Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Carta à Berta

Carta à Berta é o local dos Desabafos de um Vagabundo, do Senhor da Bruma, essa bruma a que chamam de internet, de um Haragano, o Etéreo, qual cavalo selvagem que galopa entre cartas alegadamente, quiçá, sem fundamentos.

Carta à Berta é o local dos Desabafos de um Vagabundo, do Senhor da Bruma, essa bruma a que chamam de internet, de um Haragano, o Etéreo, qual cavalo selvagem que galopa entre cartas alegadamente, quiçá, sem fundamentos.

Carta à Berta: "António Costa - O Grande Golpe - Peça em Três Atos" - "Ato I - Meeting na Aldeia de Campo de Ourique"

Berta 314.jpg

Olá Berta,

«António Costa – O Grande Golpe – Peça em Três Atos» seria o nome que escolheria para me referir áquilo que eu penso que alegadamente se terá passado no teatro da política e da diplomacia internacional. Aliás, se as coisas se passaram como eu penso que realmente se passaram o nosso Primeiro-Ministro merece o Grammy, o Óscar e o Nobel, tudo em simultâneo, pela mestria da sua magnífica, secreta e espetacular atuação.

Não só conseguiu um feito considerado impossível de concretizar, como o fez nas barbas dos Media nacionais e internacionais sem que ninguém desse por este genial «Golpe do Século». O mais interessante é que a operação, montada nos corredores da arte de bem negociar, ainda dura e irá durar até ao final de junho de 2021 e decorre naquele que para mim é o mais impressionante cenário político e diplomático montado no decorrer do presente século.

Enquanto operação secreta da diplomacia portuguesa, este feito devia ter direito, inclusivamente, a nome de código, como as antigas operações especiais entre americanos e russos no tempo da guerra fria, no caso eu chamar-lhe-ia «Operação Bifes à Portuguesa» ou «A Conjura da Raposa», uma vez que qualquer das escolhas é ótima para ilustrar a mestria política e diplomática daquele que é atualmente um dos mais hábeis políticos da cena mundial do século XXI.

No entanto, querida amiga Berta, isto sou eu a divagar, alegadamente imaginando uma genialidade tão simples e eficaz que se calhar nem está realmente a decorrer e tudo não passará de um fruto imaginário da criatividade deste teu amigo jornalista, armado em romântico escritor de enredos diplomáticos. Contudo, a ter acontecido (e ainda estar a decorrer), é realmente brilhante e deveria ter direito a destaque, com a obrigatoriedade a ser convertido em superprodução de Hollywood, pela argúcia e sentido de estratégia apresentada na elaboração de tão magistral arte política. Daqui para a frente vamos imaginar que as coisas se passaram como eu descrevo, mesmo que tudo possa ser apenas uma fantasia criativa deste teu amigo:

“Primeiro Ato: Reunião Urgente do Gabinete de Crise.

A primeira cena decorre no centro da capital portuguesa, Lisboa, mais propriamente na pequena Aldeia de Campo de Ourique, no edifício da Presidência do Conselho de Ministros, sem o conhecimento prévio da imprensa. Um pequeno grupo de pessoas, secretamente conhecido como os irredutíveis lusitanos, reúne-se de urgência, ao final da tarde, daquela segunda-feira. Presentes na reunião, convocada à última hora, com parangonas de secretismo, estão António Costa, Primeiro-Ministro, João Leão, Ministro das Finanças, Augusto Santos Silva, Ministro dos Negócios Estrangeiros, Mariana Vieira da Silva, Ministra de Estado e da Presidência e Pedro Siza Vieira, Ministro de Estado e da Economia.

Estamos no dia 31 de agosto de 2020 e para António Costa aquele que é o núcleo duro do seu Governo constitui também, igual e secretamente, o seu Gabinete de Crise. Em cima da mesa está o turístico corredor aéreo com o Reino Unido.

Costa é o primeiro a tomar a palavra:

       - Se os ingleses nos fecham o corredor aéreo com o Algarve e a Madeira, conforme a imprensa britânica prevê, estamos desgraçados. Isto pode muito bem desencadear uma bola de neve de fecho de empresas e falências, que se iniciará no setor do turismo e se alastrará rapidamente a todos os setores do tecido económico nacional. Temos de arranjar, a todo o custo, uma forma de impedir que Boris Jonhson feche o corredor. Temos de evitar a todo o custo que isto se torne na gota de água que faz transbordar o copo da crise económica nacional.

       - Estamos fodidos! — adianta Santos Silva. — Desculpa a linguagem Mariana, mas o embaixador britânico já me informou que na próxima quinta-feira devem fechar o corredor com Portugal. Ligou-me no sábado, pela hora de almoço. Querem evitar que sejamos apanhados de surpresa como na última vez. O tipo irrita-me, com aquele ar altivo e superior de «bife do lombo» tira-me do sério.”

