Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Carta à Berta

Carta à Berta é o local dos Desabafos de um Vagabundo, do Senhor da Bruma, essa bruma a que chamam de internet, de um Haragano, o Etéreo, qual cavalo selvagem que galopa entre cartas alegadamente, quiçá, sem fundamentos.

Carta à Berta é o local dos Desabafos de um Vagabundo, do Senhor da Bruma, essa bruma a que chamam de internet, de um Haragano, o Etéreo, qual cavalo selvagem que galopa entre cartas alegadamente, quiçá, sem fundamentos.

Carta à Berta: Registos da Memória - X - Cabo Verde, Ilha do Sal, Cidade de Santa Maria - Mulheres

Sal RM 10.JPG

Olá Berta,

 Oiço muitas vezes em Lisboa falar mal dos cabo-verdianos. Diz-se que têm máfias terríveis, gente ruim e que são dos mais terríveis bandos organizados que existem no nosso país. Não faço ideia se tais acusações têm algum fundo de verdade. Podem ate ter. Porém, desde que tenho memória, nunca me foi dado a conhecer um único cabo-verdiano que corresponda a essa descrição.

Dos meus testemunhos, e já foram muitos, só tenho a dizer deste povo acolhedor, afável, alegre e cheio de vida. Ainda não conheci nenhum que me quisesse mal. Muito menos roubar ou assaltar ou maltratar. Mas isso sou eu e a minha sorte. No entanto, não podia acabar estes registos da memória sobre a Ilha do Sal, sem homenagear esta gente que me acolheu de coração aberto e a quem só tenho que agradecer.

Na azafama de mais um dia em Cabo Verde, a ida ao mercado de ar livre na cidade de Santa Maria, ali, na Ilha do Sal, faz parte dos hábitos de todos os dias. Depois é preciso levar as compras para casa antes de tratar do almoço. Hospitaleiros, afáveis e de uma simpatia contagiosa, os habitantes, homens e mulheres, gostam da interação com quem os visita.

Uns 15 minutos depois desta fotografia estive à conversa com estas cinco ilustres representantes do sexo feminino. Foi uma conversa de quase um quarto de hora e não mais porque as damas estavam com alguma urgência em regressar a casa. Da esquerda para a direita conversei com Melissa e Kiara (presa pelo pano vivo de azul às costas da mãe), e também com Eliane, Luana (ainda na barriga da mãe e a quem desejei um feliz nascimento) e Mayara, a pequenina que completava o grupo.

Fui inclusivamente convidado para o almoço, que declinei, por já ter marcado refeição num dos restaurantes da artéria principal da cidade. A simpatia chegou ao ponto de me informarem que o local que eu havia escolhido não era grande coisa e era caro, sendo mais um sítio para explorar turistas burros. Agradeci os elogios e elas riram todas com gosto. Depois deram-me os nomes das casas onde poderia comer bem, por menos de metade do preço, e seguiram na sua rotina habitual.

E assim termino mais esta carta, minha muito querida Berta, fazendo votos que estes dez pequenos relatos sobre Santa Maria te tenham agradado e deixado com vontade de visitar o arquipélago. Garanto-te que vale a pena. Despeço-me com um abraço virtual, este teu amigo,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta: Parada's Garden: The Return Of The Yodas Concil - Part III /III

Berta 229.JPG

Olá Berta,

Não quero terminar esta história sem referir, mais concretamente, as 46 senhoras séniores, que contabilizei sentadas, pelo Jardim da Parada, nos bancos proibidos fitados de vermelho e branco, à tarde, na passada terça-feira. Foram elas que me levaram a escrever a terceira parte da carta de hoje intitulada de:

“Parada’s Garden – The Return Of The Yodas  Council – Part III/III”

Tenho todo o respeito pelos cabelos brancos, grisalhos ou pintados de tons de louro ou de escuro, das matriarcas soberanas e séniores do meu bairro. Mas 46 é um número imenso e preocupante num jardim que ocupa a área de apenas um quarteirão. Igualmente de consideração são as árvores centenárias que lhes fornecem a sombra, tão desejada, em dias de Sol. O jardim tem muitas destas também. Algumas delas etiquetadas com os seus altivos nomes em latim, numa demonstração humana da estima que nos merecem.

