Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alegadamente

Este blog inclui os meus 4 blogs anteriores: alegadamente - Carta à Berta / plectro - Desabafos de um Vagabundo / gilcartoon - Miga, a Formiga / estro - A Minha Poesia. Para evitar problemas o conteúdo é apenas alegadamente correto.

Este blog inclui os meus 4 blogs anteriores: alegadamente - Carta à Berta / plectro - Desabafos de um Vagabundo / gilcartoon - Miga, a Formiga / estro - A Minha Poesia. Para evitar problemas o conteúdo é apenas alegadamente correto.

Carta à Berta nº. 657: A minha crise de Abastecimento

Berta 657.jpgOlá Berta,

Diz o povo que “não há fome que não dê em fartura”, mas hoje eu diria algo um pouco diferente, talvez… “não há fartura que não termine em fome.” Como tu bem sabes, minha cara, eu moro em Campo de Ourique, na rua Francisco Metrass, exatamente entre 3 supermercados. Na minha frente, à esquerda, tenho o “Pingo Doce”, e à direita o “Go Natural” da cadeia Continente e do meu lado direito, a pouco metros de mim, fica localizado o “minipreço”, ou seja, vivo no meio de uma fartura de locais onde me abastecer sem ter que andar muito.

Acontece que acordei recentemente, amiguinha, para uma realidade surreal. Na porta do Pingo Doce foi colocado um cartaz a avisar os utentes de que o supermercado entra em obras de remodelação já nesta segunda-feira, dia 5 deste fevereiro, e não consta qualquer previsão de duração dos trabalhos.

Já o Continente chegou à conclusão que o Go Natural da Francisco Metrass não era rentável e fechou as portas em definitivo no passado dia 31 de janeiro. Repentinamente, sem saber ler nem escrever, querida confidente, vi 2 das 3 opções que tinha deixarem de me prestar serviços. Ora eu, que estou sempre a reclamar com os camiões de abastecimento que começam a chegar à rua às 5 da manhã, desta vez, não achei graça nenhuma às novidades.

Estava a contar este relambório ao dono do minipreço, que tem o franchising da marca aqui na rua, e o sujeito começa a rir-se para mim. Diz-me então que também eles vão fechar porque a marca foi comprada pela Auchan e vai ser preciso fazer a remodelação e troca de produtos. De sobrolho franzido, minha querida, perguntei para quando estava prevista essa operação e ele, ainda a rir, diz-me que é uma questão de poucos dias, mas que ainda não sabe ao certo. Só vai saber mesmo em cima da hora, com um aviso de 2 ou 3 dias.

Berta, tu achas isto normal? Porque eu não acho bem passar da fartura em opções de abastecimento, para ter de me deslocar 3 quarteirões para fazer as compras do dia, da semana ou do mês. Não me parece nada bem este esvaziar da minha rua em termos de supermercados. Verdadeiramente considero um atentado grave ao meu conforto e ao acesso aos bens elementares da minha estabilidade alimentar.

Eu sei que te vais rir e dizer que tenho muitas opções num raio de 500 metros, mas 500 metros é 20 vezes mais longe do que aquilo que até agora eu tinha. Nem me venhas com a história de que andar me faz bem, que na minha idade… blá blá, blá. Já estou até com nostalgias das chegadas dos camiões às 5 da manhã. Eu sei que estou a olhar apenas para o meu umbigo, mas não é o umbigo que se está a queixar é mesmo a minha pança ou bandulho e não tarda serão as minhas pernas. Tu não tens pena de um pobre desgraçado é o que é e… e para de te rires. Beijos,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta nº. 656: O Padrinho

 

Berta 656 (2).jpg Olá Berta,

Don Corleone, é uma personagem de ficção do romance The Godfather, de Mario Puzo, de 1969, e dos dois primeiros filmes da trilogia de Francis Ford Coppola. Já Alberto João Jardim, é uma pessoa real e um político aposentado, mas bem conhecido, da nossa praça. Contudo, se eu tivesse de escolher quem acho que melhor retrata o Padrinho de Coppola na vida real, a minha escolha recairia sempre em “Albertoni”. Daqui para a frente, entramos no universo do alegadamente, e, nada do que te direi, amiguinha, poderá ser entendido como um facto, visto esta carta ser mais parecida com uma narrativa de ficção.

Para o Padrinho, doce amiga, os políticos de hoje parecem-lhe um bando de amadores. Fazem as coisas sem a magia de outros tempos e deixam-se enredar nas malhas da lei. Na sua douta opinião, bem do alto do seu charuto, “Albertoni” não consegue entender o que se passa com todos estes incompetentes que agora pululam nos meios da política.

Caramba, Berta! Até o seu benjamim caiu… o pirata da perna sem pau a quem ele ensinou a fazer ar de mau, Miguel Albuquerque, o seu menino queque “Bimby”. O Padrinho está zangado, as coisas começaram a azedar com Armando Vara, depois o Sócrates (que talento tão completamente desperdiçado) seguindo o Costa (com um Governo cheio de gente que não sabe estar) e, por fim, o seu Benjamim…

Onde estavam aqueles anos dourados em que se podia fazer tudo sem que a Justiça pudesse agir? Minha querida, no tempo de Cavaco o Ministério Público e a Polícia Judiciária apenas se preocupavam em manter o emprego. Cavaco, esse velho Conde Drácula reencarnado, o homem que nascido em Boliqueime conseguiu dar dignidade ao lugar transformando o buçal poço em fonte. Sim, sim, Fonte de Boliqueime cheirava a turismo e prosperidade, enquanto Poço de Boliqueime não podia ser mais povinho.

