Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Carta à Berta

Carta à Berta é o local dos Desabafos de um Vagabundo, do Senhor da Bruma, essa bruma a que chamam de internet, de um Haragano, o Etéreo, qual cavalo selvagem que galopa entre cartas alegadamente, quiçá, sem fundamentos.

Carta à Berta é o local dos Desabafos de um Vagabundo, do Senhor da Bruma, essa bruma a que chamam de internet, de um Haragano, o Etéreo, qual cavalo selvagem que galopa entre cartas alegadamente, quiçá, sem fundamentos.

Carta à Berta: “A Prova dos Nove da Profecia de Haragano” ou a “Crónica do Impossível” - Epílogo

Berta 513.jpg

Olá Berta,

Entramos hoje no epílogo da “Prova dos Nove da Profecia de Haragano” ou, mais concretamente, a “Crónica do Impossível”. Ontem acabei a falar na capicua do número total de óbitos no mundo que chegou ao muito trágico valor de 2.722.272, o qual fazendo a operação dos noves fora não perfazia nenhum 666, mas apenas um único 6. Felizmente, embora sendo o primeiro algarismo do demo não era o número completo.

De repente vi o que ainda não vira, os 384 dias entre a primeira infeção e o dia 21/03/21 dera-me também um 6, ou seja, os algarismos dos quadros que faltavam (dias passados, total de recuperados e total de óbitos) cada um deles apresentava o algarismo 6. Ora, colocando todos, porque estavam intimamente relacionados num quarto e último quadro, teria outra vez o número de Satanás: 666 (ver quadro abaixo). Fiquei a olhar para o quadro de boca aberta. Era impressionante aquilo. Completamente incrível.

Berta 513 4º Número.jpg

Fascinado com os quatro quadros, a apresentarem todos o número do cornudo, resolvi fazer um estudo paralelo. Apesar de tudo o que já tinha visto, estes números não podiam ser apenas fruto do acaso, nem sequer dizer respeito à profecia de acertar que entre março de 2020 e março de 2021 aconteceriam 123.456.789 infeções no mundo inteiro. Todos aqueles dados pareciam apontar para algo mais. Esta carta estava a transformar-se numa Crónica do Impossível e parecia apontar para a verdadeira Profecia de Haragano e não para um caso de sorte, em que aleatoriamente eu acertara no número de infeções mundiais a ocorrer no espaço de um ano e pouco.

Peguei nos meus livros de ciências ocultas e botei mãos à obra. Consultei vários livros, desde as “Profecias de Nostradamus” ao “Livro de São Cipriano”, passando pelo Oráculo Egípcio, pelo I Ching, pelas Runas, pela numerologia, pela astrologia (onde fiz a carta astral do dia 21/03/21) até ao “Relógio de Haragano”. Porém, não vou descrever aqui de onde fui tirando as minhas conclusões, pois nunca mais acabava, mas cheguei à conclusão que os quatro quadros representavam os Quatro Cavaleiros do Apocalipse, sem tirar nem pôr.

O primeiro quadro representava a pandemia de Covid-19 (ou a Peste), o segundo quadro revelava a Guerra, os conflitos cada vez maiores contra os confinamentos em todo o mundo associados aos problemas climáticos e aos restantes conflitos mundiais, o terceiro quadro mostrava a Fome, também associada à grave crise económica a que as medidas da pandemia tinham conduzido, quando integradas nos outros já referidos problemas mundiais e, por fim, o quarto quadro, o mais complexo por ser o somatório de três números diferentes, apresentava-se como a Morte, o último dos Quatro Cavaleiros do Apocalipse.

Ora, o mais interessante, foi que também cheguei à conclusão que o dia 21/03/21 é o momento zero, o ponto de partida da profecia. Assim sendo, posso afirmar que a humanidade tem dois caminhos daqui para a frente: um leva à vitória do caos e à glória dos Quatros Cavaleiros do Apocalipse, o outro conduz a população mundial ao regresso à normalidade e a um caminho parecido ao que tínhamos antes da pandemia.

A escolha é de todos, porém, existem dois números que não se podem voltar a repetir, pois já aconteceram em janeiro deste ano (embora em dias diferentes) e acabaram por despertar os Cavaleiros. Se os dois acontecerem em simultâneo entraremos numa nova Idade das Trevas. Assim se num mesmo dia tivermos mais do que 765.432 num único dia, no mundo inteiro, e, nesse mesmo dia, atingirmos no planeta, devido à pandemia, 15.651 óbitos o Diabo ficará à solta, o que é o mesmo que dizer que o caos já não terá retorno e o mundo enfrentará uma extinção em massa sem precedentes na história humana.

As capicuas são números enigmáticos e quando se ligam a desgraças tendem a instalar o caos. Já tivemos em termos de óbitos no mundo duas capicuas fatais: a primeira quando o número total de óbitos atingiu (a 21 deste mês) o fatídico número de 2722272 de óbitos registados e causados desde o início da pandemia. Também já tivemos 15651 mortos num mesmo dia, no mundo, em janeiro. Temos de evitar a todo o custo uma repetição deste triste total.

Portanto, em conclusão, “A Profecia de Haragano” diz que podemos sair de tudo isto se não tivermos um dia em que apareçam 765.432 infetados no mundo que causem 15.651 óbitos ou mais. A parte positiva é que, embora os casos estejam de novo a aumentar na Europa e na América do Sul, tudo aponta para que não voltemos a ultrapassar os 15,000 falecimentos num só dia. Há que ter fé, esperança e sobretudo muito acreditar. Espero ter-te agradado, minha querida amiga, despeço-me cansado desta Crónica do Impossível. Ainda bem que eu não passo de um aprendiz que brinca com os números. Deixo um beijo,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta: Campo de Ourique - A Morte da Galinha dos Ovos de Ouro - Parte II/II

Berta 239.jpg

Olá Berta,

Continuando a minha história de ontem sobre a saída prematura da ave rara da minha aldeia, ou seja, de Campo de Ourique e a chegada da Corte Real do Oriente Lusitano, repito, Oriente porque a origem é a Índia e Lusitano porque a família é originária de Goa, cumpre-me hoje falar, precisamente, desse sucessor, que tantas boas coisas augura para este burgo.

