Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Carta à Berta

Carta à Berta é o local dos Desabafos de um Vagabundo, do Senhor da Bruma, essa bruma a que chamam de internet, de um Haragano, o Etéreo, qual cavalo selvagem que galopa entre cartas alegadamente, quiçá, sem fundamentos.

Carta à Berta é o local dos Desabafos de um Vagabundo, do Senhor da Bruma, essa bruma a que chamam de internet, de um Haragano, o Etéreo, qual cavalo selvagem que galopa entre cartas alegadamente, quiçá, sem fundamentos.

Carta à Berta: O Colecionador de Beijos - Introdução - Parte III - V/VII

Berta 389.jpg

Olá Berta,

Termino aqui a apresentação inicial do livro “O Colecionador de Beijos”. Depois desta carta apenas ficam a faltar mais duas outras referentes à conclusão do ensaio sobre o beijo e respetiva bibliografia. Assim sendo aqui vai a terceira e última parte da introdução.

 

“Introdução

 

Na Igreja Católica, o beijo pode ser um sinal de reverência, ao se beijar, por exemplo, o anel do Papa ou de membros da alta hierarquia eclesiástica. Já os romanos da Antiguidade tinham 3 palavras para beijo, “basium”, “osculum” e “suavium”, se o primeiro se dava entre conhecidos, o segundo era apenas partilhado entre os amigos íntimos e o terceiro destinava-se em exclusivo para os amantes. Aliás, o beijo tinha um papel nas lides do poder romano, com efeito, somente os nobres mais distintos podiam beijar o imperador nos lábios, os restantes tinham de se contentar com um beijo nas mãos e os súbditos apenas tinham direito a beijar o seu soberano nos pés. Efetivamente a partilha de beijos entre guerreiros, quer na Grécia, terra onde o beijo tinha um papel fundamental, quer em Roma, era comum no regresso das campanhas. Consta, também, que na Suméria, a antiga Mesopotâmia, os beijos serviam como prendas aos deuses.

Já na Rússia Czarina o beijo era uma verdadeira demonstração de poder porque, um beijo do Czar, traduzia uma das mais prestigiadas honras imperiais. O beijo era tão importante que, por exemplo, em França, no decorrer do século XV, os nobres tinham o privilégio de poderem beijar todas as mulheres que quisessem. Porém, na Itália medieval, um homem cavalheiro que beijasse uma dama em público era imediatamente obrigado a contrair o matrimónio, o assunto era tão sério que o costume se espalhou a uma grande parte do povo. Porém, na Escócia medieval era costume o padre beijar os lábios da noiva no final da cerimónia de casamento para haver felicidade conjugal.

Durante o copo de água, e ainda em prole da felicidade, a noiva devia beijar na boca todos os homens presentes, trocando cada beijo por uma quantia em dinheiro.

No caso português, e já no Brasil, D. João VI introduziu a cerimônia do beija-mão. Assim, em determinados dias, o acesso ao Paço Real era conferido a todos os que desejassem apresentar alguma demanda. Nessa ocasião, em sinal de respeito, tanto os nobres, como o povo, e até os escravos, tinham que lhe beijar a mão direita antes de fazerem o seu pedido. Esse costume foi mantido por D. Pedro I e por D. Pedro II. Porém, a troca de beijos entre portugueses e índias, no Brasil, era mal visto por estas, que achavam o ato nojento, quer por estarem habituadas a cheirar o corpo do parceiro, em busca das feromonas do sexo oposto, em vez de usarem os beijos, quer porque contraíam uma parafernália de maleitas vindas do continente europeu por via dessa troca.

Podemos encontrar o beijo representado e apresentado nas diferentes formas de arte, seja na pintura onde o génio da pintura Gustav Klimt deu cartas, como escultura, com Rodin, na literatura com imensos autores de diferentes épocas, na sétima arte e nas redes sociais. Pelo que investiguei o beijo propaga-se cada vez mais pelo mundo e até já tem um dia próprio. O Dia Internacional do Beijo a 13 de abril de cada ano. O ato de beijar em público é generalizado no mundo ocidental e nos territórios ocidentalizados dos diferentes continentes, mas cerca de dez por cento da humanidade simplesmente não usa o beijo e cerca de vinte e cinco por cento só o faz na esfera privada e íntima. O oriente é a zona do globo onde a prática pública do beijo apenas se encontra nas grandes urbes e mesmo aí, vê-se quase exclusivamente entre casais jovens ou em grupos onde a presença de pessoas de mais idade não se verifica.