Ah! Que saudades desse Arcanjo dos Infernos que podia impunemente arrebanhar a Casa da Coelha, ganhar cem mil euros em ações do BES, aconselhar o povo que o banco era seguro, enquanto o mesmo apodrecia e arrastava tudo e todos saindo ele incólume e impoluto. Cavaco, sim era homem, sabia-a toda. Alguém lhe tocou por causa do BPN? Jamais, Dias Loureiro, Oliveira e Costa e Duarte Lima compunham o ramalhete daquilo a que o Observador chamou o lado negro da força: o Cavaquismo. Isso sim, tinham sido dias gloriosos, Bertinha.

Agora tudo começara a sair dos eixos quando os burros do PS quiseram ter uma Justiça mais forte e independente. Para quê? Os idiotas meteram a lenha toda na fornalha, deram força e poder à Justiça e agora queixavam-se que se estão a queimar? Burros. Minha cara confidente, toda a gente sabe que não se brinca com o fogo. A Justiça tinha um açaime perfeito, porque raio foi o PS mexer naquilo?

O Padrinho estava chateado. Agora até ele tinha que ter cuidado. Ele o Rei da Pérola do Atlântico. Que vergonha, que humilhação. Pois é Berta, “mudam-se os tempos…” por hoje fico-me por aqui, recebe um beijo saudoso deste teu eterno amigo,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta nº. 654: O "péssimo" Governo Socialista, segundo o Prémio Nobel da Economia de 2008, Paul Krugman.

Berta 654 (1).jpg Olá Berta,

No início da passada semana, cara amiga, esteve em Portugal o Prémio Nobel da Economia de 2008, o economista norte-americano Paul Krugman, que deu uma excelente entrevista ao Jornal de Negócios, na qual aborda a situação portuguesa de uma forma desprendida, sem sectarismos partidários, tão em moda no nosso país, normalmente usados para criticar aquilo que os que não são da mesma cor fizeram ou deixaram de fazer, sem a isenção de quem vem de fora e não pretende agradar a gregos ou a troianos, enfim, de quem apenas se rege por apresentar uma opinião sustentada.

Em 2013, refere Krugman, Portugal era um país pobre e com problemas estruturais, problemas que se iam manter até 2015, enquanto durou o Governo de Passos Coelho. Agora, Bertinha, ao comparar, o economista refere, claramente, que as complicações atuais são “muito menos”, mas que não desapareceram todas.

Diz Paul Krugman, minha cara, que os portugueses “Continuam a ser mais pobres do que muitos países da Europa, mas já não tão pobres”, e relata “a transformação” efetuada em Portugal entre 1976 e o Governo da “Troika”.

Afirma ainda, minha querida, o especialista: “Trabalhei em Portugal, em 1976, e a transformação em termos de infraestruturas, nível de vida visível, níveis de educação, é enorme”, aponta o Nobel, realçando que quando cá esteve em 76, “Portugal parecia mais um mercado emergente do que uma nação europeia, e isso hoje não é de todo verdade”.

Ora, Berta, segundo o estudioso: A economia portuguesa do pós-troika é “uma espécie de milagre económico” que parece não ter uma clara explicação. É “misterioso…”. Aliás, afirma que o país poderia ser um caso de estudo “se percebêssemos o que estão a fazer bem”, disse, assinalando o crescimento económico de Portugal nos últimos oito anos.

O Nobel e Professor da Universidade de Princeton, nos EUA, acha que “Portugal é uma espécie de milagre económico”, e que deveria haver mais “otimismo” do que aquando da “crise do euro”, mesmo tendo em conta, amiguinha, os temores de uma nova recessão europeia.

Acrescenta ainda, cara confidente, que na “crise da dívida, tendíamos a colocar Portugal e Espanha no mesmo cesto… ambos tinham tido entradas maciças de capital, tinham ficado seriamente sobrevalorizados em termos de custos laborais, tinham níveis de dívida elevados e enfrentavam um período prolongado de austeridade. Espanha acabou por alcançar a recuperação económica, mas fê-lo passando por anos e anos de desemprego elevado, desvalorização interna e queda dos custos”, porém, “Portugal teve uma recuperação sem isso”, relata o Professor da Universidade de Princeton. Depois, acrescenta: “Tive longas conversas com o meu amigo Olivier Blanchard, o antigo economista-chefe do FMI, e ele diz: «Não percebo como é que Portugal se saiu tão bem. Como é que eles fizeram isso?».

Para o economista, minha amiga, o turismo e as exportações foram fundamentais, mas Espanha também tinha ambas e o resultado não foi o mesmo, afirmando que “é um pouco misterioso como é que as coisas correram tão bem”. Segundo Krugman, os portugueses “Continuam a ser mais pobres do que muitos países, mas já não tão pobres…” Aliás, reporta: “Ninguém sabe realmente porque é que alguns países se saem bem, mas Portugal fez claramente muito melhor nos últimos… anos”.

O Nobel da Economia, Berta, critica os “orçamentos de austeridade” da Troika pela “quantidade de dor que foi criada” e porque considera que estes foram baseados “numa falsa premissa”. Diz sobre o assunto Krugman: “A premissa era que os encargos da dívida eram simplesmente insustentáveis e que havia uma crise que exigia uma austeridade extrema”, mas “hoje sabemos que a crise era basicamente um pânico de mercado…”, ou seja, “era uma crise de liquidez causada por receios de incumprimento… a maior parte da crise desapareceu quando Mário Draghi disse quatro palavras: «O que for preciso». E, de repente, os spreads vieram por aí abaixo”, afirmando perentoriamente que Portugal adotou “medidas extremas baseadas numa apreensão errada do problema”.

Nas considerações do Prémio Nobel da Economia, Portugal “Não é a Dinamarca, não é a Suécia, continua a ser relativamente pobre, mas há muito mais razões para otimismo agora do que no meio da crise do euro” e aproveita para se referir às dificuldades no acesso à habitação, refletindo que este é “um problema feliz de se ter” porque ele exprime que “as pessoas querem estar” em Portugal. Sobre o assunto, cara amiga, ele compara: “Portugal está a parecer-se com São Francisco, com um sector tecnológico em expansão e com a habitação a tornar-se inacessível”, adiantando que, agora, a questão pede “alguma ação”.