Campo de Ourique: A Morte

da Galinha dos Ovos de Ouro

- Parte II/II

Conseguirá o Infante ajudar o bairro a manter a sua identidade? Esperemos que sim, a ave rara que agora só voa lá para os lados do parlamento, diziam, estava disposta a vender-nos o coração ao turismo e aos interesses imobiliários. Certamente más línguas de quem nada sabe. Contudo, pelo sim pelo não, ainda bem que levantou voo. Paz no seu ninho é o que lhe desejo.

Todavia, é preciso que Dom Pedro Costa Segundo ao Quadrado, consiga manter o segredo de Campo de Ourique seguro, para que este permaneça um bairro com identidade própria, que pouco tem mudado com o correr dos anos, devido ao facto de ter conseguido, até aos dias de hoje, manter o metropolitano pelas margens da freguesia. Tal como no espaço restrito de uma capoeira as aves se deslocam a pé e se conhecem umas às outras, mantendo do outro lado da rede os predadores como a raposa, também o bairro tem conseguido usar o seu planalto para se deslocar a pé, convivendo entre si, alegremente. Manter isso é agora a tarefa do Príncipe Pedro Costa II.

É que a chegada de um transporte de massas ao interior de Campo de Ourique, vai trazer magotes de gente nova ao bairro, aumentar a pressão sobre a população idosa, doente ou mais desfavorecida, obrigando-os a largar as casas onde viveram toda uma vida, importar mais crime, gerar menos segurança e menos conhecimento do próximo. O turismo terá níveis de crescimento na casa dos 50 a 100% e o bairro, que não tem as ruas estreitas de Alfama, Bairro Alto ou de outros típicos de Lisboa, perderá, em poucos anos, as caraterísticas que o tornam singular, especial e único. Um cenário a evitar porque, tal como numa capoeira nenhum galo quer magotes de falcões, doninhas, furões, águias e outros predadores com acesso facilitado à capoeira, no bairro acontece o mesmo. Nenhum! Também aqui o Príncipe do Oriente Lusitano tem de ajudar a manter a ameaça pela periferia.

Se querem mesmo trazer o metropolitano para Campo de Ourique, ao menos continuem a fazê-lo pelas margens. Uma estação quiçá junto ao Shopping das Amoreiras, outra talvez na praça João Bosco. Porém, pelos anjinhos, não coloquem nenhuma estação dentro ou no meio do bairro.

A beleza desta aldeia está precisamente na proximidade entre as coisas e as pessoas, já nos debatemos hoje em dia com alguma descaraterização de habitantes, porém, ainda dentro dos limites do controlável.

Abrir um Metro no centro de Campo de Ourique seria matar a Galinha dos Ovos de Ouro, acabando com o que o carateriza. O progresso pode chegar, mas com regras, com respeito pelo que somos. Afinal, nunca mais me esqueço de como era a Avenida Almirante Reis antes do Metropolitano e daquilo em que se transformou depois. Espero que a juventude e agilidade do Príncipe Pedro Costa Segundo consiga levar a bom porto esta tarefa fundamental para que este bairro se mantenha com as caraterísticas que sempre lhe reconhecemos.

Despede-se com carinho, querida Berta, e a penar com este problema de avicultura, o teu amigão do peito,

Gil Saraiva

 

 

Carta à Berta: Campo de Ourique - A Morte da Galinha dos Ovos de Ouro - Parte I/II

Berta 238.jpg

Olá Berta,

Aqui estou eu mais uma vez a escrever-te diretamente da minha aldeia, ou seja, de Campo de Ourique. Espero que te encontres bem e feliz como sempre. Mas vamos à carta de hoje:

Campo de Ourique - A Morte

da Galinha dos Ovos de Ouro

Parte I/II

Hoje descobri que existem algumas coisas coincidentes entre a minha aldeia e o universo restrito de uma capoeira. Logo à partida ambos têm penas. As do refúgio galináceo são mais visíveis, já pelo bairro, no entanto, embora existam algumas vestes de patos e de pombos espalhadas principalmente pelo Jardim da Parada, entre outros locais, por onde a passarada vai deixando, aqui ou ali, vestígios da sua passagem, a grande maioria das penas, desta minha aldeia, são de outra espécie, bem mais difícil de detetar.

Mais de um quarto dos residentes destes 1,65 quilómetros quadrados, já passou os 65 anos de idade e uma larga maioria deles vive, cada dia que passa, com as penas próprias da solidão, da doença ou da subsistência. Penas que em nada se assemelham em leveza às das galinhas. Mas são estoicos os anciãos e anciãs do meu pequeno burgo. Não se deixam abater com as primeiras adversidades e aguentam, não em poucas ocasiões, a DFS (doença, fome e solidão), as segundas, as terceiras e as outras contrariedades que mais vierem.

Tal como na capoeira esta minha terra tem no sexo feminino a sua grande força. Por aqui vivem mais 3 mil e tal mulheres do que homens. Não é por isso de admirar que exista tanto comércio de rua. Aliás, Campo de Ourique é considerado o Maior Centro Comercial ao Ar Livre do país. Este pequeno detalhe faz com que, durante as 9 da manhã e as 7 da tarde, a população feminina nos passeios e lojas quase que dobre face à masculina, mais dada a culturas de sofá.

Também, como na capoeira, o meu Bairro tem uma ave como seu símbolo máximo de poder. Se, no primeiro caso, me refiro ao galo do topo do galinheiro, no segundo, a ave assume ter 2 poleiros, ou seja, tanto é deputada da nação como, simultaneamente, presidente da Junta de Freguesia, isto para além da raridade de ser tratada no masculino, por Cegonho, em vez do termo vulgarmente utilizado de Cegonha.

Contudo, dizem as más línguas, que o Cegonho canta de galo melhor que o genuíno. É pena, ou talvez não, que ontem tenha sido o seu último dia enquanto autarca, mas não deixa penas num poleiro onde agora reina a monarquia do Oriente Lusitano. O que nada tem a ver com aquela conhecida loja de gente de avental, pelo menos nada que se saiba com certezas de afirmação, mas sim, unicamente, com as reais fundações da família real a que agora me refiro, são originários de Goa, na Índia.

