Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Carta à Berta

Carta à Berta é o local dos Desabafos de um Vagabundo, do Senhor da Bruma, essa bruma a que chamam de internet, de um Haragano, o Etéreo, qual cavalo selvagem que galopa entre cartas alegadamente, quiçá, sem fundamentos.

Carta à Berta é o local dos Desabafos de um Vagabundo, do Senhor da Bruma, essa bruma a que chamam de internet, de um Haragano, o Etéreo, qual cavalo selvagem que galopa entre cartas alegadamente, quiçá, sem fundamentos.

Carta à Berta: Os Candidatos às Eleições Presidenciais de 24 de Janeiro - Marisa Matias

Berta 444.jpg

Olá Berta,

Marisa Matias é a candidata que se segue na contagem decrescente, da minha análise aos proponentes, desta próxima eleição presidencial. Sendo a terceira pessoa a ser apresentada numa escala aleatória dos candidatos.

Marisa é, entre todos os sete intervenientes, a candidata do mérito. Não importa sequer que os seus nomes do meio sejam Isabel dos Santos, pois isso apenas representa uma curiosidade, nada mais. Aliás, apenas prova que não é o nome que trás dinheiro, como que por arrasto. O mérito de Marisa Matias vem desde a infância.

Sendo natural de Coimbra, onde nasceu, é de Alcouce, no Concelho de Condeixa-a-Nova, que lhe veem as origens. Uma aldeia que conhecia como a palma das suas mãos. Fazia diariamente quase meia dúzia de quilómetros de marcha para chegar à escola e, ao regressar ajudava os progenitores na agricultura e no pastoreio do gado.

Aos 16 anos entrou na vida ativa para poder continuar a estudar, apoiando em simultâneo o equilíbrio do orçamento familiar. Fez limpezas, serviu à mesa, pintou a manta e aos 22 anos foi a primeira pessoa da família a conseguir uma licenciatura. De fevereiro de 1976 até 1998 não foram anos fáceis, porém, uma vez aí chegada, acabou por dar o seu primeiro grande salto: Tinha o curso superior de Sociologia. A primeira grande batalha estava ganha.

Porém, em 2009 é com o título: "A natureza farta de nós? Saúde, ambiente e novas formas de cidadania" que apresenta a sua tese de doutoramento, concluída, com louvor e distinção, na Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, sob orientação de João Arriscado Nunes, cinco anos depois de ter aderido ao Bloco de Esquerda. Mantendo o ritmo apertado na sua corrida de obstáculos onde a cada novo salto tentava alcançar um novo objetivo.

Os últimos 12 anos da vida de Marisa Matias são mais conhecidos e, para trás ficaram os seus anos de professora do secundário ou de investigadora assistente no Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra. Desde 2009 até aos dias de hoje que construiu um currículo vastíssimo no Parlamento Europeu, enquanto eurodeputada eleita em representação do Bloco de Esquerda. Para além disso detém a honra de ser a mulher mais votada para a Presidência da República Portuguesa, votação ocorrida em janeiro de 2016, atingindo quase meio milhão de votos.

Vale a pena, para os mais interessados, consultar o site https://www.marisa2021.pt/biografia, para se inteirarem do seu papel enquanto eurodeputada. Contudo, uma coisa é certa, Marisa Matias é, sem qualquer dúvida, a candidata do mérito, do brio e do profissionalismo e não é a cor do seu batom que, por certo, a determina enquanto pessoa, mas sim as causas, as lutas e o seu trabalho notável.

Durante esta investigação, amiga Berta, o meu respeito por Marisa Matias foi elevado a níveis onde nunca pensei chegar. A determinação de alguém ainda consegue, neste nosso país, embora raramente, vencer sobre a cunha e o compadrio. Com esta afirmação me despeço por hoje. Fica bem e até amanhã. Recebe um beijo deste teu eterno amigo que não te esquece,

Gil Saraiva

 

 

 

 

 

Carta à Berta: Os Candidatos às Eleições Presidenciais de 24 de Janeiro - Tiago Mayan Gonçalves

Berta 443.jpg

Olá Berta,

Hoje venho falar de Tiago Mayan Gonçalves, um homem de 43 anos, nascido no Porto, filho de pais licenciados em Engenharia Química, apoiante de Rui Moreira para a Câmara Municipal do Porto e foi, pelo movimento independente “Porto, o nosso Partido”, eleito membro suplente da Assembleia de Freguesia da União de Freguesias de Aldoar, Foz do Douro e Nevogilde nas eleições autárquicas de 2017, ex-PSD, e um dos fundadores do partido liberal, fruto das suas origens numa classe média de bem-estar.

