Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Carta à Berta

Carta à Berta é o local dos Desabafos de um Vagabundo, do Senhor da Bruma, essa bruma a que chamam de internet, de um Haragano, o Etéreo, qual cavalo selvagem que galopa entre cartas alegadamente, quiçá, sem fundamentos.

Carta à Berta é o local dos Desabafos de um Vagabundo, do Senhor da Bruma, essa bruma a que chamam de internet, de um Haragano, o Etéreo, qual cavalo selvagem que galopa entre cartas alegadamente, quiçá, sem fundamentos.

Carta à Berta: Os Serviços de Televisão, Internet e Telemóvel em Portugal

Berta 527.jpg

Olá Berta,

Desde que a pandemia se tornou o prato principal à mesa dos portugueses que as operadoras de televisão, internet e telemóvel ganharam um protagonismo superior ao que era habitual até finais de 2019. Porquê? Porque consumimos mais estes serviços. As principais operadoras de telecomunicações que oferecem todos os serviços conjuntamente, em Portugal, são a MEO, a NOS, a Vodafone e a NOWO.

Todas prometem mundos e fundos para captar clientes. Pacotes de canais de televisão, fibra, dados móveis com mais ou menos gigabytes, com ou sem telefone fixo, descontos e ofertas disto ou daquilo, mais ou menos velocidade de navegação online, enfim, uma verdadeira parafernália de possibilidades.

O diabo está nos detalhes. É verdade. Aderimos por exemplo a uma destas operadoras e elas prometem-nos serviços de fibra em casa (todas o fazem), mas, na realidade, a fibra só chega até ao primeiro router. Se optarmos por cabo, dentro de casa instalam-nos cabos coaxiais à moda antiga e, como consequência disso, todas as televisões depois da primeira perdem qualidade. Na maioria dos lares a internet sem fios dentro de casa até funciona razoavelmente, porém, e é sempre assim, sempre com valores inferiores ao prometido na propaganda.

Contudo, é nos serviços ligados ao conteúdo e naquilo que nos é imposto que a situação se torna deveras problemática. Com efeito, se eu já pago os canais por cabo, não deveria ter que levar com publicidade em nenhum deles.

Não importa se são os canais de informação, de documentários, de filmes ou de séries ou outros, fora os canais generalistas, nenhum deles devia poder ter publicidade, uma vez que já estamos a pagar pelos programas que transmitem. Muito menos, e cada vez é mais frequente, ter de gramar (para não dizer pior) com publicidade de 25 a 30 segundos obrigatória (e que não conseguimos passar à frente) quando queremos ver um certo filme ou série nas gravações automáticas.

Aliás, não sei mesmo se esta prática recente é legal e se está contemplada na lei. Pelo que consegui apurar não existe regulamentação nacional sobre o assunto e nem mesmo sei se a ERC, a Entidade Reguladora para a Comunicação Social, está a par de mais esta marosca.

Todavia, o que mais me irrita, em termos dos serviços prestados por estas operadoras é a falta de respeito e de profissionalismo que as mesmas têm para comigo (e deve acontecer com todos nós) na forma como me tratam com total desrespeito nos conteúdos fornecidos, por exemplo, nas gravações automáticas. Não há nada mais irritante do que escolher um episódio de uma série ou um filme para ver e a gravação terminar antes do filme chegar ao fim.

Caramba, eles só fazem isto, ou seja, quem trata do enquadramento da programação e da divisão da emissão por programas não faz outra coisa. A não ser que esteja de tal modo automatizado este sistema que já nem exista supervisão humana, o que seria péssimo e resultaria num serviço de baixa qualidade, que é o que julgo estar atualmente a acontecer.

Mas isto sou eu, amiga Berta, que penso como é fácil pisar e desrespeitar os mais fracos. As poderosas operadoras estão-se nas tintas para os seus clientes enquanto pessoas, o que lhes interessa é sermos mais um número de contribuinte que paga todos os meses o serviço. Por hoje é tudo, deixo um beijo saudoso nesta despedida,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta: Ensino à Distância - Regresso Escolar

Berta 670.jpg

Olá Berta,

Oficialmente as aulas não presenciais começam hoje desde o primeiro ao décimo segundo ano. Aulas através da televisão e da internet. Todo este ensino oficial é, no meu entender, uma grande tempestade de areia, literalmente direcionada para a comunidade como um todo. Na realidade apenas, e com sorte, 10 ou 20% dos alunos vão tirar partido desta vaga de fumo que, não oficialmente, não passa disso mesmo e nada mais do que isso.