Com efeito, na senda do ex-presidente da Câmara, António Costa, herda o condado, digo, a freguesia, o seu primeiro filho, Pedro Costa. O novo Príncipe de Campo de Ourique, Dom Pedro Costa Segundo ao Quadrado (da parte do pai, também Costa, e da parte do ex-presidente da junta, também Pedro). Afinal, gerir discotecas e bares não é negócio de futuro e daqui a 3 dias o Primogénito já faz 30 anos. Acredito que o presente recebido por Dom Pedro Costa II, na figura de novo Presidente da Junta de Freguesia de Campo de Ourique, fará com que o aniversariante faça justiça à Família Real de quem herdou o Condado, digo a Freguesia. Espero que o herdeiro consiga manter a Galinha dos Ovos de Ouro que se traduz pela identidade única e singular deste bairro.

Beijo minha querida Berta, já me estou a alongar demais, amanhã termino esta pequena história de capoeira comparada. Espero que pelo menos tu escutes as minhas penas e preocupações. Despeço-me com saudade, sem pena da partida da ave rara, o teu amigo,

Gil Saraiva

 

 

Carta à Berta: Ando a Pensar em Morrer (versão 1.1 caramba)

Berta 201.jpg

Olá Berta,

Sabes, minha amiga, ontem enviei-te uma lista sobre o que pensava relativamente à minha morte, algures num futuro que há de chegar, contudo, resolvi fazer uma versão mais completa, pois tinham-me escapado alguns pensamentos importantes. Ora, aqui vai…

                                 Lista do Ando a Pensar em Morrer

                              mas preciso de uma maneira original

                                       (versão 1.1. caramba):

  1. Não consigo morrer de tédio nem a ver programas políticos na televisão.
  2. Não consigo morrer com dignidade porque não existe dignidade em morrer.
  3. Não consigo morrer pobre porque tenho uma rica imaginação.
  4. Não consigo morrer carente porque leva demasiado tempo.
  5. Não consigo morrer de prazer até porque ia querer sempre mais um bocadinho...
  6. Não consigo morrer a rir porque não teria graça nenhuma.
  7. Não consigo morrer de velhice porque ainda não cheguei lá.
  8. Não consigo morrer de morte natural porque nessas coisas sou tímido.
  9. Não consigo morrer de mil maneiras pois marchava logo à primeira.
  10. Não consigo morrer à chuva porque gosto de estar seco.
  11. Não consigo morrer estúpido por motivos óbvios.
  12. Não consigo morrer na praia porque seria um desperdício.
  13. Não consigo morrer famoso, mas isso é por falta das devidas cunhas.
  14. Não consigo morrer cedo porque ando sempre atrasado.
  15. Não consigo morrer de seca porque prefiro estar molhado.
  16. Não consigo morrer andorinha porque gosto da primavera.
  17. Não consigo morrer queimado por ser uma morte estúpida.
  18. Não consigo morrer com depressão pois a troika já passou.
  19. Não consigo morrer uma vez apenas e depois não poder falar sobre isso.
  20. Não consigo morrer só por estar vivo, como não me sacio a olhar para o bife.
  21. Não consigo morrer sentado porque me dói o cóccix.
  22. Não consigo morrer de sede principalmente se houver imperial por perto.
  23. Não consigo morrer na estrada porque não sou cobra.
  24. Não consigo morrer de saudades porque depois não tinha como as matar.
  25. Não consigo morrer de frio porque prefiro o calor.
  26. Não consigo morrer afogado porque aprendi cedo a nadar.
  27. Não consigo morrer deitado a não ser com a Ornella Muti ou vá lá a Angelina Jolie.
  28. Não consigo morrer na guerra porque nem lá ponho os pés.
  29. Não consigo morrer sem saber porque detesto ignorância.
  30. Não consigo morrer por uma causa porque as causas devem viver.
  31. Não consigo morrer no anonimato porque sei bem quem sou.
  32. Não consigo morrer bêbado porque depois não me ia lembrar que morri.
  33. Não consigo morrer e ir para o céu por falta de asas.
  34. Não consigo morrer solteiro pois não tenho culpa de já ter sido casado.
  35. Não consigo morrer de morte macaca uma vez que não sou símio.
  36. Não consigo morrer de pé por falta de raízes.
  37. Não consigo morrer novo porque esse tempo passou.
  38. Não consigo morrer por deixar-me morrer porque não admito parvoíces.
  39. Não consigo morrer de fome porque adoro comer.
  40. Não consigo morrer por dentro porque ninguém ia saber.
  41. Não consigo morrer devendo porque depois não tinha como pagar.
  42. Não consigo morrer de véspera, principalmente se o Benfica jogar no dia seguinte.
  43. Não consigo morrer do tabaco só porque o Governo é hipócrita.
  44. Não consigo morrer a fumar, e depois quem dava a última passa?
  45. Não consigo morrer na banheira porque sou dos que só toma duche.
  46. Não consigo morrer teso, mas até que a ideia não era má.
  47. Não consigo morrer a comer porque não aceito morrer de barriga cheia.
  48. Não consigo morrer com ferros pois uso aço inoxidável.
  49. Não consigo morrer subitamente porque seria um disparate.
  50. Não consigo morrer por estar mortinho seja lá para o que for.
  51. Não consigo morrer enforcado porque sou contra a pena de morte.
  52. Não consigo morrer sozinho, mas não me imagino a morrer em grupo.
  53. Não consigo morrer amanhã porque é sempre hoje.
  54. Não consigo morrer pobre porque leva demasiado tempo.
  55. Não consigo morrer rico, mas a ideia parece-me bem.
  56. Não consigo morrer de sono porque adoro poder sonhar.
  57. Não consigo morrer de peçonha porque não sou bicho.
  58. Não consigo morrer como um homem porque ficaria a parecer que não o era.
  59. Não consigo morrer farto porque paciência não me falta.
  60. Não consigo morrer de medo até porque tenho medo de morrer.
  61. Não consigo morrer com honra porque disso não tiraria proveito.
  62. Não consigo morrer pela boca porque não sou peixe.
  63. Não consigo morrer duas vezes porque a primeira já é demais.
  64. Não consigo morrer de barriga cheia sem beber um digestivo depois.
  65. Não consigo morrer de esperança porque esta é sempre a última a ir-se.
  66. Não consigo morrer de stress porque a vida é bela.
  67. Não consigo morrer parado porque não sei parar.
  68. Não consigo morrer às mãos dos inimigos porque não sou de poupá-los.
  69. Não consigo morrer sem saber, sei lá… acho que ia dar conta.
  70. Não consigo morrer de desejos porque prefiro alcançá-los.
  71. Não consigo morrer agora sem ver o Trump na trampa.
  72. Não consigo morrer de 69, era só o que faltava.
  73. Não consigo morrer por dá cá aquela palha porque não sou burro.
  74. Não consigo morrer de uma hora para a outra porque se morrer é de vez.
  75. Não consigo morrer de coração porque sou um sentimental.
  76. Não consigo morrer a cheirar mal porque depois quem ia ao funeral?
  77. Não consigo morrer de pânico porque o Cavaco não volta.
  78. Não consigo morrer outra vez por não ser a favor de repetições.
  79. Não consigo morrer de gula, prefiro arranjar quem engula.
  80. Não consigo morrer condenado porque sou um santo.
  81. Não consigo morrer em pecado, mas preferia no plural...
  82. Não consigo morrer aos caídos porque seria triste não o levantar.
  83. Não consigo morrer gay, mas respeito quem morre.
  84. Não consigo morrer pelos cantos, até porque evito esquinas.
  85. Não consigo morrer por bem, porque ia parecer mal.
  86. Não consigo morrer a jogar, porque não jogo com a vida.
  87. Não consigo morrer corno, mas nunca se sabe…
  88. Não consigo morrer sem saber como, até porque mastigo bem a comida.
  89. Não consigo morrer de desgosto por uma questão de bom gosto.
  90. Não consigo morrer com sexo, mas, pensando bem, era horrível morrer sem.
  91. Não consigo morrer assim, porque detesto incógnitas.
  92. Não consigo morrer assado, mas um pianinho agora marchava.
  93. Não consigo morrer a mal, gosto de decidir o que faço.
  94. Não consigo morrer debaixo da ponte, nem viver, se interessa para o caso.
  95. Não consigo morrer na hora certa, isso é lá coisa que exista?
  96. Não consigo morrer em festa até porque ia parecer um contrassenso.
  97. Não consigo morrer burro porque não seria nada inteligente.
  98. Não consigo morrer aqui, ali ou além, pois detesto escolhas difíceis.
  99. Não consigo morrer por nada, principalmente na piscina.
  100. Não consigo morrer na cama, muito menos se estiver acompanhado.
  101. Não consigo morrer de tentação, até porque tentaria sempre.
  102. Não consigo morrer por morrer porque não faria sentido.
  103. Não consigo morrer doente porque a morte seria o fim da doença.
  104. Não consigo morrer de confinamento porque adoro a minha solidão.
  105. Não consigo morrer de Covid-19, porque detesto ser apenas mais um.
  106. Acho que consigo morrer de amores porque amor só existe um.