----- “ -----

Para não me esticar demasiadamente numa só carta, amanhã continuarei “O Grande Golpe”. Recebe um amigável beijo de despedida deste teu fiel amigo,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta: Campo de Ourique - Incêndio III - Um Fogo Que Arde Sem Se Ver - Edifício Inabitável

Berta 310.JPG

Olá Berta,

Afinal, contrariando a ideia de serenidade que me tinha sido transmitida quando te escrevi a última carta, parece que o Incêndio à Minha Porta em Campo de Ourique, na Rua Francisco Metrass, 59, é como as novelas mexicanas, ou seja, tem sempre mais uma volta na ponta. Desta vez com possibilidade de vir a gerar ainda mais danos, para além daqueles que o próprio fogo infligiu.

Vou resumir os episódios passados e somar em simultâneo os novos dados, porque, infelizmente, por ser vizinho acabo por vir a saber mais do que o que é aparente.

Na passada sexta-feira um incêndio (provocado por uns grelhados na varanda de umas águas-furtadas, devido à distração de um ancião de 80 anos, a que chamei carinhosamente de “senhor Manuel”) fez arder as coberturas do edifício, direito e esquerdo do número 59.

Os danos foram afinal bastante superiores aos que primeiramente me foram relatados. No relatório oficial da fiscalização às condutas do gás, que abastece o prédio, acabou por prevalecer a conclusão que o mesmo teria de ser integralmente reinstalado, ou seja, o edifício teria de colocar uma nova infraestrutura para abastecimento de gás, sem a qual continuaria inabitável por força dos danos causados na conduta geral. Este dano afetou igualmente o Restaurante Cervejaria Europa, por a instalação ser a mesma.

Face a isso, não só deixou de haver abastecimento de gás para os vários andares como o restaurante Cervejaria Europa, conforme referi, se viu privado de confecionar os habituais acompanhamentos para as refeições tendo que fechar.

Assim, nesta segunda-feira, a Cervejaria Europa estará encerrada. Só a Farmácia Porfírio continuará a funcionar porque não utiliza qualquer fonte de gás para a sua atividade.

Já os estragos no prédio foram bem piores do que aquilo que se pensava no início. Os três andares (direito e esquerdo) foram declarados inabitáveis e o edifício encontra-se vazio de moradores. No terceiro piso as duas águas-furtadas (direita e esquerda) terão de ser reconstruídas de raiz, o mesmo acontecendo com o segundo andar direito, pertencente à proprietária da Farmácia e que de momento se encontrava vago para alugar.

Contudo, todos os apartamentos restantes precisam de obras de restauro. Quanto aos inquilinos, à parte do senhor Manuel (que segundo fonte do prédio, foi transferido ontem da casa de um dos filhos para um lar), todas as outras 4 famílias estão alojadas provisoriamente em casa de parentes próximos, solidários com a situação.

De solidariedade também fica a precisar o restaurante Cervejaria Europa e de uma forma urgente.

O fogo que arde sem se ver vem precisamente da situação em que ficam as 6 pessoas que trabalham no estabelecimento. Na verdade, ainda a tentar recuperar dos danos causados pelo fecho imposto pelos tempos de confinamento, o senhor Paulo, gerente da empresa de restauração em causa, vê-se agora a braços com mais um encerramento forçado, sem conseguir fazer uma ideia de quanto tempo esta situação poderá vir a demorar, face à problemática entretanto criada, na divergência de opiniões entre a Cervejaria Europa e o filho do “senhor Manuel” que aparentemente se assumiu como o responsável pelo pagamento da substituição das condutas do gás.

A coisa apresenta agora, com alguma tristeza, todos os ingredientes de um diferendo que poderá muito bem vir a terminar na insuportável teia dos tribunais portugueses. Mas o que se passa afinal? De uma forma simples são duas opiniões opostas. O filho do “senhor Manuel”, que assumiu pelo pai a responsabilidade das obras nas condutas de gás, exige a orçamentação de todos os custos inerentes aos trabalhos por parte de um conjunto de empresas especializadas, enquanto o restaurante prefere usar o mesmo empreiteiro que já foi responsável por quase todas as últimas obras do prédio, desde a da rede elétrica à da reconversão do apartamento do segundo andar, direito, propriedade da Doutora Graça, da Farmácia Porfírio. A razão desta preferência prende-se com a rapidez na execução dos trabalhos a realizar.

O senhor Paulo alega a possibilidade deste construtor poder ainda hoje substituir tudo e pedir inspeção amanhã ou depois, porque não só conhece bem o edifício, como tem disponível tudo o que é necessário para a completa realização dos trabalhos. Isso permitiria ao restaurante não ter 6 pessoas sem trabalhar durante demasiados dias e evitar que a situação da Cervejaria Europa se possa afundar mais, numa altura em que ainda mal começara a recuperar do fecho obrigatório derivado do confinamento.

A situação é de tal forma grave que a gerência da Cervejaria pondera levar o caso para tribunal, exigindo indeminizações (à empresa e aos funcionários) à outra parte, por todo o tempo em que estiverem de estar fechados, por força na demora nas orçamentações, na escolha de empreiteiro consoante os orçamentos apresentados, no tempo imposto para a conclusão da obra e, finalmente, na respetiva inspeção das condutas por parte da entidade responsável pela verificação dos trabalhos.

