Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Carta à Berta

Carta à Berta é o local dos Desabafos de um Vagabundo, do Senhor da Bruma, essa bruma a que chamam de internet, de um Haragano, o Etéreo, qual cavalo selvagem que galopa entre cartas alegadamente, quiçá, sem fundamentos.

Carta à Berta é o local dos Desabafos de um Vagabundo, do Senhor da Bruma, essa bruma a que chamam de internet, de um Haragano, o Etéreo, qual cavalo selvagem que galopa entre cartas alegadamente, quiçá, sem fundamentos.

Carta à Berta: Jesus!

Berta 286.jpg

Olá Berta,

A Ressurreição de Jesus, e obviamente estou a falar do Benfica, já todos os meus amigos sabem que não me agrada, ainda há dias o referi aqui. Porquê? Porque este Jesus é o protótipo chapadinho do orgulho e narcisismo luso, cruzado com o Marialva do Cais do Sodré, ou com o pintas do Zezé Camarinha ou do 3 Beiços, lá dos Algarves, de tempos idos. Podia dizer que ele seria o Chico Fininho da cantadeira, mas Jesus não consome drogas, embora às vezes pareça, com aquele penteado e perfume bem semelhante.

Contudo, é o melhor exemplo que conheço do “Made in Portugal com muito orgulho”. Não gosto, e já não gostava em Cavaco Silva, do ar de quem nunca se engana e raramente tem dúvidas. Por outro lado, também não me agrada este novo Jesus emigrante regressado a casa, que, no seu “riquíssimo novo modo de vida”, abana a pulseira de ouro à “Senhorzinho Malta” e pouco sabe daquilo que se usa no português enquanto língua, incluindo a conjugação gramatical ou a sintaxe,  semântica e tudo o resto.

Nem sequer gosto da importação excessiva de azulejos (entendam-se jogadores) para adornar a casa que, segundo as mais recentes influências bebidas no estrangeiro, precisa de renovação evidente. Embora concorde que algo tem de ser feito na equipa para animar as hostes e veja, com bons olhos, a possível, mas longínqua, contratação de Cavani.

O problema é a tendência de Jesus para algum exibicionismo desmedido, fruto da sua nova riquinha prosperidade (sim, porque uma riqueza começada há 10 ou 11 anos ainda é nova, na mesma). Com isso, o Benfica vai ter o Pedrinho, já contratado antes da chegada do Senhor, mais o Everton Cebolinha, o Gilberto, depois, anuncia-se Cavani, agora o Di Maria, também chegam rumores por de Bruno Henriques e de mais uma boa meia dúzia de grandes talentos de vários pontos do mundo do futebol.

Parece, à primeira vista, que o Benfica vai inscrever uma segunda equipa na Primeira Liga, tantos são os reforços sonantes que aparecem, por arrasto, associados a Jesus, a Deus (o treinador adjunto) e ao Espírito Santo (que é, na ostensão, uma espécie de Novo Banco, que embora anuncie tudo o que de bom existe no seu seio, não mostra o quanto de mal pode vir à tona).

Se o Senhor tem estes defeitos evidentes, que me desagradam de forma clara, também tem a qualidade do “Chico Esperto” nacional e do “Desenrasca” para todo o ofício. Por fim, os “Galifões” têm a caraterística de serem seguidos com afinco pela sua prole de fãs, neste caso: os jogadores, que, perante o Senhor, tentam muitas vezes demonstrar que também eles conseguem fazer milagres no relvado bendito. Dito isto, também é óbvio para mim, que, na presença de adversários, sempre defenderei o Benfica, mesmo que para isso tenha que engolir um sapo.

Neste caso, o sapo, é a hóstia sagrada e a doutrina de um Jesus que me desagrada, mas que tem de ter algum mérito face ao que fez recentemente no Flamengo, por exemplo, ou seja, não gosto, mas como, mesmo que para isso tenha que recorrer a alguma poção com o mesmo princípio ativo dos sais de frutos “Eno”.