Com esta versão, bem mais completa, me despeço por agora, recebe mais um beijo carinhoso deste teu amigo de todos os dias e, por certo, de amanhã,

Gil Saraiva

 

 

Carta à Berta: Ando a Pensar em Morrer...

Berta 200.jpg

Olá Berta,

Esta é a minha carta número 200 para ti e estamos quase a fazer 7 meses de correspondência. Será que ainda não estás farta de me ler? Se e quando isso acontecer espero que me avises para eu parar. Detestaria estar a ser um chato em vez de um amigo. Hoje vou enviar-te uma lista sobre o que pensei relativamente à minha morte algures num futuro que há de chegar.

Ando a pensar em morrer, mas preciso de uma maneira original:

  1. Não consigo morrer com dignidade porque não existe dignidade em morrer.
  2. Não consigo morrer de tédio a ver programas políticos na televisão.
  3. Não consigo morrer de prazer até porque ia querer sempre mais um bocadinho...
  4. Não consigo morrer a rir porque não teria graça nenhuma.
  5. Não consigo morrer na banheira porque sou dos que só toma duche.
  6. Não consigo morrer a comer porque não aceito morrer a fazer algo de que gosto.
  7. Não consigo morrer de velhice porque ainda não cheguei lá.
  8. Não consigo morrer estúpido por motivos óbvios.
  9. Não consigo morrer na praia porque seria um desperdício.
  10. Não consigo morrer famoso, mas isso é por falta de cunhas.
  11. Não consigo morrer queimado por ser uma morte estúpida.
  12. Não consigo morrer com depressão pois a troika já passou.
  13. Não consigo morrer de saudades porque depois não tinha como as matar.
  14. Não consigo morrer de frio porque prefiro o calor.
  15. Não consigo morrer afogado porque aprendi cedo a nadar.
  16. Não consigo morrer no anonimato porque sei bem quem sou.
  17. Não consigo morrer bêbado porque depois não me ia lembrar que morri.
  18. Não consigo morrer de morte macaca uma vez que não sou símio.
  19. Não consigo morrer de fome porque adoro comer.
  20. Não consigo morrer por dentro porque ninguém ia saber.
  21. Não consigo morrer pobre porque leva demasiado tempo.
  22. Não consigo morrer rico, mas a ideia parece-me bem.
  23. Não consigo morrer pobre porque tenho uma rica imaginação.
  24. Não consigo morrer como um homem porque ficaria a parecer que não o era.
  25. Não consigo morrer de medo até porque tenho medo de morrer.
  26. Não consigo morrer por morrer porque não faria sentido.
  27. Não consigo morrer doente porque a morte seria o fim da doença.
  28. Não consigo morrer de confinamento porque adoro a minha solidão.
  29. Não consigo morrer de Covid-19, porque detesto ser apenas mais um.
  30. Acho que consigo morrer de amores porque amor só pode haver um.

Com esta minha lista deveras revolucionária me despeço de ti com amizade e um beijo,

Gil Saraiva

 

Carta à Berta: A Peça do Chinês - Parte III - Nova Viagem, Nova Estadia...

Berta 73.jpg

Olá Berta,

Hoje, vou continuar a contar-te a minha história sobre a peça do chinês. É uma descrição, minha querida amiga, que requer ainda uma boa caminhada até ao final, no episódio 6, e este é apenas o terceiro. Contudo, julgo que não darás o tempo de leitura por mal empregue.

