Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Carta à Berta

Carta à Berta é o local dos Desabafos de um Vagabundo, do Senhor da Bruma, essa bruma a que chamam de internet, de um Haragano, o Etéreo, qual cavalo selvagem que galopa entre cartas alegadamente, quiçá, sem fundamentos.

Carta à Berta é o local dos Desabafos de um Vagabundo, do Senhor da Bruma, essa bruma a que chamam de internet, de um Haragano, o Etéreo, qual cavalo selvagem que galopa entre cartas alegadamente, quiçá, sem fundamentos.

Carta à Berta: Sócrates e a Nova Maioria Silenciosa

Berta 519.jpg

Olá Berta,

Não sei se já te chegou aos ouvidos, mas há quem defenda que há uma nova “Maioria Silenciosa” em Portugal, em crescendo. Provavelmente tu nunca ouviste falar da “Maioria Silenciosa”, mas eu, que estava a pouco mais de um mês de fazer 13 anos, ainda me recordo bem, talvez por ter vivido no seio de uma família que seguia de perto os acontecimentos políticos do país, como os tinha seguido antes do 25 de abril e como o continuou a fazer depois disso.

Porém, sendo tu uns anos mais nova do que eu, talvez não tenhas dado pelo evento. A dita maioria da altura tentava apoiar o General Spínola, o então Presidente da República, a fazer uma viragem à direita. O apoio nuclear vinha de antigos elementos do antigo regime, principalmente antigos membros da Legião Portuguesa, da ala militar mais conservadora do MFA e de um conjunto substancial de dirigentes dos partidos políticos ligados à direita do espectro político, entre eles, muitos elementos do PP/MFP (Partido do Progresso / Movimento Federalista Português), do PDC (Partido da Democracia Cristã) e do PL (Partido Liberal).

A intenção era gerar uma Manifestação da chamada “Maioria Silenciosa” no dia 28 de setembro de 1974, de apoio a um novo rumar político, com Spínola, à direita. Um golpe travado por Otelo Saraiva de Carvalho, que viria a colocar o General Costa Gomes na presidência e Vasco Gonçalves no lugar de Primeiro-Ministro. É a mudança do Primeiro PREC (Processo Revolucionário em Curso), com a ala direita da Revolução a tentar consolidar o poder, para o segundo PREC com os comunistas a instalarem-se na liderança do país, com unhas e dentes.

Há quem diga que os Estados Unidos da América estavam por detrás do apoio a Spínola (pois queriam evitar um regime comunista em Portugal) e que o nome da “Maioria Silenciosa” era uma inspiração vinda do Presidente Nixon, que a usara pela primeira vez para designar a parcela do povo americano que, segundo ele, o apoiaria na sua política da guerra no Vietnam, algo que historicamente nunca ficou provado existir na realidade. Nixon pediu a demissão em agosto de 1974 sendo substituído por Gerald Ford, quando a organização da “Manifestação da Maioria Silenciosa” em Portugal estava em marcha.

Mas, voltando ao rumor desta nova “Maioria Silenciosa” existente no país, agora, ela tem tudo a ver com os apoiantes declarados (poucos na atualidade) e os outros ocultos (muitos, segundo o rumor) de José Sócrates, que, tendo-lhe dado em eleições a única maioria absoluta que o Partido Socialista já teve em legislativas, nunca engoliram a tese do bandido preso em direto na televisão. Pela primeira vez, trata-se de um silêncio do centro e da esquerda moderada, gente que deixou de se pronunciar, para não ser alvo do populismo crescente dos últimos sete anos.

Ora, quem lê ou escuta os comentadores e analistas políticos na comunicação social em Portugal, não encontra sequer vestígios de que tal maioria possa existir. Segundo eles o povo está, na sua quase totalidade, contra o ex-Primeiro-Ministro, José Sócrates. Nem Miguel Guedes, que em agosto de 2020 falava de uma “Nova Maioria Silenciosa”, a identificava com o renascer deste político.

Todavia, há quem ache que aqueles que clamam e se revoltam contra o juiz Ivo Rosa, mais os que se indignam da pronúncia do mesmo relativamente à instrução do processo para julgamento da Operação Marquês, que fazem vergonhosas petições online, não passam de uma minoria barulhenta de gente de direita.

