Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Carta à Berta

Carta à Berta é o local dos Desabafos de um Vagabundo, do Senhor da Bruma, essa bruma a que chamam de internet, de um Haragano, o Etéreo, qual cavalo selvagem que galopa entre cartas alegadamente, quiçá, sem fundamentos.

Carta à Berta é o local dos Desabafos de um Vagabundo, do Senhor da Bruma, essa bruma a que chamam de internet, de um Haragano, o Etéreo, qual cavalo selvagem que galopa entre cartas alegadamente, quiçá, sem fundamentos.

Carta à Berta: Memórias de Haragano - A Revolução Começa na Cama - Parte VII

Berta - 187.jpg

Olá Berta,

Com que então tens-te divertido com as minhas antigas viagens entre a cama e o computador. Pelo menos, enquanto faço esta repescagem, já não me lês a falar de pandemia, de coronavírus, de óbitos, de Donald Trump, André Ventura ou Bolsa-aí, digo, Bolsonaro, ou do raio da palavra feminina “doença” que, por o ser, me querem convencer que a palavra Covid também se deve ler como um termo feminino. Não é nada disso. Não concordo em absoluto.

Recuso-me mesmo a aceitar. Não, não e não. Aliás, Sarampo é uma doença altamente contagiosa causada pelo vírus do sarampo e não dizemos a Sarampo só por estarmos a falar da doença. Essa agora. A palavra cancro, designa quer o tumor (masculino) como a doença (feminina), mas sempre dizemos o cancro, para ambos os casos. Teimo que a doença provocada pelo cororavírus da Síndrome Respiratória Aguda Grave 2 (SARS-CoV-2), deve e pode ser uma palavra masculina, o Covid-19.

Mas é melhor regressarmos, sem mais demora, à minha revolução. Bem pacífica, por sinal. Nela, todas as pessoas sobrevivem, ninguém sai doente de cena. Afinal, é sobre a revolução, e onde se inicia, que esta carta segue a saga, por isso mesmo, e para já, a minha teima terá de ficar de lado, reservada para um dia mais erudito, em que a temática da língua e das palavras esteja em cima da mesa. Assim:

Memórias de Haragano: A Revolução Começa na Cama – Parte VII

“Há mais coisas do mesmo género da caixa do correio com as quais tenho o mesmo tipo de relação visceral. É o caso do meu correio eletrónico que, todos os dias, recebe mensagens de vendedores de viagra, da Autoridade Tributária ou dos Dadores de Sangue e Companhia (não tenho nada contra os dadores, mas eu não posso doar sangue, infelizmente). Não entendo a insistência e irrita-me. Já sobre as minhas potencialidades e virilidade gosto de manter a situação privada, quanto à AT prefiro distância, até porque me tem sido difícil evitar não ter problemas com eles e no que concerne aos dadores abomino o tipo de abordagem, fazem-me sempre lembrar uma música do Zeca, lembras-te, Berta? <<Os Vampiros>>.

Outros temas para os quais já não há paciência: Primeiros-Ministros, bem como outros altos políticos, com casos de corrupção em tribunal. Incomoda-me o facto de se atirar com alguém para a cruz sem culpa formada, por isso não me peçam para ser eu a pôr os pregos; Também não dou para ressuscitar antigos Presidentes da República, com vocação para pastores de cabras, que saem das catacumbas para anunciar sábios e doutos bitaites. Digo sempre o mesmo: quem? Como? Quando? Onde? Porquê? Fiz mal a alguém, eu? Em resumo, e como não me resta mais nenhuma alternativa, mudo imediatamente de tema.

Porém, há outras situações ou coisas que, com um pequeno toque, ficariam aceitáveis. Dou o exemplo de certos comentadores desportivos e ou políticos que podiam ser perfeitamente reaproveitados para um repescar da série Morangos com Açúcar, bastava acrescentar, os Anos Dourados ou Brancos, que iria ser um êxito de audiência. Estou a pensar em Paulo Portas, Luís Filipe Meneses, Marques Mendes, Fernando Seara, Santana Lopes, enfim, a lista é infindável. Marques Mendes, por ser pequenino e, que se saiba, não ser bailarino, podia fazer o papel do velhaco da trama, ajudado, na sombra, pelo dissimulado José Miguel Júdice.”

Se fossem hoje, esses Morangos com Açúcar podiam ainda ter esses e outros intervenientes notáveis, como o viperino André Ventura, o santo incontestável José Sócrates, cujo único crime se baseia nas suas fortes e duradouras amizades, e talvez repescar, de outros setores bem próximos, gente como Joacine Katar Moreira, Ana Drago, Joana Amaral Dias e Ana Gomes.

Como estou a enviar-te, minha amiga, estas recordações aos bocadinhos, por favor, não te zangues se, às vezes, um tema específico passar de uma carta para a outra, pois pode acontecer, mesmo que por mera disposição dos textos selecionados para cada carta.

