portugal se encontre desfasado do resto da Europa e neste caso até do mundo para se gerar a confusão. Ora bem, vou tentar esclarecer. A maior parte do mundo vai já muito avançado na quarta vaga e depois há alguns países, nos quais o nosso se inclui, que por um ou outro desfasamento em termos de infeções ainda estão apenas na terceira. Porém, a imprensa fala sem olhar para as tabelas mundiais como se todos ainda estivéssemos na terceira vaga de Covid-19. Isso não é verdade.

Berta 520.jpg

Nós apenas tivemos três vagas. A que começou em março e se estendeu ate maio de 2020, a que se iniciou em outubro e terminou em dezembro de 2020 e a que rebentou em janeiro e terminou em março de 2021. O Reino Unido teve a primeira vaga como nós, mas mais forte, a segunda de setembro a novembro de 2020 e a terceira de dezembro de 2020 a fevereiro de 2021.

Berta 520 A.jpgA Itália teve a primeira vaga em março de 2020, a segunda começou em outubro, a terceira na antevéspera da passagem de ano e a quarta iniciou-se em fevereiro de 2021. Sendo que as três últimas vagas foram muito seguidas, como, aliás, também aconteceu na Alemanha, que teve a primeira vaga a começar em março de 2020 a segunda entre outubro e novembro de 2020, a terceira logo de seguida de dezembro a fevereiro de 2021 e a quarta vaga de fevereiro até hoje, sendo que ainda se encontra a subir.

Já a Espanha ao que tudo indica está a iniciar uma quinta vaga, neste momento, mas ainda é cedo para afirmar isso com segurança. Teve a primeira em março de 2020, a segunda entre agosto e setembro de 2020, a terceira de outubro a novembro de 2020, a quarta de dezembro de 2020 a fevereiro de 2021 e em março de 2021 iniciou a quinta. Já a República Checa teve uma primeira vaga em março de 2020 quase insipiente e de setembro de 2020 até abril de 2021 foi fustigada por 3 vagas seguidas bastante fortes.

Berta 520 B.jpgTudo isto para sublinhar que quando se analisam os casos e as vagas por países existem desfasamentos entre as diferentes vagas entre cada território. É preciso, inclusivamente, estudar de onde vem a vaga, se de ocidente se de oriente e, para além disso, se o país em causa ainda estava a subir numa certa vaga quando é apanhado pela seguinte. Nesse caso esse território não inicia uma nova vaga, mas prolonga a que já possuía por mais tempo. Em geral, principalmente no ocidente, com Europa e Américas à cabeça, são quatro as vagas existentes, porém, há algumas exceções, como são os casos de Portugal e do Reino Unido.

Espero que tenhas entendido a explicação deixada neste meu desabafo, minha querida Berta, por hoje é tudo, despeço-me com o beijinho de saudade habitual,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta: O Pança de Porco

Berta 516.jpg

Olá Berta,

Cá estou eu, minha amiga, a tentar, com algum esforço, manter-te a par da minha recuperação pós-operatória. Fui tentar investigar o significado de ter sido operado pela chamada “técnica dos furinhos”. Descobri que o nome correto para a coisa é: laparoscopia, que significa que esta é uma técnica cirúrgica mais moderna, menos invasiva, e que utiliza pequenas incisões (com cerca de 5 mm) para realizar uma grande variedade de procedimentos cirúrgicos.

O cirurgião utiliza para esse fim um laparoscópio, que é uma câmara de alta resolução ligada a um cabo de fibra ótica, que lhe permite visualizar num ecrã os diferentes órgãos, por exemplo no abdómen. É assim possível tratar a área afetada de uma forma pouco invasiva e cómoda, tanto para o cirurgião como para o paciente, sem necessidade de fazer grandes incisões, sendo usada para a remoção de órgãos doentes, como a vesícula biliar ou o apêndice.