Porém, vistas as coisas na perspetiva do filho do “senhor Manuel”, a orçamentação por vários empreiteiros poderá evitar custos acrescidos numa despesa que não se avizinha pequena. Ambas as situações me parecem plausíveis de terem argumentos válidos.

Do meu ponto de vista, amiga Berta, o melhor seria que todos se entendessem por forma a evitar mais conflitos, problemas e situações que podem acabar mal.

A melhor solução, mas quem sou eu para opinar, seria um entendimento de meio termo. O empreiteiro do costume faria as obras já, em troca de não haver pedidos de indeminização fosse de que tipo fosse por parte da gerência do restaurante. Todavia, isto sou eu que estou de fora a falar. De qualquer maneira espero que impere o bom senso. Com um beijo me despeço, querida amiga, seguido de um até amanhã, deste que nunca te esquece,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta: Um Incêndio à Minha Porta - O Rescaldo

DSC_0051.JPG

Olá Berta,

Conforme te informei ontem houve um incêndio aqui perto de casa, a menos de 50 metros, num terceiro andar, como o meu, mas esse de águas-furtadas. Estive lá a falar com os comerciantes e alguns moradores, mas não existiam ainda algumas certezas no que se referia à segurança e estabilidade do prédio. Quando abandonei o lugar ainda se estavam a avaliar condições técnicas e de habitabilidade para o edifício e também para o funcionamento dos 2 espaços comerciais do rés-do-chão. Estou a falar do fogo que deflagrou na Rua Francisco Metrass no número 59, onde por baixo fica a Cervejaria Europa e a Farmácia Porfírio, aqui bem no centro da minha aldeia de Campo de Ourique.

Soube já, durante este último sábado, que a estrutura do prédio não foi afetada e que está tudo dentro das normas nas condutas de gás que abastecem os moradores, que era a situação mais preocupante. Devido a isso quer o Restaurante Cervejaria Europa quer a Farmácia Porfírio poderam laborar, todo o dia, dentro da normalidade e sem problemas de maior. O senhor Paulo, gerente do restaurante, foi quem teve mais trabalho, ainda na sexta-feira, pois passou o resto da tarde em limpezas devido a alguma fuligem que lhe entrou porta adentro e também à água suja que lhe deixou a esplanada num estado caótico. Contudo, tudo ficou resolvido e ao final do dia já sabia que poderia voltar a abrir portas este sábado.

No rescaldo do incêndio também consegui saber que os 4 feridos ligeiros já se encontram bem e que nunca estiveram em perigo, na generalidade, a inalação de fumo foi a causa das assistências hospitalares. Também soube que todos os que não puderam regressar a suas casas foram realojados ou pela autarquia ou junto de familiares. Ficará a faltar tratar da cobertura de todo o edifício antes da chegada do próximo inverno.

Infelizmente não consegui descobrir para onde foi o senhor Manuel (nome fictício que usei para falar do ancião na habitação de quem, por descuido, se iniciou o fogo). Esse senhor é a pessoa que mais me preocupa, não apenas devido à idade, que já ultrapassou as oito décadas, mas principalmente porque deve estar bastante afetado com a tragédia que agora vive. Por ser fim de semana não consegui saber nada na Junta de Freguesia, contudo, penso que não terá sido descurada a sua situação.

Espero que continues a passar um bom fim de semana e até amanhã cara Berta. Recebe um beijo de despedida deste saudoso amigo,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta: As Aventuras de um Vagabundo no Hospital Egas Moniz em Tempos de Covid - Parte I / VII - Introito (Repetição)

Berta 167.jpg

Olá Berta,

Não sei se terás paciência para leres as aventuras de um vagabundo no Hospital Egas Moniz. É uma história que dividi em 7 cartas para não ser uma coisa chata e que conta alguns dos aspetos mais interessantes desta minha última passagem por um local que respeito bastante, embora deteste hospitais.

Quer isto dizer que se tivesse de escolher algum hospital no universo do meu conhecimento para ter de passar os 12 dias que passei internado escolheria sempre este. No geral gosto do pessoal que lá trabalha, desde os médicos até às senhoras da limpeza. Porém, antes de partir para o Egas Moniz, no dia 4 de abril, passei a minha primeira noite, numa maca, nas Urgências do Hospital São Francisco Xavier.

Para quem odeia ambientes hospitalares, como eu, não sei se desde o tempo em que, enquanto criança, o meu pai era o diretor do Hospital de Olhão, no Algarve, há muitos anos transformado em Centro de Saúde e extinto enquanto unidade hospitalar, ou se do tempo em que acordei de um coma, após a tropa, no ex-anexo militar de Campolide, que, na altura, fazia parte integrante do Hospital Militar da Estrela, onde passei mais 6 meses internado na Clínica de Neuropsiquiatria, no terceiro piso da instituição, confinado, num espaço gradeado, e sujeito à companhia dos casos mais críticos da guerra colonial… pois o tempo dilui as perceções.