O que importa aqui é dar-te uma ideia da mente humana que, numa simples análise pessoal e em privado, no seu mundo exclusivo de pensamentos e raciocínios, pode ser bem diferente daquela que observamos em contexto social e comunitário, pese embora se trate, no fundo, da mesmíssima mente. Apesar de tudo, é engraçado constatar como um simples habitante da aldeia lisboeta de Campo de Ourique, pode ter, em si mesmo, realidades tão distintas no que ao seu comportamento diz respeito, como se calhar, é bem provável, que o mesmo possa acontecer com todos os outros residentes do bairro, da cidade ou do país. Pensa nisso. Por hoje é tudo. Despede-se este teu amigo com um beijo franco,

Gil Saraiva

 

 

Carta à Berta: O Orçamento de Estado e o Triplo XXI

Berta 51.jpg

 

Olá Berta,

Já vi nas notícias que choveu e bem por aí. Espero que dê para encher as barragens e para deixar os solos húmidos. A chuva faz muita falta ao Algarve.

Hoje, estou aqui para te falar da apresentação do OE, isso mesmo, o Orçamento de Estado. Mas fica descansada, não me vou armar em José Gomes Ferreira, nem em Manuela Ferreira Leite ou em Francisco Louça, muito menos em comentador bailarino, tipo Marques Mendes, que tudo comenta sem de tudo saber.

Nada disso, apenas vou falar enquanto portuga mediano que escuta o que se diz sobre o orçamento e tira as suas conclusões, próprias, pouco analíticas, do ponto de vista económico, e mais baseadas naquilo que é o seu dia-a-dia, com tudo o que um documento desta natureza lhe pode afetar e alterar rotinas estabelecidas.

Depois de ouvir os especialistas da televisão, e de ler as notícias online, acho que vou ficar na mesma. Sem grandes alterações ou sobressaltos no meu quotidiano, sendo que isso, por si só, já não é uma má notícia.

Contudo, há algumas notas que terei de realçar: o Ministro das Finanças, Mário Centeno, não abre mão do seu porquinho de zero vírgula dois porcentos de excedente orçamental. Com isso, os transportes, nomeadamente os ferroviários, voltam a ficar apenas na pouca-terra, pouca-terra; com a Linha de Sintra, já em processo de rotura para quase meio milhão de pessoas, a não ver a resolução deste problema ao fundo do Túnel do Rossio ou seja de que túnel for; a educação mantem-se em níveis que não perspetivam uma melhoria para os alunos, os auxiliares de ação educativa, os professores ou até para as imensas instalações afetadas pelas más condições ou pelo amianto; ao que parece quer o IVA da eletricidade, para os clientes de menor consumo, quer os escalões do IRS, passam para a discussão na especialidade sem garantias, até ao momento, de mexidas substanciais, mais uma vez.

Mário Centeno fala em factos históricos. É uma realidade que este é o primeiro orçamento da democracia portuguesa a dar lucro, feito alcançado pelo XXI Governo Constitucional, no século XXI, mesmo às portas do ano XXI. Mas essa bonita trilogia nada resolve de substancial.

Os ordenados da Função Pública voltam a derrapar; os impostos indiretos sobre os produtos açucarados, o tabaco, o álcool, os produtos petrolíferos, entre outros, mantém as previsões de subida; as pensões mais baixas continuam muito aquém do que era ambicionado; os desempregados de longa duração e o elevado nível de jovens à procura do primeiro emprego parecem destinados à estagnação, as soluções de fundo para a habitação ficaram esquecidas nalgum sótão perdido nos Paços do Governo; não se apresentam projetos de investimento e relançamento económico, no panorama macroeconómico, por parte do Estado; até mesmo a grande injeção de capital na saúde parece deixar apenas a ferida do SNS desinfetada, mas sem apresentação de uma cura à vista.

No entanto, minha adorada amiga, temos mais de 17 mil milhões de euros em reservas de ouro, fora os outros (vários) milhares de milhões em reservas em moeda corrente, cerca de metade guardado por cá e a outra metade em diversos locais do mundo, estando uma boa parte do bolo à guarda de um tal de Donald Trump, nos Estados Unidos da América. Uma história rocambolesca a lembrar o Tio Patinhas que deixa a família viver com salários ridículos, enquanto ele se banha na sua imensa caixa forte recheada de fortunas.

Não compreendo as lógicas de mercado, nem as negociatas da alta finança, mas sei que a utilização de apenas 20 porcento do ouro libertava completamente Portugal do sufoco e gerava um boom nacional nunca visto por terras lusas. Contudo, devo estar louco, por só eu pensar desta forma.

O uso cirúrgico dessas verbas ou até um pouco mais do que isso, não apenas podia servir para pagar os compromissos da dívida pública da República para este ano, como libertava do Orçamento de Estado uma verba tão significativa que seria equivalente a alcançarmos uma tal prosperidade que poderia levar à angariação de verbas superiores às inicialmente aplicadas.

Seria como meter um foguete na Lua, carregá-lo de pedras preciosas e com estas, de regresso à Terra, pagar o foguete e ainda ter lucro com a expedição. Enfim, coisas de quem não entende nada de economia e finanças, minha querida amiga. Isto sou eu a sonhar à noite.

Despeço-me com um beijo saudoso, enviado com gosto por este que não te esquece,

Gil Saraiva

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

Em destaque no SAPO Blogs
pub