Agora, e isso é inevitável, sou daqueles que estará de navalha em punho para a “noite dos facas-longas” quando Jesus meter o pé na argola. Pode parecer injusto, mas é a natureza humana. Ninguém critica aqueles de quem gosta, por vezes até lhes desculpa os defeitos, mas os que lhe provocam urticária que se cuidem, pois sobre esses pode muito bem cair o Carmo e a Trindade.

Sou daqueles que facilmente dirá, se Jesus tiver sucesso, que tudo se deve aos jogadores e ao clube e que estará sempre pronto para colocar Jesus ou Luís Filipe Vieira no banco dos réus se preciso for. Acima deles está o Benfica, o voo da águia, o vermelho e branco de uma paz conquistada com sangue suor e lágrimas, em caso de necessidade. É engraçado, mas quando o Senhor andava por terras de Copacabana eu até era um apoiante convicto, mas isso era longe, bem longe do meu amado Benfica. Pronto, e mais não digo. Recebe um beijo de despedida, amiga Berta, deste teu velho amigo,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta: SNS e DGS: Mentira ou uma grande coincidência?

Berta 144.jpg

Olá Berta,

SNS e DGS: Mentira ou uma grande coincidência? Se as tuas cartas tivessem título, esta questão devia ser o que constaria, como legenda titular, na carta de hoje. Era para a ter escrito ontem, todavia, ainda pensei, umas quantas vezes, que estava a ficar como aqueles maluquinhos, que vêm teorias da conspiração em todo o lado. Resolvi deixar passar 24 horas. Afinal, achei necessário pensar bem no assunto, antes de escrever e parecer ridículo, neste meu raciocínio.

Contudo, as 24 horas passaram e, em vez de achar que tudo não passava de um pensamento absurdo da minha parte, cada vez mais penso que tenho mesmo razão. Ou seja, o Governo, o Presidente, enfim, o Estado anda a esconder-nos informação. Eu sei, amiga Berta, que as minhas cartas para ti são todas, sem exceção, incluídas no domínio do alegadamente. Mesmo assim, após 40 anos de jornalismo, prefiro ter as minhas fontes, sobre qualquer tema que escrevo, o melhor documentadas e verificadas que me for possível.

Não é essa a situação de hoje. Não tenho, efetivamente, como fazer prova sobre o que se passa de concreto no âmbito das minhas interrogações, nem sequer sei se tudo o que agora afirmo poderá alguma vez sair do universo do alegadamente. Apenas tenho a enorme convicção de que alguma coisa se está a passar e de que a verdade está a ser distorcida.

Deves estar a interrogar-te sobre que raio é que eu estou para aqui a escrever. Para te responder a isso tenho que te explicar que, dos meus 40 anos de atividade profissional enquanto jornalista, mais de metade foi passada a fazer investigação. Ainda por cima, manter uma carteira profissional nos últimos 25 anos, na qualidade de freelancer, em Portugal, não é pera doce.

A importância da investigação gera em nós, enquanto investigadores, uma espécie de instinto para detetar quando algo não bate certo. Podemos nem saber ao certo do que se trata, mas se algo estiver errado, no meio de um conjunto de informações que nos vão chegando, algures, cá dentro do meu cérebro, toca uma espécie de alarme como que a prevenir que há um erro seja lá onde for. Foi esse alarme que eu passei a sentir desde o último sábado.

Já agora, falando concretamente do que me chamou a atenção, no sábado, eu vi e ouvi uma reportagem com o Jorge Jesus, em que este se mostrava visivelmente abalado, com o facto de ter perdido um grande amigo, nesta luta contra o Covid-19. No entanto, a única morte confirmada pelo SNS apenas teria lugar na segunda-feira, tendo sido anunciada como um óbito, efetivamente, ocorrido na segunda. (Um aparte: eu digo “o” Covid-19 porque se trata de um vírus e não “a” Civod-19 por ser uma doença, aliás, também digo o Cancro ou o Ébola, mas admito que existam opiniões divergentes sobre masculino ou feminino na designação).

