Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Carta à Berta

Carta à Berta é o local dos Desabafos de um Vagabundo, do Senhor da Bruma, essa bruma a que chamam de internet, de um Haragano, o Etéreo, qual cavalo selvagem que galopa entre cartas alegadamente, quiçá, sem fundamentos.

Carta à Berta é o local dos Desabafos de um Vagabundo, do Senhor da Bruma, essa bruma a que chamam de internet, de um Haragano, o Etéreo, qual cavalo selvagem que galopa entre cartas alegadamente, quiçá, sem fundamentos.

Carta à Berta: Registos da Memória - X - Cabo Verde, Ilha do Sal, Cidade de Santa Maria - Mulheres

Sal RM 10.JPG

Olá Berta,

 Oiço muitas vezes em Lisboa falar mal dos cabo-verdianos. Diz-se que têm máfias terríveis, gente ruim e que são dos mais terríveis bandos organizados que existem no nosso país. Não faço ideia se tais acusações têm algum fundo de verdade. Podem ate ter. Porém, desde que tenho memória, nunca me foi dado a conhecer um único cabo-verdiano que corresponda a essa descrição.

Dos meus testemunhos, e já foram muitos, só tenho a dizer deste povo acolhedor, afável, alegre e cheio de vida. Ainda não conheci nenhum que me quisesse mal. Muito menos roubar ou assaltar ou maltratar. Mas isso sou eu e a minha sorte. No entanto, não podia acabar estes registos da memória sobre a Ilha do Sal, sem homenagear esta gente que me acolheu de coração aberto e a quem só tenho que agradecer.

Na azafama de mais um dia em Cabo Verde, a ida ao mercado de ar livre na cidade de Santa Maria, ali, na Ilha do Sal, faz parte dos hábitos de todos os dias. Depois é preciso levar as compras para casa antes de tratar do almoço. Hospitaleiros, afáveis e de uma simpatia contagiosa, os habitantes, homens e mulheres, gostam da interação com quem os visita.

Uns 15 minutos depois desta fotografia estive à conversa com estas cinco ilustres representantes do sexo feminino. Foi uma conversa de quase um quarto de hora e não mais porque as damas estavam com alguma urgência em regressar a casa. Da esquerda para a direita conversei com Melissa e Kiara (presa pelo pano vivo de azul às costas da mãe), e também com Eliane, Luana (ainda na barriga da mãe e a quem desejei um feliz nascimento) e Mayara, a pequenina que completava o grupo.

Fui inclusivamente convidado para o almoço, que declinei, por já ter marcado refeição num dos restaurantes da artéria principal da cidade. A simpatia chegou ao ponto de me informarem que o local que eu havia escolhido não era grande coisa e era caro, sendo mais um sítio para explorar turistas burros. Agradeci os elogios e elas riram todas com gosto. Depois deram-me os nomes das casas onde poderia comer bem, por menos de metade do preço, e seguiram na sua rotina habitual.

E assim termino mais esta carta, minha muito querida Berta, fazendo votos que estes dez pequenos relatos sobre Santa Maria te tenham agradado e deixado com vontade de visitar o arquipélago. Garanto-te que vale a pena. Despeço-me com um abraço virtual, este teu amigo,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta: Registos da Memória IX - Cabo Verde, Ilha do Sal, Cidade de Santa Maria - O "PIRATA"

Ilha do Sal  - Pirata.JPG

Olá Berta,

Não poderia deixar de referir, nestes registos da memória referentes à Ilha do Sal e à cidade de Santa Maria, em Cabo Verde, O Pirata, uma discoteca vestida a rigor e que nos remete para os tempos idos dos aventureiros do mar, das águas, dos oceanos. Se alguma vez fores à Ilha do Sal, minha querida Berta, tira uma noite para te divertires neste espaço. Garanto que não há maneira de te arrependeres de o ter feito.

A casa relembra tempos idos de aventura, viagens e ilustres malfeitores, romanceados na literatura em textos de empenho, valor, coragem e glória. Posso dizer que se trata de uma danceteria, uma discoteca, um poiso para se beber uns copos e abanar o capacete depois do cair da noite que tudo isso é verdade. A decoração deste espaço em Cabo Verde, Ilha do Sal, cidade de Santa Maria, denominada “PIRATA” não se fica apenas pela fachada do edifício.

Com efeito a decoração do interior e as vestes dos anfitriões, bem como de todo o “staff”, tenta, ao pormenor, recriar um passado romântico e aventureiro, de época, ao turista acidental que ali chegue na procura de diversão, dança, música, uns copos, enfim, de uma noite bem passada. As moças bonitas e tisnadas naturalmente pela sua origem crioula, tentam, com   um sorriso cristalino, do tamanho do mundo, trajadas a rigor, levar os visitantes ao consumo, enquanto uns jovens piratas de porte atlético, bronzeado e cativante, fazem o mesmo papel com as damas que ingressam no espaço em busca de dança e alegria.

