Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Carta à Berta

Carta à Berta é o local dos Desabafos de um Vagabundo, do Senhor da Bruma, essa bruma a que chamam de internet, de um Haragano, o Etéreo, qual cavalo selvagem que galopa entre cartas alegadamente, quiçá, sem fundamentos.

Carta à Berta é o local dos Desabafos de um Vagabundo, do Senhor da Bruma, essa bruma a que chamam de internet, de um Haragano, o Etéreo, qual cavalo selvagem que galopa entre cartas alegadamente, quiçá, sem fundamentos.

Carta à Berta: Parada's Garden: The Return Of The Yodas Concil - Part III /III

Berta 229.JPG

Olá Berta,

Não quero terminar esta história sem referir, mais concretamente, as 46 senhoras séniores, que contabilizei sentadas, pelo Jardim da Parada, nos bancos proibidos fitados de vermelho e branco, à tarde, na passada terça-feira. Foram elas que me levaram a escrever a terceira parte da carta de hoje intitulada de:

“Parada’s Garden – The Return Of The Yodas  Council – Part III/III”

Tenho todo o respeito pelos cabelos brancos, grisalhos ou pintados de tons de louro ou de escuro, das matriarcas soberanas e séniores do meu bairro. Mas 46 é um número imenso e preocupante num jardim que ocupa a área de apenas um quarteirão. Igualmente de consideração são as árvores centenárias que lhes fornecem a sombra, tão desejada, em dias de Sol. O jardim tem muitas destas também. Algumas delas etiquetadas com os seus altivos nomes em latim, numa demonstração humana da estima que nos merecem.

Com efeito, ao contrário dos cavalheiros, estas damas anciãs, não se reúnem nas mesas do jardim, prontas para um desafio de sueca disputado a 4. Elas preferem matar saudades, com ajuntamentos de 2, 3, 4 ou 5 elementos do seu sexo só as vejo sozinhas ou em grupos maiores do que 5 pessoas quando estão, respetivamente, sentadas a falar para o telemóvel ou quando se encontram, em trajetos curtos, de pé, entre passeios, e um grupo se cruza com um outro grupo conhecido.

Contam as novidades do confinamento e do desconfinamento, falam das saudades de filhos e netos, conversam sobre os acontecimentos da vizinhança, relembram tempos antes da viuvez, ou discutem, como ouvi esta terça-feira, amiga Berta, a forma como puxariam as orelhas ao André Ventura se o dito fosse filho delas.  Aliás, ao contrário do que a minha mente, talvez ainda portadora de algum preconceito inconsciente, conferenciam sobre política e atualidade com perfeita noção de quem tem opinião definida e sabe perfeitamente o que diz.

São as Yodas sagradas no feminino, em toda a sua força e sabedoria. Ao contrário dos homens, não realizam concílios numerosos, dividem-no em partes, de forma a evitar que os temas dispersem e tenham que esperar demasiado tempo para ser de novo a sua vez de voltar a falar. O instinto feminino faz delas, muitas vezes, vozes mais sábias, mais ponderadas e lucidas do que as que normalmente constatamos nos machos séniores. Outra caraterística evidente é a capacidade que têm de lidar com o infortúnio, a desgraça ou a doença muito superior à masculina.

Só que, estas sagradas damas têm necessidade de trocar ideias, de se encontrarem, de manterem os círculos de amizade formados, muitos deles, num passado já remoto e, por isso mesmo, descuram alguns detalhes. Pormenores   de importância muito relevante nos dias que correm, seja a falta da máscara, perdida nos labirintos das suas carteiras, seja o distanciamento social ainda exigido pelo Estado de Calamidade, seja lá o que for, apenas porque o instinto de partilha falou mais alto.

É para evitar essas falhas que uma atenção redobrada da Junta de Freguesia e das Forças da Ordem teria, no Jardim da Parada, que aqui apenas é exemplo de tantas outras Paradas, uma importância determinante. Não era preciso muito, estou convencido que um pequeno alerta aqui ou ali, seriam suficientes para colocar tudo dentro dos parâmetros desejados e requeridos pela presente pandemia.

Com estas observações, minha querida amiga, termino a rúbrica do “Jardim da Parada – O Regresso do Concílio dos Yodas – Parte III/III”. Tenho uma grande e boa amiga de 92 anos, que se encontra institucionalizada num lar privado na Parede, que diz, depois de ter conseguido escapar a um Lar da Santa Casa, que em ambos, por estes tempos, se sente uma prisioneira obrigatoriamente confinada, mas que afirma que, neste último, o confinamento (e pagava o mesmo pelo outro) tem um terço dos utentes para o mesmo espaço e o respeito dos tratadores que a vêm como um ser e não como uma fonte de rendimento por força da sua boa reforma. O problema dos lares da Misericórdia ou da Santa Casa são a falta de nível do seu pessoal e o aquartelamento dos utentes como se fossem carne à espera da hora de partirem para o matadouro.

Porém, Berta, isso poderá ser tema para um dia, noutra carta, que não nesta. Recebe um beijo deste teu amigo,

Gil Saraiva

 

 

Carta à Berta: Parada's Garden: The Return Of The Yodas Concil - Part II /III

Berta 228.JPG

Olá Berta,

Esta terça-feira, ou seja, ontem, fui novamente obrigado a sair do casulo, onde tenho estado confinado desde que o ano teve início, pois tive de ir à farmácia, por falta de um comprimido, de toma diária e obrigatória. Estava esgotado no domingo e ligaram-me a avisar da sua chegada 2 dias depois. Foi esta saída que me levou a escrever a carta de hoje a qual intitulei de:

“Parada’s Garden – The Return Of The Yodas  Council – Part II/III”

Quando uso a palavra yodas, não me estou a referir a velhos tolos e mentecaptos, atacados de Alzheimer e Esclerose Múltipla Aguda, que não sabem o que fazem (como muitas vezes são classificados pelos asnos, da nossa sociedade, de mente por vezes demasiado curta). Nada disso, muito pelo contrário, as palavras Yoda ou Yodas impõem o respeito por toda uma geração de anciãos e anciãs, que merecem o nosso absoluto esguardo e admiração porque, afinal, foram eles os responsáveis pela força de trabalho e de mão-de-obra, pelo pensar o país e nunca permitir que perdesse o rumo, nos últimos 50 anos. Mais, a eles e elas devemos o estarmos aqui, a lutar neste Estado de Calamidade, com a voz da experiência adquirida, de quem já travou muitas batalhas, de quem serve ainda de guardiã ou guardião milenar da nossa identidade enquanto nação, de quem porta, com orgulho a nossa bandeira enquanto país, de quem a ergue, bem alto, para que se veja e jamais se esqueça porque é que somos os Heróis do Mar e o Nobre Povo.

Os Yodas representam a sabedoria, a argúcia, a audácia e a experiência de Portugal. São eles, aliás, os guardiões e guardiãs da nossa mais pura identidade. Não os respeitar, ouvir e com eles aprender, para depois podermos evoluir um pouco mais, na direção presente que nos poderá conduzir a melhores futuros, é a condenação clara, inequívoca e evidente, à nossa estagnação enquanto povo.

