Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Carta à Berta / Desabafos de um Vagabundo / Miga, a Formiga / Estro

A partir de Julho de 2022 os blogs do Senhor da Bruma, assinados por Gil Saraiva, são reunidos em "alegadamente". Os blogs: Estro (poesia), gilcartoon (cartoons) e Desabafos de um Vagabundo (plectro) passam a integrar este blog. Obrigado.

A partir de Julho de 2022 os blogs do Senhor da Bruma, assinados por Gil Saraiva, são reunidos em "alegadamente". Os blogs: Estro (poesia), gilcartoon (cartoons) e Desabafos de um Vagabundo (plectro) passam a integrar este blog. Obrigado.

Carta à Berta: Por falar em Carnaval...

Berta 120.jpgOlá Berta,

Espero que este Carnaval estival te vá encontrar bem e com vontade de ires assistir às folias em Loulé. Acredita que vale a pena. Trata-se, na minha opinião, do maior evento do concelho e tu certamente vais gostar de o ver em primeira mão. Não estou a puxar a brasa para a minha sardinha, só porque vivi uns 27 anos no Algarve. Nada disso. Aliás, se o visitares vais poder julgar por ti mesma.

Acontece que estás perto de um dos melhores do país. Apenas considero que deves aproveitar. O facto de o ter vivido, durante os meus tempos de criança, não influencia em nada a alegria e o entusiasmo, que esse Carnaval transmite a quem o visita pela primeira vez.

Podia, igualmente, recomendar-te o Carnaval de Ovar, mas terias de fazer uma deslocação grande daí até lá. Porém, Ovar tem outro dos melhores carnavais do país. Houve um ano em que consegui juntar-me a um dos grupos que iria participar no desfile, podes não achar normal, mas estive 6 dias sem me deitar.

A folia decorreu 24 horas por dia, durante uma semana inteira. Sei que deixara pouco tempo antes a adolescência, mas nunca mais esquecerei o tempo e as aventuras daquele Carnaval. Foram tamanhas as façanhas e proezas que, para ser verdadeiramente honesto, ainda hoje não sei se não terei deixado descendência na terra do pão-de-ló.

Importa referir que há quem defenda que o Carnaval substituiu, depois da chegada do Cristianismo a Roma, as festas dedicadas ao deus do vinho, Baco. O que é certo, porém, é que a Igreja o registou e oficializou no entrudo, no calendário litúrgico em 590 d.C.

Contudo, tratavam-se de pequenos divertimentos sem grande organização, dispersos e sem existirem propriamente festejos organizados a nível das cidades ou das regiões. No século XI apareceram em Veneza os primeiros sinais de um Carnaval organizado por uma cidade. A ideia era permitir à nobreza que se misturasse, durante uns dias, com a restante população usando máscaras, num convívio que nos pode parecer democrático, mas que tinha mais de boémio do que outra coisa qualquer.

Só em 1296 é que o evento foi oficializado em Veneza, tornando-o por isso mesmo, este Carnaval, enquanto celebração oficial e devidamente denominada, organizada e reconhecida por uma cidade, no mais antigo do mundo. As festividades, e o uso das máscaras, foram balizadas em 10 dias (embora tivessem existido anos em que o seu uso chegou aos 6 meses).

Portugal, minha querida amiga, que bebia culturalmente das fontes francesas e italianas, principalmente a partir do século XV e XVI, iniciou estas festividades por esta altura, principalmente na Madeira onde o evento ganhou rapidamente foros de festa maior.

Durante o século XVI, enquanto maior entreposto comercial do Atlântico de escravos para o Brasil e conhecida como a rainha ocidental da rota do açúcar, a Madeira acabaria por exportar também para o Brasil uma das suas festas maiores, fazendo com que o Carnaval cedo se instalasse em Pernambuco, por volta do século XVII, naquela que era chamada de Festa dos Reis, quando os trabalhadores das Companhias de Carregadores de Açúcar e de Mercadorias, formavam cortejos carregando caixões de madeira e recriando músicas em ritmo de marcha popular, com um travo reconhecidamente madeirense.

Ora, bastaram 100 anos para que esta folia se espalhasse por todo o território brasileiro, ganhando novas formas de festejo, novos adornos e muita cor. Com a instalação da Corte e da família real no Rio de Janeiro em 1808, e com as primeiras tentativas de ordenar as festividades, estava lançado de vez o Carnaval do Brasileiro que, embora com o passar dos anos se tivesse civilizado no que aos festejos oficiais diz respeito, nunca perdeu o seu lado genuinamente popular, livre e quase selvagem, cheio de dança, de festa e de muita cor.

Há quem defenda, com unhas e dentes, que depois de Veneza, o segundo Carnaval organizado e estruturado como festa e folia por altura do entrudo, antes da Páscoa, é o da Madeira. Ora, realmente os registos encontrados sobre a festividade em cidades como Paris, que muito difundiu o conceito moderno de Carnaval pelo mundo ocidental, são realmente posteriores ao da Madeira, o que faz jus da reivindicação do arquipélago. Contudo, o mais importante e curioso é sabermos que, sem querer, demos origem a uma das festas mais populares do mundo, num país que fez do Carnaval a sua maior festa, o Brasil.

Contudo, embora o Carnaval do Rio de Janeiro, tenha maternidade madeirense e paternidade portuguesa, por força da sua exportação para o Brasil pela Madeira e da instalação da corte e da família real portuguesa na cidade, o que é realmente relevante é ele ser atualmente o maior Carnaval do mundo.

Apesar do tema da minha carta de hoje ser o Carnaval, em termos gerais, aquele de que eu queria falar, na realidade, era sobre o Carnaval de Veneza. Não por ser o primeiro e, por isso mesmo, o mais antigo, mas porque, pela segunda vez na sua história está suspenso, cancelado, enfim, não se realiza.