Não sei, dizia eu, de qual destas situações vem o meu ódio hospitalar, mas sei, que as urgências do São Francisco Xavier são as mais aceitáveis, que conheço, até à presente data, principalmente se comparadas ao Hospital Amadora-Sintra, um local de causar arrepios e fazer crescer a barba a meninas de 7 anos.

Quis o destino que a minha maca ficasse estacionada bem perto das secretárias das enfermeiras, logo na entrada da sala das macas. A minha chegada fora registada pelos Bombeiros do Beato que, no caminho, tinham gentilmente, feito a minha ficha detalhadamente. Recebera a coleira amarela, quero dizer pulseira (a confusão prende-se com a ideia do cão que ferozmente me abocanhava a zona da barriga, onde se situa a vesícula). A localização era excelente. Do meu leito dominava toda a sala das macas, com vista privilegiada.

O espaço estava à cunha e, no entanto, ainda lá conseguiram enfiar, naquele dia, mais 3 camas móveis. Fiquei a saber que estava num Hospital, na altura considerado Covid positivo, por ter uma ala de casos confirmados com o Coronavírus. Embora cheio de dores (não entendo como é que uma vesícula pode doer tanto) constatei que foram muito eficazes comigo. Por ordem temporal: soro, médico, diagnóstico primário, análises, ecografia, diagnóstico final, teste ao Coronavírus. Dia seguinte: médico, resultado negativo de teste, ordem de transferência para o Hospital Egas Moniz, transferência atribulada (já te conto, minha amiga), entrada no segundo hospital, nova coleira, piso 5, Cirurgia Geral, cama 527, quarto de 4 pacientes, continuação de dieta zero, cama de canto.

Pelas 10 da manhã chegaram os bombeiros para me transferirem de hospital, infelizmente, acabei por não ir, depois de já estar dentro da ambulância. Perguntarás porquê, amiga Berta, bem… porque me queriam levar sentado pois tinham 4 pessoas para levar de um hospital para o outro e avaliaram, a olho, que eu aguentava a viagem. Eu, que só estabilizava a dor, na altura, em posição fetal, recusei fazer o percurso. Quando fui descoberto no corredor de saída das ambulâncias pelo meu médico, todo enrolado e cheio de dores, foram mandados embora e não voltaram mais para me vir buscar.

Às 4 da tarde o meu médico voltou-me a descobrir numa sala de espera qualquer, enrolado, mais uma vez, e cheio de dores. Fez um pé de vento. Finalmente, às 5 e meia da tarde dei entrada no Egas Moniz. Assim termino este primeiro de 7 capítulos da minha estadia hospitalar em tempo de Covid. Recebe, deste teu amigo um beijo virtual,

Gil Saraiva

Carta à Berta: Alegria Solidária em Campo de Ourique – 25 de ABRIL – Música para os Confinados

Berta 178.jpg

Olá Berta,

Tenho andado para aqui a meditar o que posso eu fazer, durante o feriado do 25 de Abril, para animar a malta no meu Bairro de Campo de Ourique. Porém, não penses que, quando utilizo o pronome “meu”, estou a tentar monopolizar um bairro que pertence a todos os que por cá passaram e aqueles que aqui vivem. Nada disso, é tanto meu como de todos os que acabei de referir, aliás, até é daqueles que por cá trabalham e nas nossas ruas fazem compras.

Lembrei-me de que podia ser engraçado pôr a tocar para a minha rua, a Francisco Metrass, músicas de outros tempos, principalmente em português, mas não só. Não possuo, contudo, grandes aparelhagens modernas de topo de gama, apesar disso, tenho uma antiga aparelhagem, com gira-discos, e uma coleção de mais de um milhar de discos de vinil. As colunas são grandes e o som não é mau de todo, julgo que poderá fazer chegar a musicalidade até uma boa extensão da rua. Achas a ideia interessante?

Seguidamente põe-se o problema do horário. A que horas começar a transmissão e a que horas terminar? Pensei que seria interessante iniciar algures entre o meio-dia e as 2 da tarde e terminar entre as 8 ou 9 da noite. Seria um dia diferente, sem grande preocupação de transmissão de mensagens políticas, contudo, com uma forte componente de solidariedade para com todos os que estão em casa.

A ideia em si parece-me agradável. Porém, como ainda estou com as dores provocadas pela minha vesícula, que ainda não tem data para ser operada, nem tenho a certeza se será viável. E se eu tiver uma crise mais forte durante essa tarde? Pois é, minha amiga, não sei bem o que fazer. O que achas do assunto? E se noutras ruas do bairro e outras pessoas pudessem fazer o mesmo? Seria um bairro inteiro a celebrar abril e a esperança de melhores dias. Era muito giro, mas será que é viável?

