Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Carta à Berta

Carta à Berta é o local dos Desabafos de um Vagabundo, do Senhor da Bruma, essa bruma a que chamam de internet, de um Haragano, o Etéreo, qual cavalo selvagem que galopa entre cartas alegadamente, quiçá, sem fundamentos.

Carta à Berta é o local dos Desabafos de um Vagabundo, do Senhor da Bruma, essa bruma a que chamam de internet, de um Haragano, o Etéreo, qual cavalo selvagem que galopa entre cartas alegadamente, quiçá, sem fundamentos.

Carta à Berta: O Que Se Passa em Campo de Ourique - Entrevistas à Mesa do Café - II - Vitor Sarameco - O Homem da Bicicleta - Parte II

Berta 530.JPG

Olá Berta,

Termino hoje a entrevista ao “Homem da Bicicleta”, sob o tema “O Que Se Passa Em Campo de Ourique” que denominei de “Entrevistas à Mesa do Café”, ou seja, a entrevista ao senhor Vitor Manuel Fontes Rodrigues, vulgo Sarameco. Esta segunda e última parte decorreu na esplanada da pastelaria “AZ de Comer”.

Tenho a certeza que não foi o facto do Vitor ser do signo de Touro que o fez ganhar uma outra alcunha, esta durante os cinco ou seis anos em que passou pelos Bombeiros Voluntários de Campo de Ourique, mas sim a destreza demonstrada durante os primeiros treinos da sua formação profissional enquanto bombeiro.

A destreza, rapidez e à vontade férrea de provar que estava à altura do desafio, tudo junto, somado à impressionante agilidade com que atravessava telhados, trepava andaimes ou emaranhava pelas paredes fizeram-no ganhar o cognome de Tarzan.

Nos comentários que li nos grupos de Campo de Ourique, a quando da publicação da primeira parte desta carta, houve bombeiros a lembrar o grande trepador como se as coisas se tivessem passado ontem. Achei delicioso o carinho com que ainda é recordado nos Bombeiros de Campo de Ourique. Só quem é boa gente deixa um registo positivo por onde passa, eu acho.

Mas, voltando à entrevista, tratemos de esclarecer o que faz o Tarzan de Campo de Ourique. Conforme já tinha informado o senhor Vitor é aquilo a que se costuma chamar de um “faz-tudo”, mas o que é tudo? Foi essa a pergunta que lhe dirigi. Como resposta fiquei a saber que pode ajudar numa mudança, se faltar força de braços à transportadora, que é pintor, que coloca mosaicos e vários tipos de chão, que efetua trabalhos de pedreiro, aplicação de tijolo e rebocos, que trata de diversos problemas ligados à canalização, esgotos ou até de eletricidade.

Mas pode fazer mais, se alguém precisar de mandar algo pelo correio, se necessitar de levantar e transportar umas compras do supermercado ou da mercearia, de aviar uma receita, de ir buscar ou levar coisas à lavandaria e por aí fora, o amigo Vitor faz o serviço. Não tem preço, mas diz que é barato. É o que a pessoa puder e quiser pagar, foi o que eu entendi sobre o tema. Basta ligar para o 911 75 80 86 e combinar com o Vitor.

Aliás, a bicicleta só funciona quando não está a trabalhar ou quando a usa para fazer esse tipo de recados e isso durante o dia. Afinal, esse ímpeto de ciclista já celebrou vinte anos de atividade. É, segundo me afirmou, uma grande paixão, pedalar e ir deixando música por onde passa. A bicicleta só para por avaria ou nos períodos de dois ou três meses em que se encontra fora do país, em trabalho, enquanto trabalhador emigrante.

O Vitor emigrante já fez um pouco de tudo. Apanha de pimentos e outros vegetais, apanha de fruta, trabalho na indústria dos frangos e na construção civil. “- É o que vier, a gente não escolhe, é o que vier.” Afirma, quando interrogado e acrescenta: “- Nos últimos anos já estive em Maiorca, noutras partes de Espanha, em França, na Alemanha, em Itália, na Bélgica (já lhe disse que tenho 2 filhos em Antuérpia) e em Inglaterra, haja trabalho, e eu saiba, e lá vou eu.”

Agora, aos 58 anos, a bicicleta já lhe pesa nas pernas. A que usa foi ele que a arranjou. Foi um senhor, a quem fez umas pinturas na casa, que lhe a deu, avariada, mas recuperável. Porém, é muito pesada e as pernas ressentem-se. O atual autorrádio que usa não tem “pen drive” e atualmente só consegue usar o rádio.