A primeira vez que isto aconteceu o Carnaval de Veneza esteve sem se festejar por quase 200 anos. O motivo foi a proibição da festividade na cidade por parte de Napoleão Bonaparte, em 1797, jugando no ostracismo uma tradição de séculos, que, para quem não sabe, só regressaria oficialmente em 1979, sendo que, a partir de então, se assistiu a um renascimento esplendoroso e magnífico da tradicional festa veneziana.

Agora, este ano, pela segunda vez, o Carnaval de Veneza é cancelado. Desta feita, o novo ditador não vem de França, mas da China e chama-se Coronavírus, mais propriamente Covid-19. Esperemos que, desta feita, a interrupção seja de apenas um ano e que a maldição deixe de pairar sobre esta festa da alegria e do povo.

Com estes votos me despeço, minha querida Berta, solicitando que não leves a mal este desabafo de ver uma tão linda festa cancelada por um motivo tão nefasto, recebe um beijo de saudade deste teu amigo de sempre,

Gil Saraiva

Carta à Berta: A Greve em França e os "Black Blocs"

Greve Geral em França.jpg

Olá Berta,

Espero que por esse Algarve, para onde te mudaste, o frio seja menor do que por aqui em Lisboa. Nem quero pensar como estará o norte do país, e muito menos as terras altas ou até o Alentejo, durante as noites e madrugadas. Para mim é frio a mais e ponto final. Prefiro a chuva, não sou fã do vento, e, minha querida, adoro o Sol.

Hoje estou aqui para te falar da Revolução Francesa, não a que acabou com a monarquia no país, mas a que não mais se calou, daí para cá, no país da liberdade, da igualdade e da fraternidade.

Já tivemos de tudo em terras de Napoleão, as últimas grandes ocorrências, após os horrendos ataques terroristas, foram, quer o aparecimento das manifestações dos famosos “Coletes Amarelos”, quer esta última, que hoje ocorreu, derivada de uma greve geral que colocou quase um milhão de pessoas na rua, até mais, segundo os sindicatos, e um pouco menos segundo o Estado.

Macron está no centro de toda a polémica. O homem pode dar graças aos céus de a guilhotina estar agora apenas exposta em museus e de já não ser um objeto utilitário para afastar os líderes do poder. É que os franceses não brincam quando se manifestam, para desespero do setor do turismo francês, que tenta a todo o custo inverter o afastamento dos turistas para países periféricos e insignificantes como Portugal.

A greve no setor público, hoje iniciada, vai continuar até à próxima segunda-feira e as 90 detenções efetuadas até ao momento, prometem aumentar significativamente nos próximos dias. Aliás, se somarmos o número de manifestantes presos só desde o aparecimento dos “Coletes Amarelos”, facilmente se conclui que o Governo já deve ter construído, no mínimo dos mínimos, 2 novas prisões para albergar os tumultuosos agitadores.

Em causa, desta vez, estão as novas medidas introduzidas por Emmanuel Macron, sobre as pensões de reforma em França. É que para os franceses não basta o “quem dá e tira, ao inferno vai parar”, eles fazem questão de trazer o caos, as trevas e o próprio inferno até às portas do infeliz governante, que passa a vida a ver-se envolvido nestes tumultos agitadíssimos, que em nada contribuem para a estabilidade nacional segundo a opinião do próprio Estado.

Fica provado que este Emmanuel, no masculino, não goza da popularidade da sua homófona feminina, a Emmanuelle dos filmes nos idos de 1974. A popularidade pode até ser semelhante, mas em sentido totalmente oposto.

Combóis, autocarros, metro, aeroportos, escolas, tribunais e os mais variados serviços públicos estão a ser severamente afetados. Por todo o lado há carros e contentores do lixo a arder, mobiliário urbano e montras partidas, veículos capotados, num quadro que Dante adoraria por certo retratar.

O Governo francês, está a unificar 42 regimes de pensões, num único sistema de pontos, que põe termo a uma imensidade de direitos laborais, há muito instituídos em França. Os sindicatos em revolta já anunciaram a continuação da greve até segunda-feira, com um pequeno detalhe, é que acrescentaram um “pelo menos” o que significa obviamente, caso não haja um recuo evidente do Governo, da existência de um “pelo mais”, ou seja, da continuidade da greve, que, sendo uma greve geral, pode continuar a parar o país.

Cada vez mais grave é, também, a proliferação dos chamados “Black Blocs”, bandos de indivíduos totalmente mascarados e vestidos de preto, que geram a destruição por onde passam. Ao contrário dos seus primos, os “Coletes Amarelos”, que apenas se manifestavam evitando, na sua grande maioria a violência, estes meninos, que ao coro nada ficam a dever, adoram deixar a sua marca destruidora bem registada por onde passam.

Pobre do polícia que seja apanhado por um bando, o hospital será certamente a sua melhor esperança. A coisa é de tal forma grave que o gás lacrimogénio começou a ser usado logo no início das manifestações, por imperiosa necessidade das forças da ordem.

É por estas e por outras, minha querida Berta, que eu adoro os brandos costumes portugueses. Passos Coelho meteu-nos o dedo no ânus durante 4 longos anos e Centeno, ao bloquear a eficácia do SNS, o Serviço Nacional de Saúde, impediu-nos de tratar a violação por sodomia convenientemente, todavia, mesmo assim, ainda agora aguardamos em harmonia a reposição geral das coisas e o regresso à normalidade. Mas isso somos nós. Podemos ser latinos como os franceses, mas o sangue na guelra não faz parte do nosso ADN.

Fica com um beijo deste teu amigo em mais esta despedida, como sempre ao teu dispor,

Gil Saraiva

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em destaque no SAPO Blogs
pub