Porém, por vezes, o descanso destes guerreiros de outrora, precisa ser acautelado pela sua própria descendência. É imperativo que os e as ex-combatentes de toda uma vida, quando descansam, o possam fazer em paz, conforto e segurança. Já não são eles a terem de se preocupar com isso. O acautelamento das condições de estabilidade está agora ao cuidado de filhos e netos. Foi para isso que eles e elas dedicaram toda uma vida.

Quando os séniores se reúnem em Concílio ou a jogar à Sueca nas mesas do Jardim da Parada, ou até a recordar a existência ou mesmo a falar do seu merecido repouso, nos bancos do Jardim da Parada, por exemplo, ou, simplesmente, a pôr a conversa em dia com vizinhos e vizinhas ou a mostrar as fotografias dos netos, seja lá o que for, é importante que o façam confiantes e em segurança. Ora, se a utilização das mesas de jogo e de leitura do jardim ainda estão vedadas e com fitas, a interditar o seu uso, se nos bancos da Parada, tal proibição de uso ainda se mantém, cabe à Junta de Freguesia zelar pelo cumprimento das normas impostas pela Calamidade Pública, decretada pelo Governo e, à PSP, que tem a esquadra a menos de 300 metros do local, avisar os mais distraídos de que a crise ainda não passou, por muito fartos da situação que todas elas e eles possam estar.

O dever cívico dos Yodas deve ser relativizado e ajudado a cumprir por todos, afinal, o peso dos anos, também ajuda a ver com mais benevolência a crise. É simples de entender, vindo de quem já enfrentou tantas outras no passado. O dever de alertar as anciãs e anciãos de que estamos em tempos de perigo é nosso, da nossa Junta de Freguesia, da PSP e Polícia Municipal. Não entendo porque é que a nossa autarquia não se articula com a PSP (que se localiza na porta ao lado da Junta) de forma a salvaguardarem os comportamentos no Jardim da Parada incluindo o uso das próprias máscaras por parte de todos…

Isto não é um mero conselho, é um imperativo. Temos de aprender a respeitar os nossos Yodas e a protegê-los do seu próprio cansaço ao confinamento. Passar-lhes a culpa de furarem as regras é como sacudir a água de um capote que é tanto nosso como deles.

Amanhã, minha querida Berta, termino este caminho pelo Regresso do Concílio dos Yodas ao Jardim da Parada, em Campo de Ourique. Deixo um beijo de despedida, deste amigo sempre presente,

Gil Saraiva

 

 

Carta à Berta: Campo de Ourique - 2019 em Revista - março

Berta 84.jpg

Olá Berta,

Peço desculpa pela demora da carta de hoje, mas tenho estado meio engripado. Descansa que não é nada mais do que isso. Voltando ao tema que temos em cima da mesa, ou seja, o que aconteceu em Campo de Ourique em 2019 com relevância para mim, o que é sempre subjetivo, passamos para a revista do mês de março de 2019. Com a chegada deste mês terminamos o inverno do ano passado e afloramos a chegada da primavera. É engraçado seguirmos a evolução dos acontecimentos passados e tentarmos descobrir se alguns deles mostram a passagem pelas estações do ano ou se tudo parecerá mais ou menos indiferente.

É claro que este mês ainda não é a altura ideal para se poder notar com clareza essa alteração, porém, sendo a última semana a da chegada da época das flores, sempre me fica alguma expectativa. A ver vamos se as 2 coisas se correspondem entre si. Espero que, mais uma vez, este recordar seja do teu inteiro agrado e que aí, à distância, tires algum partido daquele que é, para mim, evidentemente, o melhor bairro de todo o universo conhecido.

Campo de Ourique em revista, março de 2019:

Fechou, logo no dia 1 de março, para uma remodelação geral, a Casa Fernando Pessoa. O prazo previsto para a reabertura, segundo fonte oficial, é apontado para depois do verão. Contudo, minha amiga, os gestores da Casa anunciaram já a reabertura, algures, durante o primeiro semestre de 2020. Cá para mim a 30 de junho de 2020.

A sexta-feira, dia 1, serviu de porta de entrada para a música. No mercado de Campo de Ourique, a banda “Groovelanders”, fez, a partir das 21 horas, as honras da casa. O Pop, o Rock, o Funk a Soul e finalmente o Disco, foram as sonoridades deste grupo dedicado aos “covers” dos clássicos da múcica nos últimos 70 anos. Acho que a banda te teria agradado, amiga Berta.

O dia 2 foi dedicado ao inglês, assim aconteceu porque a Academia de Inglês mais famosa do Mundo (estando presente nos 5 continentes em 36 países e possuindo um dos seus mil centros de ensino do inglês, para qualquer idade, como segunda língua, no nosso bairro), o “Helen Doron”, situado na Rua de Campo de Ourique no n.º 36B, realizou, desta vez para os mais jovens, um Workshop Especial gratuito, no Centro Comercial do Campo Pequeno, dedicado à ciência em colaboração com a “Science4you” entre as 4 e as 5 da tarde.

No domingo, dia 3, o Mercado de Campo de Ourique contou, com a presença do trio de música jazz “Out of the Blue”, tendo a banda atuado no horário nobre do mercado, entre as 20 e as 23 horas. Um parâmetro horário ligeiramente diferente do habitual neste grupo no espaço.

A música aconteceu, novamente, nos dias 5 e 6, na Mercearia do Campo, num número da Rua Saraiva de Carvalho, pertencente à Freguesia da Estrela, que teimosamente insiste em afirmar-se como sendo um espaço do Bairro de Campo de Ourique. Na sua cave, a “Mercearia -1” (leia-se: menos um), pudemos deliciar-nos escutando, ao vivo, sempre a partir das 21 horas, Areia Rotsen, no dia 5 e Ana Moreira no dia 6. A entrada foi, mais uma vez, livre e o espaço esteve, como seria de esperar com muito bom ambiente em ambos os dias.

Com a chegada de sexta-feira, dia 8, o Mercado de Campo de Ourique voltou a dar música a todos os seus clientes e apreciadores das mais diversas sonoridades. A banda “Brass & Brass” fez a sua aparição pelas 8 da noite e proporcionou algumas horas de bom som a todos os visitantes deste espaço onde se bebe, come e ouve com prazer. O mercado afirma-se, cada vez mais, como a grande referência musical do bairro.

O Mercado de Campo de Ourique reinou mais uma vez no sábado, dia 9, querida amiga, principalmente no que ao som diz respeito. Foi cerca das 21 horas que a banda “Bossa Alibi” iniciou a sua atuação. O duo trás consigo as sonoridades da Bossa Nova e algumas das sonoridades dos anos 50 e 60 do século passado com um “jazz lounge” fácil de ouvir e ainda mais fácil de apreciar com gosto.