O que pensarão os outros habitantes da ideia? Haverá alguém que se importe e com condições de fazer o mesmo? Seria possível mandarmos uma mensagem solidária para todo o país? Provavelmente estou a sonhar alto. Muito alto. Não consigo sequer antever a reação dos outros habitantes do bairro. Será que a ideia era bem aceite? Ou, meia hora depois de começar, tinha a polícia à porta a mandar-me desligar a música?

Para mim, que passo metade do dia enjoado por causa da vesícula, embora com menos dores do que há uma semana, ia ser uma estopada das grandes, contudo, se trouxesse alegria a todos nós, acho que me faria mais bem do que mal. O que achas tu, amiga Berta?

Dá-me a tua opinião o mais rapidamente que puderes, pois faltam poucos dias para o 25 de abril. Despeço-me com um beijo franco,

Gil Saraiva

Carta à Berta: A Minha Rua no Bairro de Campo de Ourique: O Meu Regresso... - Parte II

Berta 161.JPG

Olá Berta,

Agora, neste instante, estou um pouco mais em baixo de forma do que antes, mas queria deixar-te o restante relato deste meu regresso à minha rua, a Francisco Metrass, no meu doce Bairro de Campo de Ourique. Com efeito, num caso normal, nunca me teria sido dada alta do hospital, porém, estes são tempos Covídeanos, totalmente diferentes dos anteriores. Nem na medicina os protocolos são os que já foram. Na maioria das situações as consequências são graves e severas.

O Covid-19 impede, pelo simples facto de existir, a realização de uma série de operações não intrusivas, que utilizem aerossóis ou sistemas avançados de lazer, entre outras coisas, pelo que consegui apurar. Como não és médica posso falar assim, se fosses, se calhar era já corrigido com mil e um detalhes técnicos. Contudo, o que importa mesmo é que a cirurgia moderna está, neste momento, amputada de muitos dos seus avanços.

Ontem, ao início da manhã, o meu médico, o diretor de cirurgia geral do hospital, o Doutor José Guerreiro, mandou, tal como tinha feito no dia anterior, retirarem-me mais sangue para se poderem efetuar novas análises de forma a determinar, entre outras coisas, como estavam os níveis da Proteína C Reativa, um palavrão que descobri estar relacionado com a gravidade da minha infeção na vesícula.

Achei giro o facto do homem me fazer lembrar, desde que o conheci, o meu pai, também ele um médico cirurgião cuja vida já terminou há bem mais de 2 décadas. Não sei bem o porquê. Talvez o ar concentrado e conhecedor com que fazia a sua regular apalpação da minha pança, detetando, antes de mim, onde eu ainda deveria ter dores e a respetiva intensidade das mesmas.

Por fim, a meio da tarde, veio, pela terceira vez, examinar-me e só depois me confrontou com os factos. O cuidado com que usou as palavras para que eu entendesse o que se passava chegou a ser enternecedor. Em termos muito simples explicou-me que a infeção estava tratada a 90%. Se fossem tempos normais eu poderia ser operado pela “técnica dos furinhos” e, daí a dias, estaria de volta a casa, totalmente curado.

Contudo, a atualidade, imposta pelo Covid-19, impedia esse processo e ele teria de regredir, voltando ao método intrusivo da facada, cujo processo, embora ainda eficaz, era de mais difícil recuperação pós-operatória e estenderia a minha estadia no hospital numa altura pouco recomendável, para uma pessoa que tinha acabado de passar por 9 AVCs e que apresentava bastantes problemas respiratórios, devido aos meus mais de 50 anos de fumador inveterado. Ele recomendava, por isso, o meu regresso a casa, com dieta rigorosa e continuação de tratamento, até os novos métodos cirúrgicos poderem voltar a ser usados.

Marcou-me uma consulta para dia 8 de maio, para poder reavaliar a situação na altura. Acedi de imediato. Por isso o meu regresso ao Bairro de Campo de Ourique, passou de uma miragem a um facto de efeitos imediatos. A minha alta hospitalar foi dada pouco mais de uma hora depois.

De calças e blusa interiores pretas, revestidas por um roupão bordeaux de algodão polar, com umas sapatas de pele de andar por casa, bem serranas, calçadas, entrei no táxi já artilhado pelas novas normas covídeanas. Banco de trás, devidamente separado do condutor por um novíssimo acrílico protetor.

Por fim, cheguei ao meu bairro, à minha rua e à minha porta. Estava eu aflito, entre dores, para tirar a chave para abrir a porta da rua, vejo vir a correr, do outro lado da estrada, na minha direção, a neta da minha vizinha do rés-do-chão, de chave na mão, pronta a ajudar-me a entrar.

