Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Carta à Berta

Carta à Berta é o local dos Desabafos de um Vagabundo, do Senhor da Bruma, essa bruma a que chamam de internet, de um Haragano, o Etéreo, qual cavalo selvagem que galopa entre cartas alegadamente, quiçá, sem fundamentos.

Carta à Berta é o local dos Desabafos de um Vagabundo, do Senhor da Bruma, essa bruma a que chamam de internet, de um Haragano, o Etéreo, qual cavalo selvagem que galopa entre cartas alegadamente, quiçá, sem fundamentos.

Carta à Berta: É Natal!

Berta 425.jpg

Olá Berta,

É Natal! Um Natal diferente, anómalo, estranho, sem os abraços nem beijos, pelo menos na diversidade e multiplicidade de troca de mimos habituais nesta época dos afagos, da paz e dos carinhos em que o amor está no ar e em que até os malandros e malfeitores costumam dar alguma trégua às suas vítimas.

O Papa, no seu papel de líder religioso, envia mensagens de fraternidade aos católicos e a todo o globo e apela ao mundo e aos países ricos e desenvolvidos para que a vacina, como o Sol, seja para todos.

O senão, o grande equívoco, é o convidado penetra, o Sars-Cov-2, mais conhecido por Coronavírus, que aparece, aqui e ali, sem ser convidado. Só a sua existência já obrigou as famílias a uma repartição por núcleos mais pequenos, com menor número de familiares reunidos debaixo do mesmo teto, tentando, com esse sacrifício, manter o estranho longe das suas residências.

Mesmo para quem não é católico a época do Natal tornou-se num tempo de paz, de tolerância e de cessar-fogo, em muitos casos até de celebração e reunião familiar mesmo que sem o caráter religioso que a celebração implica para os católicos. Por isso o Pai Natal, os gnomos, as renas e a Árvore de Natal ganharam relevância no mundo moderno. Celebra-se a festa da família com ou sem a conotação dos crentes.

É por isso mesmo que os meus votos de um Feliz Natal, minha querida amiga Berta, vão não só para ti como para todos os que nesta época celebram e festejam a harmonia e o desejo de um mundo melhor. Recebe um beijo carinhoso, se bem que virtual, deste teu grande amigo, sempre solidário e ao dispor,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta: Série: Quadras Populares Sujeitas a Tema - 5) Violência Doméstica

Berta 98.jpg

Olá Berta,

Hoje estou bem mais calmo. Já me passou a neura benfiquista. Por outro lado, este país continua, admiravelmente, a escapar, por entre os pingos da chuva, como se não fosse nada com ele, às maleitas do nosso mundo. Só mesmo por milagre é que se justifica ainda não termos infetados com o coronavírus, em Portugal. Basta pensar que só a região de Lisboa tem, por dia, em média, mais de 1200 novos turistas chineses. Ora, este número tão expressivo deveria constituir uma verdadeira ameaça no que concerne à propagação do vírus, mas não. Cá continuamos nós, alérgicos ao coronavírus, sem que a maleita nos invada a todo o gás.

Só de pensar no caos que é o aeroporto de Lisboa, me dão arrepios espinha abaixo se, valha-nos Nossa Senhora de Fátima (dirão os católicos), a pandemia chegar até ao nosso amado burgo. Por muito alerta que exista por parte das autoridades de saúde, uma chegada do vírus, via aeroporto, dificilmente seria travada e contida em tempo útil. Porquê? Porque simplesmente não existem condições. Em termos de ranking ocidental estamos em primeiro lugar e em terceiro, na lista dos piores aeroportos.

Acho que o que nos tem valido são as despistagens feitas nas partidas dos passageiros, principalmente os chineses, que para cá se deslocam.

Considero, muito sinceramente, que estamos perante uma bomba relógio. Ainda não aconteceu cá chegar um caso daqueles em que o vírus, na fase de incubação, não é detetado na origem, à saída. Quanto tempo durará essa sorte? Terá a Nossa Senhora mudado de poiso para os nossos aeroportos? Não vejo outra explicação e nem sequer sou crente.

Bem, pondo isso de lado e falando do teu desafio. O próximo assunto que escolheste para as quadras sujeitas a tema está mesmo na ordem do dia. Eu, não só consegui fazer a quadra, como tenho a certeza que se, as penas aplicadas aos prevaricadores pelos juízes, seguissem o meu conselho, quase que deixaríamos de ter violência doméstica em Portugal.

Série: Quadras Populares Sujeitas a Tema - 5) Violência Doméstica.

 

Violência Doméstica

 

Não devia ter casado.

Quem, na mulher, bate, em casa,

Talvez se fosse castrado,

Perdesse força na asa…

 

Gil Saraiva

 

Com mais este desafio superado me despeço, deixo-te um beijo saudoso e amigo, como sempre é meu hábito quando te digo até à próxima, o mesmo de sempre,

Gil Saraiva

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

Em destaque no SAPO Blogs
pub