Porém, o mais comum, hoje em dia, na cultura ocidental é o beijo ser considerado um gesto de afeição. Entre amigos, é utilizado como cumprimento ou despedida e entre amantes e apaixonados beija-se como prova da paixão, de agrado ou de dedicação. Resta-me desejar uma boa leitura deste ensaio jornalístico e literário, onde se apresentam, numa visão possivelmente esclarecedora, 435 beijos, esperando que este livro possa contribuir para um melhor entendimento cultural e sociológico e uma mais apurada compreensão das afinidades e das consequências desse fenómeno espetacular a que chamamos beijo. Mas passemos ao conteúdo...”

Assim chega ao fim esta introdução e com ela, sempre saudoso, me despeço uma vez mais, este teu amigo do dia-a-dia,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta: O Colecionador de Beijos - Introdução - Parte II - IV/VII

Berta 388.jpg

Olá Berta,

Nestas sete crónicas sobre a parte do livro “O Colecionador de Beijos” que não descreve propriamente os beijos em si, espero que fiques com a visão global da razão porque me meti nesta verdadeira aventura de compilar tanto beijo e de os descrever o melhor que consegui. Segue-se a segunda parte da introdução:

 

“Introdução

 

Também não descuro os anos de aprendizagem, na área das Artes Plásticas, passados com o grande Mestre da Pintura, conhecido como o pai do Neorrealismo em Portugal, Isolino Vaz e com a Pintora Susana Olga e os conhecimentos de Português, Latim e Grego adquiridos desde a infância, com a minha mãe, a Professora Maria José Gil Alexandre. Tudo ajuda na formação das ideias, na produção da criatividade e na elaboração de contos, romances, poemas, ensaios e fábulas. Até na criação de um simples quadro a óleo existe um distinto olhar sobre o mundo e uma perspetiva diferente de o observar.

Mas porque refiro eu, nesta introdução, este tipo de historial pessoal? Apenas é só porque o tempo acumulado no exercício da profissão de jornalista e investigador, a longa viagem de estudos académicos e universitários, a convivência com mestres, criativos e gente das letras e a consequente aprendizagem adquirida, permitiram, por fim, a deteção da falta de sistematização ensaística do beijo, enquadrado enquanto ato sociológico relevante, nas diferentes civilizações da história e da atualidade. É este olhar diferente que me proponho a deixar aqui registado. Porém, conforme já deixei subentendido, nem o tema acaba com as conclusões deste ensaio, nem o beijo se esgota numas dezenas de páginas sobre ele. Mas é um início, um instrumento de trabalho, um princípio, enfim. Depois dos pressupostos apresentados, que por si só justificam a presente escolha, importa sublinhar alguns aspetos relevantes sobre o beijo. Para além de se tratar, por um lado, de um laço do foro privado, entre duas pessoas, ele é, por outro, uma manifestação de cariz público, se bem que com uma relevância absolutamente diferente do anterior. Assim sendo o beijo acontece quer se cumprimente alguém ao chegar a um determinado lugar, quer nas despedidas, quer ainda nos atos de afeto, simpatia, carinho e, como não podia deixar de ser, de amor.

Poderíamos apelidar o beijo de ser o reóstato perfeito do relacionamento humano. Assim, a sua falta assinala com frequência um estado deteriorado de uma relação específica, no caso dos amantes, um historial clínico depressivo, na convivência social ou o estado de uma relação afetiva dependendo da intensidade deste. A deteção destes factos pode ajudar os envolvidos a efetuarem reavaliações e a procurarem corrigir essa falta procedendo ao seu resgate. No plano íntimo ele funciona como uma dança, quando mais se pratica, melhor é a execução e o prazer que dele se extrai.

Porém, nem tudo é positivo, uma pessoa doente pode transmitir através de um beijo, constipações, gripes, sarampo, rubéola, mononucleose e herpes, embora esses problemas não sejam culpa diretamente do beijo, mas sim, do estado clínico de um dos seus participantes.