A banda “Out of the Blue” regressou ao Mercado de Campo de Ourique no dia 10, para mais uma atuação. Reinaram as “Jam Sessions” uma vez mais no habitual horário entre as 6 da tarde e as 10 da noite.

Foi a 12 e 13 de março que terminou o ciclo de concertos intimistas da Mercearia -1. Pena que este tipo de iniciativas não tenham o apoio político que mereciam ter, quer pela qualidade, quer pelo bom gosto demonstrados. Desta vez, quem lá esteve pode apreciar as sonoridades de Meri e Nadia Leirão, no dia 12, com a música a variar entre a Soul e o chili RnB e, no dia 13, o Clube do Blues. Foram 2 dias e 2 valências que mereceram bem o registo que aqui faço, querida Berta.

O dia 15, à noite, pelas 21 horas dessa sexta-feira, foi um tempo para escutar no mercado do bairro, o “Fados e Guitarradas Trio” porque a organização faz questão de incluir no seu programa mensal, sempre que a oportunidade surge, o que a música portuguesa tem de mais popular e tradicional. Seria uma noite ao teu gosto Berta, sei bem como adoras noites de fado.

Para sábado, dia 16, foi a vez de o mercado apresentar, às 8 e meia da noite, a “Belle Blue Band”, uma banda de “covers” escolhidos a dedo, para, com a devida nostalgia, nos trazer à memória temas de outros tempos que nos foram tão queridos e sentidos, havias certamente de ter gostado amiga Berta.

Sempre no Mercado de Campo de Ourique foi possível escutar no dia 17, a banda de jaz “Out of the Blue”. A entrada livre, e a busca incessante da banda por novos temas tem transformado o horário de domingo das 18 às 22, num fenómeno de afluência de público, querida Berta. Ao que parece o jazz criou uma atmosfera perfeitamente compatível com o feitio sereno do bairro.

Foi a 18 deste mês que o Ginásio Clube Português celebrou o seu 144º Aniversário assinalado com uma cerimónia solene à altura das comemorações, que pelas 18 e 30 tudo se iniciou com uma missa na Igreja do Jardim das Amoreiras, onde se pode escutar o Coro do Clube. Pelas 7 e meia da tarde, agora no restaurante da Sede do GCP, houve um desfile de apresentação da nova linha de Merchandising “GCP Old School”. O ato seguinte foi a apresentação da Caderneta de Cromos do GCP e logo depois houve ainda lugar à Cerimónia de entrega de Galardões e Diplomas de Louvor, terminando a sessão com a esperada entrega de Emblemas e Diplomas aos sócios que completaram 25, 50 e 75 anos de membros efetivos e com a entrega de Diplomas aos atletas, Campeões Nacionais, de 2018.

Realizou-se nos dias 21, 22, 23 e 24 de março, mais uma vez por iniciativa da Junta de Freguesia e da Casa Fernando Pessoa, a Feira do Livro de Poesia, no Jardim da Parada. A programação, se a quiseres consultar, minha amiga, encontra-se, no formato PDF, na internet, basta copiares o endereço e procurar no google, em: http://www.jf-campodeourique.pt/wp-content/uploads/2019/03/cartaz-A4-Feira-do-Livro-JFCO-FPESSOA-2019.pdf.

O sábado, 23, pelas 20 e 30, começou com os sons, do fim-de-semana, no Mercado de Campo de Ourique. Em atuação esteve a banda “Philip Stones”, o quarteto, que deriva as suas influências entre os Blues e o Rock Psicadélico, esteve muito bem.

Domingo, 24, como de costume, pelas 18 horas e até à última badalada das 22 horas, no mercado, como não podia deixar de ser, o conjunto musical de jazz “Out of the Blue”, esteve mais uma vez a emprestar a sua sonoridade tranquila ao espaço envolvente.

Nos dias 25, 26, 27 e 28, sob a coordenação da instituição “Procjeto Alkantara”, decorreu, numa das zonas mais periféricas e desfavorecidas de Campo de Ourique, na Quinta da Cabrinha, a fazer fronteira com a freguesia de Alcântara, no Pátio da Cabrinha, no prédio bem no início da Rua da Fábrica da Pólvora, um projeto de arte urbana, onde Ivo Santos, um dos mais prestigiados artistas nacionais de “street art”, conhecido pelo nome de Smille, esteve a criar, para quem quis assistir, um enorme mural na empena cega do referido prédio. Aliás, amiga Berta, um outro imenso mural, denominado “hall of fame”, dessa vez coletivo, protagonizado por um grupo de artistas conhecido pelo nome de “Vale Encantado” tinha sido pintado na Quinta do Loureiro 15 dias antes, o qual, por lapso, eu não referi na revista ao passado mês de fevereiro.

Dia 29, estando a obra terminada, foi o Corvo, Sítio de Lisboa, a página noticiosa sobre a capital na internet, que fez as honras da reportagem e divulgação nacional de mais esta obra de arte criada onde menos seria de esperar.

Foi igualmente a 29, sexta-feira, às 9 da noite, que, no Mercado de Campo de Ourique, se pode assistir àquela que, para mim, querida Berta, foi a melhor atuação no espaço no primeiro trimestre de 2019. O rock e as baladas, em cover, de Francisca Costa Gomes, trouxeram ao bairro uma excelente voz, um timbre único, de alguém que, noutro país, com outro tipo de oportunidades, já estaria apenas a frequentar os grandes palcos com temas próprios, em concertos apinhados de fans e completamente esgotados. Foi uma maravilha que deu mesmo muito gosto de ouvir, ver e desfrutar.

Terminou no dia 30 de março na Biblioteca e Espaço Cultural Cinema Europa uma excelente “Exposição Coletiva de Pintura”, com mostra de 12 artistas do CNAP, o Círculo Nacional D’Arte e Poesia, com o patrocínio da Junta de Freguesia de Campo de Ourique.

O sábado dia 30, pelas 21 horas, foi de outras sonoridades, mais próprias da juventude. Essa foi a noite a que a organização dos eventos do Mercado de Campo de Ourique apelidou de “Dj no Mercado” e o nome, realmente, diz tudo em termos de sabermos o que se passou.

A honra de terminar o mês, dia 31, acabou por calhar à banda “Out of the Blue”, no Mercado de Campo de Ourique. Entre as 6 da tarde e as 10 da noite as “Jam Sessions”, o jazz, e alguns solos instrumentais deste grupo, embalaram os visitantes com a sua música, especialmente selecionada para produzir uma harmonia calma e bem-disposta a todos os presentes no recinto.

Como pudeste ler este foi um mês muito musical, com iniciativas que realmente nos aproximaram da primavera. Despeço-me com um beijo franco e saudoso,

Gil Saraiva

 

Carta à Berta: Campo de Ourique - 2019 em Revista - fevereiro

Berta 83.jpg

Olá Berta,

Fico feliz por te ter agradado o primeiro mês do ano de 2019, em revista, no que concerne ao Bairro de Campo de Ourique. Hoje é dia de avançar com o senhor que se segue, ou seja, o curto mês de fevereiro, passado no meu bairro, com os destaques que, pelo menos para mim, são de realçar neste recanto de Portugal, onde batem corações unidos por um amor comum, que mais não é do que a paixão pelo bairro de Pessoa. Regressar a fevereiro de 2019 nesta freguesia, afinal, nada mais é do que continuar a fazer prova da vivacidade e vitalidade da mesma. Espero que esta revista do ano passado te continue a agradar.