Mas o que quero eu dizer com isto? Nada que não seja óbvio: os bons alunos que, simultaneamente, têm um genuíno interesse em aprender e que, ao mesmo tempo, têm acesso aos meios tecnológicos, vão sair-se muito bem. Porém, para todos os restantes cada semana de ensino irá resumir-se a uma, duas, talvez três horas, de real aprendizagem.

Em resumo, tudo o resto será perdido. Com efeitos menos devastadores, o ensino vai passar uma fase semelhante (para muito pior) ao que aconteceu no ano da revolução de abril de 1974 e que teve consequências graves durante os anos seguintes.

Uma geração inteira de miúdos perdeu, nessa altura, por completo o equilíbrio da aprendizagem e só mesmo os mais resilientes se safaram. Ora, ser resiliente é sinal de teimosia, mas nem sempre significa inteligência ou conhecimento, assim, será preciso a sua conjugação com a do acesso aos meios, ou seja, computador e televisão.

Se atualmente a situação se repetir, se apenas os resilientes voltaram a triunfar, desta vez com a agravante de que precisam ter acesso à televisão e á internet, pois a resiliência e a inteligência não serão os únicos fatores de sucesso, a situação promete ser ainda mais complicada do que a ocorreu entre 1974 e 1980.

Não penses, amiga Berta, que o poder não tem conhecimento disto. Claro que tem. Todos os jovens que não tenham pais que estejam atentos aos seus estudos, todos a quem faltar a força e a vontade de lutar, aprender e estudar, e ainda, todos aqueles a quem faltarem os meios, vão ficar pelo caminho, independentemente das boas intenções do Estado, da democracia e do Governo em si. Se não aprendermos com os erros do passado, tudo será igual.

Agora, se o Ministério da Educação transformar os anos de 2020 e 2021 em anos zero e conseguir retomar o que vinha a fazer em 2019 (e estou a falar do ano letivo 18/19), apenas dando a possibilidade aos resilientes, aqueles que reuniram todas as condições necessárias para seguirem em frente, fazendo os outros todos repetir a aprendizagem podem salvar-se estas gerações abrangidas, deste coxear letivo que não sendo assim os perseguirá para o resto das suas vidas, apenas com o registo de dois anos perdidos, mas nem por isso totalmente inutilizados.

Mas isto é apenas a opinião (a minha) de quem já passou por isso entre 1974 e 1980. Posso ter visto mal. É tudo, minha querida Berta, despede-se este teu amigo de todas as ocasiões, saudosamente, com um beijo de até amanhã,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta: Livro - O diário Secreto do Senhor da Bruma - III - Conversas com a Consciência - Os Pensadores - 5) Nicholas Negroponte

Berta 321.jpg

Olá Berta,

Já te deves ter esquecido do meu Diário Secreto, onde no passado dia 27 de julho falei, pela última vez, dos meus pensadores de eleição. É a eles que retomo hoje. O meu próximo pensador é um americano, filho de pais gregos, Nicholas Negroponte.  Trata-se de alguém que eu defendo mais no campo das ideias, do que na realidade prática das suas ações. O que pesou para o incluir nos meus pensadores eleitos e, em última análise, aquilo que mais me interessou foi o seu pensamento avançado e abrangente relativamente à educação e à inovação da mesma.

Nas minhas conversas com a consciência no Diário Secreto do Senhor da Bruma ele ocupa o quinto posto. Embora sendo considerado um cientista e um arquiteto, o que importa, minha querida amiga Berta, no personagem e aquilo que nele mais considero relevante foi a revolução que, quanto a mim provocou no ato de pensar. Em última análise Negroponte é um pensador. Passo, pois, à devida apresentação:

----- “ -----

Conversas com a Consciência

5) Nicholas Negroponte (III – 10)

Maio, dia 15:

"5) Nicholas Negroponte (1/12/1943) - Formação superior em Arquitetura, com seguimento de estudos no MIT, o famoso Massachusetts Institute of Technology onde acabaria por fundar o Media Lab, o Laboratório de Novas Tecnologias de Informação e Media onde também foi professor e se tornou um pensador:

Nicholas nasceu em Nova Iorque e, embora americano, a sua ascendência grega haveria de o ajudar a olhar o mundo de forma diferenciada. Nos anos 90, do século passado, lança um livro considerado brilhante: «A Vida Digital», enquanto, a par com este lançamento, mantém, igualmente, uma coluna regular na revista Wired, passando a ser levado muito a sério no seio do mundo informático.

Maio, dia 16:

Enquanto fundador do Media Lab, Negroponte, consegue o apoio para este laboratório de mais de 105 empresas sendo que, entre elas, estão algumas das maiores corporações americanas e boa parte dos pesos pesados da indústria do entretenimento. Foi neste centro onde ele se especializou em Computer Aided Design (desenho assistido por computador), ou seja, o CAD, sendo o Autocad o programa mais conhecido entre os desenhadores e arquitetos. Por força dos progressos informáticos em que participa torna-se um defensor das novas tecnologias, advogando que estas trarão sempre mais coisas positivas do que negativas às comunidades.