Sem nada que o comprove arrisco-me a dizer, alegadamente, que o Tiago Pedro de Sousa (os três primeiros nomes de Mayan Gonçalves), é filho único, solteirão, vaidoso, machista, com um tique para o pedantismo e amante de um protagonismo para o qual lhe falta o dom da palavra. Ele que se assume como um homem do Norte, é o protótipo estereotipado de quem nasceu depois de abril de 74, no seio de uma família com posses. Diz dominar 7 línguas, mas na realidade só se sente à vontade no inglês, para além da sua língua nativa que enrola com facilidade.

Já na vela deve realmente ter conhecimentos, já que começou a praticá-la aos 12 anos, como muitos dos filhos queques da burguesia nortenha da altura. Porém, na minha modesta opinião, este Tiago Pedro vai de vela e em nada me admiro se terminar em último lugar na corrida à presidência.

Quanto ao perfil moral, à honestidade e à honra tenho muitas dúvidas sobre a firmeza destas qualidades. Apanhei, por diversas vezes, o Tiaguinho a mentir descaradamente aos outros candidatos nos debates televisivos, em detalhes que os outros desconheciam. Pior, verificado o desconhecimento, usou as mentiras para apontar falhas ao Governo e ao atual Presidente.

Dou um exemplo: apontou, em quase todos os confrontos com os adversários, o facto de Portugal estar destacado em primeiro lugar na Europa e no mundo como um dos países onde os óbitos não-covid foram mais elevados. Uma mentira descarada. Passei algumas horas a verificar os elementos, os dados, as fontes e os gráficos dos sites internacionais onde se fazem esses estudos comparativos, e nunca, nem nas tabelas semanais, desde março de 2020, Portugal encabeçou essa lista funesta. Fazer uso de mortes a mais para se autopromover não é apenas macabro, demonstra, isso sim, falta de brio e de caráter.

Mas basta de falar sobre aquele que, no meu entender, chegará na cauda desta corrida presidencial. De mim, ele não merece nem mais uma palavra. Despede-se este teu amigo sempre ao dispor, querida Berta, com um forte abraço,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta: Os Candidatos às Eleições Presidenciais de 24 de Janeiro - Marcelo Rebelo de Sousa

Berta 442.jpg

Olá Berta,

Hoje, respondendo ao teu pedido, vou iniciar as sete cartas sobre os sete candidatos a Presidente da República Portuguesa. Porém, como tu és uma pessoa devidamente informada, culta e a par da política, decidi, se não vires inconveniente, falar mais naquilo que penso dos candidatos do que propriamente do seu posicionamento político e ideológico. Vou começar a primeira carta pelo vencedor óbvio e antecipado, ou seja, o atual Presidente, o Professor e ex-comentador Marcelo Rebelo de Sousa.

Marcelo Rebelo de Sousa é, ao contrário do que possa parecer, um homem vaidoso, egocêntrico e algo mesmo narcisista. Nada de muito grave, se nos lembrarmos do anúncio “se eu não gostar de mim, quem gostará?”

Na verdade, Marcelo gosta da sua pessoa. Adora ser o centro das atenções e delira com o protagonismo. A sua matriz de centro-direita é sincera, não engana e sobre ela não há que ter dúvidas, contudo, mais do que a inspiração política, ele adora ser popular.

Pode até não ter tanto afeto como parece demonstrar, mas, sendo essa atitude que o torna próximo e querido do povo, isso irá até ao fim do mandato sobrepor-se às ideologias, ao narcisismo ou a qualquer outro defeito que se lhe possa encontrar. Marcelo, tudo fará para ficar na história desta república como o mais querido e popular dos presidentes.

Sobre isso não tenhas dúvidas, minha querida Berta. Ora essa circunstância não é de somenos importância. A conquista e a perseguição do cognome de “O Adorado”, torná-lo-á, até ao fim do segundo mandato, um elemento de ponderação, estabilidade e apoio governativo, seja qual for a composição política do governo no poder.