Campo de Ourique em revista, fevereiro de 2019:

O dia 1 de fevereiro deu o alerta e o 2 de fevereiro levou o Bairro de Campo de Ourique até aos noticiários televisivos. O mau tempo, trazido pela tempestade Helena, fez abater uma parte da Rua 4 de Infantaria mesmo em frente do Jardim da Parada, tendo obrigado ao desvio das carreiras de autocarros e obrigado ao condicionamento da circulação automóvel. Elementos da Proteção Civil, da Polícia Municipal e a Junta de Freguesia estiveram no local a avaliar os estragos causados.

No dia 3 de fevereiro, minha querida amiga, o jazz regressou a Campo de Ourique, o Mercado manteve a sua promessa de, com entrada livre, nos proporcionar as sonoridades do “jam” e do “jazz” com o trio “Out of the Blue” a atuar entre as 18 e as 22 horas. Imperdíveis as “jam sessions” da banda.

Dia 4 foi a vez da Revista Evasões divulgar uma reportagem sobre a Pikikos – cut, care and coffee, uma loja, uma cafeteria e um cabeleireiro para crianças e adultos, acabadinha de inaugurar no Bairro de Campo de Ourique, um verdadeiro 3 em um, na Rua 4 de Infantaria no nº. 53, de que tu irias gostar bastante querida Berta.

“O Corvo” – sítio de Lisboa, uma publicação online sobre o que se vai passando pela urbe alfacinha, publicava, também a 4 de fevereiro, uma notícia denominada: “Há sinais contraditórios sobre o suposto regresso do tráfico de droga e da insegurança ao antigo Casal Ventoso”. No corpo da notícia eram sublinhadas as áreas em causa, que atualmente fazem parte integrante de Campo de Ourique, embora se encontrem na margem mais afastada do Bairro. São elas: a Quinta da Cabrinha, a Quinta do Loureiro e a Avenida de Ceuta Sul, que ainda abrangem, também, as Freguesias da Estrela e de Alcântara. Para uma leitura mais atenta recomendo, amiga Berta, que consultes a página: https://ocorvo.pt/ha-sinais-contraditorios-sobre-o-suposto-regresso-do-trafico-de-droga-e-da-inseguranca-ao-antigo-casal-ventoso/.

Também a 4 de fevereiro a Casa Fernando Pessoa deu lugar ao debate e leituras do Clube dos Poetas Vivos com a participação de Ana Paula Inácio entre as 19 e as 20 e 10.

Foi a 10 de fevereiro que as “jam sessions” da banda “Out of the Blue” nos voltaram a proporcionar mais 6 horas de música, no fim de tarde e noite, no Mercado de Campo de Ourique. O domingo ficou a ganhar com mais esta prestação das sonoridades do jazz, interpretadas pela cada vez mais experiente tríade de músicos.

A 15, 16 e 17 de fevereiro, no Mercado de Campo de Ourique, teve lugar a quarta edição do Mercado do Vinho, com música ao vivo, workshops e muitos tintos, brancos, rosés e espumantes para provar. Teria sido uma ótima altura para teres dado um salto até ao meu bairro, minha querida Berta. Na sexta-feira a banda “Groovelanders” fez as honras musicais a partir das 21 horas.

A 16, sábado, o almoço foi acompanhado pelas sonoridades de Joel Pinto, entre as 13 e 30 e as 15 e 30 e mais tarde, pelas 20 e 30, foi a vez de se fazer silêncio porque se cantou o fado, pela voz de Cristina Madeira.

Ainda no domingo, dia 17, a banda que tem por nome a música de Miles Davis “Out of the Blue”, e por filosofia a inspiração de uma fonte longínqua, mais propriamente o pensamento budista do filosofo e poeta japonês Daisaku Ikeda, trouxe o jazz e a música encheu o espaço entre as 18 e as 22 horas no muito ativo Mercado de Campo de Ourique.

No dia 18 de fevereiro, entre as 16 e 30, onde foi servido um chá, e as 19 horas, a exemplo do que já tinha acontecido no mês anterior e que escapou ao meu radar, foi dada continuidade na Fundação Maria Ultrich, no nº. 240 da Rua Silva Carvalho, à temática d’ “as idades da vida e o processo de desenvolvimento da Santidade”, com entrada livre. Este foi mais um encontro dos amigos e colaboradores da Fundação, com o tema a cargo da Drª. Deolinda Botelho.

Aconteceu no dia 19 na Mercearia do Campo, cuja morada na Rua Saraiva de Carvalho, já pertence à Freguesia da Estrela, mas que teima em afirmar-se um espaço do Bairro de Campo de Ourique e para isso criou o conceito “Mercearia -1” ( leia-se: menos um), criando um clube quase secreto no Bairro de Campo de Ourique, onde nos pudemos deliciar escutando, ao vivo, desde jazz a blues, passando pela Bossa Nova. A -1 encontra-se na cave da Mercearia do Campo, o concerto de dia 19 arrancou às 21 horas. Foi um tempo de Bossa Nova com Micheline Cardozo a dar a voz, o Maestro Luiz Antônio Gomes e o violinista do Seu Jorge, Júnior Mouriz. Lembrei-me de ti querida amiga, acho que terias apreciado muito toda a envolvência. Quanto ao dia 20 a sonoridade foi outra bem diferente, a cargo do BR DUO JAZZ.

A 20 de fevereiro o bairro foi bafejado pela sorte, com a presença do CNAP, Círculo Nacional de Arte e Poesia, na Biblioteca e Espaço Cultural Cinema Europa, com uma exposição coletiva de pintura de 12 artistas associados do círculo, denominada pelo patrocinador, a Junta de Freguesia de Campo de Ourique, de “Exposição de Artes Plásticas”. Quanto aos artistas representados pudemos ver obras de Adelaide Freitas, Catarina Semedo, Elmanu, Fernanda de Carvalho, Josefina Almeida, Luís Ferreira, Margarida Dias, Maria Rita Parada, Marisa Castro, Olímpia Campos, Teresa Filipe e Vitor Hugo.

A Sociedade Filarmónica Alunos de Apolo, fez no dia 23 e 24, uma incursão ao Pavilhão Desportivo do Complexo Desportivo Municipal Casal Vistoso, em Lisboa, a Sociedade tinha sob sua responsabilidade a organização da POC 2019 – WDSF World Open Latin, com as respetivas provas internacionais de Dança Desportiva, as quais foram integradas conjuntamente com a realização da vigésima edição do Portugal Open em Dança Desportiva. Foi um fim-de-semana recheado de boa-disposição e muito bom profissionalismo num evento apoiado pela Câmara Municipal de Lisboa, Instituto Português do Desporto e Juventude e pela Junta de Freguesia de Campo de Ourique. Na divulgação ainda esteve garantido o apoio total da Associação de Turismo de Lisboa.