Ora bem, pela entrevista de Jorge Jesus, o que me pareceu, na altura, foi que a família do antigo massagista do Estrela da Amadora, um homem de 80 anos, tinha acabado de comunicar o óbito, derivado por infeção com o coronavírus, ao treinador, mostrando-se esse sinceramente consternado com a notícia. Já a repeti por diversas vezes, pois guardei o videoclip, e chego sempre à mesma conclusão: Mário Veríssimo faleceu a 14 de março de 2020.

Contudo, o Serviço Nacional de Saúde, apenas declara a morte no dia 16 de março. Como se esta tivesse ocorrido na madrugada desse dia. Para ainda me deixar mais incomodado, no dia 15 dá-se a transmissão de um novo clip de Jorge Jesus, 24 horas depois da sua primeira declaração, com o homem notoriamente atrapalhado, a dizer que fez confusão, que sabia que o amigo estava em risco de vida e que poderia perecer, tentando dar o dito por não dito, coisa que não se pode pedir a este ilustre homem do futebol, devido à sua falta de jeito para as artes teatrais.

Porém, alguém, na minha interpretação a própria Direção Geral de Saúde ou o Ministro da tutela, solicitou este desmentido. O óbito acaba por ser declarado dia 16, provavelmente alguns dias antes do que o SNS pretendia, para que não se levantasse a lebre sobre a fiabilidade das informações da DGS ao público em geral. Em conclusão, passei a achar que o fluxo diário das informações da DGS, todos os dias ao meio-dia, não passa de um cozinhado.

Repito, um cozinhado, criado para nos ir dando, ao ritmo desejado, as notícias sobre o vírus que o Governo julga aconselhável transmitir. Aliás, se este fosse um caso único, se esta fosse a única ação fora de contexto, eu até poderia estar realmente a imaginar uma Teoria da Conspiração. Todavia, juntando esta coincidência (e eu não acredito em coincidências) a outros detalhes ocorridos durante todo este mês, desde o dia 2, levam-me a acreditar que a informação está a ser globalmente manipulada pelo Estado.

Algumas das incongruências foram assinaladas na Sic, por Miguel Sousa Tavares, outras fui apanhando nos diferentes noticiários, imprensa e nas notícias que recebo via Agência Lusa. Por exemplo, na semana passada o Infarmed ia distribuir um milhão de máscaras, a notícia foi transmitida e ninguém mais se lembrou disso. Contudo, este passado fim-de-semana, os dentistas, o pessoal dos aeroportos, algum pessoal médico, e outros, queixaram-se de não ter máscaras, bem como diversos equipamentos de proteção, também, anteriormente anunciados como prontos para entrega, pelo Infarmed.

Hoje, perante a insistência dos repórteres, o mesmo Instituto anunciou a distribuição de 2 milhões de máscaras e mais equipamentos, entretanto, passou uma semana. As ordens da DGS saíram, rigorosas e nacionais, mas os portugueses que regressam a Portugal, por fronteira terrestre, vindos por ou de Espanha, não estão a ser monitorizados.

Então estamos a receber pessoal de elevado risco e não estamos a verificá-los? O mesmo se passa nos aeroportos, quem lida com aquela gente toda, funcionários, seguranças, polícia, e por aí em diante, não tem sequer uma máscara para se proteger dos magotes de gente que acedem ao local e aos balcões. Estranho, não?

Estou convicto que não só não temos conhecimento de toda a estratégia global do Estado, como considero ser real a manipulação dos dados relativos ao Covid-19, por parte da DGS, como punha as mãos no fogo como temos muito menos material de proteção do que aquele que tem sido anunciado publicamente de 2 de março até ao dia de hoje.

Há outros detalhes que não jogam uns com os outros, nem batem certo, como as explicações dadas para a instalação dos hospitais de campanha ou de triagem, ou, ainda, a forma como foram amontoados os 70 nepaleses, num único local, no Algarve. Todos estes detalhes não combinam com o plano concertado e anunciado aos portugueses, como sendo aquele que está a ser posto em prática.

Até a quarentena do Presidente da República me parece, neste momento, uma estratégia forjada, para amanhã, se anunciar o Estado de Emergência, saltando 2 patamares de uma vez, o Estado de Contingência e Estado de Calamidade. O caso de Ovar, então, soa incrivelmente a gato escondido com rabo de fora. Só espero que toda esta estratégia de segredo esteja a ser concertada para se evitar o pânico.

