Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Carta à Berta

Carta à Berta é o local dos Desabafos de um Vagabundo, do Senhor da Bruma, essa bruma a que chamam de internet, de um Haragano, o Etéreo, qual cavalo selvagem que galopa entre cartas alegadamente, quiçá, sem fundamentos.

Carta à Berta é o local dos Desabafos de um Vagabundo, do Senhor da Bruma, essa bruma a que chamam de internet, de um Haragano, o Etéreo, qual cavalo selvagem que galopa entre cartas alegadamente, quiçá, sem fundamentos.

Carta à Berta: A Minha Rua no Bairro de Campo de Ourique: O Meu Regresso... - Parte II

Berta 161.JPG

Olá Berta,

Agora, neste instante, estou um pouco mais em baixo de forma do que antes, mas queria deixar-te o restante relato deste meu regresso à minha rua, a Francisco Metrass, no meu doce Bairro de Campo de Ourique. Com efeito, num caso normal, nunca me teria sido dada alta do hospital, porém, estes são tempos Covídeanos, totalmente diferentes dos anteriores. Nem na medicina os protocolos são os que já foram. Na maioria das situações as consequências são graves e severas.

O Covid-19 impede, pelo simples facto de existir, a realização de uma série de operações não intrusivas, que utilizem aerossóis ou sistemas avançados de lazer, entre outras coisas, pelo que consegui apurar. Como não és médica posso falar assim, se fosses, se calhar era já corrigido com mil e um detalhes técnicos. Contudo, o que importa mesmo é que a cirurgia moderna está, neste momento, amputada de muitos dos seus avanços.

Ontem, ao início da manhã, o meu médico, o diretor de cirurgia geral do hospital, o Doutor José Guerreiro, mandou, tal como tinha feito no dia anterior, retirarem-me mais sangue para se poderem efetuar novas análises de forma a determinar, entre outras coisas, como estavam os níveis da Proteína C Reativa, um palavrão que descobri estar relacionado com a gravidade da minha infeção na vesícula.

Achei giro o facto do homem me fazer lembrar, desde que o conheci, o meu pai, também ele um médico cirurgião cuja vida já terminou há bem mais de 2 décadas. Não sei bem o porquê. Talvez o ar concentrado e conhecedor com que fazia a sua regular apalpação da minha pança, detetando, antes de mim, onde eu ainda deveria ter dores e a respetiva intensidade das mesmas.

Por fim, a meio da tarde, veio, pela terceira vez, examinar-me e só depois me confrontou com os factos. O cuidado com que usou as palavras para que eu entendesse o que se passava chegou a ser enternecedor. Em termos muito simples explicou-me que a infeção estava tratada a 90%. Se fossem tempos normais eu poderia ser operado pela “técnica dos furinhos” e, daí a dias, estaria de volta a casa, totalmente curado.

Contudo, a atualidade, imposta pelo Covid-19, impedia esse processo e ele teria de regredir, voltando ao método intrusivo da facada, cujo processo, embora ainda eficaz, era de mais difícil recuperação pós-operatória e estenderia a minha estadia no hospital numa altura pouco recomendável, para uma pessoa que tinha acabado de passar por 9 AVCs e que apresentava bastantes problemas respiratórios, devido aos meus mais de 50 anos de fumador inveterado. Ele recomendava, por isso, o meu regresso a casa, com dieta rigorosa e continuação de tratamento, até os novos métodos cirúrgicos poderem voltar a ser usados.

Marcou-me uma consulta para dia 8 de maio, para poder reavaliar a situação na altura. Acedi de imediato. Por isso o meu regresso ao Bairro de Campo de Ourique, passou de uma miragem a um facto de efeitos imediatos. A minha alta hospitalar foi dada pouco mais de uma hora depois.

De calças e blusa interiores pretas, revestidas por um roupão bordeaux de algodão polar, com umas sapatas de pele de andar por casa, bem serranas, calçadas, entrei no táxi já artilhado pelas novas normas covídeanas. Banco de trás, devidamente separado do condutor por um novíssimo acrílico protetor.

Por fim, cheguei ao meu bairro, à minha rua e à minha porta. Estava eu aflito, entre dores, para tirar a chave para abrir a porta da rua, vejo vir a correr, do outro lado da estrada, na minha direção, a neta da minha vizinha do rés-do-chão, de chave na mão, pronta a ajudar-me a entrar.

Não havia o que duvidar, estava em Campo de Ourique. Perguntou-me se precisava de ajuda para subir os 3 andares. Agradeci, mas disse não ser necessário e ela partiu, de novo, depois de me ver entrar no prédio. Levei 8 minutos a chegar à porta de casa. Finalmente entrei, cansadíssimo, mas feliz, pois estava de regresso ao lar. Acaba aqui, no ato de fechar a porta, o meu regresso a porto seguro. Recebe um beijo deste teu amigo de sempre,

Gil Saraiva

Carta à Berta: A Peça do Chinês - Parte II - E Vieram os Anjos...