Não evitará de, aqui ou ali, tentar deixar uma marca das suas raízes partidárias, mas apenas como sublinhado de quem não vira a casaca. Por tudo isto ele é o homem ideal, no lugar certo, no momento exato, defeitos à parte, pois todos os temos, um verdadeiro Senhor.

Chego assim ao fim desta primeira análise. Amanhã será a vez de outro candidato. Despede-se este teu amigo, com um beijo virtual de saudades bem reais,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta: O Nadador-Salvador Marcelo

Berta 295.jpg

Olá Berta,

Hoje, porque achei a notícia realmente interessante, cheia daqueles pequenos detalhes que me fazem sorrir, vou falar-te, amiga Berta, do nadador-salvador Marcelo Rebelo de Sousa. A banhos e de férias no Alvor, no litoral algarvio, o Presidente da República foi filmado pela CMTV a ajudar duas jovens a sair de uma situação de dificuldade, que envolvia um caiaque.

Não se tendo tratado propriamente de um salvamento, o facto insólito não deixa por isso de não pertencer às responsabilidades e tarefas que se atribuem a um nadador-salvador, nas costas de Portugal.

O Instituto de Socorros a Náufragos devia iniciar de imediato uma campanha de recrutamento de jovens para a profissão aproveitando a ocasião. Sendo uma causa nobre, não me admiraria se o Presidente aceitasse fazer um spot publicitário, em que ele faria de “David Hasselholf” e a apresentadora Cristina Ferreira substituiria (porque não?), a Pamela Anderson, numa versão bem portuga da antiga série televisiva americana Marés Vivas.

A meu ver não iriam faltar jovens desempregados a tentarem a sua oportunidade de bombeiros-do-mar e com sorte, para os atos heroicos, podia ser que a casa civil da Presidência da República anunciasse a criação da Ordem do Roaz-de-Bandeira, um golfinho bem à portuguesa, para se poderem atribuir comendas e cruzes aos heróis entretanto descobertos.

O primeiro galardão a ser atribuído iria obviamente para a CMTV e, logicamente, para o Correio da Manhã, que estão em todas as situações para conseguirem tão importantes e fundamentais exclusivos para a vida e para o povo da nação lusitana. Poderia ser uma espécie de comenda, especialmente atribuída aos serviços de imprensa e reportagem. Algo do tipo a “Orca-de-Prata” ou o “Polvo-de-Olhão”.

Já o segundo, mas muito mais importante seria para o próprio presidente, que teria de inventar, de forma criativa, uma maneira, enfim, para se premiar a si próprio com o Delfim-Dourado. Pelos valorosos feitos em terra e mar aos longo dos últimos 4 anos.

Marcelo, esse inigualável presidente luso que faz as invejas de Trump e Bolsonaro, é o paladino do bem. Uma espécie de Super-Homem americano, mas numa versão bem lusa e nossa, como não poderia deixar de ser. Posso lembrar o seu olhar de falcão peregrino sobre os fogos de Pedrogão Grande, mantendo-se vigilante até na recuperação da terra, casas e atribuição de subsídios. Como também recordo, a espera quase predadora sobre o caso de Tancos que acabou por fazer com que o Ministro da Defesa tivesse de, mesmo a contragosto, mostrar a sua brilhante careca que, ao fim ao cabo, era bem visível por toda a gente.

Podia continuar porque a lista é longa e meritória. No entanto, não me quero alongar em elogios. Apenas dizer que, não tendo votado nele na primeira eleição, serei dos primeiros a fazê-lo na segunda, mesmo não sendo ele da minha área política.

Afinal, Marcelo Rebelo de Sousa nasceu para um dia ser Presidente da República e o país só tem de se mostrar grato pelo papel desempenhado. Só mesmo ele para ter conseguido, que uma geringonça em que ninguém acreditava, chegasse a bom porto e durasse toda uma legislatura. As pequenas migalhas de resquícios de direita que, às vezes mostra, não passam disso mesmo, migalhas sem qualquer relevância. Mas também sem hipocrisia, que isso não consta no seu feitio.

