Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Carta à Berta / Desabafos de um Vagabundo / Miga, a Formiga / Estro

Julho de 2022: blogs do Senhor da Bruma, assinados por Gil Saraiva, são reunidos em "alegadamente": Estro (poesia), gilcartoon (cartoons) e Desabafos de um Vagabundo (plectro). Tudo deve ser entendido no âmbito do alegadamente.

Julho de 2022: blogs do Senhor da Bruma, assinados por Gil Saraiva, são reunidos em "alegadamente": Estro (poesia), gilcartoon (cartoons) e Desabafos de um Vagabundo (plectro). Tudo deve ser entendido no âmbito do alegadamente.

Carta à Berta n.º 595: Campo de Ourique - Xenofobia, Racismo e Homofobia

Berta 595.jpg Olá Berta,

Um dia destes, ao publicar no Facebook um cartoon da “Miga, a Formiga”, um membro do grupo de Campo de Ourique, o senhor António Lebre, sugeriu com algum humor que eu devia era falar do racismo e da xenofobia que grassam em Campo de Ourique, principalmente, referia ele, entre os residentes de idade mais avançada que, inversamente aos mais novos, demonstram ainda um elevado grau de intolerância. Chegando a afirmar, querida amiga, que a xenofobia estava bastante enraizada, nas pessoas da velha guarda, contra indianos, retornados, chineses, espanhóis, angolanos, franceses, etc..

Até o Presidente da República afirmou recentemente que: "Não vale a pena negar que há, infelizmente, setores racistas e xenófobos entre nós". É claro que o presidente, amiga Berta, não se referiu nomeadamente a Campo de Ourique como obviamente o fez o simpático senhor António Lebre, mas tornou-se óbvio que este tema estava na ordem do dia e que por isso mesmo era a melhor altura para se malhar em ferro quente.

Faço aqui um aparte para relembrar-te, cara Berta, que a tradição das apelidadas tias, em Portugal, está intimamente ligada a Cascais. Afinal, era por lá que viviam, em maior quantidade, há muitos anos, pessoas ligadas à nobreza e realeza, bem como os, na altura, novos e bem instalados burgueses da pós-revolução industrial. Juntando-se a esta nata um clero em óbvio compadrio com o antigo regime. Desta mescla nasceram as tias, a simbolizar uma população desligada da dura realidade do país em que viviam. Porém, dando vital importância a coisas supérfluas e de relevância duvidosa.

Ora, Campo de Ourique, minha amiga de há tanto tempo, com os seus 141 anos de história, não tendo herdado esta nata cascalense, decidiu, já lá vão umas boas dezenas de anos, adotar um estilo parecido, devido ao bem-estar económico de uma boa parte dos seus novos residentes nessa época. Foi assim que nasceram as tias (e tios) de Campo de Ourique que, não podendo plagiar a designação cascalense, se contentaram pela designação de Damas e Cavalheiros de Campo D’Ourique, para parecerem mais finos e requintados.

Todavia, paralelamente, muitos dos indivíduos que ergueram o bairro com o seu esforço e suor e os serviçais destas damas e cavalheiros, também se instalaram com as respetivas famílias, pela periferia do bairro que foi, paulatinamente, alargando as suas fronteiras. Estava criada a poção perfeita para a implantação de valores como refere António Lebre, querida amiga, ou seja, para o aparecimento de racismo e xenofobia contra indianos, retornados, chineses, espanhóis, angolanos, franceses, etc.. Um conceito que foi sendo adaptado e alargado consoante as décadas e a fixação destas pessoas no bairro.

É claro que nas referências de António Lebre, minha querida, faltaram ainda os judeus, os ciganos, os descendentes da mistura de, pelo menos, duas raças ou etnias, os negros em geral e não apenas os angolanos, os pobres e deficientes, os drogados do Casal Ventoso e da Meia Laranja, os pedintes e mais todos aqueles que, por um ou outro motivo, não correspondiam aos elevados padrões destas damas e cavalheiros, mas ele apenas estava a exemplificar e não a querer mostrar uma lista completa dos descriminados em Campo de Ourique.

O grave nesta situação toda, Berta, não é a evolução histórica destas vastas formas de xenofobia, racismo e até homofobia, o grande problema é que a consciência dos povos mudou muito neste século vinte e um e que o que era tolerável e normal no passado, devido às mentalidades da época e do contexto, é, aos olhos de hoje, inaceitável e uma verdadeira afronta aos atuais direitos humanos.

Em conclusão, está na hora das Damas e dos Cavalheiros de Campo de Ourique se adaptarem aos tempos modernos, porque hoje em dia somos todos diferentes entre iguais. Ninguém está num patamar superior por ser branco ou rico ou simplesmente idiota. Com isso me despeço, minha querida, recebe um beijo deste teu amigo,

Gil Saraiva

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em destaque no SAPO Blogs
pub