Quando lhe perguntei como vai fazer para continuar ele sorriu e disse-me que ainda tem três sonhos na vida e que acredita que vai conseguir chegar a todos eles, porque tem fé, muita fé. Os sonhos do Vitor “Sarameco Tarzan” Rodrigues são simples e apenas três.

Primeiro: Arranjar uma bicicleta mais leve e se possível com mudanças.

Segundo: Arrumar um autorrádio que tenha entrada para colocar uma “pen drive”, que possa tocar muitas músicas de seguida (eu já lhe gravei uma “pen” com quase mil canções portuguesas).

Terceiro: Conseguir voltar a ter o amor e o carinho de uma mulher, que o queira como companheiro e a quem ele possa amar, para poder atravessar com ela a velhice, ou seja, o Vitor procura uma esposa.

“- Como o Gil sabe bem eu já não sou novo, nem para novo vou. É muito triste envelhecer sozinho, muito triste.”

Pois é, amiga Berta, desejos simples de uma pessoa simples, transparente e, no meu entender, pura, como a generalidade do nosso povo. Oxalá ele arranje a bicicleta e o rádio mais a companheira para o resto da vida. Oxalá. No rádio e na bicicleta talvez esta carta o possa ajudar, já no campo do amor... isso são contas de outro rosário. Espero que o Vitor tenha sorte nessas coisas do coração. E assim termino, com estes votos, a entrevista sobre o Sarameco Tarzan de Campo de Ourique. Com um beijo me despeço de ti, minha querida Berta, até à próxima carta, este teu amigo do coração,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta: O Que Se Passa em Campo de Ourique - Entrevistas à Mesa do Café - II - Vitor Sarameco - O Homem da Bicicleta - Parte I

Berta 529.JPG

Olá Berta,

Continuando a falar sobre “O Que Se Passa Em Campo de Ourique” na rúbrica que denominei de “Entrevistas à Mesa do Café”, resolvi entrevistar o “Homem da Bicicleta”, o senhor Vitor Manuel Fontes Rodrigues, vulgo Sarameco. Afinal, falei-te nele, por duas vezes, sem muito saber sobre a pessoa que circula, já lá vão vinte anos, no bairro, de bicicleta, dando música a quem o quer escutar.

Esta entrevista que realizei com o “Homem da Bicicleta” foi longa, divertida e esclarecedora sobre quem é esta personagem que conquistou o coração de todo o bairro. Daí advém o facto de ter de a dividir em duas partes para que não se torne demasiado longa. Vamos à primeira parte:

Sentámo-nos na esplanada do AZ de Comer. Pedi uma Superbock para mim e outra para ele. O homem tinha começado por pedir uma mini, porém, quando lhe disse que era meu convidado, optou pela Superbock normal. Sorri. Alegre, como sempre, o Vitor tinha alguns esclarecimentos para me fazer que considerava serem importantes.

Um amigo tinha-lhe mostrado as duas cartas que te escrevi e que publicara, sobre ele, no Facebook. Ora, ele fazia questão de me informar que não se chamava Victor com “c”, com a gente fina, mas sim Vitor sem “c”, como era normal entre a gente do povo, como ele, que não precisava do nome escrito à francesa.

Quanto à alcunha de “Sarameco”, ela nascera no tempo em que, em criança e adolescente, jogara à bola no Sport União Fonte-Santense, atualmente designado por Sporting União Fonte Santense e sediado na Rua Possidónio da Silva 35A, 1350-248 Lisboa.

Por essa altura, rondaria ele os 15 anos de idade, ou até um pouco menos, havia nesta associação um jogador da equipa principal, uns sete ou oito anos mais velho, a quem os colegas e amigos chamavam de Sarameco. Quando o Vitor começou a dar nas vistas do futebol do clube, nos escalões mais jovens, era muitas vezes comparado com o tal jogador do primeiro time.

Fisionomia, forma de jogar, camaradagem, timidez e boa disposição, tudo nele lembrava aos outros o Sarameco original. A saída deste da coletividade acelerou mais ainda a transição e herança da alcunha. Fora assim que, por tudo isto, um Sarameco dera lugar a outro Sarameco. O nome colou e de tal forma que, 43 anos mais tarde, continua a haver quem apenas o conheça pela alcunha e nem sequer saiba da existência do seu nome verdadeiro: Vitor. Coisas de bairro.