Com isto me despeço, querida Berta, amanhã existirá, certamente, algo mais para contar, recebe deste teu amigo um beijo de até mais,

Gil Saraiva

Nota: Link do Vídeo do Correio da Manhã com Marcelo a empurrar o caiaque:

https://www.cmjornal.pt/multimedia/videos/detalhe/video--marcelo-rebelo-de-sousa-resgata-duas-jovens-em-dificuldades-na-praia-de-alvor-no-algarve-veja-as-imagens

Gil Saraiva

 

 

Carta à Berta: DGS - Livro - O diário Secreto do Senhor da Bruma - II - Abordagens Sobre a Burrice (continuação - II - 7)

Berta 260.JPG

Olá Berta,

Hoje apetece-me desabafar. Tu sabes que eu sou jornalista há várias dezenas de anos. Isto para te dizer, minha querida amiga, que é difícil convencerem-me a aceitar tapar o Sol com a peneira, como se tudo estivesse bem e fosse normal. Efetivamente assim não é.

Este meu desabafo vai ocupar um pouco mais esta carta e, por isso mesmo, peço desculpa por deixar menos espaço do que o costume ao Diário Secreto do Senhor da Bruma. Com efeito assim será nos próximos dias. Depois de deitar cá para fora o que me vai na alma, fica descansada que retomarei a normal publicação do diário.

Deves estar-te a perguntar sobre que tema é que eu sinto necessidade de dizer algo. Pois bem, Berta, estou a falar da transparência. A famosa regra de verdade do Ministério da Saúde e da Direção Geral de Saúde é uma total fraude, quer o Presidente da República ou o Primeiro-Ministro digam o inverso, quer não.

O que se passa é que a DGS anda, desde o primeiro momento, a esconder os factos à população geral. Tratando-se de uma pandemia, a importância da presença dos médicos e dos organismos de saúde pública deveria ser primordial. Contudo, quando observamos os apoios reforçados pelo orçamento retificativo ao setor da saúde pública a realidade não chega sequer ao milhão de euros.

Contrariamente outros setores foram reforçados na ordem das dezenas de milhões. Mas o que é que isto significa na prática? Significa que continuará a ser deficiente em larga escala o reforço do pessoal encarregado de fazer o mapeamento das cadeias de rastreamento dos contaminados, quanto a novos focos e às suas possíveis ramificações na sociedade.

Mas há mais. Porque é que o povo, toda a população, não tem acesso aos dados por freguesia se os mesmos estão acessíveis na DGS? Eu sou tentado a apostar que a razão tem a ver com a manipulação da informação. Repara que só hoje, depois dos protestos de várias autarquias, foi feito um novo acerto global ao número de mortos e dos contaminados em Portugal. Pedimos prudência aos cidadãos, mas não os informamos com clareza como vão os casos na sua própria freguesia de residência, como defendem os especialistas de saúde pública.

Marta Temido, Graça Morais, Jamila Madeira são apenas 3 dos rostos da dissimulação na DGS e no Ministério da Saúde. Atualmente deixaram de se revelar o número de testes feitos ao dia. Revelam-nos uma ou duas vezes por semana, continuamos sem saber como a pandemia se desenvolve na nossa porta, não nos explicam, nem assumem, o fracasso total das medidas de desconfinamento, nem sequer nos dizem porque falhou o rastreamento dos novos focos. Globalmente a transparência só existe nas palavras.

Esperemos que este setor endireite rapidamente as políticas que tem vindo a seguir e que corrija, a tempo, os erros do passado de uma vez por todas. O que se passou até aqui já não importa mais. Como se diz no diário que tenho vindo a revelar-te, minha amiga, para trás mija a burra. Importa é que realmente se chegue a uma política de verdade. Desabafo feito, regressemos à análise da burrice:

----- “ -----

II

Abordagens sobre a Burrice (continuação - II - 7)

Março, dia 13:

Mas há outras explicações dentro do largo espetro da aprendizagem, inteligência e sabedoria dos asnos. Analisemos mais uns quantos destes provérbios de 4 patas, relativos ao tema. Mais vale burro vivo do que sábio (ou letrado) morto, ou seja, o animal prefere não saber, ou fazer de conta que não sabe, e, com isso, sobreviver, inversamente a correr riscos por mostrar que até sabe umas coisas, o mesmo explica o dito: antes burro vivo que doutor morto. Pondo a conversa no domínio dos humanos é o mesmo que dizer: mulher sem emprego, do marido não conhece amantes, ou seja, bem-aventurados sejam os que passam por pobres de espírito, que é a velha máxima da igreja levada a um outro nível.