“Os riscos externos são grandes” declara Krugman, quer os riscos associados às taxas de juro elevadas, quer ainda se houver “uma recessão europeia”, porque Portugal será logicamente afetado por ser “demasiado pequeno e estar demasiado ligado” à Zona Euro, com forte dependência, sobretudo, de países como Alemanha e Espanha. Assim, minha querida, o Professor entende que “Portugal não está livre” do problema, mas que “pode ser algo que consiga ultrapassar” devido ao crescimento económico dos últimos anos.

Aliás, Berta, para o Nobel da Economia, “Portugal tem estado muito bem, a Europa não” e isso é um problema para o país por causa da nossa dependência da economia europeia. “A Zona Euro domina o vosso comércio” e “a vossa economia está agora bastante orientada para o exterior”.

Austeridade baseou-se numa “falsa premissa”.

Porém, para Paul Krugman, simpática ouvinte, “Portugal está a fazer em termos orçamentais o que os Estados Unidos deveriam estar a fazer” se não tivessem “um sistema político dominado por pessoas completamente loucas”.

Afinal, a entrevista do Prémio Nobel da Economia de 2008 que vem constatar, cara confidente, que o Governo Socialista fez algo muito bem feito, o tal chamado “milagre económico” que Krugman não consegue explicar, não me parece, a mim enquanto leigo, difícil de entender. No espaço de 8 anos foram revertidas a grande maioria das medidas de austeridade de Passos Coelho e substituídas por impostos indiretos sobre bens de consumo: o imposto sobre bebidas açucaradas, o imposto sobre o tabaco, o imposto sobre os sacos de plástico, o imposto sobre as bebidas alcoólicas, o imposto especial sobre os produtos petrolíferos, o imposto de selo, entre muitos outros, tiveram reforços efetivos e substanciais.

Porém, enquanto nos impostos indiretos o povo pode optar, nas taxas e no corte dos subsídios de Natal e Férias não havia opção possível. Os portugueses podem continuar a precisar do automóvel, mas se calhar agora só o usam se necessário, podem continuar a beber e a consumir sumos com açúcar, mas podem não o fazer se assim o entenderem e por aí em diante. O tipo de cortes não é cego e permite-nos gerir.

Com isto, com a subida de quase 40% do salário mínimo e com o reforço das pensões e reformas, o país passou com distinção a pandemia, tem suportado a inflação que vem da Europa, com níveis mais baixos que os seus parceiros e contrariado os efeitos da guerra da Rússia contra a Ucrânia. No entanto, amiguinha, o aumento forçado das taxas de juros pelo Banco Central Europeu, gerou rapidamente um agudizar da crise da habitação e um peso demasiado na carteira dos portugueses. Atrás disso, vieram as reivindicações aceleradas dos médicos e professores, pedindo melhores salários e condições, gerando um imenso desconforto na Educação e graves problemas no SNS. Todavia, nada me parece impossível de solucionar nos próximos anos.

Se, conforme penso, os socialistas voltarem a ganhar as eleições, julgo que durante a próxima legislatura e até ao fim da mesma, a situação será estabilizada. Com efeito, as taxas de juro parecem vir a estabilizar e posteriormente a descer, as medidas para a habitação terão quatro anos para poderem vingar e o acordo com os professores e o pessoal da saúde tornar-se-á inevitável. Mas isto, Berta, sou eu a pensar. Muitos acham precisamente o inverso, enquanto eu, do meu lado, apenas tenho o Prémio Nobel da Economia de 2008. Deixo um beijinho saudoso.

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta nº. 653: A Primeira Rainha do Egito e a Última Rainha do Egito

Berta 654.jpg Olá Berta,

Esqueçamos, por uns instantes, a atualidade frenética que atravessamos. Hoje vou-te falar, querida confidente, de duas histórias que remontam à 5.000 e 2.000 anos atrás. A primeira começa no Egito. Foi noticiado, no dia 20 de outubro deste ano, que uma equipa de arqueólogos em Abydos, no centro do Egito, fez uma incrível descoberta que pode revolucionar a história do antigo Egito. Um estudo publicado esta segunda-feira, minha amiga, pela Universidade de Viena dá conta de uma descoberta impensável feita no inacreditável túmulo da rainha consorte e regente do antigo Egito, rainha Meret-Neith da Primeira Dinastia Egípcia, que ao que parece poderá ter sido a primeira mulher faraó.

Porém, Berta, na altura em que Meret-Neith existiu a designação de faraó ainda não existia. Certo é que, no local, foram descobertos bens dignos da realeza, incluindo centenas de jarras de vinho seladas, e são das provas mais antigas de vinho alguma vez descobertas, indicando bem a sua autoridade e influência excecionalmente elevadas.

A escavação efetuada parece provar que as construções que compõem o túmulo de Meret-Neith foram feitas por etapas durante um longo período. Em 1900, minha amiga, quando da descoberta inicial, ficou claro que o túmulo foi executado com materiais como tijolos de barro, argila e madeira e que continha os restos mortais de 41 acompanhantes.

A 20 de Outubro deste ano, Berta, a equipa de arqueólogos no local sugere que as inscrições no interior do túmulo levam a pensar que Meret-Neith desempenhou importantes funções governamentais por volta de 3.000 a.C., incluindo o controle do tesouro real. O seu nome já fora encontrado ao lado do seu filho, numa lista de governantes, no túmulo deste, em Saqqara, indicando que ela pode ter sido a regente do Egito durante a juventude de Den. Porém, apesar de Meret-Neith poder ter sido uma governante do Egito, como já referi, nunca terá sido tratada como “faraó”, uma vez que este título só apareceu mais tarde na história do Egito. O interessante é que estes escritos parecem provar que ela pode ter sido a primeira Rainha do Egito, há 5.000 anos atrás.