Por hoje, fico-me alegremente por aqui, ainda com os ritmos mornos de Cabo Verde no espírito, cheio de vontade de regressar ao Pirata. Mas nem sempre a vontade coincide com a capacidade. Presentemente, com esta pandemia, a casa está provavelmente encerrada. Uma pena. Despeço-me com um sereno beijo, este teu eterno amigo,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta: Registos da Memória VIII - Cabo Verde, Ilha do Sal, Praia de Santa Maria - Num Bar da Praia

Gil  2011 Praia de Santa Maria.JPG

Olá Berta,

Como podes ver pela fotografia que acompanha esta carta, que mantém os meus registos da memória de há 10 anos atrás, na Ilha do Sal, junto à cidade de Santa Maria, em Cabo Verde, uma década faz diferença na fisionomia de uma pessoa.

Para já, e enquanto eu não for atacado por nada que me faça perder a memória, ainda me parece que foi ontem que eu estive ali sentado a beber aquela cerveja. O tempo tem destas coisas… passa e nós nem damos por ele passar. É como se, na nossa mente, os momentos, os instantes de prazer o obrigassem a ficar retido num presente que apenas existe no nosso cérebro e em mais lugar algum.

Se fechar os olhos, depois de olhar esta fotografia, este ali ainda sou eu, tal e qual como no dia em que foi captada a imagem e, no entanto, já lá vão 10 anos. Esta magia do tempo sentido e do tempo passado sempre me fascinou. Eu continuo adepto ferrenho o tempo sentido a que costumo chamar de instante, momento ou registo da memória. Recordar não me magoa, dá-me novo vigor.

A testa a querer franzir denota a ligeira preocupação de que a fotografia me roube, por pouco que seja, a maravilhosa sensação de estar acompanhado pela felicidade. Um trago de cerveja, o corpo quente, a mente entregue à paisagem, sem outras preocupações que não a do receio daquela máquina fotográfica, num tripé sem sentimentos ou emoções dignas de registo. Não me parece aceitável que ela queira partilhar comigo aquela liberdade simples de me sentir feliz e sem problemas. Paranoia, acabo por pensar, num clique, ela deixa de estar ali, assim presente. Apesar de tudo, quem tem a cerveja sou eu.

Termino, por agora mais uma carta, minha querida Berta, espero que te tenha agradado, pelo menos do mesmo modo que ela me fez, com um sorriso no pensamento, mais uma vez, alguém de bem com a vida e feliz. Fica o beijo da despedida, deste teu grande amigo,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta: Registos da Memória VII - Cabo Verde, Ilha do Sal - O Areal de Santa Maria

O Areal de Santa Maria.JPG

Olá Berta,

Mais uma vez continuo nas férias de Cabo Verde, no caso o registo é de 2011, há uma boa década atrás. Estes registos da memória ficaram gravados porque é difícil para mim, na maioria das vezes, identificar-me com um local e nele me sentir em total harmonia. Porém, nesta ilha quase que perdida a meio Atlântico sinto-me sempre revestido de uma felicidade adicional. Mas vamos ao tema de hoje:

Mais do que a memória que fica de uns dias passados num qualquer paraíso, a areia clara e quente da Praia de Santa Maria, na Ilha do Sal, em Cabo Verde, com a linha de palmeiras e casario baixo a delimitar o acesso ao interior, transmite paz, plenitude, harmonia e beleza. Na serenidade dos colmos que nos oferecem uma parca sombra, tudo parece disposto na perfeição. As marcas na areia registam pegadas de passeios serenos, múltiplos, infindos.

As cadeiras prontas para receber os corpos ávidos de Sol parecem gotas de água a lembrar-nos que, nas nossas costas, se encontra um Atlântico de um azul sem fim, com recortes de anil até tonalidades de cristal ou mar profundo. Tudo aqui se conjuga na procura singular de nos relaxar o corpo e afagar a mente.

Espero que a imagem que junto na ilustração desta carta faça a devida justiça ao que ainda tenho na memória quando, vista pelos teus olhos, a puderes observar. Por hoje, já saudoso, despeço-me com um beijo forte entre amigos de velhos tempos,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta: Registos da Memória VI - Cabo Verde, Ilha do Sal - O Velho Calçadão de Santa Maria

Ilha do Sal Calçadão de  Santa Maria.JPG

Olá Berta,

Cabo Verde, mais concretamente a Ilha do Sal, tem uma magia que eu nem sei bem explicar. Espero que nestes meus registos da memória te consiga transmitir minha querida amiga o que senti naquela terra que adoro.

Acompanhando os seus primeiros resorts turísticos, junto à cidade de Santa Maria, na Ilha do Sal, em Cabo Verde, o velho calçadão é local de passeio, de luz, de Sol, de praia, de oceano que se estende até ao infinito, de palmeiras que resistem ao tempo em que a água potável se torna recurso escasso e valioso. Aqui e ali, artistas locais vendem óleos deste céu e deste mar, por entre as vestes garridas das gentes e do casario baixo, também ele pintado de cores vivas como a gente que as habita.