Março, dia 14:

Já o ditado: burro velho, mais vale matá-lo que ensiná-lo, parece significar que não vale a pena ensinar um animal depois de este já ter os hábitos formados. Enquanto, este outro: o burro do meu vizinho só sabe o que lhe ensino, o que diz bem da manha do jumento em seu proveito próprio. Porém, burro carregado de livros é um doutor, explica como se pode tentar viver de aparências para subir de estrato social. Contudo, há quem refira que este provérbio é dedicado a Miguel Relvas e à sua formação académica, certamente um boato infundado que nada tem a ver com o dito cujo ou com qualquer outro lambe-botas da política, tipo aquele fulano que tornou o queijo limiano conhecido de todos os portugueses.

Março, dia 15:

 Burro calado, sabido é (ou por sábio é contado), é algo bem mais profundo, trata-se da velha máxima do segredo ser a alma do negócio, umas vezes, ou, em outras, o silêncio ser de ouro, enquanto a palavra é de prata apenas. O caso de Tancos e o que Ministro da Defesa, à época, sabia ou não sabia sobre a manhosa devolução das armas é disso bom exemplo. Todavia a expressão burro velho não aprende (ou não aprende línguas), aponta outros caminhos. Veja-se o caso humano passado com Cavaco Silva, o homem viveu os seus 20 anos de poder rodeado de corruptos, malandros, ladrões e vigaristas, contudo, apesar disso, já não estava em idade de aprender os ofícios, pelo menos a crer na sua própria palavra. Já a citação: burro que a Roma vá, burro volta de lá é o mesmo que dizer que ver o papa não torna ninguém santo, muito menos se estivermos a falar de Pinto da Costa, pois que, apesar de tudo o burro não é tão burro como se pensa.

----- “ -----

Por hoje, minha querida amiga, fico-me por aqui. Espero que estejas bem agora que entraste em férias e estás no local ideal para as aproveitar bem. O Algarve é um excelente local para se estar no verão. Despeço-me com um beijo amigo, este que está aqui para o que der e vier,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta: Memórias de Haragano - A Revolução Começa na Cama - Parte VIII

188 - Berta.jpg

Olá Berta,

Antes de começares a ler as memórias de hoje não te esqueças que são referentes a factos todos passados já lá vão mais de 4 anos, no mínimo, não me recordo se as escrevi em 2016 ou antes, mas foi algures entre 2012 e 2016. Mas, vamos a elas:

Memórias de Haragano: A Revolução Começa na Cama – Parte VIII

“Não basta falar apenas de comentadores e políticos, há mais mundo por aí. Se certas personalidades do jet-set fizessem Trios de Canto eu podia não os achar mais interessantes do que antes, mas considero que a coisa seria animada, principalmente se apresentada por um daqueles eternos rostos da RTP, acho mesmo. Esclareço que nada me move contra o jet-set ou outros ilustres da ribalta (alegadamente inútil), no que ao seu trabalho, enquanto profissionais, diz respeito, e que até prefiro nunca ter de vir a escrever sobre eles, mas faz-me confusão que se valorizem pessoas pelo simples facto de aparecerem em eventos sociais. Porém, nem sempre fazemos o que queremos e eu não sou ninguém para vir para aqui falar de Castelos Brancos ou de quaisquer outras cores monárquicas, nem de outras figuras tornadas intervenientes e famosas, sem que para isso se lhes descubra o mérito próprio, que lhes devia ser devido.

Mais a Norte e para um dia bem passado recomendo o Mercado do Bulhão. Porque, se um dia ele fechar para obras ou remodelação, só nos restará a Assembleia da República que pode ser até mais garrida, mas faltar-lhe-á sempre algum vernáculo característico.