No que se refere à sua origem, o beijo tem um passado algo obscuro. Não há certezas quando começou a ser praticado, porque se iniciou esta prática, nem mesmo onde é que esta possa ter a sua origem. Os primeiros registos encontrados, onde se faz prova do seu uso têm, porém, cerca de quatro milénios e meio. Com efeito, são de 2.550 a.C. os primeiros registos de beijos, talhados na pedra, pelas paredes dos templos de Khajuraho, na Índia.”

É com uma despedida oriental, à moda indiana, que termino esta carta. Porém, ciente das minhas limitações relativas a estes rituais fica omissa a respetiva descrição. Recebe também mais um beijo e um até amanhã do teu amigo,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta: O Colecionador de Beijos - Introdução - Parte I - III/VII

Berta 387.jpg

Olá Berta,

Continuando na saga de “O Colecionador de Beijos” segue a primeira parte da introdução ao livro. A minha decisão de te enviar a introdução em três partes prende-se com o facto da mesma ser um pouco extensa e de eu não querer abusar da tua paciência. Assim, cá vai: introdução -Parte I.

 

“Introdução

 

O Colecionador de Beijos, ensaio jornalístico e literário, de matriz sociológica, do ato de bem beijar, procura a vertente sociológica e cultural, não perdendo as raízes históricas e a composição literária e humanista do beijo. Não é, porém, um ensaio académico de base científica porque, objetivamente, nunca o poderia ser. Por mais que se tente não se consegue sintetizar ou analisar, o beijo, nem mesmo o ato de beijar, isoladamente, sem ter em conta toda a imensidão de afetos, respostas sensitivas e sensoriais que o rodeiam e influenciam.

O beijo é um produto composto e, embora se apresente com uma identidade singular, muita tinta precisa de correr para que ele se realize numa das suas tão variadas formas e feitios. Diferente seria se estivesse a escrever um ensaio sobre a introdução sociológica do papel higiénico na sociedade portuguesa. Aí sim, teríamos à mão um produto final que poderia ser analisado de um modo bem mais académico, sistematizado cientificamente e enquadrado com razoáveis limites de precisão em termos históricos, sociológicos e culturais, fosse ou não a analise ensaísta literária e jornalística.

Mas não é esse o caso aqui. Nem poderia ser, derivado da imensa complexidade que o mais simples beijo exige. Por isso, este ensaio, é declaradamente um ensaio jornalístico e literário de análise sociológica, humanista e cultural. Pode-se até incluir uma lufada sistematizada de psicologia e inteligência emocional, mas não há, no meu entender, maneira de ir mais longe num ensaio que verse esta temática, usando esta abordagem.

A pergunta que esta introdução deixa no ar é a seguinte: É ou não relevante o beijo no contexto do comportamento humano em sociedade? Proponho-me a demonstrar que a resposta é afirmativa sem qualquer margem para erro, mesmo nas sociedades onde o beijo só é praticado na privacidade do lar ou do leito conjugal. Se analisarmos, por exemplo, o Japão tradicional e conservador vamos descobrir que o beijo, não sendo um ato público, continuou determinante portas dentro, no seu papel aglutinador de um determinado par ou no seio de uma família. Só agora, ainda a título de exemplo, é que, no país do Sol Nascente, já 28% dos jovens urbanos se beijam em público e, mesmo assim, só se não se encontram sob o olhar atento dos progenitores. Mas se este é um comportamento fruto da globalização, dos filmes e das redes sociais, está ainda a léguas de se tornar efetivamente uma conduta tipicamente japonesa.

Tendo iniciado a minha atividade jornalística em 1981, há trinta e oito anos atrás, e tendo conseguido a carteira profissional em 1996, exatamente quinze anos depois do início, conforme a lei da altura o previa e regulamentava, julgo poder afirmar, com segurança, que a realização deste ensaio tem, na experiência acumulada, base suficiente para poder vingar. Ainda para mais que, muitos desses anos, foram passados no âmbito da investigação jornalística, para jornais locais onde o apuramento da verdade dos factos ou dos feitos é muito mais importante do que nos grandes títulos nacionais. Como a minha atividade académica, a nível universitário, se pautou por cerca de 18 anos de estudo interessado, fosse no Curso de Direito em Coimbra, nos Estudos Portugueses, Cultura e Expansão em Faro, na Filosofia no Porto ou na Psicologia Clínica no Polo Universitário de Loulé, julgo poder afirmar ter garantido uma plataforma estrutural suficiente para, conjuntamente com a experiência jornalística, conseguir desenvolver este projeto de forma cabal e conseguida. Porém, a minha convicção não deixa de ser apenas e somente uma mera opinião sobre um tema que me é caro.”