Por sua vez o dia 24 de fevereiro, trouxe ao Mercado de Campo de Ourique, para a sua última atuação de fevereiro, a banda “Out of the Blue”, onde as sonoridades do jazz fizeram a transição perfeita entre o chegar do crepúsculo e a noite que se foi instalando, entre as 6 da tarde e as 10 da noite, como sempre, graças ao jazz e às as suas imperdíveis “jam sessions”.

O regresso das atuações da Mercearia -1 aconteceram a 26 e 27 de fevereiro, ambos os dias pelas 21 horas, no primeiro dia a atuação esteve sob a responsabilidade de Maestro Duo e no dia seguinte foi a vez da voz de Ana Moreira se fazer ouvir. A Mercearia -1 sugere ainda, para ambos os dias uma passagem pelo piso superior, onde é possível experimentar a nova carta assinada pelos chefs Maria José e Alberto Pranches. Seguindo para a cave, encontramos aquele que a Mercearia do Campo diz ser o único bar em Portugal a oferecer o conceito Johnnie Walkers Club, onde o cliente pode comprar uma garrafa de Johnnie Walker e guardá-la num armário no bar até acabar, sendo que apenas o próprio utilizador fica com a chave.

Foi a 27 de fevereiro que teve lugar na Casa Fernando Pessoa a Aula de Poesia Mundial onde Rosalía de Castro nos foi dada a conhecer por Ângela Fernandes. Se a minha amiga tivesse estado em Lisboa poderíamos ter ido os 2, pois sei bem quanto gostas de poesia. O evento teve início pelas 18 e 30 e terminou pelas 20 horas.

Este pequeno relambório constituiu, a meu ver, a principal atividade do Bairro de Campo de Ourique em fevereiro do ano passado. Amanhã será o dia de falarmos de março de 2019. Despeço-me com um beijo amigo,

Gil Saraiva

 

Carta à Berta. Os Filhos da Solidão...

Berta 77.jpg

Olá Berta,

Folgo em saber que gostaste dos 6 episódios da história que te contei nas últimas cartas. Com que então estiveste em Faro, a passear no Jardim Manuel Bivar, junto à doca. Gosto que ele te tenha feito lembrar o Jardim da Parada, de Campo de Ourique. Eu sei que não são parecidos, apenas ambos têm um coreto, as árvores daqui dão lugar às palmeiras dai, ambos têm bancos e ambos têm pombos. Contudo, é ternurento saber que ligaste os 2 por causa dos velhotes que viste espalhados pelos bancos do jardim.

Porém, se olhares pelos jardins de todo o país, vais ver sempre essas imagens. Uns poderão não ter coreto, mas todos, sem exceção, terão velhos sentados pelos bancos, muitos deles olhando a mesma coisa, onde quer que os encontres: a solidão. Vou-te enviar um poema, à laia de balada, que fiz sobre o assunto, já tem algum tempo, pois eu, como sabes, também já vivi em Faro, foi há muitos anos, mas vivi. Espero que gostes:

OS FILHOS DA SOLIDÃO

(balada de um tempo que passa)

 

Em Campo de Ourique, no Jardim da Parada,

Eu desvio o olhar para não ver nada…

Em Faro nos bancos do Jardim Manuel Bivar

Eu fecho os olhos para não olhar...

 

Caras rugosas, com idade de avô,

No Jardim, sentadas, na Doca,

Ou perto do Lago,

Formas sombrias onde o tempo parou…

Bocas que apenas provam o vago,

Rostos que já ninguém foca...

Olhando o vazio...

Silêncios de arrepio...

 

Em Campo de Ourique, no Jardim da Parada,

Eu desvio o olhar para não ver nada…

Em Faro, nos bancos do Jardim Manuel Bivar,

Eu fecho os olhos para não olhar...

 

Caras dos filhos da Solidão,

Avôs, avós,

De tantos como nós,

Rostos reformados,

Sem compreensão...

E vozes, berros e gritos calados

Nos olhos perdidos,

Pelos filhos esquecidos...

 

Em Campo de Ourique, no Jardim da Parada,

Eu desvio o olhar para não ver nada…

Em Faro, nos bancos do Jardim Manuel Bivar,

Eu fecho os olhos para não olhar...

 

Na calçada eu vejo migalhas de pão

Para os pombos, por certo,

Alimentar...

Mas para os filhos da Solidão

Não vejo por perto

Uma esperança a pairar...

Filhos que agora são avôs, avós,

De gente que já os esqueceram,

Perdendo os olhares, os laços, os nós,

Daqueles para quem eles viveram…

 

Em Campo de Ourique, no Jardim da Parada,

Eu desvio o olhar para não ver nada…

Em Faro, nos bancos do Jardim Manuel Bivar,

Eu fecho os olhos para não olhar...

 

E passam os dias,

Os meses, os anos,

E mudam os rostos da solidão...

Novos enganos,

Outra geração,

Mas a forma de olhar não vai mudar,

Não...

As mesmas rugas parecem ficar

Em outros olhos pregados no chão...

 

Em Campo de Ourique, no Jardim da Parada,

Eu desvio o olhar para não ver nada…

Em Faro, nos bancos do Jardim Manuel Bivar,

Eu fecho os olhos para não olhar...

 

E ao olhar os filhos da solidão,

Escuto o cantar da brisa cansada

Cantando a balada do tempo que passa,

Escuto de inverno, primavera, verão,

Escuto o outono no Jardim da Parada,

Escuto a balada perdendo a raça,

E vejo, no Jardim Manuel Bivar,

A doca de lágrimas sempre a brilhar…

 

Em Campo de Ourique, no Jardim da Parada,

Eu desvio o olhar para não ver nada…

Em Faro, nos bancos do Jardim Manuel Bivar,

Eu fecho os olhos para não olhar...

 

Com o refrão me despeço, minha amiga Berta, obrigado por me fazeres recordar. Recebe um beijo saudoso deste teu amigo que não te esquece nunca,

Gil Saraiva

 

Carta à Berta. O meu Bairro...

Berta 70.JPG

Olá Berta,

Ontem, por aqui, esteve um lindo dia de janeiro. Apetecia passear, espero que hoje o dia se repita, no que à luz diz respeito. É certo que não está calor, mas com a roupa apropriada apetece sair de máquina fotográfica e registar as belezas do meu Bairro, o Bairro de Campo de Ourique.

Já reparaste como sempre que algo nos agrada muito usamos o pronome meu (ou minha, conforme o género em causa) antes do sujeito? É sempre o meu Bairro, o meu Clube, a minha Casa (mesmo que ela pertença ao banco ou a um qualquer senhorio). Gostamos, temos algum prazer com o que quer que seja e… pimba… lá vem o pronome. É uma maravilha podermos fazer este tipo de possessões, pese embora o facto de o Bairro não me pertencer, nem o clube e muito menos a casa.