Não havia o que duvidar, estava em Campo de Ourique. Perguntou-me se precisava de ajuda para subir os 3 andares. Agradeci, mas disse não ser necessário e ela partiu, de novo, depois de me ver entrar no prédio. Levei 8 minutos a chegar à porta de casa. Finalmente entrei, cansadíssimo, mas feliz, pois estava de regresso ao lar. Acaba aqui, no ato de fechar a porta, o meu regresso a porto seguro. Recebe um beijo deste teu amigo de sempre,

Gil Saraiva

Carta à Berta: A Minha Rua no Bairro de Campo de Ourique: O Meu Regresso... - Parte I

Berta 160.jpg

Olá Berta,

Minha muito querida amiga, estou de volta. Regressei a casa ontem, ao final do dia 14 de abril, finalmente. Retornei ao meu doce lar, na Rua Francisco Metrass, no meu amado Bairro de Campo de Ourique. Podes achar banal e pensar que voltar ao bairro após 12 dias de ausência é algo de pouco relevo e de somenos importância, mas estás totalmente equivocada.

Chegar aqui, para mim, é muito mais do que um simples retorno. É um regresso ao ninho, à segurança deste planalto feito de gente que me é querida, de pessoas que se importam com o vizinho do lado e que estiveram a torcer por mim, como se eu fosse seu familiar chegado. Sim, sim, não te iludas, aqui existe solidariedade, carinho, empatia, amizade e preocupação genuína pelo próximo.

Em Campo de Ourique também vivem os novos habitantes pomposos, desde que o bairro virou moda. É verdade, mas desses, mesmo desses, mais de metade já foi infetada beneficamente pelo espírito corrente. Os outros, salvo sempre as honrosas exceções dos cara-de-pau, também acabarão por ceder aos usos e costumes da minha aldeia, tão minha como de todos os que aqui habitam ou habitaram num passado mais ou menos remoto, mas para quem o sentimento de saudade não esmorece ou se perde na memória dos tempos.

Enfim, voltei, porém, não regressei curado. Dias haverá em que não terei condições de te escrever e por isso peço previamente todas as minhas antecipadas desculpas. Ter pedras a passear pela vesícula é como ter comigo, permanentemente, um cão com trela a morder-me o estômago, por baixo do plumão direito. Às vezes o cão abana a cabeça, como quem desafia o dono a fazê-lo largar o osso. Nessas alturas a dor é lancinante e eu mal consigo ver, quanto mais escrever. Não voltei operado e a culpa é do Covid, mas amanhã explico porquê.

Contudo, existirão outras ocasiões em que, graças aos anti-inflamatórios, antibióticos e analgésicos, o cão ou dorme ou apenas morde de leve o osso, ou ainda somente se passeia preso pela trela. São estes os momentos em que te redigirei as cartas referentes aos dias que fiquei sem te escrever. Pela descrição de cada carta entenderás, pela data, a que dia me refiro.

Conjuntamente, irei mandando as cartas referentes aos dias atuais, esperando que tenhas paciência de leres mais do que uma carta por dia. Não leves, por favor, minha amiga, a mal o meu uso de algumas piadas, se bem que nem todas terão graça, de ironia ou sarcasmo, mas eu sou mesmo assim. Até sobre o que me acontece nunca consigo deixar de utilizar o humor como arma do meu teimoso otimismo. Em resumo, voltei ferido de asa, mas com uma tremenda vontade de voar. A ti, minha amiga, o meu obrigado pela amizade que sempre mantiveste viva.

Na carta de amanhã explicar-te-ei porque não voltei curado. Mas temos tempo, se continuares disposta a ler-me e a escutar as vivências e observações deste teu amigo, despeço-me com um terno beijo,

Gil Saraiva

Carta à Berta: A Minha Rua no Bairro de Campo de Ourique: A Minha Saída - Os Detalhes do Absurdo - Parte II

Berta 164.jpg

Olá Berta,

Aqui estou eu para continuar o relato dos detalhes do absurdo da saída da minha rua no bairro de Campo de Ourique. Ontem fiquei a narrativa no momento em que fui informado que ninguém me viria buscar, lembras-te? Pois é, porém eu não desisto facilmente.

Para alguém com dores fortíssimas de estômago levar um murro daqueles era obra. Senti uma verdadeira pedra a ocupar-me toda a minha pança ou bandulho. O homem sugerira que apanhasse um táxi e fosse para o hospital. Era de malucos… eu não conseguia dar 3 passos a direito sem me encolher todo. Finalmente, depois de me escutar, lá achou que talvez eu pudesse chamar os bombeiros. Palavra de honra que aquele talvez, mexeu-me com os neurónios e com a minha dor. Agora parecia que a barra de dor era de aço inoxidável, inadvertidamente comecei a gemer que nem girafa a parir uma cria.

Ao me ouvir ganir o homem lá se decidiu a mandar-me ligar para os bombeiros. Terminada a chamada tive que arranjar um canto onde me encolher por alguns minutos. O raio da dor ocupava naquele momento 4 quintos do meu cérebro. Estive em posição fetal mais uns bons 15 minutos. Finalmente, com esforço, marquei o número dos bombeiros, a pensar que a minha espera chegara ao fim. Tudo aquilo era demasiado surreal para estar a acontecer.