Ora o Vitor, minha querida amiga Berta, é apenas um ano e meio mais novo do que eu e, ao contrário de mim que só me apaixonei por Campo de Ourique há 13 anos, ele é um produto do bairro onde nasceu há 58 anos, no dia 24 de abril de 1963, em casa, na Vila Amorim, uma habitação situada na Rua Maria Pia, uns cento e cinquenta metros acima da meia laranja, para quem sobe esta rua. Atualmente vive na Rua Francisco Lacerda, outra rua do nosso bairro de Campo de Ourique.

Tem três filhos, de 26, 28 e 30 anos, os quais teve de criar sozinho com a ajuda dos progenitores, pois que a esposa fugiu de casa, no início do milénio, para não mais voltar, deixando-lhe a árdua tarefa de fazer vingar três crianças com idades aproximadamente entre os dois e os seis anos. Atualmente vive feliz com o pai e a madrasta (a mãe, essa, já se encontra no reino dos céus faz algum tempo).

Dos descendentes apenas um se mantém a viver em Portugal, lá para os lados da outra banda, em Almada. Os outros dois a vida fê-los emigrar, desde o tempo em que Passos Coelho aconselhava a saída dos portugueses em dificuldades da sua terra natal, para a Bélgica, onde se instalaram na cidade de Antuérpia, na senda da sobrevivência.

Amanhã termino esta carta, minha querida Berta, sobre este “Homem da Bicicleta” que tão facilmente nos aquece o coração. Por hoje despeço-me com um sorriso, este teu amigo que nunca te esquece e com quem podes contar para o que der e vier,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta: O Vitor da Bicicleta de Campo de Ourique

Vitor em Campo de Ourique.jpgOlá Berta,

Não me lembro se, nas tuas visitas a Campo de Ourique, alguma vez te deparaste com um sujeito, usando uma camisola do Benfica e uma bandeira do mesmo clube, a percorrer incansavelmente o bairro de bicicleta, enquanto uma aparelhagem adaptada ao veículo vai debitando música, bem alto, pelas ruas, praças e jardins de toda esta minha freguesia. Minha e, claro está, de todos os outros que também a tratam como sua.

Trata-se do Senhor Victor, um jovem (quase a chegar aos 60 anos de idade), que, pelo menos desde inícios deste milénio, percorre o bairro espalhando música e anunciando o amor evidente ao seu glorioso Benfica. O qual conquistou com o correr dos anos o estatuto de figura pública do bairro, querida por quase todos, mesmo por aqueles que não são do seu clube da águia. A verdade é que o Victor, por onde passa, tem sempre um aceno, um cumprimento e um sorriso para quem o interpela.

A situação, com o decorrer dos anos, tornou-o num caso sério de popularidade. Aliás, nem mesmo o dia da vitória do clube rival, neste campeonato, o impediu de sair, na sua habitual demanda, pelas ruas e de sorrir aos sportinguistas que lhe acenavam, batendo no emblema ao peito das suas camisolas verdes e brancas. Mais “fair play” do que esta demonstração do ciclista é difícil de encontrar na capital.

Em 2015, uma jornalista do Correio da Manhã, resolveu dedicar-lhe uma página inteira no matutino. Ainda me lembro muito bem do artigo. A senhora jornalista (que morava na Estrela) via e ouvia passar, de vez em quando, o nosso ciclista pelo Jardim da Estrela, e com a rudeza de um estivador do porto de Lisboa, dos finais do século XIX, resolveu dedicar-lhe cinquenta linhas da edição online com uma verborreia paupérrima e triste sob o título de “O Ciclista Maluco”.

No texto, a senhora jornalista, não se limitava  a apelar à intervenção da PSP, da Câmara Municipal de Lisboa e de outras autoridades, mas resolvera também insultar um homem, que não conhecia e sobre o qual não fez nenhuma investigação, com juízos de valor que começavam precisamente no pseudónimo de maluco e de louco, passando por perturbador da ordem pública, etc.. É claro que a dita jornalista desconhece as centenas (para não dizer milhares) de turistas que pedem ao senhor Victor licença para fazerem uma “selfie” com ele, sempre que o apanham parado no início da Rua Saraiva de Carvalho ou junto ao quiosque em frente ao cemitério dos Prazeres.

É igualmente claro que a mesma senhora nem imagina o carinho imenso que todo o bairro de Campo de Ourique tem por esta pessoa que não é maluco, nem nunca foi. É um faz-tudo, um pintor, um canalizador, um eletricista e um desenrasca, sempre pronto a ajudar o seu semelhante.