Berta 72.jpg

Olá Berta,

Ontem comecei a contar-te a minha saga sobre a peça do chinês. Vou continuar o relato, minha querida amiga, esperando que tenhas a paciência de leres todos os episódios, até ao fim, sem saltares nenhum. Garanto que a tua paciência será recompensada por alguns sorrisos e uma ou outra gargalhada.

Esta segunda parte da peça do chinês, relata a vinda dos anjos, contudo, não me vou adiantar demais, para já, mas lá chegaremos. Continuando onde ia, cumpre-me dizer-te, minha amiga, que, vindo do nada, qual raio fulminante, oriundo dos quintos de algum sítio que desconheço, uma dor aguda atingiu-me, numa zona que normalmente designo por pança ou bandulho, transformando-me numa espécie de boneco de trapos, daqueles que têm o mesmo ar idiota, como de um certo anúncio de amaciador de roupa, que vemos na televisão de tempos em tempos, atirando-me ao chão.

Esta dor aguda, lancinante e indescritível, apareceu em menos de centésimas de segundo, conseguindo ter a habilidade extrema de tornar o tempo imóvel. Era como se os relógios do universo tivessem todos decidido estacionar os ponteiros. Naquele momento apenas existia dor, sofrimento, agonia e nada mais. A vista deixou de ver, o palato perdeu o gosto, o nariz ficou sem cheiro, o olhar tornou-se surdo, os olhos deixaram de ouvir e os braços, cotovelos, pulsos, mãos e dedos partiram, quais migrantes ilegais, para parte incerta, abandonando o tato, o sentir e a capacidade de me ancorar.

Primeiro, fiquei de joelhos, prostrado, rendido a uma tortura pérfida que me invadia por dentro, consumindo-me o sistema nervoso, que gritava, em pânico, gritos mudos de rendição e suplicas babadas de piedade. Ainda ajoelhado, nessa posição adequada e própria para a época natalícia e festiva que se aproximava, tentei, com as escassas forças e entendimento remanescente, descobrir se existiria alguma estratégia possível de rendição, todavia, o inimigo, fosse lá ele qual fosse, apenas transmitia sofrimento e nada mais, aparentemente, nada preocupado, nem curioso, por saber por quanto tempo eu aguentaria até perder os sentidos e me render à sorte ou ao destino agora projetado.

Ainda hoje não consigo descortinar onde fui buscar recursos e reforços para logo depois, de rastos, armado em comando em prova de choque, munido de uma dificuldade que me parecia surreal, me conseguir transportar, por uns parcos 10 a 12 metros, até a um leito onde, instintivamente, adotei a posição fetal, que durante nove meses me protegera há 55 anos atrás. A situação era de tal configuração, dramática e aflitiva, que, por breves instantes, quase entendi pelo que passam as vítimas da guerra em Aleppo e outros locais semelhantes, quando surpreendidas por um ataque súbito.

O teto da casa fundiu-se com as paredes, a colcha da cama, os móveis e os bibelôs, numa massa disforme que voluteava espirais vertiginosas, compostas de escuridão e dor, algures no limite da velocidade da luz, fazendo-me partir, sem bagagem nem cintos de segurança, para o buraco negro da total inconsciência. Pelo que me foi descrito mais tarde apenas desmaiei.

Ainda ciente dessa parte do percurso desdenhei, com ganas de perplexidade, o uso da palavra apenas. Apenas o tanas, aquilo fora, certamente, a descoberta dantesca de um dos múltiplos portais do inferno, isso sim.

Porém, contou-me, dias mais tarde, a minha senhoria e querida amiga (que dividia nessa altura a casa comigo, há pouco mais de 8 anos), que eu, nesse dia, a tinha convidado para jantar comigo e que assistira a toda a cena sem muito poder fazer. Informou-me que eu nem a via, ouvia ou mesmo a sentia ali presente, qual autista perdido num mundo fora do quotidiano dos dias e das noites, gritando perdido, metaforicamente, por uma ajuda que não tinha como receber, por não poder ser escutada fora de mim, como é usual nos gritos mudos.

Precisando eu de ajuda divina, foi ela quem encontrou a alternativa mais próxima do auxílio dos céus, através de apelo telefónico desesperado, aos Anjos da Noite, uma organização empresarial que envia médicos ao domicílio, sem asas, infelizmente, e de aspeto bastante humanoide. Aliás, de Anjos, aqueles seres da noite, somente deviam ter o nome, tal como um oásis mantém o seu, mesmo depois de se ter rendido há muito ao deserto, seca que ficou a sua fonte de vida.

Todavia, a palavra noite, que lhes assentava como uma luva e que poderia muito bem significar trevas, a ter em conta os preços, verdadeiramente demoníacos, cobrados pelos serviços ficticiamente prestados. A mim calhou-me uma doutora que, a julgar pelo rosto indisposto e descomposto, pela voz de cana rachada e pela ausência de formas, pouco ou mesmo nada deveria à divina intervenção do Altíssimo.