Esta terceira parte da peça do chinês, fala de uma nova viagem, nova estadia… um pouco mais para a frente entenderás o título. Para já, vamos ao mote deste momento único: morfina, morfina, morfina e mais morfina. Qual janado, apaixonado por uma nova droga, dei comigo na firme disposição de trair, sem o menor dos embaraços, a minha velha, boa amiga e companheira, Nicotina. A traição, um ato que sempre repudiei por achá-lo característico de pessoas estilo Donald Trump, Andrés Aventureiros, Carlos Alexandrinos e dos consumidores genéricos de metadona, aparecia no meu horizonte como algo natural, lógico e até desejado.

A nova paixão, essa deliciosa, refinada e recém-chegada Morfina, tornava não só o meu quotidiano mais fácil de suportar, como me ajudava a ter esperança num futuro sobre o qual ainda não possuía qualquer vislumbre. A nova droga transformava o tempo ao meu redor. Com ela, as dores pareciam paisagens no horizonte e a realidade era como um filme, onde os dias se passavam apenas em horas.

Sabes, minha amiga, como ficamos no inverno, depois de estar umas horas ao computador, com a mão no rato? Pois é, gelam-nos os dedos primeiro e depois toda a mão. Porém, eu interrogo-me se aconteceria o mesmo se em vez de um rato o aparelho tivesse uma rata, que te parece? Por certo a mão estaria bem mais quente e seria um prazer deslizar os dedos por ali. Ora, nesta coisa de me tirar as dores o rato aparece representado pelo famigerado Nolotil, enquanto a rata se chamaria, sem qualquer dúvida, Morfina.

Contudo, o namoro foi breve. A rata, quero eu dizer a morfina, ficou confinada e diluída na solução analgésica intravenosa durante cerca de 3 dias, sumariamente à espera da reação provocada pela atuação de outros fármacos, sendo ela, mal a coisa se tornou viável, arrancada de meus braços pelos carinhosos, mas vigilantes, responsáveis pelo meu estado de saúde. Não me queriam ver viciado na rata, digo, morfina, e esta é muito dada a criar dependência.

No quinto dia (relembro-te, Berta, que esse tempo me pareceu durar apenas algumas horas), ainda sob o efeito da minha nova paixão, mas a vê-la desvanecer-se na bruma hospitalar, fui informado que o meu problema era de cálculo. Estranhei a informação. Como poderia eu ter errado no cálculo se eu não fazia contas há dias? Não, não era nada disso. Eu estava a confundir as coisas, ainda por culpa dos efeitos secundários da droga administrada. Rapidamente voltaria a entender tudo de novo, diziam.

Aliás, um cirurgião com quem troquei algumas palavras, durante uns poucos instantes de lucidez, achara imensa graça ao meu comparativo do Nolotil e da Morfina com o rato e a rata, principalmente, pelo ar carrancudo da enfermeira que o acompanhava. Todavia, dizia-me que essa criatividade se iria dissipando à medida que a droga desaparecesse do sistema.

Por fim, com a paciência dos sábios, e usando uma linguagem que o meu cérebro meio perturbado pudesse entender, lá me informaram que um calhau, que tinha residido clandestinamente na minha vesícula, uma espécie de tonel devidamente preparado para lidar com a bílis, tal como os toneis lidam com o vinho, junto à adega, que neste caso era o meu fígado, tinha sido desmascarado e, consequentemente, posto de imediato em fuga, talvez com receio que eu lhe cobrasse renda ou solicitasse uma musculada ação de despejo.

Porém, na pressa de fugir, o meliante acabara por ficar retido numa viela, à qual o meu douto sábio cirurgião chamou de canal biliar. Em resumo, no meu entender, o velhaco calhau, disfarçado de gôndola que desliza por um canal em Veneza, tentou esquivar-se, sem ter reparado que a sua estadia o engordara ao ponto de ele nunca se conseguir fazer passar por um barco veneziano, mas sim, tomar a forma de um paquete turístico transatlântico. A consequência óbvia foi ter encalhado, nas águas pouco profundas, no meu canal biliar.

Soube mais tarde que a descoberta do vadio paquete se ficou a dever a um jovem médico, que decidira não abandonar o seu turno, terminado há algum tempo, sem pôr em pratos limpos o que era aquilo, que só ele julgava estar a ver e que lhe parecia ser efetivamente uma sombra. Uma sombra que poderia estar a ocultar algo mais, tipo o meu famigerado transatlântico. A sua observação aos resultados das diferentes ecografias, que mandara repetir por 3 vezes, contrariava a palpação e a douta opinião do experiente cirurgião de serviço e chefe da equipa da urgência, que nada sentira.

Contudo, à chegada da terceira ecografia, finalmente, o calhau, a pedra, o paquete transatlântico, foi localizado. Estava encravado ou, na linguagem marítima, encalhado, e sem hipóteses de fuga, num recanto do tal canal, ou seja, no canal biliar, que nada tem a ver com O Tal Canal, protagonizado na RTP pelo comediante Herman José, que para aqui não é chamado e cuja alusão parece referir um outro canal não só mais desejado, como também absolutamente feminino.

Em resumo, depois de 2 dias e meio de fuga, ficou claro que se impunha uma intervenção para remover o patife obstrutor da propriedade alheia, esse paquete de trazer por casa, que me levara, sem aviso prévio, a conhecer paragens localizadas muito para além dos quintos do inferno, algures em terras de Dante.

Não só já não ia ser recambiado para casa, sem sequer levar comigo um diagnóstico conclusivo, como defendera primeiramente o chefe da equipa, como teria de ser intervencionado, tipo campo agrícola, depois da passagem revolucionária da reforma agrária. Tudo isto porque, um abençoado jovem médico, daqueles teimosos e obstinados, jejuou, nadou contra a corrente e resolveu bater o pé, qual prova de triatlo original, na senda da sua nobre demanda de descobrir que raio de coisa era aquela que ele achava ser, na melhor das hipóteses, uma sombra.

Dizem que a sorte protege os audazes. Acredito que sim, contudo, também me protegeu, numa altura em que a diferença entre mim e uma múmia paralítica era apenas a dos meus gemidos de dor, sem ter sequer a consciência de estar a gemer. Portanto, o ditado devia ser alterado para esta situação bem mais abrangente, talvez para: a sorte protege os audazes e as múmias paralíticas.