Ah, mas ele cobra esses serviços. É verdade, eu próprio já recorri a ele por diversas vezes, contudo, nunca senti que se esticasse nos preços e, bem pelo contrário, sempre o achei muito barato. O que a senhora jornalista podia atualmente noticiar é que, desde que há pandemia em Portugal, desde março de 2020 que, todos os dias, o santo do Victor montou aquela bicicleta e se fez às ruas do bairro para que os habitantes sentissem a sua presença.

Hoje, quando calhou falarmos, ele, por acaso todo feliz porque finalmente ia tomar a vacina, explicou-me porque não tinha parado um dia que fosse durante a pandemia. A justificação era de responsabilidade. Afinal, afirmava seriamente, ele sabia que tinha o dever de levar um pouco de alegria às centenas de idosos que vivem sozinhos e tristes no bairro, principalmente desde que a pandemia se instalara.

 “- Quando passam um dia sem me ouvirem na bicicleta ou sem me verem eles dizem-me que ficam mais tristes. Eu não posso falhar a esta gente.” Depois ria e dizia-me que muitos deles nem sequer eram do Benfica. “- Mas adoram picar-me e eu respondo sempre com um sorriso ou um aceno.”

O Victor é um homem do povo, de maluco ou de louco nada tem e, no meu entender, até já devia estar a receber, de há muitos anos para cá, um ordenado ou um apoio da freguesia, da Câmara de Lisboa ou até do Benfica, porque o Victor tem passado por sérias dificuldades para conseguir por pão na mesa da sua casa e cuidar da sua família.

Enfim, querida Berta, isto sou eu a falar. A minha opinião pouco vale nos corredores do poder. Contudo, a minha gratidão por este homem, que há duas décadas alegra os corações de tanta gente, é infinita. Podes nem concordar comigo e ser como a acéfala da senhora jornalista do Correio da Manhã, mas que era justo o homem ser compensado não tenho a menor dúvida. Deixo um beijo de despedida, deste teu eterno amigo,

Gil Saraiva

VÍDEO   I:   https://www.facebook.com/ILoveCampoDeOurique/videos/699365187288463/   

VÍDEO II:  https://www.facebook.com/ILoveCampoDeOurique/videos/3001581416556323/

Pedalando em CO.jpg

 

Carta à Berta: O Jardim...

Jardim da Parada 1.JPG

Olá Berta,

Estou a pensar em ti. Isto quase parece o início de uma canção conhecida. “Hye! Nána, nána.” Porém, minha querida amiga, a verdade é que penso muitas vezes em ti. Sinto saudades dos nossos lanches ao fim da tarde, n’ “O meu Café”, olhando o Jardim da Parada, sempre pulsante de atividade.

Lembro-me de comentares amiúde um grupo de jovens, reunidos no coreto, a ver passar as moças mais bonitas do bairro, comentando baixinho entre si, coisas que tu tentavas adivinhar.

Ás vezes, saíamos do café e íamos até à esplanada da hamburgueria, cheia de gente, de um dos lados do jardim, onde tu adoravas estar em alternativa ao café, ali, a ver os patos a nadar de um lado para o outro, no pequeno lago central, ou olhando para as velhotas, alimentando pombos, espalhadas pelos bancos de jardim, ou admirando o bebé, que no carrinho dormia ou sorria, enquanto a mãe se sentava um pouco, para ganhar fôlego no seu regresso apressado até casa.

Lembras-te dos reformados a jogar à sueca, nas mesas metálicas agarradas ao chão, impassíveis aos ventos ou às cartas? Claro que te lembras. Da outra ponta do jardim, vindos do pequeno parque infantil, chegavam-nos os gritos das crianças entusiasmadas nos baloiços, sob o ar vigilante dos pais ou dos avós, que graças à vedação de madeira viam a sua tarefa mais facilitada.

Ainda mais atrás, havia sempre um barbudo a escolher um livro, na cabine telefónica transformada em minibiblioteca pública, onde as pessoas escolhiam livros para ler, trocando por outros que já haviam terminado.

Às vezes, um andarilho, sempre o mesmo, sentava-se no chão, junto ao posto paralelepípedo dos correios, a precisar de uma lavagem de cara talvez superior à do homem, que a ele se encostava. Ali ficava à espera que alguém fosse buscar uma trotinete ou uma bicicleta, daquelas de moedas, estacionadas no parqueamento, ali perto, dentro do passeio do jardim, a quem ele pudesse pedir uns trocos.