Despeço-me até amanhã com o costumeiro beijo da praxe, com muito carinho, o teu eterno amigo,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta: Ensaio Sobre O Beijo - O Colecionador de Beijos (Chiado Books) - Introdução - II/II

Berta 289.jpg

Olá Berta,

Termino hoje, conforme prometido o preâmbulo do “Ensaio Sobre o Beijo – O Colecionador de Beijos”, editado pela Chiado Books, seguindo a última parte da Introdução para que possas concluir a leitura. Só assim se consegue entender a noção completa do tipo de ensaio que quis fazer de algo comum e humano como o beijo, principalmente o beijo com sentimento.

-----“-----

Também não descuro os anos de aprendizagem, na área das Artes Plásticas, passados com o grande Mestre da Pintura, conhecido como o pai do Neorrealismo em Portugal, Isolino Vaz e com a Pintora Susana Olga e os conhecimentos de Português, Latim e Grego adquiridos desde a infância, com a minha mãe, a Professora Maria José Gil Alexandre. Tudo ajuda na formação das ideias, na produção da criatividade e na elaboração de contos, romances, poemas, ensaios e fábulas. Até na criação de um simples quadro a óleo existe um distinto olhar sobre o mundo e uma perspetiva diferente de o observar.

Mas porque refiro eu, nesta introdução, este tipo de historial pessoal? Apenas é só porque o tempo acumulado no exercício da profissão de jornalista e investigador, a longa viagem de estudos académicos e universitários, a convivência com mestres, criativos e gente das letras e a consequente aprendizagem adquirida, permitiram, por fim, a deteção da falta de sistematização ensaística do beijo, enquadrado enquanto ato sociológico relevante, nas diferentes civilizações da história e da atualidade. É este olhar diferente que me proponho a deixar aqui registado. Porém, conforme já deixei subentendido, nem o tema acaba com as conclusões deste ensaio, nem o beijo se esgota numas dezenas de páginas sobre ele. Mas é um início, um instrumento de trabalho, um princípio, enfim. Depois dos pressupostos apresentados, que por si só justificam a presente escolha, importa sublinhar alguns aspetos relevantes sobre o beijo. Para além de se tratar, por um lado, de um laço do foro privado, entre duas pessoas, ele é, por outro, uma manifestação de cariz público, se bem que com uma relevância absolutamente diferente do anterior. Assim sendo o beijo acontece quer se cumprimente alguém ao chegar a um determinado lugar, quer nas despedidas, quer ainda nos atos de afeto, simpatia, carinho e, como não podia deixar de ser, de amor.

Poderíamos apelidar o beijo de ser o reóstato perfeito do relacionamento humano. Assim, a sua falta assinala com frequência um estado deteriorado de uma relação específica, no caso dos amantes, um historial clínico depressivo, na convivência social ou o estado de uma relação afetiva dependendo da intensidade deste. A deteção destes factos pode ajudar os envolvidos a efetuarem reavaliações e a procurarem corrigir essa falta procedendo ao seu resgate. No plano íntimo ele funciona como uma dança, quando mais se pratica, melhor é a execução e o prazer que dele se extrai.

Porém, nem tudo é positivo, uma pessoa doente pode transmitir através de um beijo, constipações, gripes, sarampo, rubéola, mononucleose e herpes, embora esses problemas não sejam culpa diretamente do beijo, mas sim, do estado clínico de um dos seus participantes.

No que se refere à sua origem, o beijo tem um passado algo obscuro. Não há certezas quando começou a ser praticado, porque se iniciou esta prática, nem mesmo onde é que esta possa ter a sua origem. Os primeiros registos encontrados, onde se faz prova do seu uso têm, porém, cerca de quatro milénios e meio. Com efeito, são de 2.550 a.C. os primeiros registos de beijos, talhados na pedra, pelas paredes dos templos de Khajuraho, na Índia.