Tive de esperar pelo fim de quarta-feira e o início de quinta-feira para ser transferido, definitivamente, para os serviços de gastroenterologia do hospital que guarda a memória do nosso Nobel da Medicina, na forma referenciada e clara do uso do mesmo nome. Estou a falar da minha transferência, não confundir com trasladação, até porque continuava vivo e bem vivo, para o Hospital Egas Moniz. A decisão da minha mudança de instalações fora tomada logo após a descoberta da obstrução do canal biliar e era definitiva.

Por mim aguardava essa nova viagem e nova estadia num outro lugar, num outro hospital, já devidamente diagnosticado e pronto para uma intervenção que colocaria um ponto final nas minhas mágoas e sofrimento. Mas, como em tudo na vida, cada coisa tem sua hora, o seu momento, porque tudo tem um tempo certo para ocorrer. Não vale a pena ter pressa em demasia porque, por mais que se deseje o inverso, as coisas só acontecem no tempo certo, quando, efetivamente, têm de acontecer.

No meu caso, seria uma nova viagem a efetuar, mas só quando vagasse uma cama no terceiro piso do Egas Moniz, onde estavam localizados os respetivos serviços, que interessavam à minha situação, nesta instituição. Pondo a coisa de outra forma eu só tinha 3 hipóteses para ser transferido para o local da minha nova estadia.

No primeiro caso, era se um dos pacientes do terceiro piso dos serviços de gastroenterologia morresse e eu fosse ocupar o lugar do morto, o que seria algo como me ficar destinada a cama fúnebre, a segunda situação era um paciente descobrir que ia ser operado por um seguidor do criador de Frankenstein e pôr-se em fuga do hospital indo eu ocupar o leito do apressado fugitivo, a terceira probabilidade era a de alguém ter alta hospitalar e eu receber a cama que vagasse por essa auspiciosa saída. Não existia uma quarta hipótese, nem qualquer outra alternativa para que a transferência tivesse lugar.

Vale a pena referir, que graças às “troikices” de Passos Coelho e ao desinvestimento e cativações de Centeno, já na sua mágica cadeira ministerial de guardião financeiro do pecúlio do povo português, os serviços do Hospital Egas Moniz estavam assoberbados de pacientes e carentes de recursos. Algo que nos 3 anos seguintes se tornaria no calvário de quem fosse caindo nas garras forçadas e afiadas do Serviço Nacional de Saúde, vulgo SNS.

Porém, mais uma vez, a sorte protegeu a múmia paralítica, ou seja, eu. Lá fui, uma vez mais, de ambulância, acompanhado ainda e sempre pelos prestáveis bombeiros, para a minha nova estadia, a cama 316 do Hospital Egas Moniz, acabada de vagar por um paciente que tivera alta ao meu quinto dia de Hospital São Francisco Xavier.

Importa esclarecer que muitos destes meus relatos não foram vividos diretamente por mim, embora eu estivesse presente em todos eles. Foram-me transmitidos por quem também os acompanhou, ou a minha amiga que se provou incansável em toda a saga, ou os bombeiros, os auxiliares, os enfermeiros e os médicos que, nos meus períodos muito curtos de lucidez, me foram inteirando dos diferentes factos e situações.

Só já na nova estadia, a tal cama 316 do Egas Moniz, é que o efeito da morfina passou por completo e eu regressei, qual migrante contrariado, à realidade e ao presente abandonando a bruma onde fora Senhor por alguns dias.

Sempre me lembrarei desse tempo de Senhor da Bruma, sem qualquer noção de existir, absolutamente irresponsável pelos meus atos, entregue a uma amante chamada de Morfina, mas que, para mim, fundia Vénus e Minerva numa só entidade mítica e maravilhosa. Iria ter saudades, minha querida amiga Berta.

Foi no dia seguinte que, pela primeira vez, me falaram da Peça, sim, a do Chinês. Contudo, amiguinha, isso fica para a quarta parte da nossa curta novela. Despeço-me com um beijo de saudades, este teu amigo de sempre,

Gil Saraiva

Carta à Berta: "Os Outros - Tragédia em 4 atos" Parte IV - "O Menino de Kobane"

Berta 69.jpg

Olá Berta,

Acabo hoje de te enviar, conforme prometido o poema, que se completa com o último ato de "OS OUTROS - TRAGÉDIA EM QUATRO ATOS – IV PARTE - O MENINO DE KOBANE". Espero que seja do teu agrado. Não é uma história bonita, mas, pelo contrário, uma memória que fica guardada nos tristes registos de um mundo onde a justiça, a igualdade, a liberdade e a fraternidade ainda têm muitos passos para dar, muito caminho para percorrer, muita montanha para escalar, até, quem sabe, um dia, tudo ser diferente.

 

"OS OUTROS - TRAGÉDIA EM QUATRO ATOS”

                          

                  IV

“O MENINO DE KOBANE”

 

Uma imagem vale mais que mil palavras,

Dizem, por aí, os entendidos.

Foi assim no Vietname onde uma menina,

Fugindo na estrada de uma guerra vil,

Vestia napalm sobre a pele nua.

Kim Phuc, já fez cinquenta e três anos,

Mas será sempre a Menina de Napalm…

 

Agora outra imagem invade-me o lar,

Desta vez, para além de uma fotografia,

Existe um filme que me mirra a existência,

Enquanto as imagens me turvam a mente, o olhar e o ser,

Porque, como muitos, outros talvez não,

Sou um ser humano, que sente na alma,

No corpo e no coração a raiva irracional

Perante algo que nem tem explicação.

 

Turquia, Bodrum, praia de Ali Hoca Burnu,

É de lá que chegam as imagens malditas,

Transmitidas de manhã, ao almoço, ao jantar,

Vezes sem conta, mas não mudam,

São sempre as mesmas, cruéis e letais…

 

Já nem preciso de tela para ver o filme

E na minha mente a gravação não tem fim…

As ondas do mar rebentam na areia,

Numa ondulação suave onde a espuma branca

Parece lavar com carinho a praia creme, grão a grão,

E algures na margem, deitado no areal,

Molhado pelas ondas, um menino jaz, três anos talvez,

Rosto enterrado na areia, um corpo pequeno,

Inerte, de braços arrumados bem junto ao tronco,

T-shirt vermelha, calção todo azul, um antagonismo

Que as ondas lavam, num ritmo eterno,

Sem que aquela mancha se esfume no chão.

