Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Carta à Berta

Carta à Berta é o local dos Desabafos de um Vagabundo, do Senhor da Bruma, essa bruma a que chamam de internet, de um Haragano, o Etéreo, qual cavalo selvagem que galopa entre cartas alegadamente, quiçá, sem fundamentos.

Carta à Berta é o local dos Desabafos de um Vagabundo, do Senhor da Bruma, essa bruma a que chamam de internet, de um Haragano, o Etéreo, qual cavalo selvagem que galopa entre cartas alegadamente, quiçá, sem fundamentos.

Carta à Berta: “A Prova dos Nove da Profecia de Haragano” ou a “Crónica do Impossível” - Parte III/III

Berta 512.jpg

Olá Berta,

“A Prova dos Nove da Profecia de Haragano” ou, mais sobriamente, a “Crónica do Impossível”, terminaria hoje a revelação da profecia projetada para o dia de ontem e com consequências no futuro que podem ou não ser graves, consoante o caminho escolhido pela humanidade, isto, claro está, se eu for um profeta que se veja, contudo, amanhã ainda publicarei o epílogo com as últimas observações e conclusões finais.

Vamos, pois, aos números e aos seus possíveis significados. Vou começar pelo número total de infetados no mundo que foi atingido ontem, dia 21/03/21, e que fez parte da minha previsão em março de 2020 para este março de 2021. Trata-se do número 123.456.789 os primeiros algarismos do 1 ao 9 seguidos, daí resulta o n.º de Lúcifer: 666, (ver quadro).

1º Número.jpg

Ora, se fizermos a Prova dos Nove ao dia 21/03/21 obtemos o seguinte resultado: 2+1+0+3+2+1= 9, noves fora = 0. Zero é, pois, um dia de início de qualquer coisa, o ponto de partida, por exemplo, para uma profecia. Não é à toa que, ao contrário do que eu pensava, o n.º 123.456.789 de infetados só foi atingido um ano e 19 dias depois do primeiro caso de Covid-19 em Portugal. Afinal, se somarmos os 365 dias do ano aos 19 dias extras que precisámos para termos chegado ao n.º de Lúcifer obtemos: 365+19=384, ou seja 3+8+4=15, número que, se tirados os noves fora, dá 6 (1+5=6), o primeiro algarismo do Demo. Faz todo o sentido que assim seja.

Porém, o dia 21/03/21 trouxe mais surpresas, pelas quais eu não esperava. Assim, ao olhar para o total de casos ativos no mundo, descobri que tínhamos atingido os 21.285.612, o que (como mostra o gráfico abaixo apresentado) volta a fazer aparecer o nº de Mefistófeles, ou seja, pela segunda vez: 666. Ora, eu nunca fui muito de acreditar em coincidências.

2º Número.jpg

Apesar de tudo, achei que poderia acontecer algo assim, mas com alguma sorte à mistura ou muito azar, falando mais corretamente. Certamente que os ciclos do demo ficariam por aqui e ainda me faltavam verificar mais dois parâmetros importantes: os totais de casos encerrados globalmente e o número total de mortos atingidos no mundo. Por mais que as coisas tendam todas a correr mal quando algo corre mal, como diz a Lei de Murphy, seria difícil continuar a ter números estranhos e arrepiantes.

Fui consultar o número de casos encerrados no mundo. O quadro do worldometer.com, que costumo consultar na internet, mostrava o seguinte número total de casos encerrados no planeta: 102.156.966. Pela terceira vez o 666, o n.º de Belzebu, voltou a aparecer (ver o quadro abaixo). Aquilo já não era uma banal coincidência fortuita.

3º Número.jpg

O dia continuou a passar e eu tinha abandonado esta carta um pouco impressionado com tanta repetição de números do demo. Faltavam-me ver o total de recuperados no mundo, que anotei como 99.429.333 e o número total de óbitos no globo, aquela palavra que tenta disfarçar que se fala de pessoas que morreram mesmo, cujo somatório era 2.722.272. Fazendo a conta e tirando os noves fora, para cada um dos números, o resultado apresentava apenas o algarismo 6.