A noção é agradável e fiquei mais tranquilo depois de me inteirar do assunto, afinal, hoje era dia de mudar, pela primeira vez, os quatro pensos que tenho na barriga. Saber que ia ver quatro pequenas incisões com cerca de 5 mm cada, deixava-me completamente sossegado. Ainda me lembrava de o médico me ter dito que a minha operação tinha sido complicada, o que o obrigara a aumentar o tempo da mesma, da meia hora prevista, para duas horas e meia.

Porquê? Porque ele não encontrava a vesícula, que estava escondida debaixo do estômago e por detrás do meu intestino. Ainda por cima a dita cuja era enorme, muito espessa e estava repleta de aderências, queira lá isto dizer seja o for (sendo que cheira a complicações).

Ao olhar para a barriga, desprovida do habitual tapete de pelos caraterístico do macho latino, achei estranho o tamanho dos pensos originais. Eram enormes, tendo cerca de 5 cm de largura por 8 cm de comprimento. Ri-me. Tanto tamanho para tapar incisões de 5 mm. Via-se logo que eu fora operado num hospital privado, onde tudo é à grande e à francesa.

Removi os pensos e ia-me dando um ataque.  O furinho mais pequeno tinha 1,5 cm de diâmetro e os dois maiores 6,5 cm cada um, sendo que ainda havia um quarto de 2,5 cm, ou seja, no total a minha pança fora retalhada em 17 cm de extensão. A segurar as incisões estavam 17 agrafos metálicos arrepiantes cravados na carne.

Se aquilo era a famosa “técnica dos furinhos” eu era o Santo António a pregar aos peixes. A expressão vernácula que termina em “que o pariu” veio-me imediatamente à mona. As crateras abertas no meu bandulho insinuavam uma zona de guerra, onde não existira clemência. Os buracos situados nos extremos da pança distavam 25 cm um do outro e ainda havia outros dois de permeio, sendo que um orbitava na orla do meu umbigo com 7 agrafos a ornamentá-lo.

Ficou claro para mim que jamais poderia voltar a servir de modelo de nu para os alunos de Belas Artes. A arte do meu cirurgião, que se gabara à minha frente, já no recobro, de ter executado uma obra prima, parecia-me muito equivalente à do avô do meu primo, após acabar de retalhar o animal por altura das festas da aldeia, na matança do porco.

De um momento para o outro deixei de ser o “cara de cu” da antevéspera para passar a ser o “pança de porco”. Por isso as minhas dores eram o que eram. Qualquer movimento, tosse, espirro, repuxavam os 17 agrafos cravados na carne. Se somarmos a isso os órgãos remexidos pelo talhante, ainda à procura do seu lugar natural, não tinha porque me admirar de sentir o tipo de dores que efetivamente sentia.

Agora vivo na contagem decrescente para voltar a ver face a face o cirurgião que me operou. Faltam 9 dias. De momento parece uma eternidade, mas eu hei de olhar o homem olhos nos olhos e nessa altura discutiremos ombro a ombro o conceito de obra-prima “que o pariu”. Por hoje é tudo, Bertinha, um abraço do amigo,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta: O Cara de Cu

Berta 515.jpg

Olá Berta,

A operação já passou. Segundo o médico cirurgião que me operou (e que afirmou estar farto de fazer este tipo de operações) nunca lhe tinha calhado uma vesícula enorme, bastante espessa, repleta de aderências e escondida por detrás do intestino.

Ainda hoje não sei se esta descrição me foi transmitida para justificar as duas horas e meia de operação, em vez dos 30 minutos costumeiros. O que sei é que o cirurgião pensou várias vezes em me abrir, pois teria sido mais fácil de conduzir a cirurgia.

Também me foi explicado que não podia ficar dois dias no recobro porque o meu vale, aquilo que o SNS contratou com o Hospital Trofa Saúde da Amadora, apenas requisitava serviço ambulatório, não estando previsto qualquer internamento.

Pelo que me foi dito, parte das imensas dores que sinto devem-se ao facto de o estomago e os intestinos terem sido tremendamente mexidos e remexidos para que o médico conseguisse acesso à famigerada vesícula e de forma a conseguir cortar-lhe o acesso.