 

Ali jaz Alan Kurdi, três anos de idade, nascido em Kobane,

Curdo de sangue, Vítima de guerra, Refugiado, Migrante,

Islâmico, Criança, roubada à vida, nascido para a morte…

O menino de Kobane jamais fará castelos de areia.

 

Espero que o leitura do poema não te deixe demasiado incomodada. Importa realmente não esquecer, importa levar a bom porto quem nasceu em terra condenada pela ganância de terceiros, importa evitar os meninos de Kobane.

Despeço-me, minha amiga do coração, com um beijo fofo, deste que te guarda nesta linda caixa a que chamamos saudade,

Gil Saraiva

 

Carta à Berta: Um Icebergue chamado Amianto

amianto.jpg

Olá Berta,

Não sei se tens acompanhado as últimas notícias e alertas da Quercus, lançadas através da plataforma SOS Amianto, que esta ONG (Organização Não Governamental) lançou. A última é datada de ontem. Se te passou ao lado não me espanto, eu também só dei dela por mero acaso. Como sabes sou jornalista e assino algumas “newsletters” que considero importantes para a minha atividade. Numa delas vinha, com algum destaque, uma notícia que, mais que uma informação, é um alerta.

É assim, 14 anos depois da proibição na União Europeia, e consequentemente em Portugal, da utilização de materiais contendo amianto, seja na construção civil, seja noutro qualquer tipo de produtos, o nosso país continua a importar amianto, sendo que nos últimos 4 anos deve ter importado qualquer coisa como 150 mil toneladas, embora apenas sejam oficiais as 53,3 mil toneladas, relativas aos anos de 2016 e 2017, mas basta extrapolar os números para os anos seguintes para lá chegarmos.

Podes estar curiosa e querer saber porque é que fazemos essa importação, se depois não podemos usar o produto. Ora, o português, como sabes, é muito inventivo. Assim, como não pode dar uso ao amianto, estamos a ser pagos para receber resíduos altamente contaminados, à tonelada, contendo essa bosta. Vai tudo para aterros, contaminando solos, lençóis freáticos, terrenos vizinhos, muito dos quais agrícolas. Para não falar que o amianto contido em resíduos se liberta facilmente na atmosfera e, conforme os ventos, pode contaminar áreas até mil vezes superiores à dos próprios aterros.

Fiquei igualmente a saber que, no nosso país à beira mar plantado, morrem de cancro provocado única e exclusivamente pelo amianto 40 pessoas por mês, ou seja, mais de uma pessoa por dia, 365 dias por ano. Número que pode ser 4 ou 5 vezes superior se lhe somarmos as mortes, nas quais não houve investigação sobre a origem do cancro ou essa origem não foi apensa aos óbitos. Ora, se assim for, morreram, alegadamente, 4 ou 5 pessoas, por dia, devido a esta causa ou até o dobro disso, o que significa que o amianto deve matar, em média, em Portugal, mais do que o tabaco e, que o álcool a cada ano que passa, embora o Estado não o apresente como número oficial, porque, tal como todos nós, o desconhece.

A somar à gravidade das doenças e mortes provocadas pelo amianto há ainda que referir os sintomas. Algo de dantesco acontece com as vítimas, principalmente nas contaminações cancerígenas da pleura e pulmão. Cada ato de respirar assemelha-se a uma facada dada a cada par de segundos e os órgãos vão ficando como que petríficados sendo cada vez mais difícil respirar. O horror das dores é tão mau que só vendo dá para acreditar. Contudo, o que eu considero mais injusto é que pode levar até 40 anos a manifestação de um cancro provocado por contaminação de amianto. Um tempo em que ligar a doença e a morte à origem da sua causa se torna dificílimo, amortizando os números de óbitos atribuídos a este produto, escondendo a horrorosa realidade.

Para além de tudo isso, é grave a quantidade de edifícios públicos que possuem coberturas de amianto. O número ultrapassava, nos primeiros estudos de levantamento da situação, em muito, os 4 mil, nem chegando ainda aos mil os que já foram intervencionados. Aqui se incluem escolas, hospitais, tribunais, e outros ais de todos os tipos de serviços do Estado. Quanto à quantidade de edificação privada, que possui coberturas de amianto, o valor multiplica-se por várias vezes e o seu cálculo está por efetuar.

Porém, não foi somente nas coberturas que o produto foi usado, sendo que, na construção civil, pode ser encontrado ainda em canalizações, pavimentos, tetos falsos, impermeabilizações, divisões pré-fabricadas, portas de coretes e portas corta-fogo, isolamentos térmicos e acústicos, enchimentos e em inúmeros revestimentos aplicados.

Na dimensão industrial, ainda o encontramos em tintas, cabelagem, nos fornos de tijolo refratário, nas caldeiras, filtros de ar, gás e líquidos, isolamentos especiais e térmicos, calços e pastilhas de travões, fatos corta-fogo e discos de embraiagem. A sua aplicação estendeu-se, durante décadas, à construção naval, do revestimento de embarcações e canalizações dos barcos, passando por mais uma imensidade de assessórios.

Para terminar, nesta pequena amostragem de utilizações mais comuns, não escapa sequer o uso doméstico do amianto em toalhas de mesa, aventais, revestimento das antigas tábuas de passar a ferro e certos produtos fabricados para o lar antes de 2005, onde se destacam as torradeiras, os fogões, os aquecedores, os secadores de cabelo, os termoacumuladores,  para além de depósitos e variadíssimos tipos de têxteis.

A situação é dramática e podemos ainda só estar a ver a pequeníssima ponta de um imenso icebergue. Chega, talvez, recordar que, durante décadas, o amianto era considerado um produto puro, limpo, excelente para o uso em impermeabilizações, uso de proteção térmica e mais uns milhares de aplicações diversificadas. Basta imaginar aquilo que ainda é utilizado hoje e que foi produzido ou fabricado antes de 2005.