Hoje, mais uma vez a teu pedido, vou-te fazer um pequeno resumo sobre os estrangeiros a residir no Bairro de Campo de Ourique, em 2019 e dar-te uma breve panorâmica dos principais problemas do bairro. Como em tudo, nem sempre aquilo que luz é ouro, porém, em termos gerais, fiquei agradado com a minha “Petite Paris”, como lhe chamam alguns dos franceses que por aqui residem. O nome até poderia ser considerado um elogio por analogia com a Cidade Luz, mas o contexto é mais complexo do que isso, e as Amoreiras, embora lindas, não são a Torre Eiffel.

Contudo, descobri que Campo de Ourique é o Bairro de Lisboa com mais franceses residentes, tendo, apenas nele, 15 por cento dos franceses que, atualmente, vivem em Portugal. Não é preconceito, mas preferia que assim não fosse e que este número se estabilizasse de forma a não se perderem costumes, hábitos, rotinas e tradições.

Todavia, nas entrevistas que fiz aos residentes francófonos, descobri que eles também preferiam que não existissem pelo bairro tantos conterrâneos seus. Gostam dos portugueses que cá vivem, dizem que o bairro tem vida própria e uma convivência muito agradável. Apesar disso, a comunidade já representa um pouco mais de 5 por cento do total dos moradores. Há 10 anos eram pouco mais de 900 e agora rondarão os 1.500. A proximidade do Charles Pierre e da escola Redbrigde School, também ajuda à fixação desta comunidade pelo bairro.

Se, por um lado, os franceses representam quase metade dos residentes estrageiros que por aqui moram, é de assinalar uma forte presença, por outro lado, das comunidades brasileira, italiana e chinesa, para além das outras de menos expressão. No total, embora o número precise de validação oficial, o que só deve acontecer depois do Censos de 2021, Campo de Ourique tem cerca de 3 mil residentes estrangeiros. Este número, a confirmar-se, representa cerca de 13 por cento da população do bairro e traduz um aumento de 100 porcento face há 10 anos atrás.

Pode parecer muito, mas trata-se de um crescimento de estrangeiros residentes bem abaixo dos números registados em Lisboa, nomeadamente, em algumas zonas históricas. Bairros houve onde esse incremento ultrapassou já 1.000 por cento de aumento, isto no mesmo período de uma década. Isso sim, é uma coisa realmente indescritível.

São os sinais dos tempos. Porém, enquanto os estrangeiros se mantiverem em números que não excedam os 20 por cento do total dos residentes, aqui pelo bairro, não estou minimamente preocupado. Essa média, de um estrangeiro, para cada 4 nacionais é tolerável e perfeitamente assimilada pelo próprio meio, isto se confiarmos no que dizem alguns estudos sociológicos sobre a matéria. Aliás, existem artigos sociológicos e antropológicos a defender essa fração de população, vinda do exterior, como algo de essencial para a evolução positiva de uma sociedade sã. Não é a minha área, porém, não me incomoda enquanto teoria e até tem lógica.

Contudo, nas situações em que a média aumente mais do que isso, já o seu peso se começa a notar de uma forma que pode não apenas ser incómoda, como ajudar a desvirtuar o espírito local. Em resumo, temos uma margem para um crescimento de cidadãos estrangeiros na casa dos 7 por cento. Ora, a fazer fé, mais uma vez, nos estudiosos da matéria, um tal incremento dificilmente poderá acontecer na freguesia durante este século.

Já realmente preocupante é o envelhecimento geral da população do bairro. É um dado estatístico generalizado para todo o centro histórico de Lisboa e, no caso de Campo de Ourique, faz soar os alarmes da preocupação. O número de idosos com mais com mais de 80 anos quintuplicou face ao existente no início do último quartel do século passado. Pior do que isso, é a constatação de que as zonas metropolitanas de Lisboa e Porto, concentram 42 por cento dos mais velhos existentes em território nacional, sendo os centros históricos as áreas mais afetadas.

O Centro de Saúde de Campo de Ourique, por exemplo, há 11 anos que esgotou a sua capacidade de assimilar os novos residentes, sendo apenas residual o número de utentes a conseguirem ver o seu nome inscrito, nesta unidade de saúde, daí para cá.

O índice de envelhecimento no Bairro era, em 2011, de 221,5 idosos, com mais de 65 anos, para cada 100 crianças menores de 15 anos e, segundo dados não oficiais, deve rondar atualmente os 260. Se compararmos o nosso índice com o do Parque das Nações, facilmente abarcamos a dimensão do problema. Essa freguesia de Lisboa tem apenas 49,5 idosos por cada 100 jovens menores de 15 anos.

Ainda mais grave é o número de idosos a viver sozinhos em toda a vizinhança e o aumento significativo dos dependentes de serviços externos e de saúde nesse escalão etário.

Outro número importante é o da densidade populacional em Campo de Ourique. O Bairro tem o dobro da média do Concelho de Lisboa, sendo já a freguesia com maior número de residentes por quilómetro quadrado. Tal facto ajuda a explicar o agravamento dos problemas relacionados com o estacionamento e com a habitação.

Dito isto, minha querida Berta, continuamos a manter praticamente intactas as caraterísticas que fazem deste núcleo citadino um fenómeno de personalidade e identidade marcante, sempre renovada, viva e pulsante, único em todo o país.

Ainda ontem, eu e uma amiga minha, fomos conhecer um novo estabelecimento de restauração. O Dalí Cozinha Surreal, que abriu portas em meados de novembro do ano passado. O espaço deve ter cerca de 24 lugares sentados, sendo que parte deles são ao balcão, mas fica lotado com 18 pessoas. Tem uma boa carta de vinhos, uma excelente variedade de bebidas, como um pub deve ter, e um soberbo ambiente decorativo e musical.

Ora, verdadeiramente surreal é a comida. Experimentámos 2 pratos. A moqueca de camarão e a picanha. A minha amiga bebeu 2 taças de tinto e eu 2 cervejas. Ficámos clientes e cativados. Os preços são acessíveis, mas não baratos, porém, a qualidade é de primeira. Nem no Brasil comi uma moqueca tão boa e a picanha estava de ir às lágrimas, com doses fartas e serviço perfeito.

É no menu que a escolha deslumbra o cliente, pode comer um clássico pica pau português, uma moqueca de camarão brasileira, um polvo à galega tipicamente espanhol, umas ostras gratinadas à francesa, um carpaccio de vitela bem italiano e tem ainda outras propostas de comida Árabe, do Oriente ou da América. Existem também bastantes alternativas para os entusiastas do veganismo. Uma verdadeira e agradável surpresa, quase à porta de casa, na Rua de Infantaria 16.

Usei este bar restaurante como poderia ter usado outro, por exemplo, o restaurante “Isto é o da Joana”, que também abriu portas depois das legislativas do ano passado, na mesma rua, mas no extremo oposto, a fazer esquina com a Rua Sampaio Bruno, da atriz Rita Ribeiro.

