Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Carta à Berta / Desabafos de um Vagabundo / Miga, a Formiga / Estro

Julho de 2022: blogs do Senhor da Bruma, assinados por Gil Saraiva, são reunidos em "alegadamente": Estro (poesia), gilcartoon (cartoons) e Desabafos de um Vagabundo (plectro). Tudo deve ser entendido no âmbito do alegadamente.

Julho de 2022: blogs do Senhor da Bruma, assinados por Gil Saraiva, são reunidos em "alegadamente": Estro (poesia), gilcartoon (cartoons) e Desabafos de um Vagabundo (plectro). Tudo deve ser entendido no âmbito do alegadamente.

Carta à Berta: Miss Universo

Berta 44.jpg

Olá Berta,

Como estás minha querida amiga? Espero que tudo continue pelo melhor por essas terras algarvias. Por aqui, as coisas vão saudosas da tua companhia, mas calmas. Recebi mais um selo de participação do “tripavisor”, pelas minhas opiniões sobre restauração e hotelaria, principalmente no que diz respeito ao Bairro de Campo de Ourique. Fiquei surpreso por saber que me encontro no escalão dos 20 porcento, entre aqueles cujas críticas são mais consultadas no site, no que se refere à capital.

Julgo que terás assistido este domingo à eleição de Miss Universo 2019. Embora eu não entenda muito bem o que tu vês de interessante nesse concurso, porque, em definitivo, não é a minha praia, acabei por assistir por me lembrar que tu adoras a prova.

Deves estar feliz, ganhou o antirracismo, coisa que já não acontecia tão manifestamente desde 2011. Porém, quedo-me a pensar se a notória tendência do júri, para esta glorificação do antirracismo, não acaba, ela mesma, por se tornar racista. Afinal, às mulheres brancas deste ano, nem que fossem as mais perfeitas “Cinderelas” ou “Brancas de Neve” de nada lhes teria valido, melhor teriam feito se nem tivessem entrado no concurso. Já sei que vais reclamar comigo. Perguntar-me pelos outros anos onde só ganharam as meninas de raça branca. Tens alguma razão.

É a questão do copo meio cheio ou meio vazio. Embora este ano eu ache que foi demasiado exagerada a tendência de premiar a cor da pele e as origens das concorrentes. Afinal a vencedora é da África do Sul, a concorrente negra Zozibini Tunzi; a primeira dama de honor, Madison Anderson, veio de Porto Rico, e, embora seja loira, traz o carimbo bem conhecido pelos americanos de ser porto-riquenha, povo que eles rotulam com slogans bem racistas. Ora, ainda por cima, a segunda dama de honor é mexicana, Sofia Aragón, cuja fisionomia e o olhar deixam bem patentes a sua origem latina.

Tu sabes que eu não gosto deste concurso que premeia as mulheres enquanto objetos de cobiça masculina e escusas de me dizer que, atualmente, já existem parâmetros que levam em linha de conta outros fatores. O facto é que nunca uma bruxa ganhará o concurso, portanto, o critério de bibelot será sempre o mais valorizado. Os outros só existem para amenizar as vozes críticas.

Mas não penses que sou apenas contra este concurso, o de Mister Universo, dos machos estereotipados, é-me igualmente adverso. Não precisas de me lembrar que, para mim, homem sem pelos é como cowboy sem chapéu e sem pistolas. Não é isso que está em causa, mas sim, e sempre, as ideias por detrás destes pódios. Podem mudar-lhes as regras de mil maneiras e feitios que de nada valerá. No meu entender bonecas e machos são estereótipos de um passado.

Devo-te confessar que só assisti a partes do concurso, embora goste de ver mulheres bonitas na televisão, a ideia de montra e o meu antagonismo anti machista, mesmo sem eu querer, acaba por prevalecer. Não fiques zangada comigo. Tens todo o direito de pensar de maneira diferente e eu respeito isso.

Quanto a mim, todo o concurso é uma imensa hipocrisia. Deixo-te aqui as palavras que a vencedora proferiu depois da vitória, segundo o site do MSN Notícias, quando lhe perguntaram o que faltava, ainda, nos nossos dias, às mulheres: "Liderança. É algo que falta a mulheres e mulheres jovens há muito tempo, não porque elas não a desejavam, mas por causa de como a sociedade rotulou como as mulheres deveriam ser." (o português da tradução é da responsabilidade do site).