Apesar de tudo, a Organização Mundial de Saúde esclareceu, já há algum tempo, que enquanto os produtos que contiverem amianto não se degradarem os mesmos podem ser considerados seguros. O único problema é que o tempo passa, 2005 já lá vai há 14 anos e estamos a falar de utilizações que se iniciaram com o inicio da revolução industrial do século IXX e que, só para considerar o caso português, se incentivaram imenso a partir dos anos 60 do século 20, tendo atingido produções de topo nos anos 80 e 90 no final do milénio.

Voltando mais uma vez aos cancros de pulmão e pleura, só para referir os principais, provocados diretamente pelo amianto, que se propaga pelo ar, derivado de produtos que o incluem e que se começam a degradar, não consigo entender como é que o Estado ainda não proibiu a importação de resíduos destinados a aterros contendo este tipo de fibras. Só o que foi alegadamente importado entre 2016 e 2019, são mais de 67,5 mil metros cúbicos de material altamente contaminado, mais de um hectare de resíduos tóxicos, excedendo 1,3 quilómetros quadrados de toxidade, algo que dava para forrar 120 estádios de futebol ou qualquer coisa como uma área onde caberiam 35  terreiros iguais ao Terreiro do Paço lisboeta. Uma barbaridade que continua a ser permitida por uma legislação que não zela pela saúde pública, embora o aparente fazer.

Volto-te a perguntar Berta, porque achas tu que o Governo Português permite tal monstruosidade? Porque é que Portugal virou o caixote do lixo tóxico do mundo ocidental e não reage à situação proibindo a importação de tais resíduos? A mim cheira-me a corrupção, da grande, da antiga e da grave, porque isto não é de agora, nem começou só em 2014, mas, por falta de matéria factual e provas sólidas, apenas poderemos dizer que alegadamente têm de haver corrompidos e corruptores neste processo todo.

A Quercus que criou o SOS Amianto, que eu acho muito bem, porque raio é que não lança uma petição nacional para que sejam imediatamente proibidas importações de resíduos com amianto, para que os aterros que já o incluem sejam devidamente isolados e tratados, o quanto antes, e para que o Estado crie um departamento de levantamento nacional de toda esta situação? Isso sim. Isso era intervenção, coragem e determinação.

Dá trabalho? Certamente, mas pode ser fundamental para conter esta praga no país, dar emprego a alguns milhares de pessoas e proteger as gerações presentes e futuras de uma contaminação feita por mais de um século, sem o conhecimento científico que permitisse travar o seu alastramento. Contudo, já o sabemos há 14 anos e continuamos a tratar o tema como quem assobia, olha para o lado e depois segue em frente. Uma vergonha.

Para mim tudo isto é mais grave do que saber se o Sócrates tem ou não apenas um grande amigo perdulário. A temática do amianto deveria ocupar mais tempo de antena do que o dito, e não devia sair da agenda mediática enquanto não começássemos a agir metódica, consistente e coerentemente sobre o assunto.

Com esta mágoa na alma me despeço, minha querida amiga, recebe um beijo de saudade deste que nunca te esquece,

Gil Saraiva.

 

Crime e Castigo, a Pena para um Infanticídio

Bebé em contentor.jpg

Olá Berta,

Hoje, dia do meu aniversário, acordei pelas 9 horas e picos, tratei da minha higiene, comi qualquer coisa e fui até à televisão, curioso por saber que notícias do dia dos meus anos. A primeira que ouvi foi a da descoberta de um bebé, recém-nascido, ainda com parte do cordão umbilical e vestígios do parto, deitado ao lixo, num contentor perto de Santa Apolónia, em Lisboa. A notícia, avançada pela TVI, já garantia que a criança, um menino, tinha sido levada para o hospital D. Estefânia e que já se encontrava livre de perigo. Um sem-abrigo, ajudado por um outro transeunte terá dado o alerta, evitando assim mais um infanticídio em terras lusas.

Conforme sabes, eu não faço parte dos fanáticos da desgraça alheia, nem mesmo dos que seguem avidamente os crimes que se praticam em Portugal e no mundo. Prefiro a fantasia, seja um filme policial, de ação, espionagem, ficção científica, entre outros, à crua realidade do nosso quotidiano. Mas há coisas que me incomodam seriamente. Os incendiários, o tráfico de seres humanos, a escravatura, as violações, a violência doméstica, a tortura, os raptos, os homicídios paranoicos, o infanticídio, a prostituição forçada, contra a vontade dos próprios, e o canibalismo. A ordem pode não ser exatamente esta, mas, de facto, todos estes crimes, mesmo os que não implicam morte, mexem realmente com o meu equilíbrio emocional.

Dito isto, o crime descrito pela reportagem da TVI, ou a tentativa do mesmo (é-me igual), é dos que mais me revoltam as entranhas. Que mãe ou que pai é capaz de deitar no lixo um ser acabado de nascer, depois do mesmo ter sido transportado num ventre durante 9 meses? Podem dar-me mil explicações atenuantes, contudo, não aceito nenhuma como justificação de tamanha monstruosidade.

Quem não pode cuidar de uma criança ou não a quer, tem sempre, como recurso, a entrega dessa vida às instituições, que delas cuidam e que as tentam encaminhar para quem delas possa tratar, acarinhar ou até dar o próprio nome por um processo legal de adoção.

Num curto espaço de tempo, este caso, mais o do contentor, encontrado perto de Londres, com os 39 cadáveres de vietnamitas, faz-me pensar que nada evoluímos enquanto seres civilizados a viver no século XXI já no terceiro milénio d.C.! Continuamos tão selvagens e bárbaros como sempre fomos, apenas as roupagens e os métodos mudaram.

Muitos são os países que aboliram a pena de morte para os crimes praticados nos seus territórios. Eu sou normalmente favorável a este tipo de decisões políticas, práticas e legislativas, mas, quando me deparo com estes tipos de crime, a minha vontade é que os culpados, se descobertos, sejam votados a mortes bem mais horríveis do que as suas vítimas poderiam ter tido ou tiveram. Não me consigo conter. Nem sequer encontrar atenuantes para casos destes, por mais floreadas ou trágicas que elas sejam.

Não me vou alargar mais sobre este tema, porque, afinal, o que eu poderia ainda acrescentar sobre o assunto aproximar-me-ia, sem qualquer dúvida, perigosamente, dos selvagens que critico.

Deixo-te um beijo saudoso, com carinho, deste teu amigo de sempre,

Gil Saraiva

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

Em destaque no SAPO Blogs
pub