Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Carta à Berta

Carta à Berta é o local dos Desabafos de um Vagabundo, do Senhor da Bruma, essa bruma a que chamam de internet, de um Haragano, o Etéreo, qual cavalo selvagem que galopa entre cartas alegadamente, quiçá, sem fundamentos.

Carta à Berta é o local dos Desabafos de um Vagabundo, do Senhor da Bruma, essa bruma a que chamam de internet, de um Haragano, o Etéreo, qual cavalo selvagem que galopa entre cartas alegadamente, quiçá, sem fundamentos.

Carta à Berta: O Povo dos Estados Unidos da América

Berta 373.jpg

Olá Berta,

As eleições nos Estados Unidos da América estão hoje em primeiro lugar na agenda mediática mundial. Parece que o mundo inteiro quer saber quem ganha a contenda. Por um lado, temos os republicanos de Donald Trump, o presidente em exercício e, por outro, os democratas de Joe Biden que pretendem assumir o poder. Em termos nacionais seria como uma batalha entre Chega e CDS.

Custa imenso aos europeus entender como é possível que cerca de metade dos americanos ainda seja capaz de, ao fim de quatro anos, votar em Trump. Ora, minha querida amiga, embora eu não seja um comentador político de pensamentos profundos como a analista de hoje na TVI, a Professora Raquel Vaz Pinto, que nos lembrou que não nos podemos esquecer que Trump é Trump, tenho, ainda assim, uma ideia sobre o que acontece nos Estados Unidos.

Afinal, eu, que há uns anos visitei a América, durante 21 dias, tendo percorrido 9 Estados de costa a costa, e tenho, por isso, uma opinião bem mais simples e menos intrigante que a dita analista. Assim, no meu entender, e olhando para a distribuição dos votos em ambos os candidatos, é fácil de chegar-se à conclusão que todas as grandes cidades americanas votaram em Biden e que o povo, no interior dos Estados, a chamada gente do campo, votou em Donald Trump.

O porquê de tal divisão tem a ver com o acesso ao conhecimento e à cultura. Não tem a ver com inteligência, nem com sagacidade, mas simplesmente com nível civilizacional deste povo do interior que não vive nas cidades cosmopolitas. Chamar a estas populações de gente muito terra-a-terra é quase um elogio. A maioria deles tem um acesso limitadíssimo ao saber e à cultura geral. Sabem ler e escrever, mas se alguém lhes disser que a Alemanha é um país da Ásia não acham estranho, apenas e só porque desconhecem tudo o que se refere ao exterior do seu mundo de poucos quilómetros de raio.

Estou a falar de gente que não tem cultura geral porque ela não é ensinada em nenhum lugar, de gente que assim que acaba a escola nunca mais lê um livro, de gente sem apetência e com muito pouco acesso a qualquer tipo de cultura que não seja a do seu próprio meio.

Enfim, um povo esquecido por quem governa e a quem Trump agora deu valor e relevo, não por os ajudar fosse no que fosse, mas somente por se considerar ao lado deles. É triste que assim seja, mas é esta a realidade americana. Recebe um beijo virtual de despedida deste teu velho amigo,

Gil Saraiva

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

Em destaque no SAPO Blogs
pub