Falhou integralmente o diagnóstico, na sua douta ignorância de quem se deve ter formado, inteligentemente, à custa das passagens administrativas dos tempos revolucionários, mas conturbados, do pós 25 de abril. Segundo a especialista, o meu problema, como me doía a pança, era certamente uma gastrite.

Tivesse eu tido, naquela altura, a mínima capacidade de reação intacta, ter-lhe-ia dito, como todas as letras, onde é que ela podia meter a gastrite, mais a estupidez do diagnóstico de trazer por casa, acrescido da ignorância escondida num diploma médico, conseguido de modo dúbio, nalguma feira da ladra, realizada pelos adros tortuosos do sistema educativo. Contudo, infelizmente, a minha nula capacidade de agir, quanto mais de reagir, permitiu que a fulana do estetoscópio escapasse impune à minha revolta.

Ora, sem qualquer surpresa, Berta, nada disso me trouxe qualquer desconto, nem o tratamento apontado me tirou as vertigens, o suor frio e as dores que, por essa altura, já me faziam imaginar uma miraculosa gravidez, bem no seu término, em momento de parto, sem dilatação e a necessitar de fórceps. Porém, a referida desasada, portadora do tal canudo (posso garantir, em boa hora, que o dito nunca me foi mostrado), num golpe de lucidez, que jamais se adivinharia vir daquele tipo de gente, lá aconselhou que era melhor chamar os bombeiros e ir para o hospital.

Nada a criticar, todos os anjos são bem-intencionados, e, mesmo sem entenderem um boi daquilo que deviam praticar e exercer, por falta de conhecimentos ou de vocação, não lhe posso negar, minha amiga, a extrema utilidade de um conselho que me custou quase cem euros, nessa noite.

Muito, mas muito mais difícil é imaginar dois bombeiros a levar o meu incapacitado metro e oitenta e dois, quase que inconsciente, escada abaixo, três pisos até à rua, num prédio sem elevador, edificado muito cedo, algures no princípio do último século do milénio passado.

Penso que foi a força da gravidade que acabou por ajudar a colocar os 85 quilogramas da massa, contorcida e em guerra consigo própria, que me representava, na maca da viatura dos soldados da paz, ainda para mais se tivermos em linha de conta que a velha escada de carvalho, era, nos 2 primeiros lances da descida, complicada de ultrapassar.

Afinal, os 18 degraus e os 2 patamares, estavam adornados com 52 vasos de plantas de interior, uma coleção de que muito me orgulho e que absorvem, para seu belo proveito, a luz, que a claraboia, a uns 5 metros de altura, convida a entrar, com a função de dar vida ao espaço, aliás, tu conheces bem, Berta, até o elogiaste muito, da primeira vez que jantaste aqui em casa.

Assim sendo, continuando a narrativa, carregar um peso morto de quase 100 quilogramas, embora vivo, por esta selva decorativa e vegetal, onde a largura deixada em cada degrau apenas permitia a presença de uma pessoa e não de 2, lado a lado, foi uma obra digna dos poemas épicos de Camões ou uma lança em África, enterrada à custa do suor e engenho de 2 ilustres e abnegados bombeiros.

Cheguei às urgências do céu algum tempo depois, a um local que dá pelo nome de Hospital São Francisco Xavier, onde fui alvo de carinho e atenção. Bem, estou a exagerar neste ponto. Deveria dizer, para ser correto no relato, que me contaram que fui bem tratado, que toda a gente se mostrou solicita e carinhosa. Contudo, eu não faço a menor ideia pois, nos momentos de consciência, muito poucos por sinal, apenas me recordo da tortura e das dores dentro de mim e mesmo nada mais.

Aliás, consegui imaginar-me um rato de laboratório, passando pelo raio x, análises sem fim, macas que chiam, chocalham e batem nas esquinas, ao serem transportadas de um lado para o outro, três ecografias, quatro médicos e um cirurgião, onze enfermeiros e seis auxiliares, soro, cateteres, medicação intravenosa e sei lá que mais…

Finalmente, no meio do martírio, acabei por concluir que, provavelmente, estava num purgatório, onde ainda teria muito para sofrer. A verdade, todavia, era outra bem diferente. Passaram 3 dias (que a mim apenas me pareceram cinco horas) e, dos quais, confesso, não tive grande consciência.

Lembro-me das dores, de vozes de fundo, de ser transportado entre espaços, e muito pouco mais, para a imagem ser mais clara, minha querida amiga, pensa como se deve sentir uma encomenda dos correios, no seu trajeto infindo entre o ponto de partida e o destino. Já imaginaste? Agora acrescenta uma boa dose de inconsciência, intercalada com dores lancinantes e agonia, e poderás ficar com uma ideia.

Graças a alguma divina intervenção, algures, no meio deste percurso, tudo acalmou e eu viajei para um adorável spa de primeiríssima classe. Descobri mais tarde que a partida para o dito spa, se traduzira, na realidade, na chegada abençoada da "Santa Morfina dos Aflitos"…

Por hoje é tudo, amanhã entraremos na terceira parte. Recebe um beijo amigo deste que nunca te esquece,

Gil Saraiva

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

Em destaque no SAPO Blogs
pub