Era um andarilho vivo, algo intemporal, sem idade definida (já não o vejo tem uns meses), atento a quem atravessava as passadeiras perto dele, não se importando se vinham da cinquentona livraria Ler, que parecia existir ali para dar cultura ao jardim, ou da outra, a que dava para o lar, com paisagem única para as velhas árvores centenárias e bem catalogadas do jardim.

Sabes, minha querida amiga, ainda me lembro do nosso jogo, a tentar adivinhar se seria homem ou mulher, a entrar no táxi seguinte, na paragem de táxis, junto aos pequenos sanitários públicos, aqueles que tu dizias que só existiam ali para servir os taxistas mais aflitos, porque de resto nunca lá viras entrar mais ninguém. Não sei como fazias, o certo é que acabava sempre por ser eu quem perdia o jogo. A única vez que ganhei tive que te ir pagar um café como compensação.

Quanto te fartavas de estar sentada, levantavas-te e eu já sabia que era a hora do passeio vagaroso pelas lojas em volta do jardim, espreitavas sempre as 2 lojas chinesas, a mais pequena tipo bazar e a maior de roupa de senhora. Nessa última, vias sempre algo de que gostavas, mas nunca te vi lá entrar, para comprar fosse o que fosse.

Depois paravas junto ao multibanco do Santander e levantavas 20 euros, dizias sempre que podia ser que te apetecesse qualquer coisa, afinal, ali à volta, tinhas uma geladaria, uma loja de chocolates, 2 restaurantes italianos, uma espécie de bar, um café e 3 padarias e aquela outra loja, a onde só entravas uma vez por semana, a dos doces e bolos, tudo tornando a situação bem tentadora.

A verdade é que, normalmente, a escolha recaía sempre pelo bolo de laranja ou pelo de noz da padaria-pastelaria Trigo da Aldeia e mais umas 3 bolinhas de pão, malpassadas, fora a fatia de bolo na outra loja, normalmente à quarta-feira.

Depois era o tempo das montras, com nova volta em torno do jardim, desta vez vias as 2 sapatarias, a velha loja de antiguidades cujo dono era teu amigo, passavas rápido pela casa dos aparelhos auditivos, sempre a afirmar que daquilo não precisavas, bem como pela clínica dentária ou da loja de oftalmologia.

Não tendo tu filhos ou netos sempre achei graça ao facto de parares na loja de roupa para crianças e na outra de esquina que vende uns acessórios de cores suaves e que eu nunca entendi muito bem para que servem. O teu esclarecimento era sempre o mesmo, tinhas amigas que tinham filhos ou netos, o que, às vezes, implicava teres de oferecer umas prendinhas.

Inevitavelmente, fosse na primeira ou na segunda volta, acabavas por entrar na Clarel, a loja de produtos de limpeza e higiene, do mini preço. Contudo, saías sempre sem compras e a dizer que não entendias o que aquela loja fazia ali. As outras montras vias um pouco mais a correr, como a da agência de viagens ou da imobiliária, onde o teu comentário era de não teres dinheiro para aquilo. Às vezes, ainda te aventuravas por uma ou outra das ruas que iam dar ao jardim, para espreitar uma montra para onde já não olhavas há algum tempo.

Lembro-me de uma vez, em frente ao pequeno talho, na Rua de Infantaria 16, a poucos metros do jardim, tu me perguntares se aquelas comidas à base de carne, podiam ser preparadas contigo a ver o que lá punham dentro ou se tinhas que levar uma das expostas. Ainda te disse para entrares e perguntares, mas seguiste em frente.

Pois é, minha muito querida amiga Berta, hoje sentei-me no Jardim da Parada, bem no centro do nosso Bairro de Campo de Ourique, estava igual ao jardim das nossas paragens e passeios. As mesmas lojas, os mesmos transeuntes, as mesmas árvores históricas, as mesmas esplanadas e padarias, até o homem da bicicleta que tu adoravas tanto, aquele que andava às voltas pelas ruas, com um rádio a tocar músicas bem alto, vestido de vermelho e branco e com uma bandeira do Benfica presa numa vara na traseira, junto ao selim, até ele hoje voltou a passar…  mas o jardim, não sei… senti-o, como dizer? Senti-o tão vazio, quase que agreste, e não, não era do frio, pois ia muito bem agasalhado, depois compreendi, faltava-lhe a alma, faltava aquilo que o tornava acolhedor, amigo e companheiro dos anos, faltavas tu. Mais nada, apenas tu, Berta. Beijo,

Gil Saraiva

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

Em destaque no SAPO Blogs
pub