Na Igreja Católica, o beijo pode ser um sinal de reverência, ao se beijar, por exemplo, o anel do Papa ou de membros da alta hierarquia eclesiástica. Já os romanos da Antiguidade tinham 3 palavras para beijo, “basium”, “osculum” e “suavium”, se o primeiro se dava entre conhecidos, o segundo era apenas partilhado entre os amigos íntimos e o terceiro destinava-se em exclusivo para os amantes. Aliás, o beijo tinha um papel nas lides do poder romano, com efeito, somente os nobres mais distintos podiam beijar o imperador nos lábios, os restantes tinham de se contentar com um beijo nas mãos e os súbditos apenas tinham direito a beijar o seu soberano nos pés. Efetivamente a partilha de beijos entre guerreiros, quer na Grécia, terra onde o beijo tinha um papel fundamental, quer em Roma, era comum no regresso das campanhas. Consta, também, que na Suméria, a antiga Mesopotâmia, os beijos serviam como prendas aos deuses.

Já na Rússia Czarina o beijo era uma verdadeira demonstração de poder porque, um beijo do Czar, traduzia uma das mais prestigiadas honras imperiais. O beijo era tão importante que, por exemplo, em França, no decorrer do século XV, os nobres tinham o privilégio de poderem beijar todas as mulheres que quisessem. Porém, na Itália medieval, um homem cavalheiro que beijasse uma dama em público era imediatamente obrigado a contrair o matrimónio, o assunto era tão sério que o costume se espalhou a uma grande parte do povo. Porém, na Escócia medieval era costume o padre beijar os lábios da noiva no final da cerimónia de casamento para haver felicidade conjugal.

Durante o copo de água, e ainda em prole da felicidade, a noiva devia beijar na boca todos os homens presentes, trocando cada beijo por uma quantia em dinheiro.

No caso português, e já no Brasil, D. João VI introduziu a cerimônia do beija-mão. Assim, em determinados dias, o acesso ao Paço Real era conferido a todos os que desejassem apresentar alguma demanda. Nessa ocasião, em sinal de respeito, tanto os nobres, como o povo, e até os escravos, tinham que lhe beijar a mão direita antes de fazerem o seu pedido. Esse costume foi mantido por D. Pedro I e por D. Pedro II. Porém, a troca de beijos entre portugueses e índias, no Brasil, era mal visto por estas, que achavam o ato nojento, quer por estarem habituadas a cheirar o corpo do parceiro, em busca das feromonas do sexo oposto, em vez de usarem os beijos, quer porque contraíam uma parafernália de maleitas vindas do continente europeu por via dessa troca.

Podemos encontrar o beijo representado e apresentado nas diferentes formas de arte, seja na pintura onde o génio da pintura Gustav Klimt deu cartas, como escultura, com Rodin, na literatura com imensos autores de diferentes épocas, na sétima arte e nas redes sociais. Pelo que investiguei o beijo propaga-se cada vez mais pelo mundo e até já tem um dia próprio. O Dia Internacional do Beijo a 13 de abril de cada ano. O ato de beijar em público é generalizado no mundo ocidental e nos territórios ocidentalizados dos diferentes continentes, mas cerca de dez por cento da humanidade simplesmente não usa o beijo e cerca de vinte e cinco por cento só o faz na esfera privada e íntima. O oriente é a zona do globo onde a prática pública do beijo apenas se encontra nas grandes urbes e mesmo aí, vê-se quase exclusivamente entre casais jovens ou em grupos onde a presença de pessoas de mais idade não se verifica.

Porém, o mais comum, hoje em dia, na cultura ocidental é o beijo ser considerado um gesto de afeição. Entre amigos, é utilizado como cumprimento ou despedida e entre amantes e apaixonados beija-se como prova da paixão, de agrado ou de dedicação. Resta-me desejar uma boa leitura deste ensaio jornalístico e literário, onde se apresentam, numa visão possivelmente esclarecedora, 435 beijos, esperando que este livro possa contribuir para um melhor entendimento cultural e sociológico e uma mais apurada compreensão das afinidades e das consequências desse fenómeno espetacular a que chamamos beijo. Mas passemos ao conteúdo...