Há quem reforce que a estes se juntaram muitos dos intelectuais, pensadores e analistas míopes de uma esquerda ressabiada, associados aos populistas crescentes das “fake news”, das teorias da conspiração e do “novo riquismo pseudo-salazarista do passismo iluminado” de Passos Coelho, que provocou a queda do último governo de Sócrates, num passado, não assim tão remoto, como agora nos parece ser, mas que ainda está bem presente na memória dos que sofreram com os anos da austeridade imposta sob a bitola da ameaça e do medo.

Para os defensores desta dita “Maioria Silenciosa” os críticos de Sócrates são os analistas ingénuos, os políticos rivais, os crentes nas versões tabloides do “Correio da Manhã” e das teorias conspirativas de Manuela Moura Guedes, associados aos populistas e ao povo que ainda acredita nos noticiários.

Pessoalmente, minha querida amiga Berta, eu estou como São Tomé no meio de toda esta história. Por outras palavras, preciso de ver para crer. Se, daqui para a frente for visível um movimento crescente de apoio a José Sócrates, se daqui a cinco anos, em 2026, ele for candidato a Presidente da República e se ganhar a eleição (coisa que hoje penso ser inverosímil) eu juro que dou a mão à palmatória.

Até lá, ficarei instalado na primeira fila, pronto para acompanhar o espetáculo, a ver o renascer da Fénix Política na pessoa de Sócrates (situação da qual me afasto, enquanto crente ou defensor de tal ideia). Se a dita terceira “Maioria Silenciosa” existir (coisa que se provou ser falsa nas duas primeiras vezes), cá estarei para dar razão aos defensores deste milagre político português. Porém, até lá, conforme já referi, por muito que eu não goste do populismo em voga, dos analistas de sofá, dos tabloides com agenda política, dos acéfalos pseudointelectuais, dos linchadores de trazer por casa, dos alimentadores de “fake news”, dos políticos de direita assanhados e dos de esquerda acomodados no status quo das conveniências, ficarei pacientemente à espera de ver tão inacreditável resultado.

Se hoje trouxe o assunto a esta carta, minha amiga, foi para que não se diga no futuro que não dei pelo fenómeno, quer ele seja real ou apenas uma vontade de alguns socráticos. Por hoje é tudo, recebe um beijo deste teu amigo,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta: Memórias de Haragano - A Revolução Começa na Cama - Parte VII

Berta - 187.jpg

Olá Berta,

Com que então tens-te divertido com as minhas antigas viagens entre a cama e o computador. Pelo menos, enquanto faço esta repescagem, já não me lês a falar de pandemia, de coronavírus, de óbitos, de Donald Trump, André Ventura ou Bolsa-aí, digo, Bolsonaro, ou do raio da palavra feminina “doença” que, por o ser, me querem convencer que a palavra Covid também se deve ler como um termo feminino. Não é nada disso. Não concordo em absoluto.

Recuso-me mesmo a aceitar. Não, não e não. Aliás, Sarampo é uma doença altamente contagiosa causada pelo vírus do sarampo e não dizemos a Sarampo só por estarmos a falar da doença. Essa agora. A palavra cancro, designa quer o tumor (masculino) como a doença (feminina), mas sempre dizemos o cancro, para ambos os casos. Teimo que a doença provocada pelo cororavírus da Síndrome Respiratória Aguda Grave 2 (SARS-CoV-2), deve e pode ser uma palavra masculina, o Covid-19.

Mas é melhor regressarmos, sem mais demora, à minha revolução. Bem pacífica, por sinal. Nela, todas as pessoas sobrevivem, ninguém sai doente de cena. Afinal, é sobre a revolução, e onde se inicia, que esta carta segue a saga, por isso mesmo, e para já, a minha teima terá de ficar de lado, reservada para um dia mais erudito, em que a temática da língua e das palavras esteja em cima da mesa. Assim:

Memórias de Haragano: A Revolução Começa na Cama – Parte VII

“Há mais coisas do mesmo género da caixa do correio com as quais tenho o mesmo tipo de relação visceral. É o caso do meu correio eletrónico que, todos os dias, recebe mensagens de vendedores de viagra, da Autoridade Tributária ou dos Dadores de Sangue e Companhia (não tenho nada contra os dadores, mas eu não posso doar sangue, infelizmente). Não entendo a insistência e irrita-me. Já sobre as minhas potencialidades e virilidade gosto de manter a situação privada, quanto à AT prefiro distância, até porque me tem sido difícil evitar não ter problemas com eles e no que concerne aos dadores abomino o tipo de abordagem, fazem-me sempre lembrar uma música do Zeca, lembras-te, Berta? <<Os Vampiros>>.