Com efeito, ao contrário dos cavalheiros, estas damas anciãs, não se reúnem nas mesas do jardim, prontas para um desafio de sueca disputado a 4. Elas preferem matar saudades, com ajuntamentos de 2, 3, 4 ou 5 elementos do seu sexo só as vejo sozinhas ou em grupos maiores do que 5 pessoas quando estão, respetivamente, sentadas a falar para o telemóvel ou quando se encontram, em trajetos curtos, de pé, entre passeios, e um grupo se cruza com um outro grupo conhecido.

Contam as novidades do confinamento e do desconfinamento, falam das saudades de filhos e netos, conversam sobre os acontecimentos da vizinhança, relembram tempos antes da viuvez, ou discutem, como ouvi esta terça-feira, amiga Berta, a forma como puxariam as orelhas ao André Ventura se o dito fosse filho delas.  Aliás, ao contrário do que a minha mente, talvez ainda portadora de algum preconceito inconsciente, conferenciam sobre política e atualidade com perfeita noção de quem tem opinião definida e sabe perfeitamente o que diz.

São as Yodas sagradas no feminino, em toda a sua força e sabedoria. Ao contrário dos homens, não realizam concílios numerosos, dividem-no em partes, de forma a evitar que os temas dispersem e tenham que esperar demasiado tempo para ser de novo a sua vez de voltar a falar. O instinto feminino faz delas, muitas vezes, vozes mais sábias, mais ponderadas e lucidas do que as que normalmente constatamos nos machos séniores. Outra caraterística evidente é a capacidade que têm de lidar com o infortúnio, a desgraça ou a doença muito superior à masculina.

Só que, estas sagradas damas têm necessidade de trocar ideias, de se encontrarem, de manterem os círculos de amizade formados, muitos deles, num passado já remoto e, por isso mesmo, descuram alguns detalhes. Pormenores   de importância muito relevante nos dias que correm, seja a falta da máscara, perdida nos labirintos das suas carteiras, seja o distanciamento social ainda exigido pelo Estado de Calamidade, seja lá o que for, apenas porque o instinto de partilha falou mais alto.

É para evitar essas falhas que uma atenção redobrada da Junta de Freguesia e das Forças da Ordem teria, no Jardim da Parada, que aqui apenas é exemplo de tantas outras Paradas, uma importância determinante. Não era preciso muito, estou convencido que um pequeno alerta aqui ou ali, seriam suficientes para colocar tudo dentro dos parâmetros desejados e requeridos pela presente pandemia.

Com estas observações, minha querida amiga, termino a rúbrica do “Jardim da Parada – O Regresso do Concílio dos Yodas – Parte III/III”. Tenho uma grande e boa amiga de 92 anos, que se encontra institucionalizada num lar privado na Parede, que diz, depois de ter conseguido escapar a um Lar da Santa Casa, que em ambos, por estes tempos, se sente uma prisioneira obrigatoriamente confinada, mas que afirma que, neste último, o confinamento (e pagava o mesmo pelo outro) tem um terço dos utentes para o mesmo espaço e o respeito dos tratadores que a vêm como um ser e não como uma fonte de rendimento por força da sua boa reforma. O problema dos lares da Misericórdia ou da Santa Casa são a falta de nível do seu pessoal e o aquartelamento dos utentes como se fossem carne à espera da hora de partirem para o matadouro.

Porém, Berta, isso poderá ser tema para um dia, noutra carta, que não nesta. Recebe um beijo deste teu amigo,

Gil Saraiva

 

 

Carta à Berta: 2019 terminou com mais uma Vítima Feminina de Violência Doméstica

Pai mata Filha( no 36º assassinato de )violência

Olá Berta,

Sei que ainda esta manhã te escrevi uma carta, minha querida amiga, mas o que li hoje nas notícias, nos jornais online, não podia ficar por comentar. É deveras deprimente viver num país onde o tratamento de um assunto tão sério ainda não tem a devida atenção, por parte das autoridades nacionais e, principalmente, do lado dos poderes legislativos e judiciais.

Desta vez, pela trigésima sexta, em 2019, foi um pai de 68 anos que, alegadamente, matou por negligência doméstica, uma filha de 43 anos e feriu o genro, enquanto limpava uma caçadeira.