----- “ -----

Fico curioso por saber a tua opinião, contudo, escrever sobre os beijos, amiga Berta, é falar de sentimentos, de intimidade, de partilha entre humanos, independentemente do sexo ou da idade, apenas tendo em conta as emoções que os promovem. Fica mais um deles para este adeus, do teu eterno amigo,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta: Ensaio Sobre O Beijo - O Colecionador de Beijos (Chiado Books) - Introdução - I/II

Berta 288.jpg

Olá Berta,

Como pediste para te enviar todo o preâmbulo do “Ensaio Sobre o Beijo – O Colecionador de Beijos”, editado pela Chiado Books, aqui vai a explicação do Título e a primeira parte da Introdução. Amanhã enviar-te-ei a conclusão da introdução.

-----“-----

"Título

O Colecionador de Beijos é um ensaio que resulta da análise histórica e social do papel do beijo através dos tempos, desde o berço das civilizações até aos nossos dias. Contudo, sem procurar criar uma cronologia por região, época ou povo, como seria feito no caso de se tratar de uma abordagem iminentemente histórica.

O beijo é fruto, da concretização de um ato que exige sentimentos e sentidos, sendo resultado de um plano biunivocamente traçado. Tem a caraterística singular, se bem que muitas vezes aparente, de transmitir confiança a outro alguém, de demonstrar afeto ou de servir de cumprimento caloroso, quer num qualquer regresso ou chegada, quer num momento de partida ou de despedida mais ou menos breve. Visualmente é representado pelo desenho de uns lábios femininos rubros e semiabertos.

Aliás este esboço é utilizado de maneira corrente nas redes sociais, quer através do próprio desenho, quer pelo uso de um “emoji” que o represente. Escolher o Título de “O Colecionador de Beijos” para o atual ensaio, ilustra, na minha perspetiva, por si só, a importância social do beijo. Afinal, ele até tem um papel curativo, de raiz bem popular. Quantas mães e avós não curaram já os “dói-dóis” das criancinhas a partir de um beijo no lugar afetado ou próximo deste?

Introdução

O Colecionador de Beijos, ensaio jornalístico e literário, de matriz sociológica, do ato de bem beijar, procura a vertente sociológica e cultural, não perdendo as raízes históricas e a composição literária e humanista do beijo. Não é, porém, um ensaio académico de base científica porque, objetivamente, nunca o poderia ser. Por mais que se tente não se consegue sintetizar ou analisar, o beijo, nem mesmo o ato de beijar, isoladamente, sem ter em conta toda a imensidão de afetos, respostas sensitivas e sensoriais que o rodeiam e influenciam.

O beijo é um produto composto e, embora se apresente com uma identidade singular, muita tinta precisa de correr para que ele se realize numa das suas tão variadas formas e feitios. Diferente seria se estivesse a escrever um ensaio sobre a introdução sociológica do papel higiénico na sociedade portuguesa. Aí sim, teríamos à mão um produto final que poderia ser analisado de um modo bem mais académico, sistematizado cientificamente e enquadrado com razoáveis limites de precisão em termos históricos, sociológicos e culturais, fosse ou não a analise ensaísta literária e jornalística.

Mas não é esse o caso aqui. Nem poderia ser, derivado da imensa complexidade que o mais simples beijo exige. Por isso, este ensaio, é declaradamente um ensaio jornalístico e literário de análise sociológica, humanista e cultural. Pode-se até incluir uma lufada sistematizada de psicologia e inteligência emocional, mas não há, no meu entender, maneira de ir mais longe num ensaio que verse esta temática, usando esta abordagem.

A pergunta que esta introdução deixa no ar é a seguinte: É ou não relevante o beijo no contexto do comportamento humano em sociedade? Proponho-me a demonstrar que a resposta é afirmativa sem qualquer margem para erro, mesmo nas sociedades onde o beijo só é praticado na privacidade do lar ou do leito conjugal. Se analisarmos, por exemplo, o Japão tradicional e conservador vamos descobrir que o beijo, não sendo um ato público, continuou determinante portas dentro, no seu papel aglutinador de um determinado par ou no seio de uma família. Só agora, ainda a título de exemplo, é que, no país do Sol Nascente, já 28% dos jovens urbanos se beijam em público e, mesmo assim, só se não se encontram sob o olhar atento dos progenitores. Mas se este já é um comportamento fruto da globalização, dos filmes e das redes sociais, está ainda a léguas de se tornar efetivamente uma conduta tipicamente japonesa.