O velho calçadão pode não ter a imponência moderna do novo, mas não lhe fica atrás na beleza do circuito. Inspira facilmente poetas e escritores, no seu desenrolar calmo até à urbe, indicando aos turistas onde passear, comer, beber ou escutar a morna que sempre toca em algum lugar. De um dos lados os candeeiros de rua fazem fila, prontos a iluminar nas noites os veraneantes que desejem sentir a brisa tépida da beira-mar. São como que os guardiões do velho caminho gasto pelos passos de quem por ali se cruza apressado, meditativo ou em passeio. Há locais assim, no mundo inteiro, locais onde de dia e noite passeia a paz.

Espero que mais esta pequena narrativa te tenha agradado. Neste primeiro registo aqui irei deixando para ti dez imagens deste paraíso na Terra. Despeço-me, por hoje, com um enorme abraço,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta: Registos da Memória V - Cabo Verde, Ilha do Sal, Santa Maria - Beira Mar em Odjo d'Água

Cabo Verde Sal Praia Odjo d'Água.JPG

Olá Berta,

Espero que os meus Registos da Memória sobre Cabo Verde, mais propriamente sobre a Ilha do Sal e a Cidade de Santa Maria te estejam a agradar. Hoje deixo-te um registo da beira mar em odjo d’água.

De dia, vista de um dos patamares do Resort Hoteleiro de Odjo d’Água, a praia esconde a mística que se vislumbra em noites de Lua Nova. Aliás, o pequeno cabo em arco, relembra mais um recanto do paraíso do que qualquer coisa que nos reporte aos mistérios ancestrais destas ilhas africanas de Cabo Verde, das quais Santa Maria é apenas mais um delicioso exemplo. Até os telhados ornados em tons lilases das buganvílias nos parecem transportar para um recanto do paraíso, dedicado à adoração dos deuses do Sol e do Oceano.

Na verdade, o pequeno Resort Hoteleiro de Odjo d’Água, nascido das ruínas ancestrais do velho Farol de Vera Cruz, pelas mãos de um empresário autóctone, de seu nome Patone Lobo, tem por missão transpirar, para quem o visita ou nele se aloja, o esplendor da cultura africana e cabo-verdiana, com temáticas alusivas em cada quarto, no bar, no restaurante, nas esplanadas e até mesmo junto à praia. Feito em socalcos sobre o promontório, a fonte que dá origem ao nome de Olho de Água, tem uma singela dama de branco na frente de um enorme pote de barro, de onde brota infinita uma cristalina água sempre corrente.

Por hoje é tudo, recebe a despedida deste teu amigo, amanhã continuarei com os meus registos de outras férias bem passadas, beijo grande,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta: Registos da Memória IV - Cabo Verde, Ilha do Sal, Santa Maria - Noite de Lua Nova em Odjo d'Água

Lua Nova Cabo Verde.JPG

Olá Berta,

A saga dos Registos da Memória em Cabo verde, Ilha do Sal, Cidade de Santa Maria, continua. Desta vez é a “Noite de Lua Nova em Odjo d'Água”. Espero que te possa agradar, querida amiga.

Por entre a escuridão serrada, de uma noite de Lua Nova, apenas a ação do ser humano se destaca na paisagem. O breu preenche a noite nas sombras da sua escuridão. A prata da areia ganha os tons da antracite, a vegetação do pequeno promontório toma forma de seres, que parecem chegados de um além à unidade hoteleira, à beira mar, em Odjo d’Água, para pernoitar. Sem a luz da Lua, no espaço celeste, as estrelas escondem-se, timidamente, quiçá a recear a chegada de espíritos ancestrais vindos das trevas, cujas intenções todos ignoram.

Ali, somente o pequeno espaço hoteleiro se faz notar, desafiando o breu do curto cabo, por luzes que custam a rasgar a noite em Santa Maria, na Ilha do Sal, ali, juntinho à Praia de Odjo d’Água. No ar escutam-se os sons de uma morna original, vinda do hotel. Os batuques ritmados parecem convocar os seres da noite, naquela quase perfeita tela, pintada a óleo de um negro soprado pelos ventos quentes do Sahara de África, para lá do oceano. Está calor e a brisa cola-se aos corpos, de quem passa sem ser visto, deixando rastos de fragrâncias de um suor salgado de travo adocicado. Contudo, sem qualquer explicação aparente, não é o terror que se instala nas almas dos oclusivos seres ali presentes, mas uma paz insular de uma África milenar que, sem razão alguma, nos relaxa o cérebro e nos liberta os chacras do âmago de nós mesmos, por alguns momentos que sabem a eternidade, quase mágicos, impossíveis e tão transcendentais.

E assim termino mais este registo da memória deixo-te em despedida um beijo de amizade enorme, este teu amigo para a vida,

Gil Saraiva

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

Em destaque no SAPO Blogs
pub