Estava o ano quase a terminar e o patriarca queria celebrar a entrada do novo ano a tiros de arma de caça. A negligência, verdadeira ou não, causando uma morte e um ferido, não deixa de ser violência doméstica. Afinal, esta situação não pode ser tratada, certamente, como uma comemoração familiar, lá porque a arma iria, supostamente, servir para festejar a chegada do ano novo.

Ainda por cima porque, a ser verdade que a arma se disparou por descuido, não faz sentido que o homem se tivesse posto em fuga, tendo no seu encalço a GNR local e depois a polícia judiciária. Todavia, mesmo que essa tese, defendida por outros familiares, prove ser a que realmente aconteceu, o descuido não foge do âmbito violento, ocorrido em casa.

O que me leva a concluir que os factos nunca deixarão de ser, por isso, um crime de homicídio doméstico, seja ele negligente ou não.

No meu entender, embora não seja um especialista da matéria, o trigésimo sexto de violência doméstica que provocou a morte de um familiar, em 2019, neste caso em sede de um acampamento permanente onde toda a família residia.

A morte ocorreu na zona de Ovar, a poucas horas da mudança de ano e pintou de negro a tragédia de um ano em que 3 vezes por mês, alguém é morto no seio do lar por um familiar. Ora, quando a grande maioria das vítimas são mulheres, é caso para nos levar a pensar que soluções urgentes e imediatas devem ser tomadas, porque é preciso pôr termo a esta carnificina sem sentido algum.

Se em 2016 os homicídios registados no âmbito familiar foram 4, mais um que os registados em 2015 e 2014, em 2017 esses números dispararam, passando para 20, em 2018 chegaram aos 28 e por fim em 2019, os homicídios por violência fecharam o ano nos 36, ou seja, 9 vezes mais do que há 3 anos atrás.

Quando uma taxa qualquer sobe 900 por cento em apenas 3 anos, seja ela que taxa for, algo não vai bem no reino ou na república. Mais grave ainda é quando essa percentagem refere a subida de um crime perfeitamente identificado.

Será que sou só eu que considera um absurdo a subida de 1200 por cento dos crimes de homicídio, no âmbito da violência doméstica, em 5 anos? É que saltar de 3 mortes, neste setor, em 2014 e 2015 para 36 em 2019 é precisamente o que aconteceu. Uma vergonha sem nomenclatura digna para a descrever.

Nos últimos 29 anos foram registados em Portugal quase 400 mil crimes de violência doméstica, com um crescimento anual médio superior a 19 por cento ao ano. Um facto, de tal forma assustador, que ameaça tornar este país, dito de brandos costumes, numa verdadeira casa (ou república, melhor dizendo) de horrores. Basta pensar que se estes casos fossem pessoas, e se essas pessoas constituíssem um partido, que fossem a votos nas legislativas portuguesas, ganhariam 10 lugares no atual parlamento.

No cerne de toda esta problemática estão, sem qualquer margem para dúvidas, digo eu que alegadamente me acho cheio de razão, minha querida, as sentenças amigáveis e permissivas dos juízes deste país. Quanto a mim, o conhecimento por parte da população deste tipo de julgamentos, das respetivas penas e do péssimo tratamento dos juízes perante as vítimas, gerou uma espécie de república das bananas, no que ao aparente desculpar dos culpados diz respeito, ou seja, toda o mundo tem a sensação de que existe uma impunidade generalizada no setor. É como se o próprio Estado estivesse de acordo com este status quo.

Ora, amiga Berta, isto é de todo inadmissível. Se eu tivesse 16 anos e Greta fosse o meu nome, formava um movimento contra o femicídio. Sim, porque para além das 31 mulheres mortas (dos 36 homicídios de violência doméstica), este ano que passou, houve outras tantas que escaparam a este fim, tendo os presumíveis culpados sido acusados de tentativa de homicídio.

Espero sinceramente que este 2020 seja o ano da mudança. É preciso parar, estancar e acabar de vez com este flagelo que assombra a nossa sociedade.

Despeço-me saudoso com mais um beijo de esperança, deste teu amigo de todos os dias,

Gil Saraiva

Carta à Berta: As Mulheres no País do Sol Nascente

Mulheres no Japão.jpg

Olá Berta,

Hoje fiquei chocado com uma notícia que li na imprensa online. A situação era tão surreal, absurda e estupida que, ao princípio, julguei tratar-se de uma piada de mau gosto. Contudo, depois de ler todo o artigo e de tentar encontrar alguma espécie de contraditório, descobri que não havia nada que contradizer porque, para meu espanto, as coisas são exatamente como o artigo as descrevia.