O importante, Berta, é a vivacidade e a inovação constante, mas tipicamente amiga e familiar, dos espaços de comércio, serviços e restauração do Bairro de Campo de Ourique. Tudo bem calibrado pelo bater de um coração carinhoso que responde pela alcunha de Jardim da Parada.

O importante é poder respirar esta atmosfera de recanto encantado, encastrado no coração de Lisboa. Esta aldeia cheia de gente que a cuida como sua, que trata o bairro como seu, que lhe dá cariz e personalidade.

O importante é que eu tenho o privilégio de viver aqui, no meu Bairro de Campo de Ourique.

Desculpa lá qualquer coisinha. Sou um sentimentalão, fora de moda, mas muito feliz. Despeço-me com um beijo alegre, este teu amigo costumeiro,

Gil Saraiva

Carta à Berta: O meu canto do Paraíso - CAMPO DE OURIQUE

Jardim da Parada.JPG

Olá Berta,

Li a tua última carta e peço desculpa se nunca te trouxe a conhecer o bairro onde vivo, para além de uma ou outra refeição que nos reuniu num dos restaurantes da zona. Dizes que, apesar de um passeio ou outro comigo pelo Jardim da Parada e por outras pequenas vindas ao Bairro, sabes muito pouco sobre ele. Acho que te posso dar uma pequena ajuda quanto a este meu bairro, para mim, o melhor de Lisboa.

O Bairro de Campo de Ourique, minha amiga, coincide com uma nova freguesia portuguesa, homónima, do concelho de Lisboa, resultante de uma fusão em 2012, que junta as freguesias de Santo Condestável e Santa Isabel, que já anteriormente davam nome ao Bairro.

Campo de Ourique pertencente à Zona do Centro Histórico da capital, com 1,65 km² de área e 22 mil habitantes. Talvez seja por só ter metropolitano na sua periferia, no Largo do Rato, que o Bairro funcione como uma pequena aldeia, onde as pessoas se conhecem e convivem como tendo uma identidade própria, característica dos pequenos povoados. Pelo formato da sua área ficou com uma configuração que, no mapa, nos faz lembrar um animal. No meu entender a figura parece um javali, uma fêmea, pronta para ir às compras pelo Bairro, que, pela profusão de comércio num tão pequeno espaço, é designado como sendo o Maior Centro Comercial de Ar Livre de Portugal. São mais de 1.500 espaços comerciais e de serviços e, pelo menos, 250 estabelecimentos ligados à restauração. Por aqui, Berta, podes provar um pouco de quase tudo. Neste mundo da restauração encontras imóveis com as mais diversas variantes, sejam eles edifícios de hospedagem, restaurantes, pastelarias, tascas ou cafés. Se fossem todos implantados a nível térreo isso daria uma atividade de comércio ou serviços, com uma implantação de um estabelecimento por cada m² e um restaurante ou similar a cada 6,2 m². Um verdadeiro absurdo.

Contudo, se quiseres investigar os pontos de interesse, tudo depende da abordagem que fizeres: na área do Desporto e da Dança é aqui que encontramos a sede dos Alunos de Apolo, especialistas nacionais nas danças de salão, ou o CACO, Clube Atlético de Campo de Ourique e até o Ginásio Clube Português. Na área da governação não existe apenas a Junta de Freguesia, pois é, também aqui, que está situada a Presidência do Conselho de Ministros do país e até a Embaixada Britânica.

A nível histórico, cultural e educacional, para além de várias galerias de arte, encontramos a Estátua da Maria da Fonte, enquadrada pelo acolhedor Jardim da Parada, que na toponímia se designa por Jardim Teófilo de Braga, que já conheces; a Casa Museu Amália Rodrigues, a maior diva nacional do fado de todos os tempos; a Casa Fernando Pessoa, um dos mais prestigiados nomes da literatura nacional, um espaço de cultura ímpar, que te recomendo como visita imprescindível, e ainda, o Museu João de Deus e a Fundação Maria Ultrich.

Na área artística e cultural há a referir também o Páteo dos Artistas, na Rua Coelho da Rocha, ou o das Barracas, na Rua de Infantaria 16; a moderna Biblioteca Europa; o Grupo Dramático e Escolar Os Combatentes; as escolas Secundárias Josefa de Óbitos e a Manuel da Maia; a Redbridge School; o Colégio religioso dos Salesianos; a Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa e uma Delegação da UAL, Universidade Autónoma de Lisboa, onde funciona o Instituto de Artes e Ofícios e o Curso de Arquitetura. Como podes ver, minha amiga, a cultura, a arte e a história conjugam-se harmoniosamente com o quotidiano do meu Bairro.

Ora, se fores mais terra-a-terra, podes ir ver um dos mais antigos Geomonumentos de Lisboa, com pelo menos 21 milhões de anos, na Rua Sampaio Bruno. Depois aconselho a visita às Igrejas de Santa Isabel e do Santo Condestável e ao Quartel de Campo de Ourique, de onde partiu a Revolução dos Cravos e a implantação da liberdade no país. No Bairro estão presentes, o Grupo de Teatro Inglês, The Lisbon Players; a AMA, Academia Mundo das Artes; a Companhia da Chaminé e, já na centenária Padaria do Povo, está sedeada a Associação Cultural Fermento.

A componente turística apresenta diferentes tipos de instalações hoteleiras e vários pontos de interesse, se preferires instalar-te numa delas, quando por cá passares, em vez de aceitares a minha hospitalidade, é claro. Podes pernoitar quer nos variados espaços de alojamento local do Bairro ou optar pelo Hotel da Estrela; o Lisbon Luxury Palace; o ACM Lisbon; o Hotel Sua; o Hotel Lissabon; o Starhostel, o Royalty Hostel; o Ourique Hostel; o Apartamento Lisboa; o Tilty Lisbon ou a Pensão Madeira. Como outros atrativos Berta, ainda tenho que te referir a Praça de S. João Bosco de onde partem os elétricos 25 e 28; o Amoreiras Shopping Center e o Amoreiras Plaza ou o Mercado de Campo de Ourique.

No que diz respeito à alimentação, tens, nos mais de 250 estabelecimentos de restauração, um pouco de tudo: da cozinha tradicional portuguesa à da Serra da Estrela, passando pela alentejana, minhota, madeirense, portuense e a da bairrada; há ainda os vegan e os vegetarianos e na vertente internacional pode experimentar a comida chinesa, macaense, japonesa, coreana, nepalesa, tailandesa, árabe, marroquina, do médio oriente, indiana, goesa, africana, italiana, francesa, belga, americana, israelita, alemã, grega, espanhola, mexicana, peruana e brasileira. Por fim, podes terminar a visita com as escolhas noturnas, desde os diferentes bares do bairro até a uma passagem pelas salas de cinema do Amoreiras.

Campo de Ourique é o único Bairro que conheço que tem turistas da própria cidade de Lisboa, que aqui se deslocam para fazer compras neste imenso Centro Comercial de Ar Livre ou para frequentar a sua restauração. Imperdível por quem passa por Lisboa, imperdível para ti.