A senhora que me atendeu foi muito simpática e depois de me ouvir, disse-me para aguardar em linha, pois tinha que ligar para o INEM. Achei aquilo surreal. Se eu lhe tinha acabado de informar que o INEM é que me mandara ligar para eles… tudo bem, dizia a voz feminina, porém, ela tinha mesmo que confirmar. Fazia tudo parte das novas regras. Tinha que ter paciência.

Finalmente, a resposta chegou. Não, o INEM não concordava comigo, pelo que não me poderiam vir buscar. Foi a primeira vez que o palavrão saiu. Era forte, gutural, profundo e trazia imensa revolta com ele. Desliguei e tornei ao 112, quem me atendeu reconheceu-me e informou-me que não iria passar ao INEM, afinal eu já sabia a objeção e desligou.

A tarde chegou e eu sem conseguir transporte, foi uma verdadeira batalha. Não! Batalhas. A cada derrota, dependendo do meu nível de dor, eu tinha que deixar o meu coeficiente de dor acalmar, como quem lambe as feridas da derrota, antes de partir para outra. Estava a chegar a um grau de desespero que se tornava insuportável.

Por hoje, fico-me por aqui, despeço-me com um beijinho amigo de amizade, o mesmo de todos os dias e sempre à tua disposição, com muita alegria no coração, pleno de saudades,

Gil Saraiva

Carta à Berta: A Minha Rua no Bairro de Campo de Ourique: A Minha Saída...

Gil Saraiva.JPG

Olá Berta,

Continuo hoje o tema de: “A Minha Rua no Bairro de Campo de Ourique”. Rua que amanhã vou ter de abandonar, embora muito contrariado. Para os que por cá continuam vai o meu conselho de que mantenham o maior confinamento que vos for possível. Arranjem maneira de sair o menos possível, coordenado a ida ao supermercado com a aquisição de pão ou a deslocação ao banco, evitando desse modo 3 ou 4 saídas por semana.

Assim sendo, hoje venho dizer-te, com grande tristeza minha, que não poderei escrever-te nos próximos dias. Quando puder tentarei compensar-te com as cartas em falta. Com efeito, estou doente, o problema dura há 3 dias e, finalmente, lá me decidi a ir ao hospital, eu que tenho um pavor genuíno a esse local e a batas brancas, o que é algo que me deixa terrivelmente afetado. Amanhã, pela manhã, darei entrada no hospital São Francisco Xavier.

O meu problema não tem relação com o Covid-19. Tem a ver com dores em barra numa zona no estomago e que pode bem vir a ser, a minha segunda crise de vesícula, ou uma outra infeção qualquer. Os últimos anos têm sido complicados. Há 3 anos uma pedra entupiu-me o canal biliar e só por insistência de um médico estagiário não bati a bota com uma septicémia. Levei 4 meses a recuperar porque o meu médico se esqueceu de me dar o devido tratamento para o fígado, que foi bastante afetado pelo contraste administrado na operação. O ano passado foi a vez do AVC, aliás, 9 no total, num espaço de 6 meses.

Anos antes, muitos até, tive 6 meses em coma, devido a um problema relacionado com a explosão de um petardo na tropa, coisa que foi muito bem abafada pelo exército na altura e que para além da baixa de serviço militar por incapacidade física me deixou um ano e pouco a lutar contra a imobilidade causada pelo acidente e um tempo idêntico a recuperar de um problema de recuperação da fala, depois disso, por 2 vezes, separados por anos, 2 cancros de pele, sendo que o primeiro foi bem mais grave que o segundo.

Em resumo, com alguns azares, e sendo eu um otimista nato, considero tive muito poucos problemas de saúde. No entanto, ir, no meio desta crise, para um hospital, onde provavelmente ficarei internado, ainda me deixa mais inquieto que o normal. Tenho consciência que o meu pavor a hospitais vem do meu internamento no anexo do hospital militar onde passei alguns, muitos, meses, no passado, foi aí que ganhei esta espécie de fobia. Porém, tempos especiais obrigam a procedimentos diferenciados. Não sei bem como, mas parece-me evidente que vou ter de arranjar uma forma de vencer o meu tolo pavor.

Enfim, amiga Berta, deseja-me sorte, vou precisar dela mais uma vez. Podes não acreditar, mas mesmo tendo saído de casa apenas por 4 vezes nos últimos 47 dias, já estou com saudades do meu bairro, da minha rua e da minha casa. Deixo-te com um beijo saudoso, deste teu amigo de sempre,

Gil Saraiva

Carta à Berta: A Minha Rua no Bairro de Campo de Ourique: Pingo Doce

Berta 155.JPG

Olá Berta,

Estou a pensar em ti, “yéh, yéh, nanana, na yéh”! Desculpa lá a brincadeira, mas a música da “olá nina” dos “Da Weasel” veio-me à cabeça. Continuando a saga de ontem, sobre a minha rua no Bairro de Campo de Ourique, chega hoje a vez de falar do Pingo Doce, pertencente ao Grupo Jerónimo Martins, depois da carta passada ter sido dedicada ao Go Natural da Sonae.