A segunda história é sobre a última Rainha do Egito, Cleópatra, e é dela o busto que te mando, amiguinha, junto nesta carta. Cleópatra subiu ao trono ainda com 17 anos e veio a falecer aos 39. Ela era uma mulher fabulosa e culta e dominava 10 línguas. A língua do Antigo Egito, tendo igualmente aprendido a ler hieróglifos, coisa que, na sua dinastia foi caso único. Dominava também o grego e o romano, as línguas dos partos, hebreus, medos, trogloditas, sírios, etíopes e árabes. Isso permitia-lhe ter um conhecimento abrangente do seu mundo. Com esse conhecimento, qualquer papiro ou livro da época estava ao seu dispor.

Porém, minha querida confidente, ela também estudou geografia, história, astronomia, diplomacia internacional, matemática, alquimia, medicina, zoologia e economia entre outras áreas do seu interesse. Ela procurava mesmo abranger todo o conhecimento disponível da sua época. Os dados revelavam que passava muito tempo numa espécie de laboratório antigo. Foram, inclusivamente, encontrados alguns trabalhos seus relacionados com ervas e cosméticos. Galeno, que estudara o seu trabalho, Bertinha, conseguiu transcrever algumas das receitas elaboradas por Cleópatra.

Nos papiros de Cleópatra, cara amiga, havia um pouco de tudo, desde um remédio especial, em creme, que ajudava os homens carecas a recuperar cabelo, a conselhos de beleza ou curas com ervas. Era evidente a sua influência nas ciências e na medicina nos primeiros séculos do cristianismo. Ela foi, sem margem para dúvidas, uma figura única na história da humanidade.

A Rainha do Egito também viveu com Júlio César, todavia, é historicamente claro aos egiptólogos que Marco António foi o único amor da sua vida. A união anterior com César terá sido apenas estratégica, diplomática e política. Curioso é que, até hoje, o seu túmulo continua por encontrar. Espero que tenhas gostado destes pedacinhos de história. Por hoje é tudo, deixo um beijo,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta nº. 652: A Era das Suscetibilidades e do Melindre Fácil e Absurdo

Berta 652.jpg Olá Berta,

Entrámos, desde há um tempo a esta parte, na era das suscetibilidades e do melindre fácil e absurdo. Basta observar cuidadosamente, minha amiga, como isso é evidente nos novos canais de “streaming” (ou seja, um fluxo contínuo, fluxo de média ou transmissão contínua, que é uma forma de distribuição digital, em oposição à descarga “o download”).

Com efeito, caríssima, as antigas categorias tradicionais e claras dos filmes e das séries como, por exemplo: comédia, ação, aventura, guerra, drama, policial, terror e suspense, western, ficção científica ou thriller, só para citar alguns, deram lugar a secundárias designações absurdas e completamente disparatadas, com vista a esclarecer o sensível espectador que tipo de filme ou série tem pela frente.

Basta vermos, minha amiga, qualquer um dos 4 principais canais pagos de “streaming”, nomeadamente o Prime vídeo da Amazon, o Disney +, o HBO Max ou a Netflix, para que entendas o que eu estou a dizer. Com efeito, as designações secundárias agora em voga causam-me arrepios, mesmo as mais fofinhas. Eu não preciso que estes canais me venham com classificações da sua lavra, tentar descrever o que se vai passar no filme, se é algo que possa ferir a minha suscetibilidade ou se é um filme ou série para toda a família.

Se quem assiste ao filme ou à série não gosta do que vê pode simplesmente sair e mudar para outra coisa qualquer. Agora, Bertinha, virem-me classificar vídeos com categorias secundárias é simplesmente ridículo e passa a ideia de que eles consideram de que estão a lidar com mentecaptos, que precisam ser guiados naquilo que podem ou devem ver. É absurdo. Mas eu dou exemplos. Um filme de comédia, romântico ou familiar pode ter ainda, para além do escalão etário a que se destina e que devia ser suficiente, as seguintes “boas” classificações suplementares, de que dou alguns exemplos, porque há mais:

Meigo, irresistível, sério, inspirador, de ir às lágrimas, divino, amoroso, comovente, atencioso, envolvente, tímido, social, empolgante, marcante, excitante, onírico, divertido, para toda a família, para rir, cómico…

Já num filme de aventura, drama, suspense, ação, policial, entre outros, amiguinha, podem ser encontradas classificações secundárias bem mais negativas ou bizarras. Dou apenas mais uns exemplos:

Moralista, sem sentido, terrível, humor negro, sanguinário, avassalador, louco, sofisticado, cerebral, tecnológico, emocional, intenso, mordaz, endiabrado, de culto, sombrio, aflitivo, brutal, erótico, zombies, distópico, assustador, religioso, anárquico, fantasia, pavoroso, fanático, sangrento, soturno, jogo mortal, malicioso, deprimente, mundo épico, arrepiante, animalesco, psicótico, armagedão…

Por fim, Berta, aparecem as classificações secundárias que me tiram do sério e que roçam o disparate ou um puritanismo bacoco e moralista que me irrita seriamente, dou só mais uns exemplos esclarecedores:

De grande impacto visual, luzes cintilantes, esquisito, atmosférico, internacional, violência, uso de substâncias, uso de álcool, linguagem grosseira, conteúdo sexual, nudez, fumar…

Por amor da santa, Bertinha, porque raio é que me alertam de que há gente no filme ou na série que aparece, no decurso do vídeo, a fumar ou a beber e com conteúdos de nudez ou conteúdo sexual, francamente, não há pachorra e já te explico porquê.