Espero ter-te esclarecido um pouco mais sobre este que considero o meu cantinho do Paraíso, despeço-me com o carinho do costume, com um beijo, o mesmo de sempre,

Gil Saraiva

 

Carta à Berta: O Jardim...

Jardim da Parada 1.JPG

Olá Berta,

Estou a pensar em ti. Isto quase parece o início de uma canção conhecida. “Hye! Nána, nána.” Porém, minha querida amiga, a verdade é que penso muitas vezes em ti. Sinto saudades dos nossos lanches ao fim da tarde, n’ “O meu Café”, olhando o Jardim da Parada, sempre pulsante de atividade.

Lembro-me de comentares amiúde um grupo de jovens, reunidos no coreto, a ver passar as moças mais bonitas do bairro, comentando baixinho entre si, coisas que tu tentavas adivinhar.

Ás vezes, saíamos do café e íamos até à esplanada da hamburgueria, cheia de gente, de um dos lados do jardim, onde tu adoravas estar em alternativa ao café, ali, a ver os patos a nadar de um lado para o outro, no pequeno lago central, ou olhando para as velhotas, alimentando pombos, espalhadas pelos bancos de jardim, ou admirando o bebé, que no carrinho dormia ou sorria, enquanto a mãe se sentava um pouco, para ganhar fôlego no seu regresso apressado até casa.

Lembras-te dos reformados a jogar à sueca, nas mesas metálicas agarradas ao chão, impassíveis aos ventos ou às cartas? Claro que te lembras. Da outra ponta do jardim, vindos do pequeno parque infantil, chegavam-nos os gritos das crianças entusiasmadas nos baloiços, sob o ar vigilante dos pais ou dos avós, que graças à vedação de madeira viam a sua tarefa mais facilitada.

Ainda mais atrás, havia sempre um barbudo a escolher um livro, na cabine telefónica transformada em minibiblioteca pública, onde as pessoas escolhiam livros para ler, trocando por outros que já haviam terminado.

Às vezes, um andarilho, sempre o mesmo, sentava-se no chão, junto ao posto paralelepípedo dos correios, a precisar de uma lavagem de cara talvez superior à do homem, que a ele se encostava. Ali ficava à espera que alguém fosse buscar uma trotinete ou uma bicicleta, daquelas de moedas, estacionadas no parqueamento, ali perto, dentro do passeio do jardim, a quem ele pudesse pedir uns trocos.

Era um andarilho vivo, algo intemporal, sem idade definida (já não o vejo tem uns meses), atento a quem atravessava as passadeiras perto dele, não se importando se vinham da cinquentona livraria Ler, que parecia existir ali para dar cultura ao jardim, ou da outra, a que dava para o lar, com paisagem única para as velhas árvores centenárias e bem catalogadas do jardim.

Sabes, minha querida amiga, ainda me lembro do nosso jogo, a tentar adivinhar se seria homem ou mulher, a entrar no táxi seguinte, na paragem de táxis, junto aos pequenos sanitários públicos, aqueles que tu dizias que só existiam ali para servir os taxistas mais aflitos, porque de resto nunca lá viras entrar mais ninguém. Não sei como fazias, o certo é que acabava sempre por ser eu quem perdia o jogo. A única vez que ganhei tive que te ir pagar um café como compensação.

Quanto te fartavas de estar sentada, levantavas-te e eu já sabia que era a hora do passeio vagaroso pelas lojas em volta do jardim, espreitavas sempre as 2 lojas chinesas, a mais pequena tipo bazar e a maior de roupa de senhora. Nessa última, vias sempre algo de que gostavas, mas nunca te vi lá entrar, para comprar fosse o que fosse.

Depois paravas junto ao multibanco do Santander e levantavas 20 euros, dizias sempre que podia ser que te apetecesse qualquer coisa, afinal, ali à volta, tinhas uma geladaria, uma loja de chocolates, 2 restaurantes italianos, uma espécie de bar, um café e 3 padarias e aquela outra loja, a onde só entravas uma vez por semana, a dos doces e bolos, tudo tornando a situação bem tentadora.

A verdade é que, normalmente, a escolha recaía sempre pelo bolo de laranja ou pelo de noz da padaria-pastelaria Trigo da Aldeia e mais umas 3 bolinhas de pão, malpassadas, fora a fatia de bolo na outra loja, normalmente à quarta-feira.

Depois era o tempo das montras, com nova volta em torno do jardim, desta vez vias as 2 sapatarias, a velha loja de antiguidades cujo dono era teu amigo, passavas rápido pela casa dos aparelhos auditivos, sempre a afirmar que daquilo não precisavas, bem como pela clínica dentária ou da loja de oftalmologia.

Não tendo tu filhos ou netos sempre achei graça ao facto de parares na loja de roupa para crianças e na outra de esquina que vende uns acessórios de cores suaves e que eu nunca entendi muito bem para que servem. O teu esclarecimento era sempre o mesmo, tinhas amigas que tinham filhos ou netos, o que, às vezes, implicava teres de oferecer umas prendinhas.

Inevitavelmente, fosse na primeira ou na segunda volta, acabavas por entrar na Clarel, a loja de produtos de limpeza e higiene, do mini preço. Contudo, saías sempre sem compras e a dizer que não entendias o que aquela loja fazia ali. As outras montras vias um pouco mais a correr, como a da agência de viagens ou da imobiliária, onde o teu comentário era de não teres dinheiro para aquilo. Às vezes, ainda te aventuravas por uma ou outra das ruas que iam dar ao jardim, para espreitar uma montra para onde já não olhavas há algum tempo.

Lembro-me de uma vez, em frente ao pequeno talho, na Rua de Infantaria 16, a poucos metros do jardim, tu me perguntares se aquelas comidas à base de carne, podiam ser preparadas contigo a ver o que lá punham dentro ou se tinhas que levar uma das expostas. Ainda te disse para entrares e perguntares, mas seguiste em frente.

Pois é, minha muito querida amiga Berta, hoje sentei-me no Jardim da Parada, bem no centro do nosso Bairro de Campo de Ourique, estava igual ao jardim das nossas paragens e passeios. As mesmas lojas, os mesmos transeuntes, as mesmas árvores históricas, as mesmas esplanadas e padarias, até o homem da bicicleta que tu adoravas tanto, aquele que andava às voltas pelas ruas, com um rádio a tocar músicas bem alto, vestido de vermelho e branco e com uma bandeira do Benfica presa numa vara na traseira, junto ao selim, até ele hoje voltou a passar…  mas o jardim, não sei… senti-o, como dizer? Senti-o tão vazio, quase que agreste, e não, não era do frio, pois ia muito bem agasalhado, depois compreendi, faltava-lhe a alma, faltava aquilo que o tornava acolhedor, amigo e companheiro dos anos, faltavas tu. Mais nada, apenas tu, Berta. Beijo,

Gil Saraiva

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

Em destaque no SAPO Blogs
pub