Em conclusão, parece-me evidente, pelo desenrolar dos eventos e pelas discrepâncias que vou detetando, ajudado por 40 anos de atividade jornalística que o SNS, a DGS, o Infarmed, o Governo e a Presidência da República, nos estão a mentir descaradamente, contudo, até prova em contrário, espero que seja porque eles pensam ser essa a melhor maneira de manter a população calma. Caso seja por isso ainda lhes dou o benefício da dúvida, embora, pessoalmente, preferisse saber a verdade.

Fica descansada, amiga Berta, que continuarei atento. Darei novidades sobre a pandemia, sempre que se justificar. Despeço-me com um beijo fofo,

Gil Saraiva

Carta à Berta: A Libertadores é de Jesus

Jorge Jesus.jpg

Olá Berta,

Deves estar, como eu, satisfeita com o nascimento e ascensão aos céus de mais um herói nacional, desta vez não aqui no nosso pequeno burgo, mas pelas paisagens imensas das terras de Vera Cruz.

Jesus é louvado pela imensidão de gente rubro negra que parece ter invadido o Brasil. Para onde quer que ele vá, será seguido por muitos e muitos anos por essa massa gigantesca de fãs que lhe reconhecem a audácia de um verdadeiro “Mister”, e que só não o naturalizaram já, porque a pronúncia do mesmo dificulta a confusão.

O Brasil é hoje terra de um povo libertado depois de 38 de um Flamengo sem ganhar a Taça dos Libertadores. Nem mesmo o pulmão amazónico, a definhar a olhos vistos, parece calar o pulmão recém-nascido de uma gente imensa, de milhões e mais milhões, que canta bem alto a palavra vitória, enaltecendo com rubor as faces pálidas de um homem da Amadora, que quis a sorte chamar-se Jesus.

Jorge Jesus vai voltar ao velho continente com o “Brasileirão” ganho e a Taça dos Libertadores debaixo do braço. Volta, porque para ser eternizado não pode manter-se no posto e fazer menos do que acabou de alcançar. Volta, porque a demanda disparou na Europa. Já se fala que o querem em Inglaterra e há quem diga que ele será o próximo treinador do Barcelona. Volta, porque quer ser lembrado eternamente.

Volta, para pena minha, que preferia vê-lo a representar a nossa bandeira fora do país. Eu admiro o Jesus que conseguiu vingar no Brasil, aplaudo e incentivo esse Jesus, porém, sou dos que continuam a achar que ele não devia, jamais, regressar ao Benfica. Há os que me recordam que ele ganhou 3 campeonatos pelo clube, mas eu sou dos que pensa que ele perdeu 3 campeonatos pelo Benfica e mais a final de uma Taça UEFA.

Contudo, este meu raciocínio não tira qualquer mérito ao treinador. Apenas não me agrada ver um iletrado a liderar a minha equipa, o que muito provavelmente tem a ver com o facto de eu me considerar um intelectual. Manias de um Gil, minha querida Berta, preocupado não apenas com o conteúdo, mas também com a forma, de quem lidera o seu clube de coração.

Se o homem for realmente para o Barcelona vou torcer por ele com todas as minhas forças, exatamente como o fiz no Brasil. A simplicidade do treinador faz escola, tem o seu mérito e não lhe deveria ser pedido, nem por mim, que vire Camões ou que tenha o dom da oratória e a cultura geral de um Lobo Antunes. Todavia, eu sou assim, prefiro o herói fora de portas. Talvez o defeito seja meu, não digo que não, mas o que importa é que a saga de Jorge Jesus se mantenha viva, levando consigo o nome de Portugal. Afinal, ninguém lhe pede uma pós-graduação em gramática para que seja um treinador de nível 4, cujo sucesso anda agora perto do 10.

Regressando aos feitos conseguidos pelo herói no Brasil, penso que se passarão muitos anos até que um outro português o consiga repetir naquelas paragens. E, mesmo assim, jamais será igual, porque Jesus o fez primeiro que todos com a garra de um puro Lusitano, nos últimos minutos virando uma desvantagem, na reviravolta da glória de um jogador, um tal de Gabigol. É assim que se escreve história.