Na semana passada, amiguinha, vi um filme em que aparecia uma mulher nua, de costas, apenas visível da cintura para cima (e esta era a única cena do género em todo o filme), seguidamente um homem aproximava-se da senhora, virava-a para si, sem que a câmara deixasse sequer ver os seios da jovem. Por fim, deitava-se com ela, sendo que a cena que regressava à tela era passada debaixo de lençóis, com os movimentos ondulantes de quem está a fazer amor. Não existia no filme mais nenhuma outra interação do género até final e a classificação secundária anunciava nudez e conteúdo sexual.

Para que raio é que me interessa saber se no filme se bebe uma cerveja ou se fuma um cigarro ou um charro? Vou deixar de ver o filme ou a série por causa disso? Por acaso fico bêbado, intoxicado ou atordoado por ver essas imagens? Não, não fico. Odeio condescendências parvas e bacocas, minha cara confidente, principalmente vindas de canais em que eu pago para ver e onde escolho apenas o que quero ver, no meio de uma parafernália de opções que me são dadas. Todas elas cheias destas ressalvas idiotas, como se isso purificasse o canal de “streaming”.

Sabes, Berta, se há 10 anos me dissessem que isto ia acontecer eu negaria logo essa possibilidade por ser rodeada de falsos puritanismos, condescendente, bacoca e ridícula, mas a verdade é que me teria enganado. Por hoje é tudo, este amigo de sempre te deixa com um beijo saudoso,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta nº. 651: Nas Costas de António Costa

Berta 651.jpg Olá Berta,

António Costa pediu ao Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, que aceitasse a sua demissão do cargo de Primeiro-Ministro do Governo de Portugal. Isto passou-se ontem, no dia 7 de novembro de 2023. Minha cara, o homem que durante 8 anos aguentou casos e casinhos, que sobreviveu à queda de uma vintena de ministros e secretários de estado, que aguentou estoicamente uma imprensa dominada pelo lóbi da direita no país, cai, por vontade própria, quando a sua seriedade é posta em causa com a abertura de um inquérito entregue pela Procuradora Geral da República ao Supremo Tribunal de Justiça.

Ao contrário do que ouvi ontem ser dito por vários líderes da oposição e por muito comentador à esquerda, mas principalmente à direita, cara amiga, Costa cai, mas cai de pé. O poder judicial leva à queda de um Primeiro-Ministro que detinha uma maioria absoluta em Portugal, com um simples parágrafo vago, onde refere que Costa é citado no caso do lítio e do hidrogénio verde, onde foram constituídos 5 arguidos, até ao momento, entre os quais, o Ministro das Infraestruturas, João Galamba.

O julgamento e a condenação de Costa e dos outros intervenientes no caso começou ontem a ser julgado e condenado na praça pública e é por isso mesmo que, desta vez, a situação no final, amiguinha, não pode aparecer como sendo um grande monte de nada.

Um pasquim refere que, por exemplo, João Galamba foi comprado com jantares pagos por investidores, como se não fosse normal as reuniões entre investidores e representantes do Estado decorrerem às refeições e estas serem pagas por quem solicita a própria reunião. Quando o Estado, minha querida, solicita uma reunião é o Estado quem paga os comes e bebes, quando são os privados, são eles quem, no final, arcam com a despesa, sempre que as reuniões têm almoço ou jantar pelo meio. É esta a forma não normativa, mas há muito instalada em Portugal, que vem de muito antes ainda dos governos de Cavaco Silva.

Toda a situação versa possíveis favorecimentos por parte dos representantes do Estado a um grupo de investidores interessados em desenvolver os negócios do lítio e do hidrogénio verde em Portugal. No nosso país, caríssima, inversamente à maioria dos estados ocidentais, a criação de lóbis é ilegal, por isso, existe uma linha muito ténue entre o que é aceitável alguém fazer ou tentar fazer para tentar influenciar um Governo a entregar-lhe um qualquer negócio e a prática de atos de corrupção ativa ou passiva.

Pelo que li, o Ministério Público e a Procuradoria Geral da República consideram, perante os factos apurados durante a investigação de quatro anos já efetuada, que há matéria suficiente para que seja considerada a possibilidade dessa mesma linha vermelha ter sido ultrapassada. Podendo, portanto, Bertinha, haver lugar a situações efetivas de corrupção.

Espero sinceramente que assim seja. Quero acreditar que em julgamento ficará provado o favorecimento ilícito por parte do Estado nos negócios apontados às empresas envolvidas. Mais ainda, simpática confidente, considero fundamental que a justiça prove igualmente o envolvimento de António Costa em toda esta trapalhada.

Se assim for, eu, enquanto socialista, espero mão pesada do poder judicial para os prevaricadores. Numa altura destas, a terminarmos o primeiro quartel do século XXI, não pode haver contemplações para quem se deixa comprar, sejam eles do meu partido ou não. Sinceramente, amiga, isso interessa-me muito pouco. Se houver culpa provada, tem de haver uma pena compatível a ser aplicada, doa a quem doer.

Dito isto, não posso deixar de estranhar o “timing” escolhido para agir no final de quatro anos de investigação, Berta. Não podia o processo ter sido desencadeado a 29 de novembro deste ano? O poder judicial mediu o prejuízo que iria causar ao país ao agir a poucos dias da aprovação final do Orçamento do Estado? Saberão estes senhores as consequências dos atos que praticaram ao antecipar o caso em vez de aguardarem pouco mais de 15 dias?

O certo é que, minha fiel amiga, é que interromperam a negociação com os médicos que estava em fase final de acordo, deixaram o SNS mergulhado num caos, puseram em risco os aumentos das pensões e reformas, da descida do IRS, do aumento dos salários de toda uma nação, apenas porque sim ou era realmente imperativo agir agora e não 15 dias depois?