Tendo iniciado a minha atividade jornalística em 1981, há trinta e oito anos atrás, e tendo conseguido a carteira profissional em 1996, exatamente quinze anos depois do início, conforme a lei da altura o previa e regulamentava, julgo poder afirmar, com segurança, que a realização deste ensaio tem, na experiência acumulada, base suficiente para poder vingar. Ainda para mais que, muitos desses anos, foram passados no âmbito da investigação jornalística, para jornais locais onde o apuramento da verdade dos factos ou dos feitos é muito mais importante do que nos grandes títulos nacionais. Como a minha atividade académica, a nível universitário, se pautou por cerca de 18 anos de estudo interessado, fosse no Curso de Direito em Coimbra, nos Estudos Portugueses, Cultura e Expansão em Faro, na Filosofia no Porto ou na Psicologia Clínica no Polo Universitário de Loulé, julgo poder afirmar ter garantido uma plataforma estrutural suficiente para, conjuntamente com a experiência jornalística, conseguir desenvolver este projeto de forma cabal e conseguida. Porém, a minha convicção não deixa de ser apenas e somente uma mera opinião sobre um tema que me é caro."

----- “ -----

Espero que te esteja a agradar, nem me tinha lembrado que alguém pudesse ter interesse nas motivações e narrativa antecedente aos beijos em si. Fica um deles para despedida, deste teu amigo do costume,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta: Livro - O diário Secreto do Senhor da Bruma - Introdução - 2

Berta 243.jpg

Olá Berta,

Mesmo antes de deixar que este livro, que te estou a enviar a prestações, te revele as origens do Senhor da Bruma, importa introduzir a explicação sobre a própria existência do Senhor da Bruma. Não quero deixar qualquer confusão sobre o significado e força deste conceito que, quanto a mim, é tão real como a minha própria imaginação.

----- " -----

Diário Secreto do Senhor da Bruma - Introdução - 2

Vistas as coisas pelo meu ângulo, sou tentado a imaginar que todos teremos um Senhor da Bruma dentro de nós, pelo simples facto de eu não me considerar um ser especial nesse sentido, apenas lhes damos nomes diferentes, seguindo as nossas próprias singularidades e caraterísticas. A questão que se põe, quanto a mim, é se todos lhe damos a liberdade necessária para ele se manifestar, como é o meu caso e exemplo, naquilo que eu forneço ao meu Senhor da Bruma, sem restrições ou amarras...?

A castração deste ser interior, que é bem mais do que um alter ego que, segundo Cícero era o nosso substituto perfeito, esse ser que nos representava tão bem, que podia até superar o próprio ser de quem é originário, acontece em muitos humanos e é algo que repudio em absoluto.

Reconhecer o meu Senhor da Bruma, não é o mesmo que ter a duvidosa dupla personalidade do alter ego ou a vida dupla a que a filosofia se refere quando o reconhece em alguém, nem mesmo, no sentido literário de alter ego, o meu Senhor da Bruma é a personagem de ficção que apresenta, em palavras e atos, numa história, as minhas ideias.

Nada disso. O Senhor da Bruma é mais do que o meu outro eu. Trata-se de mim, o mesmíssimo eu, em todos os planos da minha vida, com exceção feita ao universo restrito da realidade. Ele faz tudo o que eu faria nos mundos imaginários das ideias, dos pensamentos, da ficção e da fantasia, porém, com a diferença que ele consegue agir em tudo aquilo que o meu eu original não tem como alcançar, pelas próprias limitações normais do meu ser físico e psíquico.

Em resumo, ele não é um reflexo de mim, um outro eu, a personalidade projetada de mim, mas, apenas, uma faceta de tudo aquilo que me constitui enquanto ser humano. Sem tirar, nem pôr, uma parte integrante do meu todo.

O Senhor da Bruma é um ser que, embora sendo parte integrante de mim, tem uma liberdade e uma existência bem mais abrangente do que a que é comum em qualquer mortal.