Relatava a notícia que nasceu no Japão, um dos países mais desenvolvidos do mundo, um movimento feminino com vista a exigir mudanças na legislação laboral de forma a permitir que as mulheres possam usar óculos no local de trabalho, seja ele qual for. Sim, sim! Leste bem, atualmente no país do Sol Nascente ninguém do sexo feminino pode usar óculos no emprego.

É o próprio Ministro do Trabalho japonês que afirma publicamente que as regras relativas ao Código de Vestimenta no trabalho são não apenas necessárias como apropriadas. Apresentando-se contra qualquer alteração como as propostas por este movimento nascido nas redes sociais. Aliás, esclarece o artigo que, se uma mulher usasse óculos no trabalho, a sua apresentação tornar-se-ia bem mais rude do que o expectável, o que era realmente inadmissível.

Indignado com tal chorrilho de disparates, e na procura de outras notícias que me desmentissem a que acabara de ler, acabei por descobrir uma outra em que o governo tentou impor que as empresas comerciais e de serviços, que empregassem mulheres nos seus quadros, as obrigassem a ir trabalhar de saltos altos.

A imposição ainda não foi totalmente descartada, mas encontrou resistência severa através de uma petição online, iniciada por uma atriz, que conta até ao momento com milhares de subscritores de ambos os sexos. A medida ainda não conseguiu ganhar forma de lei graças a esta oposição iniciada por uma atriz, mas o Estado já fez saber que a pretende vir a impor num futuro bem próximo.

Podia estar aqui a relatar-te mais umas 30 ou 40 regras deste Código de Vestimenta do Japão, mas, acho que a que já descrevi é suficiente para imaginares o restante chorrilho de disparates e imposições em vigor. O espantoso no Código em causa é que quanto maior for a responsabilidade da mulher numa empresa e mais elevado for o seu cargo, mais graves são as regras impostas e mais apertado é o Código. Aliás, já é obrigatório que toda e qualquer executiva empresarial use saltos altos, a alteração proposta visava apenas ser mais abrangente.

Não leves a mal a brincadeira que passo a descrever, mas eu estou mesmo a imaginar uma executiva japonesa, que possua algumas boas dioptrias, no que à miopia diz respeito, e mais uma abastada dose de astigmatismo, a andar de saltos altos, num piso acabado de lavar e ainda a caminho da secagem total. Deve ser algo como um principiante de patinagem no primeiro dia em que coloca os patins, só que sem as proteções que lhe amparem as sucessivas quedas e trambolhões.

Pois é Berta, sei que estás a pensar que te citei apenas um ou outro disparate em vigor nesse longínquo oriente, mas nem comecei sequer. Dou-te outros 2 exemplos: a tal míope, se cair, apenas terá os seios protegidos, porque é absolutamente obrigatório que vá trabalhar com sutiã. Porém, se a dita senhora tiver uma cintura superior a 90 centímetros, não irá laborar tão cedo porque o Estado a obriga a submeter-se a tratamento ambulatório ou internamento até o objetivo ser atingido.

Não estamos a falar de um país de terceiro mundo, nem de uma qualquer nação em desenvolvimento, estas regras são impostas pela lei numa das maiores e mais fortes economias mundiais. Nem o Japão é o Nepal, onde a religião Hindu obriga à expulsão das mulheres de sua casa e ao seu isolamento da comunidade durante os períodos menstruais, por considerar que a mulher está suja e em estado impuro. Nada disso, estamos mesmo a falar do Japão.

Depois de tamanhas bizarrias resolvi ir ver em que lugar estavam as terras do Sol Nascente no que às disparidades de género diz respeito. Não foi fácil, mas finalmente descobri um relatório do Fórum Económico Mundial, já de 2019, que, entre os 154 países analisados, coloca o Japão no centésimo décimo lugar, apenas a 44 do fim da tabela.

Vou pensar muitas vezes antes de voltar a dizer mal deste país à beira mar onde vivemos. Podemos não ter o índice de produtividade do Japão, mas tenho a certeza que somos bem mais felizes. Fica bem minha querida, despeço-me saudosamente, com um beijo deste, que não te esquece,

Gil Saraiva

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

Em destaque no SAPO Blogs
pub