Desejo que Jesus continue o seu galope, de crina prateada ao vento, em gestos gritados para dentro de um campo de flores sem tempo. Desejo-lhe felicidades e vitórias, desejo-lhe boa sorte.

Despeço-me, minha querida Berta, saudoso, este amigo que não te esquece,

Gil Saraiva

Jorge Jesus e Lula da Silva

Jesus e Lula.jpg

Olá Berta,

Perguntar-te se estás bem parece-me desnecessário visto que ainda ontem conversámos. Conto que continues fina e alegre como sempre te conheci. Não sei se tens acompanhado as notícias do nosso país irmão. Irmão, digo eu, porque para alguns brasileiros somos mais um primo afastado, quase desconhecido, que interessa manter longe da restante família. Mas esses são a exceção, pelo menos eu prefiro pensar assim.

Ontem, um tal de Jesus, adotado pela enorme massa adepta do Flamengo, conseguiu cumprir mais um jogo vitorioso frente a um Bota-Fogo, constituído principalmente por caceteiros profissionais. Porém, o Mister continua, serenamente, passo a passo, a fazer a sua caminhada em direção à consagração. Uma tarefa impressionante, tendo em conta que a média de sobrevivência de um treinador pelas terras do samba é de 4 meses, mais coisa menos coisa.

Quando Jorge Jesus chegou ao Brasil, para treinar o Mengão, este estava a 8 pontos de distância do primeiro lugar e a Taça dos Libertadores era uma miragem muito ao fundo de um negro túnel sem ponta de visibilidade.

Hoje, a 7 jogos do final do Brasileirão, o Flamengo, tem 8 pontos de vantagem sobre o segundo classificado, o Palmeiras, Jesus, que já bateu o recorde de pontos no campeonato, continua a sua escalada em ascensão a caminho do título. Em pouco mais 3 meses e 3 semanas, o treinador recuperou 16 pontos e está já apurado para a final da competição favorita de todos os brasileiros, a Taça dos Libertadores, disputada entre os melhores clubes dos diferentes países da América do Sul, que muitos consideram uma espécie de Liga dos Campeões do continente sul americano.

Eu, que nunca fui fã de Jorge Jesus, desde que ele saiu do Sporting de Braga, vejo-me agora a torcer pelo homónimo do Cristo Rei, com ganas de adepto fervoroso. Ai-ai, as voltas que a vida dá, minha querida amiga. Com a minha idade já devia ter aprendido a ficar calado porque nem sempre se pode dizer “desta água não beberei” com certezas absolutas.

Outra notícia que me espantou foi a da libertação de Lula da Silva, o ex-Presidente do Brasil. Aconteceu hoje. A ordem foi dada e cumprida no próprio dia. Embora muita gente considere o homem um corrupto, que fez e que aconteceu, eu, que acompanhei o caso com a máxima atenção, continuo a pensar que o julgamento foi político e não criminal. As provas apresentadas contra Lula nunca saíram da esfera do circunstancial e, cá para o meu sentido de justiça, ou se prova sem dúvidas a culpa de alguém ou essa pessoa não pode ser culpada com o que parece ser.

É claro que, hoje em dia, depois do juiz que o condenou, um tal de Moro, ter ido parar ao governo de Bolsonaro, já existem muitos mais a pensar como eu. Todavia, mantenho todas as reservas que sempre tive, ou seja, se algures, num qualquer processo judicial, se provar inequivocamente que o sujeito é culpado, sem margem para dúvidas, então que se prenda o homem e se deite fora a chave pelo tempo que demorar a pena proferida na sentença. Porém, primeiro a prova e depois a pena. Nada mais simples.

Por falar nisso ainda te hei de mandar a minha opinião sobre a prisão dos governantes na Catalunha e sobre um tal de Presidente dos Estados Unidos da América. Contudo, não será hoje que já vou longo nos desabafos de um vagabundo cheio de supostas alegações. Recebe um beijo saudoso deste que não te esquece,

Gil Saraiva

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

Em destaque no SAPO Blogs
pub