Outros temas para os quais já não há paciência: Primeiros-Ministros, bem como outros altos políticos, com casos de corrupção em tribunal. Incomoda-me o facto de se atirar com alguém para a cruz sem culpa formada, por isso não me peçam para ser eu a pôr os pregos; Também não dou para ressuscitar antigos Presidentes da República, com vocação para pastores de cabras, que saem das catacumbas para anunciar sábios e doutos bitaites. Digo sempre o mesmo: quem? Como? Quando? Onde? Porquê? Fiz mal a alguém, eu? Em resumo, e como não me resta mais nenhuma alternativa, mudo imediatamente de tema.

Porém, há outras situações ou coisas que, com um pequeno toque, ficariam aceitáveis. Dou o exemplo de certos comentadores desportivos e ou políticos que podiam ser perfeitamente reaproveitados para um repescar da série Morangos com Açúcar, bastava acrescentar, os Anos Dourados ou Brancos, que iria ser um êxito de audiência. Estou a pensar em Paulo Portas, Luís Filipe Meneses, Marques Mendes, Fernando Seara, Santana Lopes, enfim, a lista é infindável. Marques Mendes, por ser pequenino e, que se saiba, não ser bailarino, podia fazer o papel do velhaco da trama, ajudado, na sombra, pelo dissimulado José Miguel Júdice.”

Se fossem hoje, esses Morangos com Açúcar podiam ainda ter esses e outros intervenientes notáveis, como o viperino André Ventura, o santo incontestável José Sócrates, cujo único crime se baseia nas suas fortes e duradouras amizades, e talvez repescar, de outros setores bem próximos, gente como Joacine Katar Moreira, Ana Drago, Joana Amaral Dias e Ana Gomes.

Como estou a enviar-te, minha amiga, estas recordações aos bocadinhos, por favor, não te zangues se, às vezes, um tema específico passar de uma carta para a outra, pois pode acontecer, mesmo que por mera disposição dos textos selecionados para cada carta.

O que importa aqui é dar-te uma ideia da mente humana que, numa simples análise pessoal e em privado, no seu mundo exclusivo de pensamentos e raciocínios, pode ser bem diferente daquela que observamos em contexto social e comunitário, pese embora se trate, no fundo, da mesmíssima mente. Apesar de tudo, é engraçado constatar como um simples habitante da aldeia lisboeta de Campo de Ourique, pode ter, em si mesmo, realidades tão distintas no que ao seu comportamento diz respeito, como se calhar, é bem provável, que o mesmo possa acontecer com todos os outros residentes do bairro, da cidade ou do país. Pensa nisso. Por hoje é tudo. Despede-se este teu amigo com um beijo franco,

Gil Saraiva

 

 

Carta à Berta: O Peso do Dinheiro de Sócrates

500 mil euros.jpg

Olá Berta,

Nem te pergunto como estás porque isso, aliás, é o tenho feito todos os dias e a coisa ainda vira exagero. Eu por aqui continuo satisfeito a gozar esta época saudável, que parece ter regressado para ficar, depois das chatices que tive até junho passado.

Não sei se tens acompanhado toda a saga do ex-primeiro-ministro José Sócrates que, desde que voltou a ser chamado a testemunhar pelo juiz Ivo Rosa, regressou às primeiras páginas dos jornais, aos noticiários das rádios e às reportagens televisivas.

Provavelmente fizeste como eu, não leste, ouviste ou viste nem um quinto do alarido à volta da Operação Marquês. Fizeste bem. Diga-se, de passagem, que a continua exposição mediática do caso começa a jogar a favor do principal arguido em vez de o prejudicar.