A suspeição do “timing” da justiça levanta uma lebre de possíveis interesses ocultos por parte do poder judicial. Porque raio não queriam eles que fosse aprovado e votado o Orçamento de Estado para 2024? Quem beneficia com isso? Poderá existir, amiguinha, alguma agenda oculta que todos nós desconhecemos até ao momento?

Espero bem que nenhuma destas dúvidas faça sentido. Espero igualmente que fique claro que a justiça não podia mesmo ter esperado os 15 dias pela aprovação do Orçamento do Estado para 2024. Espero que não existam quaisquer interesses ocultos (políticos, partidários ou de outro nível) a fervilhar nas catacumbas do nosso poder judicial, porque isso, a ser verdade, Berta, seria bem mais grave do que o próprio caso em si. Seria mesmo pôr em risco a própria democracia em Portugal a poucos meses desta fazer 50 anos desde a sua implementação.

A Procuradoria Geral da República tem o dever de assentar a sua ação nos valores democráticos que nos regem. É imperativo que, num futuro muito próximo, fique provada a envolvência de António Costa em todo o processo. O Primeiro-Ministro deu as costas para suportar o peso das acusações e suspeitas em que foi envolvido. Ora, Portugal não é a Hungria, a Turquia ou Israel onde os valores democráticos são postos em causa pelo envolvimento político da justiça nos corredores da democracia. O Estado de direito não pode ser debilitado por quem devia defendê-lo a todo o custo. Enfim, amiga Berta, deixo-te com estas minhas preocupações. Um beijo, deste teu amigo de sempre,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta nº. 650: Falando de João Galamba

Berta 650 (1).jpgOlá Berta,

Não sei se te recordas, minha cara, que eu prometi falar-te do Ministro das Infraestruturas, João Galamba, na altura em que todos pediam que António Costa o corresse do Governo. Disse que não era o momento naquele instante, mas mais tarde, e que quando achasse que a conjuntura era mais oportuna, escreveria a minha opinião. Pois bem, a altura pode não ser ainda a ideal, mas já dá para explicar o que penso sobre esse assunto sem que gente, que nem me lê, me venha insultar sem motivo. De qualquer modo, para evitar processos legais, tudo o que eu escrever nesta carta fica, desde já, enquadrado no âmbito do alegadamente e não passa senão da minha opinião sobre o assunto.

Em primeiro lugar, amiguinha, devo esclarecer que conheço João Galamba pessoalmente, mas pouco. Falámos uma vez há sete anos e tal, a quando da primeira campanha de Costa para eleições legislativas. Conforme sabes eu sou do PS, quer o partido ou o seu governo estejam na moda ou não. Não é uma coisa nova, começou mais ou menos depois de abril de 74 e filiei-me, por fim, há 35 anos atrás.

Mas, minha querida, uma coisa é ser do PS e outra, bem diferente, é ter opinião própria, que nem sempre é coincidente com as ações e posições do partido ou do Governo dele proveniente. O meu sentido crítico não morre só porque sou socialista. Com efeito, conforme considero ser normal, há ocasiões em que a minha posição é mais crítica do que a da própria oposição e das opiniões manifestadas pelos representantes de outros partidos. É a vida.

Feita esta reflecção, importa dizer que sempre estive convencido que António Costa não demitiria João Galamba, nem que a vaca tossisse. Na altura todos achavam que isso ia acontecer e fui gozado até por elementos do próprio Partido Socialista. Não sei se foi por sorte, minha amiga, mas o tempo deu-me razão. É que Galamba não era um acólito de Pedro Nuno Santos, como a comunicação social apregoava, nem nunca foi. João Galamba sempre defendeu e foi fiel a António Costa e a mais ninguém.

Para além disso, Galamba, não se importa nada de servir de escudo a Costa. Foi graças a este quase jovem Secretário de Estado e depois Ministro, que a exploração de lítio arrancou em Portugal, quando todos pensavam que esta matéria prima ia seguir o mesmo caminho do petróleo e do gás natural, sendo posta de lado a sua exploração. Mas Galamba, cara menina, fez mais, exigindo aos que explorassem o lítio que este fosse refinado e transformado em baterias no país, tornando a sua comercialização num produto de grande valor acrescentado, ou seja, um produto de ciclo completo dentro do território nacional. Um feito notável a que pouca gente parece dar a devida valorização.

Com a TAP, não foi Galamba quem atuou no processo da indemnização dos 500 mil euros à administradora. Foi Pedro Nuno Santos. O que Galamba fez, isso sim, minha querida, foi despedir um assessor do Ministério das Infraestruturas que, após a saída de Nuno Santos, servia de moço de recados do ex-ministro e lhe continuava a facultar cópias dos processos que este anteriormente acompanhava, sem autorização expressa de ninguém no Governo.

Das mentiras atribuídas a João Galamba, Bertinha, nenhuma ficou provada, mesmo no complexo jogo de horas e minutos escarafunchados até à exaustão pela Comissão Parlamentar de Inquérito sobre a TAP. No final, a Comissão Parlamentar proferiu um relatório para lamentar porque, mesmo sendo este efetuado por uma relatora socialista, não tinha como poder ser criticado pela oposição, sob pena de fugir do âmbito da própria comissão.

Ainda sobre a gestão da TAP, neste momento, tudo aponta que quem vai mesmo sair por cima, para além dos próprios portugueses, seja João Galamba e, por tabela, António Costa. Porém, amiguinha, ainda há dossiers Galamba com o destino por desvendar, o gasoduto até França, o alargamento do Porto de Sines, o Hidrogénio Verde, os combóis Rápidos até Madrid e Vigo, entre outros.

Galamba está pronto para continuar a ser o escudo de António Costa e, se algo correr mal, numa destas pastas, estou certo que será ele a assumir o ónus, sem beliscar Costa e isto incluindo a parte substancial da aplicação do PRR que é da sua competência.