Ele viaja no tempo e no espaço sem preocupações de caráter físico, biológico ou orgânico. Pela simples vontade, consegue materializar-se onde lhe apetece, passar invisível por uma sala cheia de gente e tem todas as capacidades paranormais que a imaginação lhe consegue conceber.

Mais do que um estro, um ego ou uma essência imaterial, ele é tudo aquilo que eu poderia ser, se a minha imaginação tivesse o conhecimento necessário para transformar esse universo paralelo em realidade. Mas não é dessas capacidades de que falo neste diário, não são descrições fabulísticas do que conseguiria fazer usando esta ou aquela capacidade criada pelo meu imaginário. Nada disso. Este é um arquivo de pensamentos e reflexões que, por vezes me surgem quando estou na pele do Senhor da Bruma e que, dificilmente, poderiam ter sido pensadas por mim, se ele não existisse.

 ----- " -----

Espero, minha querida Berta, ter conseguido transmitir-te, sem deixar margem para dúvidas, quem é o Senhor da Bruma e tudo o que ele representa e importa enquanto parte integrante de tudo o que me constitui. Com isto me despeço, por hoje, feliz por te saber desse lado. Recebe um beijo amigo e franco deste que não te esquece nunca,

Gil Saraiva

 

 

Carta à Berta: Série "Os Segredos de Baco" - I - Introdução

Berta 130.jpg

Olá Berta,

A carta de hoje serve para te informar que, já a partir do próximo dia 6 vou dedicar algumas das cartas que te escrevo aos Segredos de Baco e à Fina Arte deste deus romano da antiguidade clássica. Estou a falar do vinho. Principalmente do vinho tinto, mas não só. Prepara-te para a série “Os Segredos de Baco”, servindo esta carta de introdução temática da série.

Podes pensar que será um exagero enviar-te várias cartas sobre o tema, mas, em vez de te ir falar sobre esta ou aquela pomada, aquilo a que vou dedicar é a alguns capítulos relacionados com o vinho em geral, as suas diferenças, aromas, por que tipo de copo beber, um glossário realizado sobre a temática, os superlativos usados neste campo, etc.. Enviar-te-ei, por exemplo, os tipos de copo aconselhados para cada género de bebida, os aromas, com as respetivas rodas aromáticas, que se podem detetar no vinho branco ou no tinto ou em ambos.

Porém, ficar por aqui seria muito curto, pelo que receberás igualmente a tabela de safras vitivinícolas em Portugal, para todas as regiões demarcadas do país, com início em 1982 até 2017, uma vez que as de 2018 e 2019 ainda estão em elaboração e seria precipitado referi-las. Esta tabela levou-me mais de um ano a elaborar e obrigou a um tremendo trabalho de investigação, porque algumas das regiões ainda não existiam em 1982. Para além disso, as opiniões e classificações dos enólogos e especialistas divergem entre si.

Dito de outra forma, e não te rias, pensa nestas cartas como uma iniciação à arte de bem beber. Aliás, também receberás uma tabela sobre o que se deve comer com cada tipo de vinho, a que temperatura se deve ingerir cada uma das várias pomadas, consoante as suas caraterísticas  específicas, para além disso também refiro o teor alcoólico respeitante às diferentes especificidades de cada néctar e até as “vino-calorias” e calorias de cada tipo de vinho. Também ficarás a entender o tempo que, teoricamente, terás para beber, segundo as recomendações dos especialistas, cada um dos diferentes vinhos depois de abrires uma garrafa.

Sei que algumas das coisas que vou referir são apenas meras curiosidades, mas, também são coisas que raramente se vêm referidas e que, por isso mesmo, têm o seu interesse ou graça. Dou-te mais um exemplo: poderás constatar, facilmente, numa das tabelas, que as calorias provenientes do açúcar existente no vinho não é a mesma coisa que as calorias do próprio vinho em si. Perguntarás se isso tem algum interesse e a resposta é, claro que sim. Tenho uma amiga nutricionista que usa a minha tabela para recomendar aos seus clientes que consomem vinho, os mais apropriados e que quantidades lhes são recomendadas numa base diária ou semanal.

Enfim, espero que te divirtas com esta nova temática dos Segredos de Baco. Despeço-me com carinho, este teu eterno amigo,

Gil Saraiva

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

Em destaque no SAPO Blogs
pub