A malta começa a ficar farta. Ainda por cima à medida que vamos tomando conhecimento da inexistência de provas cabais e demonstrativas da acusação proferida pelo Ministério Público. Caramba! Mas não haverá um raio de um papel que prove, de uma vez por todas, que o político meteu a mão na massa e que, por isso mesmo, é culpado dos 31 crimes de que é acusado? Como é que se acusa alguém, num país onde o enriquecimento elícito não é crime, sem ter na mão os papeis, fotografias ou gravações com provas?

Não consigo entender que tudo, pelo menos até ao momento, não passem de deduções, explicações elaboradas do que possivelmente aconteceu, acusação do homem ter andado com muito dinheiro, que não poderia de forma alguma ser seu, e, por isso mesmo, só poder ser fruto de corrupção, mas, e lá vem sempre a porcaria do mas, sem o conseguirem demonstrar com provas irrefutáveis e absolutas, para que não fique nenhuma dúvida.

Tu entendes uma coisa assim? Eu não e juro-te que também, como tu, não sou parvo nenhum. É que, quando o acusado diz que tem um amigo que lhe dá milhões, por mais que isso nos custe a engolir, não há lei que o impeça de o fazer.

Talvez se enriquecer sem explicação fosse crime já o caso estivesse arrumado, porém, minha querida Berta, isso é coisa que não convém ao Estado colocar no papel, passando essa prática a ser crime perante a lei. O resultado seria trágico para muita gente, neste país, que vive milionariamente, sem razão aparente que justifique essa vida e onde, infelizmente, muitos deles circulam nos corredores do poder.

Se os investigadores da Polícia Judiciária, e o Ministério Público, tivessem e pudessem investigar todos os milionários de Portugal, quantos achas tu que conseguiriam justificar cada cêntimo que detêm? Uns 20 porcento? Talvez menos? Eu também não sei. Todavia, espero ansiosamente pelo dia em que um Governo tenha a coragem de mudar a lei.

Até lá, ou arranjam as tais provas cabais ou está tudo muito complicado, quer para os investigadores, quer para o Ministério Público.

Outra coisa que me irrita, é a forma como se criticam as declarações de José Sócrates, nos debates e nos programas de comentário político, na televisão. Vi gente, e por alguns deles eu nutro um enorme respeito (principalmente pela sensatez daquilo que dizem e pela forma clara e ponderada com que o fazem), pôr em causa os 5 milhões que Sócrates teria em casa (os tais que alega terem sido herdados pela mãe), com base no volume do dinheiro e na dimensão que um cofre caseiro teria de ter para guardar tal fortuna. Mas esta gente deu-se ao trabalho de investigar o volume e o peso de 5 milhões de euros em notas de 500 euros?

É por estas e por outras que o ex-primeiro-ministro, mesmo que seja efetivamente culpado, vai passando por entre os pingos da chuva sem se molhar.

Primeiro temos a obrigação de tentar perceber se algo é absurdo antes de fazermos a afirmação de que o é, apenas e só, porque não temos a mínima noção das proporções, medidas e pesos em causa, numa coisa que nem é difícil de investigar. Revolta-me o desleixo com que, quem tem a seu cargo o comentário político e sério, trata matérias importantes e relevantes, para consolidar as coisas que afirma. Na ignorância de algo, só existem 2 maneiras de se resolver o problema: investigar devidamente ou não falar no assunto.

Não é correto cuspir verborreia sem se ter qualquer ideia sobre o que se fala. Essa é a hipótese que nunca deveria chegar ao comentário político. Por isso mesmo, e para não passar por estúpido, como muitos outros, resolvi investigar. Garanto que fiquei admirado com o que descobri.

Afinal, 5 milhões em notas de 500 euros, cabem numa malinha que tenha 58 centímetros de comprimento, por 48 de largura e apenas 20 centímetros de altura, ou seja, qualquer cofrezinho caseiro, mediano, de gente abastada, suporta, com algum conforto, a verba em causa. Quanto ao peso, tudo se torna ainda mais ridículo, 8 quilogramas, sem tirar nem pôr. Apenas 8. O que quer dizer que 5 milhões de euros só pesam pelo trabalho e esforço que custam quando se trata de os ganhar. Nada mais.

Para poderes ter uma ideia, minha amiga, mando-te uma fotografia com esta carta, que ilustra o volume e peso de 500 mil euros. Despeço-me saudosamente com um beijo, deste teu confidente de sempre,

Gil Saraiva

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

Em destaque no SAPO Blogs
pub