Falando do tema da Presidência da República, nesta altura representada por alguém que prefere a palavra fonte a poço, sou da opinião que não se mexe no que está no seu devido lugar. Eu sempre disse, quando estava um outro naquela cadeira, que o impossível apenas levava mais tempo a acontecer, mas que acabaríamos por lá chegar. A única conclusão a tirar é que há quem nasça para nos representar e quem tenha uma excelente vocação para pastor de cabras ou para protagonista de filmes de místico mistério em peliculas sobre o Antigo Egito. Como já expliquei anteriormente, chama-se a isso progresso. Tempos virão em que o cargo terá um representante que verdadeiramente o dignifique e que nos conforte o espírito e a alma. Há que acreditar.”

Atualmente, em plena pandemia, é quase paradoxal comparar os nossos 2 últimos Presidentes da República. Ainda mais tendo em conta que ambos vieram da mesma área política e que deveria ser possível notar certas semelhanças nas atitudes e nos comportamentos. Porém, os factos revelam uma verdade completamente oposta. Compará-los é um exercício que até se torna penoso.

Tentando arranjar exemplos, seria como dar a escolher a alguém entre bofe (pulmão de vaca) e bife do lombo, isto não contando com os vegetarianos e os vegans que excluiriam ambos, ou entre Frankenstein e Charlie Chaplin, ou ainda entre Ana Gomes e Angelina Jolie quando ambas tinham menos 20 anos.

Passou-me pela cabeça compará-los com o vinho tinto. Fiz mal. Nesse campo, seria o mesmo que estar a tentar escolher entre um vinho velho, de uma marca desconhecida, que se passou e nem para vinagre serve, sendo uma total zurrapa e um Barca Velha em ano de absoluta excelência. Incomparáveis sobre qualquer espécie de parâmetros.

Já me alarguei no alegadamente imaginário, este teu amigo despede-se, amiga Berta, com o beijo e os mimos habituais até amanhã,

Gil Saraiva

 

 

Carta à Berta: Série: Quadras Populares Sujeitas a Tema - 20) Jogar pelo Seguro

Berta 113.jpg

Olá Berta,

Este domingo fica marcado pelo abandono do jogo por parte de Marega, jogador avançado do Futebol Clube do Porto, de raça negra que, segundo alega, foi insultado pelos adeptos do Vitória de Guimarães, no estádio deste clube, com observações racistas nas quais se incluem a utilização de palavras como “preto”, “macaco”, “chimpanzé”, para além dos sons da selva, produzidos em coro, a tentar imitar os símios no seu ambiente natural.

A coisa durou desde a fase de aquecimento para o jogo até ao momento em que Marega abandonou o relvado, não sem antes elevar os dedos do meio de ambas as mãos para a zona da bancada de onde provinham os insultos. Como resultado, voaram cadeiras para dentro de campo, tendo o atleta usado uma delas para se proteger, colocando-a na cabeça, o que lhe valeu um cartão amarelo.

Mais tarde, no Instagram, o jogador publicou a seguinte mensagem: “Gostaria apenas de dizer a esses idiotas que vêm ao estádio fazer gritos racistas: vá-se foder”. Bem esclarecedora do significado dos dedos ao alto anteriormente erguidos ainda em campo. No mesmo comentário ainda agradeceu com ironia a forma como o árbitro do encontro foi solidário com os insultos que lhe foram proferidos “…E também agradeço aos árbitros por não me defenderem e por terem me dado um cartão amarelo porque defendo minha cor da pele. Espero nunca mais encontrá-lo em um campo de futebol! VOCÊ É UMA VERGONHA!!!!”

O apoio a Marega veio rapidamente da Presidência da República, do Governo, através do Primeiro Ministro e da maioria dos partidos com assento parlamentar. Também o universo do futebol nacional se mostrou solidário com o jogador, incluindo o próprio Vitória de Guimarães. Os apoios ao futebolista espalharam-se rapidamente na sociedade civil e ficaram bem espelhados nas redes sociais. Todo o mundo tentando deixar claro que o racismo é algo residual na sociedade portuguesa.

Eu considero que Marega tem toda a razão para se sentir ofendido, não apenas pela claque que o insultou, mas também pela arbitragem, que falhou redondamente no que concerne à atuação e aplicação do que são as normas defendidas e definidas pela FIFA para este tipo de comportamentos.