Tu achas que é ganhando este tipo de títulos que as mulheres vão alcançar a liderança, minha querida? Enfim, como sei que temos opiniões opostas, não vou mais bater na ceguinha. Já te fiz despertar, quanto baste, o sentido critico. Despeço-me com um beijo. Este teu eterno amigo que jamais te esquece,

Gil Saraiva

Carta à Berta: O Arrepiante Estado das Notícias Online

Iguarias a desaparecer.jpg

Olá Berta,

Esta minha carta hoje é mais um desabafo do que qualquer outra coisa.

Ando farto da publicidade escondida em notícias, sem o aviso, de que efetivamente se trata de propaganda e não de factos, o que antigamente era obrigatório. De estudos e anúncios científicos que fazem exatamente o mesmo, e que não passam de vulgares cartazes de venda de banha da cobra, envoltos em brochuras douradas, mas também estou cansado de notícias, sem verificação de fontes ou apuramento aprofundado do que realmente se passou e, por fim, de falsas notícias, produzidas para causar alarme. Ah, já me esquecia, e de divulgações distorcidas, apenas para defender uma causa qualquer, difundidas numa espécie de populismo bacoco, como se as pessoas fossem carneiros que seguem cegamente o respetivo divulgador, sem pensar duas vezes e sem qualquer seriedade.

Hoje abri o browser da Microsoft, o Microsoft Edge, e entrei diretamente no “msn notícias”. Acabei por sair irritado de lá. A quantidade de informação, teoricamente de notícias, que devia ser excluída, por ser claramente uma outra coisa qualquer é não apenas maioritária, como avassaladora.

Sabes, minha amiga, não sei se são os meus 38 anos de jornalista, 23 dos quais com carteira profissional, ou se é apenas o meu feitio reativo, mas faz-me impressão que isto se faça desrespeitando a lei de imprensa. Não entendo porque não há uma reação séria do Governo ou, no mínimo, da Comissão da Carteira Profissional de Jornalistas. Acho sinceramente que se deviam tomar medidas radicais neste sentido, sob pena, de um dia destes, já ninguém acreditar em nada do que lê na internet. Sim, porque basicamente me tenho estado a referir às notícias online.

Como não existe melhor maneira de te explicar o que quero dizer, vou usar como exemplo o “msn notícias” de hoje:

Em destaque, nos principais títulos do dia, vem no “meu feed” (a janela das relevâncias diárias), entre outras, uma notícia ligada à saúde. O título é sugestivo: “As iguarias que poderão desaparecer em breve.” O corpo da divulgação é seguido de 30 diapositos legendados que apresentam os principais produtos, entre muitos outros, que vão deixar de existir nos próximos 30 a 50 anos, por força das alterações climáticas (cujo lóbi do clima é o verdadeiro difusor deste alarme idiota, penso eu).

Vou enumerá-los, pela ordem de apresentação, para teres a real noção do ridículo. Produtos que vão desaparecer do mercado em breve: cerveja, peixe, maçãs, frango, vinho, morangos, laranjas, bananas, Tabasco, batatas, milho, cerejas, pêssegos, mel, arandos, grão-de-bico, chocolate, abóbora, feijão, soja, abacate, amendoins, arroz, peru, flocos de cereais, trigo, pão, xarope de ácer e café.

Segundo a “notícia” alguns dos itens enumerados no parágrafo anterior terão acabado algures no período que vai entre 2050 e 2080, pese embora a grande maioria deva desaparecer antes de 2050, ou seja, nos próximos 30 anos.

Esta barbaridade é colocada como resultado de estudos sérios, por um lóbi estúpido que cheira a pseudo-ambientalistas, com interesses ainda desconhecidos do público. Contudo, é difundida numa página de notícias que tinha obrigação de ser séria, uma das mais lidas no mundo por quem usa a internet, traduzida em todas as línguas, e difundida como realista.

Ora, Berta, este é só um exemplo, e embora seja ridículo, é apenas um dos 15 que encontrei, só nas notícias gerais do dia de hoje, nesta página da dita prestigiada Microsoft.

Espero que alguém com poder comece a pôr um travão na situação rapidamente, senão a palavra notícias deixará, a breve trecho, de ter qualquer significado. Despeço-me saudoso, com o beijo do costume, este teu eterno amigo,

Gil Saraiva

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em destaque no SAPO Blogs
pub