Maio, dia 17:

Esta forma de pensar torna-se numa corrente de abordagem da realidade, a «Tecnofília», à qual se juntam nomes como o de Henry jenkins, Dan Gillmor, Howard Rheingold e George Gilder. Todo este grupo encara o avanço tecnológico e informático como algo de muito positivo e acredita que ele traz mais benefícios do que prejuízos à sociedade. Aliás, para Negroponte haverá um saber estar interativo entre diversas pessoas do mundo, com um grande fluxo de troca de ideias e isso de uma forma cada vez mais participada. Dessa forma o mundo digital irá se adaptar aos usuários, sendo cada vez mais específico e proporcionando abordagens ou trabalhos conjuntos entre pessoas que não se conhecem.

Maio, dia 18:

Nicholas apresenta a diferença entre bits e átomos. Para ele a natureza física, constituída de átomos, passa a ser transmitida e «transformada» em outra realidade, que insiste ser a digital (bits): «É o menor elemento atômico no DNA da informação». Sem matéria física, a informação em bits pode ser transmitida em maiores quantidades num tempo e espaço menores, ultrapassando os limites da informática e entrando cada vez mais na vida humana.

Maio, dia 19:

O conceito de multimédia, como uma interação entre bits informáticos, bits de vídeo e bits de áudio moldada para cada utilizador facilitará, em crescendo, o seu uso, sendo que são estes ditos «sistemas inteligentes» que se terão de adaptar a nós e não o inverso. Enfim, Negroponte mostra como os meios digitais se vão apropriar da nossa próxima era. Disso é já clássico o exemplo do e-mail, que é deveras económico e que tem inúmeras vantagens em relação ao velhinho fax. A globalização e esta nova abordagem obrigará a grandes mudanças no modo de vida nas sociedades modernas.

Maio, dia 20:

Para o pensador, toda a indústria tenderá a beber desta nova abordagem criando novos produtos e diversificando a sua oferta num menor espaço de tempo, o que pode inclusivamente levar ao desenvolvimento de novas e inesperadas descobertas, oportunidades e produtos. Ele acredita que a energia em si mesma e os usos que dela fazemos tendem vertiginosamente para a propagação e desenvolvimento da informática e de toda a tecnologia para a liberdade absoluta do sistema «sem fios».

Maio, dia 21:

José Sócrates bebeu toda a inspiração para a criação lançamento e promoção do computador de 100 euros «Magalhães» no pensamento do Dr. Nicholas Negroponte que lançou no Peru (a 100 dólares por computador) um projeto então apelidado de «Um Computador por Criança» ao abrigo de um programa desenvolvido no MIT, Estados Unidos, pelo respetivo departamento do cientista, apelidado, inúmeras vezes, como o paladino do digital.

Maio, dia 22:

Nicholas esteve em 2006 no Brasil a tentar repetir o projeto lançado anteriormente no Peru, porque o país possuía uma população imensa entre as idades dos 15 e 25 anos. Uma população identificada como justificante da criação de um grande polo de produção de software, até maior do que a Índia. Ele previu inteligentemente um indescritível avanço da internet móvel, em que viria a acertar de forma absoluta, chegando a referir que isso seria o início da «Vida sem Fios», ou seja, a «vida totalmente wireless», com uma fusão entre interatividade, entretenimento, formação e informação. Daqui o salto para uma robótica multidisciplinar e plurifuncional será apenas uma questão de valores e alocações de investimento.

Maio, dia 23:

Os 3 passos da digitalização civilizacional são facilmente identificáveis. Tudo se inicia com a industrialização a que se seguiu a profunda vaga da informação, que irá culminar rapidamente na maré da inteligência artificial já iniciada e em progressão geométrica.

É a Nicholas Negroponte que se deve a correta previsão de que o cd de música seria um dos primeiros a ser ultrapassado por sistemas de serviços digitais, o que aconteceu mesmo.

Maio, dia 24:

Em resumo, Nicholas Negroponte vê a digitalização associada à robótica, ao wireless e à inteligência artificial como uma nova forma de existir em sociedade e, até ao momento, mesmo em tempos de pandemia, nenhum dos seus prossupostos está posto em causa.”

----- “ -----

Espero que te tenha agradado este meu regresso às «Conversas com a Consciência» e aos meus pensadores de eleição do Diário Secreto do Senhor da Bruma. Despeço-me, querida Berta, com as saudades concentradas num beijo, este teu amigo,

Gil Saraiva

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

Em destaque no SAPO Blogs
pub