Quer isto dizer, Berta, que, até 2026, João Galamba só sai se tiver de dar o corpo às balas por António Costa e mesmo assim, mesmo assim, duvido que o Primeiro-Ministro o deixe cair. É que a fidelidade tem um grande valor no mundo da política e não é compatível com falsas promessas, traições ou desamparos. Nada do que eu disse impede que a grande maioria dos portugueses deteste João Galamba, a comunicação social tratou de assegurar que assim fosse, mas isso não tem nada a ver com o que atrás escrevi. Por hoje é tudo, despeço-me com um beijo de saudade,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta nº. 649: TAP - Voar Mais Alto, Melhor e Mais Além!!!

Berta 649.jpg Olá Berta,

Voar parece ser o último grito de liberdade que podemos ter nos tempos modernos. Com efeito, minha querida, quando se dá tempo ao tempo, quando se acha que a razão nos assiste, não é invulgar que os resultados atestem que valeu a pena a resiliência contra tudo e contra todos. Não se pode dizer que esta seja uma correlação vulgar, mas aqui e ali, é bom que assim aconteça para dar alento às nossas próprias afirmações e convicções.

Contra a opinião de toda a oposição à direita o PS tomou conta, em duas fases, da totalidade do capital da TAP. Esta era a companhia aérea portuguesa que Passos Coelho e o PSD, minha cara, havia acabado de vender ao desbarato numa privatização deveras vergonhosa, mesmo nos últimos instantes da sua passagem pelo poder. Foi igualmente constrangedor ver a oposição de esquerda, depois da geringonça, opor-se às medidas julgadas necessárias, à época, para pôr a companhia nos eixos.

Durante bastante tempo alimentaram-se escândalos, alguns escalados de modo artificial, amiguinha, no que respeitava a sua real importância e dimensão. Até assistimos à queda de um ministro por causa dos mesmos e a comunicação social era quase um espelho perfeito das oposições prevendo a total desgraça do Governo de Costa neste ponto em particular. Estavam todos à espera do desastre final.

Mas heis senão quando, à revelia dos arautos da desgraça, ainda antes da saída de Pedro Nuno Santos do Governo a TAP apresenta lucros. Eram apenas 60 milhões (e o que eu não fazia com 60 milhões), minha amiga, e embora este fosse o primeiro resultado positivo e fosse relativo ao ano de 2022, mesmo antes da saída do ministro, escutámos, mais uma vez, a oposição e os comentadores a relativizar a situação porque o lucro apresentado era fictício pois não tinha em conta x, y e z.

Sem se deixar levar pelo negativismo reinante, Bertinha, a gestão pública da TAP começava a provar que, a companhia mais escrutinada do país, tinha rodas para aterrar e asas para voar. Conforme vinha a ser feito, pelo menos desde a gestão estatal, os resultados da companhia continuavam a ser divulgados trimestralmente e desde o primeiro trimestre de 2023, logo seguido pelo segundo, as contas continuavam o seu rumo positivo acumulando no primeiro semestre 43 milhões de saldo positivo, no final de todas as contas.

Desta vez, minha querida, oposição e comentadores vieram dizer que isso não salvava os 3,2 biliões de euros que o Estado colocara na TAP e que a privatização prevista para 2024 nunca salvaria o fiasco do controlo da TAP pelo Governo. À margem das críticas nacionais, vários grupos ligados à aviação demonstravam já o seu interesse na compra do capital da TAP, mesmo com as condicionantes do Estado para a venda da companhia de bandeira.

Sim, porque era necessário salvaguardar o interesse nacional e não perder, principalmente em Lisboa, o papel da TAP com a diáspora, com a América do Sul e com África, depois da companhia ser vendida aos privados. Foi sem comentários de relevo na comunicação social e sem o alarido costumeiro da oposição, minha querida que a TAP anunciou que o terceiro trimestre de 2023 tinha como saldo final, após despesas, 180,5 milhões de lucros, exclusivamente relativos ao terceiro trimestre de 2023.

A manter esta trajetória, amiguinha, pois ainda faltaram revelar os resultados do quarto trimestre de 2023 e do primeiro e segundo de 2024 (pelo menos), quando a TAP for vendida, algures no segundo semestre de 2024, o valor da companhia aérea gerida pelo Estado arrisca-se a ser acima dos valores injetados na mesma pelos contribuintes. E mesmo que tal não aconteça, o que a TAP já representou em salvaguarda de interesses nacionais, em contratos e receitas indiretas para o turismo e em pagamento de salários e manutenção dos trabalhadores nacionais da companhia, já equipara, por si só, o investimento efetuado para a salvar, basta fazer as contas.

Contudo, Berta, se a TAP for vendida por 1, 2, 3 ou 4 biliões de euros isso será tudo lucro para Portugal, porque a amortização dos valores investidos já estará saldada pelo retorno que a companhia deu ao país. Despeço-me com um beijo, certo de que quem espera sempre alcança,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta nº. 648: Israel Versus Palestina

Berta 648.jpgOlá Berta,

Este ano fez 77 anos que os tratados pós 2ª. Grande Guerra Mundial permitiram a Israel fundar um Estado Independente em território que pertencia à Palestina. Os palestinianos não foram perdidos nem achados nesta decisão. Foi algo que lhes foi imposto por aqueles que acabavam de vencer os nazis. Nem sequer, alguma vez, em 77 anos, minha querida, tiveram direito a uma sondagem séria à sua vontade, a um referendo sobre o assunto ou ao que quer que fosse, como se apenas lhes restasse aceitar e calar.