Ouvi na televisão o nosso primeiro-ministro chamar de inadmissível e repugnante a atitude dos líderes holandeses, na reunião dos dirigentes governamentais europeus, pela forma como estas cabeças que, para além de serem contra a mutualização da dívida dos países na Europa, e opondo-se à criação dos chamados “eurobonds” (uma forma de dividir igual e solidariamente por todos a despesa conjunta no confronto com o coronavírus), ainda tinham referido que o importante era inspecionar o modo como Espanha estava a gerir o dinheiro. Ouvi e gostei. A expressão repugnante de António Costa se pecou por alguma coisa foi apenas por contenção.

De realçar que se tratou de uma observação deveras grotesca perante a realidade atual. Depois disso, começo a pensar que está na altura da Galp, a Jerónimo Martins e todas as empresas do PSI-20 da Bolsa Nacional abandonarem os holandeses à sua sorte e regressarem a Portugal, mesmo que, para isso, tenham de pagar alguns impostos a mais.

Questiono-me se a honra e a decência são coisas a que se possa atribuir um preço de mercado, ou seja, estará, hoje em dia, a honra à venda? Estou a imaginar o mercado de ar livre chinês, de venda de alimentos e animais vivos e mortos, em Wuhan, onde (ao lado das bancadas de ratazanas peladas, de cobras, de cães e de gatos, cujo abate se faz ao vivo, de bidões a transbordar de morcegos mortos) poderiam existir bancas imaculadas com os representantes máximos de algumas empresas nacionais (como são os casos da Galp, da EDP, da EDP Renováveis, da REN, do Pingo Doce da Jerónimo Martins, do Grupo Sonae, dos CTT e da Navigator, entre outras mais) a vender honra, às postas, bem ao lado do pernil de cachorro ou do gatinho descabeçado pronto a ir para o forno.

É que, depois desta tomada de decisão, dos representantes holandeses e da sua total falta de respeito e solidariedade para com todos os europeus, eu não consigo entender como é que as principais empresas do nosso mercado bolsista conseguem manter a face, continuando sediados num país que mantém a descriminação dos povos do Sul da Europa. Não só demonstra falta de honra, como de total ausência de vergonha na cara. Se Costa, embora contido, esteve bem, os donos disto tudo mereciam uma lição idêntica de ética e moral por parte dos portugueses.

E se todos nós deixássemos de frequentar o Continente e o Pingo Doce e passássemos para o Minipreço ou para os pequenos mercados e simultaneamente trocássemos a Galp e a EDP pela Endesa ou a Iberdrola? Eu já o fiz, evito ao máximo que posso utilizar empresas com sede ou com os negócios a rodar pela Holanda, país que não é à toa que é chamado de Países Baixos, eles estão mesmo, abaixo de cão, e nem mesmo esta expressão é a mais feliz. Contudo, eu sou só um.

Se eu fosse político e tivesse a habilidade de Costa, a ponderação de Rui Rio, a garra de Catarina Martins, a teimosia de Jerónimo de Sousa, o impulso voluntário do Chicão e o descaramento arrogante de Ventura, talvez conseguisse criar um movimento que levasse os portugueses a agir nesse sentido, infelizmente, porém, sou apenas um jornalista e um escritor editado maioritariamente nas gavetas do meu escritório, enfim, um poeta, que, ainda por cima, está fora de moda nesta que é a era da imagem. É uma pena.

Pronto, acabo de reparar, que deixei a minha análise ao Pingo Doce para trás. Desculpa lá, Bertinha. A minha energia para refutar estas coisas absurdas fez-me desviar da finalidade desta carta. Mas regresso agora ao tema. Mais vale tarde do que nunca. A foto de hoje é uma montagem da Rua Francisco Metrass, onde podes ver bem a quantidade de gente que agora inunda a minha rua e só vês o Pingo Doce.

Mesmo fechando às 5 da tarde, este supermercado, continua a ser a principal referência de compras alimentares desta zona ou não fosse o eleito pela classe média para as aquisições gerais. Por isso mesmo é normal, agora que as pessoas não se podem acumular no interior, que a rua tenha decuplicado em indivíduos espalhados pelo passeio.

Fico até hesitante se hei de chamar filas ou bichas ao que vou vendo por aqui. Seriam filas se efetivamente todas as pessoas mantivessem os 2 metros da distância de segurança, conforme o recomendado pela DGS, contudo, partes há em que a proximidade é por demais evidente. Ora, nesse caso, talvez seja mais correto empregar o termo bichas, pois aquela gente parece realmente querer pegar de empurrão. O que te parece, minha amiga?

Sei que não é a melhor das imagens para terminar uma carta, mas fazer o quê? Aconteceu. Despeço-me carinhosamente. Se não aparecer nada mais urgente, nas próximas cartas falarei do Minipreço e da Farmácia Porfírio. Recebe um beijo sorridente do teu amigo,

Gil Saraiva

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

Em destaque no SAPO Blogs
pub