O que isto quer dizer é apenas que o Serviço Nacional de Saúde não estava disposto a pagar aos privados uma operação que se podia tornar complicada, como veio a ser o caso, mas apenas uma operação de rotina, não deixando sequer uma alternativa ao Trofa Saúde para me poder internar se algo não corresse dentro do previsto, como, aliás, veio a acontecer.

As dores que sinto, para tentar explicar mais claramente, são equivalentes às que teria se um cão, estilo Dobermann, me estivesse a abocanhar seis diferentes partes internas da minha pança ou bandulho. Ainda por cima são permanentes e não passam com os dois analgésicos e o antibiótico que estou a tomar. A sensação de dor aguda constante só me lembra uma matilha de hienas a banquetear-se na minha barriga, num festim macabro a que eu sou obrigado a assistir vivinho da silva.

Segundo o médico este conjunto de dores só amanhã é que começará a abrandar. Espero, minha querida amiga, que assim seja. Caso contrário estou seriamente tentado a chamar uma ambulância e a apresentar-me nas urgências do Hospital São Francisco Xavier.

Rir, soluçar, tossir, espirrar ou soltar um traque, são atos que provocam uma dor equivalente ao arrancar de um dente do siso, a frio. E não penses que sou daqueles que se queixam por tudo e por nada. Pelo contrário, costumo aguentar sem um esgar a maioria das dores que tenho.

Quando fui operado à boca, para colocar implantes totais, em cima e em baixo, tiveram de usar uma rebarbadora, em miniatura claro, para me aplanarem as bases dos maxilares onde iam aplicar os implantes. A operação foi até ao fim sem a anestesia ter pegado e mesmo assim, não sofri metade do que sinto hoje.

Segundo o meu médico só quinta-feira é que posso comer alimentos sólidos. Lá vou eu perder mais uns quilitos até ficar bem. Porém, minha querida amiga Berta, como tu bem sabes, eu arranjo sempre um motivo ou outro para fazer sorrir os que me rodeiam. No caso desta operação existiram vários que só dá para rir. Como eu não o consigo fazer, ris tu em meu lugar, combinado?

Uma enfermeira novita (não teria mais do que 25 anos) veio-me buscar à sala de espera, para me levar para o bloco operatório. No caminho, passámos por um vestiário, onde ela me pediu que trocasse a minha roupa, pela bata, chinelos, touca e máscara que usaria no bloco. Assim fiz. Num cacifo coloquei as minhas coisas, vesti a bata branca, e meti a touca azul, na cabeça, com dois buracos para as orelhas e a máscara e os chanatos. Sobrava-me uma espécie de pulseira verde que eu não sabia para que servia.

A rapariguita bateu à porta e fez uma cara estranha de espanto quando me viu fardado. Fiquei sem saber o que pensar. Ao fim de uns segundos a miúda lá arranjou coragem para falar. “-Senhor Gil, as cuecas é para pôr em baixo e não na cabeça.” Disse ela visivelmente atrapalhada. Eu que julgava que os buracos da touca eram para as orelhas fiquei assim informado que serviam antes para pôr as pernas. A touca era a espécie de pulseira verde-alface, que se abria toda, para se conseguir enfiar depois na cabeça. Segundo a rapariga tudo aquilo era evidente e eu lá lhe expliquei ter pouca experiência daquele tipo de kits.

Afinal, os buracos da cueca pareciam mesmo feitos à medida para as orelhas, para depois se conseguir encaixar a máscara com facilidade. Só que, como tudo aquilo era elástico também neles acabaram por caber as pernas. Finalmente, a jovem abriu de novo a porta e pareceu mais tranquila quando me viu devidamente composto. No caminho para o bloco ainda disse duas vezes; “O senhor Gil desculpe, mas ainda não acredito que achou mesmo que a cueca era para pôr na cabeça…”

E com esta minha aventura termino a carta de hoje. Como vês, minha amiga, devo ter cara de cu, pois usei a cueca no sítio errado. Recebe um beijo deste teu saudoso amigo, que não te esquece,

Gil Saraiva

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em destaque no SAPO Blogs
pub