Desde então, unilateralmente, minha amiga, Israel tem vindo a alargar as suas fronteiras, conforme poderás constatar na primeira imagem que te enviei junto com esta carta. Este facto constante obrigou muitos palestinianos a imigrar à medida que o seu território ia encolhendo assustadoramente. Hoje, dos 12, 370 milhões da população palestiniana, apenas 3,370 milhões ainda vivem nos territórios da antiga Palestina de 1945. Uns absurdos 9 milhões tiveram de emigrar para onde foram aceites ou tornarem-se refugiados nos países vizinhos da Palestina.

Berta 648 a.jpgPor estranho que possa parecer, Bertinha, nem sequer há grandes diferenças étnicas entre os dois povos. Uma esmagadora maioria de mais de 90% tem a mesma raiz étnica (isto segundo alguns estudos já realizados este século), as diferenças são efetivamente religiosas e culturais.

Acontece agora que, minha cara, um dos povos mais perseguidos e massacrados da História da Humanidade passou de vítima a opressor, esquecendo a sua própria História, onde o direito à tolerância e ao diálogo devia, em absoluto, ser a palavra de ordem.

Se há local no mundo onde seria muito provável prever o aparecimento e crescimento de terroristas, ele é, precisamente, a Palestina. Foi, Bertinha, exatamente o que aconteceu e já nem é um fenómeno novo, tem barbas bem maiores que as dos judeus ou que as dos palestinianos.

Quando me perguntam se eu condeno o ataque bárbaro dos terroristas do Hamas a Israel, é claro que repudio em absoluto a barbárie que aconteceu. Não há em mim, minha amiga, sequer uma réstia de dúvida. O Hamas é um movimento terrorista e islamista palestino, de orientação sunita, e não tem mesmo qualquer desculpa.

Porém, Israel, Berta, enquanto Estado democrático, se bem que atualmente gerido sob a influência de uma extrema direita radical, não tem, nem nunca poderá ter, legitimidade para atuar barbaramente, ainda mais, precisamente, não sobre os terroristas do Hamas, mas sobre a população civil palestiniana. O que Israel está a fazer nesta guerra em que para combater os terroristas priva o povo palestiniano de quaisquer meios de sobrevivência é criminoso, bárbaro e deve ser criticado e combatido de forma bem vincada.

Não me quero alongar muito mais sobre o assunto, porque ver Israel a agir como um Estado terrorista exige que o mundo o trate como tal. Não tem qualquer direito a agir dessa forma. Mesmo a morte atroz de 1,200 israelitas não legitima a exterminação do povo palestino, um verdadeiro genocídio, que até ao momento já fez mais de 4,300 vítimas entre os palestinianos, por isso, Berta, fico-me por aqui no meu comentário. Despeço-me com um beijo,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta nº. 647: O Predador que Invadiu Portugal em 2007 Contra-Ataca

Berta 647.jpg Olá Berta,

Espero que esta carta de encontre bem depois do teu longo cruzeiro à volta do mundo. Se nos escrevêssemos por correio eletrónico não teríamos estado tanto tempo sem desabafar, mas, como ambos decidimos manter a tradição, estas coisas acontecem. Aproveito o teu regresso para te avisar sobre essa terrível espécie invasora que ameaça invadir o país de uma forma avassaladora já no próximo ano.

O animal, amiguinha, apareceu em Portugal em 2007 e logo aí gerou a extinção de uma outra espécie que, devido à forte implementação deste novo bicho, desapareceu por completo. Dizia-se na altura que era normal, que estava de acordo com a Teoria da Evolução das Espécies, com os escritos de Darwin e que pouco havia a fazer.

Afinal, era a lei do mais forte a substituir e a aniquilar o mais fraco. Dizia-se à época, Bertinha, que o bicho aparecera devido às alterações climáticas e que era uma consequência das mesmas, absolutamente inevitável. Rapidamente, qual praga, num só ano, alastrou pelo país qual réstia de fogo que se propaga em palheiro.

Os custos consequentes provocados à população nacional rapidamente se fizeram notar, não eram muitos os que conseguiam ficar imunes às despesas provocadas pelo animal. Porém, Berta, só aqueles que conseguiam abater a espécie de que o monstro se alimentava se viram livres dele.

O bicharoco, amiguinha, não é tão nocivo como um seu parente, bem mais antigo, que foi detetado em França pela primeira vez em abril de 1954 e que rapidamente invadiu o mundo, tornando-se numa das piores pragas da civilização e que hoje é considerado impossível de erradicar, porém, o animal de que falo, tem evoluído muito rapidamente,

O predador, minha querida, tem vindo a mudar de hábitos ao longo destes 16 anos. No início atacava mais afincadamente e de preferência, provocando mais danos, as mais fortes criaturas domésticas de que se alimentava, com especial incidência nas mais novas e tenrinhas, acabadas de nascer. Mas em 2024 a praga promete devorar as vítimas mais velhas e fracas, com pior voracidade do que o que faz com as mais novinhas. Para o ano, ou os donos abatem previamente os animais de que o predador se alimenta ou ele ataca todos os que vê pela frente, sem ter qualquer piedade pelos mais idosos e menos resistentes, onde ameaça ser fatal.

O bicharoco francês de que te falei há pouco, minha amiga, é conhecido em Portugal pelo nome de IVA e está em toda a parte, atacando tudo o que vê pela frente. Já o animal que apareceu no país em 2007, dá pelo nome de IUC, e só ataca veículos foi ele que extinguiu o ISV. Agora promete devorar avidamente os mais velhinhos e pode vir a causar uma extinção em massa de muitas das relíquias de um passado ainda não muito antigo. Tudo para fazer face, dizem eles, às alterações climáticas.

 E é assim, amiga Berta que, por hoje, me despeço de ti. Tem cuidado com os bichos papões e troca de carro que o teu é uma relíquia de 1984, senão o IUC vai dar cabo dele e das tuas finanças. Deixo um beijo muito saudoso,

Gil Saraiva

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em destaque no SAPO Blogs
pub