Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Carta à Berta

Carta à Berta é o local dos Desabafos de um Vagabundo, do Senhor da Bruma, essa bruma a que chamam de internet, de um Haragano, o Etéreo, qual cavalo selvagem que galopa entre cartas alegadamente, quiçá, sem fundamentos.

Carta à Berta é o local dos Desabafos de um Vagabundo, do Senhor da Bruma, essa bruma a que chamam de internet, de um Haragano, o Etéreo, qual cavalo selvagem que galopa entre cartas alegadamente, quiçá, sem fundamentos.

Carta à Berta: Registos da Memória VIII - Cabo Verde, Ilha do Sal, Praia de Santa Maria - Num Bar da Praia

Gil  2011 Praia de Santa Maria.JPG

Olá Berta,

Como podes ver pela fotografia que acompanha esta carta, que mantém os meus registos da memória de há 10 anos atrás, na Ilha do Sal, junto à cidade de Santa Maria, em Cabo Verde, uma década faz diferença na fisionomia de uma pessoa.

Para já, e enquanto eu não for atacado por nada que me faça perder a memória, ainda me parece que foi ontem que eu estive ali sentado a beber aquela cerveja. O tempo tem destas coisas… passa e nós nem damos por ele passar. É como se, na nossa mente, os momentos, os instantes de prazer o obrigassem a ficar retido num presente que apenas existe no nosso cérebro e em mais lugar algum.

Se fechar os olhos, depois de olhar esta fotografia, este ali ainda sou eu, tal e qual como no dia em que foi captada a imagem e, no entanto, já lá vão 10 anos. Esta magia do tempo sentido e do tempo passado sempre me fascinou. Eu continuo adepto ferrenho o tempo sentido a que costumo chamar de instante, momento ou registo da memória. Recordar não me magoa, dá-me novo vigor.

A testa a querer franzir denota a ligeira preocupação de que a fotografia me roube, por pouco que seja, a maravilhosa sensação de estar acompanhado pela felicidade. Um trago de cerveja, o corpo quente, a mente entregue à paisagem, sem outras preocupações que não a do receio daquela máquina fotográfica, num tripé sem sentimentos ou emoções dignas de registo. Não me parece aceitável que ela queira partilhar comigo aquela liberdade simples de me sentir feliz e sem problemas. Paranoia, acabo por pensar, num clique, ela deixa de estar ali, assim presente. Apesar de tudo, quem tem a cerveja sou eu.

Termino, por agora mais uma carta, minha querida Berta, espero que te tenha agradado, pelo menos do mesmo modo que ela me fez, com um sorriso no pensamento, mais uma vez, alguém de bem com a vida e feliz. Fica o beijo da despedida, deste teu grande amigo,

Gil Saraiva

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

Em destaque no SAPO Blogs
pub