Só não concordo com a resposta de Marega. As duas mãos ao alto, de dedos em riste e o que escreveu no Instagram, não são, nem podem nunca ser, a resposta adequada à exigência de respeito, por parte do atleta. Há que deixar a justiça desportiva ou mesmo a nacional fazerem o seu trabalho e não responder ao mesmo nível, sob pena de se perder a razão. E se agora a claque colocar uma ação por ter sido mandada para o “pirilau” pelo jogador?

 Ora bem, abandonando o desporto e voltando às nossas quadras populares sujeitas a mote, o teu desafio às minhas capacidades poéticas, achei graça ao facto de teres escolhido “Jogar pelo Seguro” logo hoje que falei de futebol. Aqui vai a minha quadra do dia.

Série: Quadras Populares Sujeitas a Tema - 20) Jogar pelo Seguro.

 

Jogar pelo Seguro

 

Se amor ou paixão houver

Nesse homem que te prendeu,

Vê primeiro o que ele quer,

Vê primeiro se ele é só teu…

 

Gil Saraiva

 

Com isto me despeço, esperando que tenhas tido um excelente fim-de-semana, recebe um beijo deste teu amigo do peito,

Gil Saraiva

 

Carta à Berta: Série: Quadras Populares Sujeitas a Tema - 11) Presumível Inocente

Berta 110.jpg

Olá Berta,

Como vai a vidinha de algarvia? Espero que tudo continue pelo melhor. Hoje, estou espantado, para não dizer algo mais forte porque, para falar verdade, quando um Presidente da República, neste caso do Brasil, um tal de Jair Bolsonaro, afirma perentoriamente, na televisão o que eu hoje ouvi é porque o decoro, a decência e até o conhecimento abandonaram o poder. Longe de mim fazer a analogia deste personagem com um jagunço, porém, quem não quer ser lobo, não lhe veste a pele.

No caso, Jair Bolsonaro não se limitou a questionar quem era a Greenpeace, a ONG (organização não governamental internacional), que se dedica às causas do ambiente, isto a propósito de uma critica desta ao novo Conselho Nacional da Amazónia Legal, recriado pelo presidente, que deixa de contar com os governadores dos Estados envolvidos na Amazónia e passa a ser exclusivamente constituído por ministros da federação brasileira, ou seja, do poder central, o que é realmente um absurdo.

Para ser mais direto, o impoluto líder do Brasil, sua excelência (palavra que rima com excrescência – nem sei porque me lembrei dela agora), afirmou, ao vivo para as câmaras, que a Greenpeace não era apenas uma porcaria, mas, reforçando a ideia, que a organização se tratava de um lixo. Tal e qual. Todavia, ainda pior e mais grave do que a falta de respeito por uma organização ambiental que celebra em 2021 os seus 50 anos de existência, na luta persistente pelo ambiente em todo o mundo, foi a forma agressiva e fora de tom em que a situação se desenrolou. Um disparate total que nem perante a situação faz qualquer sentido, a não ser neste tipo de mentes perturbadas, já para não me referir ao elevado grau de ignorância que, alegadamente, parece existir com consistência no individuo, que, na senda do seu colega laranja, o afamado presidente dos Estados Unidos da América, sente orgulho no seu papel de jalbote, que tão bem lhe parece assentar.

É triste, quase desolador, assistir a esta governação de um Estado soberano, que fala português, e que eu adoro, por gente mentecapta e malformada. Não sendo eu brasileiro sinto a mesma vergonha que muitos dos seus cidadãos terão sentido. As consequências deste poder populista, ainda por cima arriscam pôr em causa todo o planeta como se a Amazónia fosse um brinquedo nas mãos de quem deveria mesmo era ir brincar com o… com a pilinha. Enfim, minha amiga, voltemos ao teu desafio de escrever quadras populares sujeitas a tema.

Embora eu ache que presumível inocente é um tema dentro da justiça, não deixei por isso de tentar fazê-lo.

 

Série: Quadras Populares Sujeitas a Tema - 11) Presumível Inocente.

 

Presumível Inocente

 

Quem diz que sou pecador,

Pobre e mal-agradecido,

Deve ser bom orador,

Acusa, sem ter vivido…

 

Gil Saraiva

 

Com esta quadra me despeço, amanhã haverá mais que te dizer, certamente, recebe um beijo do teu velho amigo de muitos anos,

Gil Saraiva

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

Em destaque no SAPO Blogs
pub