Por hoje fico-me por aqui, querida Berta, voltarei amanhã com o epílogo desta Crónica do Impossível. Deixo um beijo de despedida, este teu amigo,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta: “A Prova dos Nove da Profecia de Haragano” ou a “Crónica do Impossível”

Berta 510.jpg

Olá Berta,

Hoje, neste dia 20 de março de 2021 e ainda amanhã e depois de amanhã, vou-te falar de um dos meus hobbies, nomeadamente o tempo que dedico às ciências ocultas. Aliás, este passatempo faz parte de um conjunto de matérias que me agradam, quer pelo mistério que encerram quer pelo lado místico e fantástico, como também é o caso das mitologias (principalmente a grega e a romana), da parapsicologia ou do fantástico. Fiz várias formações na área, ao longo dos anos, pois tal como sou fã de um filme de suspense ou policial, todo este mundo surreal me fascina.

Desde os dezasseis anos de idade que adoro cartomancia, runas, oráculos, I Ching e por aí em diante. Há muitos anos atrás, misturei algumas das teorias de adivinhação do I Ching às do Oráculo Egípcio e acabei por ocidentalizar ambas criando uma leitura de cartas original a que chamei de “Relógio de Haragano”.

Contudo, pese embora esta minha paixão, não te assustes, não me julgo nenhum mago ou adivinho, nem mesmo bruxo ou feiticeiro de qualquer espécie. Faço, isso sim, uma tentativa de interpretar o que as cartas podem dizer sobre alguém que, ao abrir um novo baralho e depois o baralhar e partir, passa parte da sua energia única para aquele monte 54 ou 55 cartolinas (divididas em quatro naipes e com dois ou três jokers),  como são únicas as impressões digitais, o código genético ou as nossas iris.

No entanto, e contra mim falo, não me levo muito a sério neste campo. Julgo que talvez seja porque não gosto muito do que vejo a representar o setor: as leitoras de tarot para os famosos, os bruxos de Fafe e os ditos “Professores Africanos de Submundo”.

Todavia, não sendo qualquer destes temas nenhuma ciência, existe aquele lado oculto e misterioso que me agrada imenso. Para além de que nunca ninguém, a quem eu tenha feito o “Relógio de Haragano”, me disse que o que “lia” nas cartas estava errado. Enfim, já lá vão 44 aninhos, a desenvolver o método, alguma coisa deve estar certa, se bem que não sei bem o quê.

Eu gosto de pensar que capto algum tipo de energia subconsciente da pessoa que abriu, baralhou e partiu um baralho virgem, para eu depois interpretar o que dizem as cartas, que vão saindo e sendo lidas em trios no sentido dos ponteiros do relógio em grupos circulares de 12 cartas. Por favor, não comeces agora a rir com o que te estou a dizer. Não te estou a tentar converter a este mundo de impossíveis que me fascina. Aliás, não te quero convencer a ti, amiga Berta, nem a ninguém. Estas coisas, são apenas um tipo de assuntos, onde muitas vezes, ao longo dos anos, ocupo os meus tempos livres e nada mais do que isso.

Tive que dividir em três partes o assunto desta carta para não me alongar demais com um tema que não sei se é do teu agrado. Tudo isto vem a propósito da atual pandemia. Aquela que ninguém previu que invadiria o mundo a partir de finais de 2019. No dia dois de março de 2020, quando tivemos o nosso primeiro caso eu fiz uma consulta mística usando aquilo que aprendi nas ciências ocultas. Desta consulta, usando a numerologia, o relógio e a astrologia saiu uma previsão tola que fiz para o dia 21 de março de 2021, isto é, para amanhã.

Eu chamei-lhe “A Prova dos Nove da Profecia de Haragano” ou, mais simplesmente, a “Crónica do Impossível”, mas não vou explicar agora em que consistiu e naquilo em que resultará amanhã (dia 21/03/21). Isso fica para a próxima carta do dia da profecia ou para o seguinte. Por agora despeço-me, com um abraço do tamanho do mundo, deste teu amigo de sempre,

Gil Saraiva

 

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

Em destaque no SAPO Blogs
pub