Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Carta à Berta

Carta à Berta é o local dos Desabafos de um Vagabundo, do Senhor da Bruma, essa bruma a que chamam de internet, de um Haragano, o Etéreo, qual cavalo selvagem que galopa entre cartas alegadamente, quiçá, sem fundamentos.

Carta à Berta é o local dos Desabafos de um Vagabundo, do Senhor da Bruma, essa bruma a que chamam de internet, de um Haragano, o Etéreo, qual cavalo selvagem que galopa entre cartas alegadamente, quiçá, sem fundamentos.

Rosa Mota versus Rui Moreira e Super Bock: Parte II

Rui Pilatos.JPG

Olá Berta,

Não era para te escrever hoje, mas, a questão que envolve a campeã olímpica, Rosa Mota, a marca de cerveja Super Bock, por intermédio da empresa proprietária da bebida, a Super Bock Group, e a Câmara do Porto, liderada pelo autarca Rui Moreira, continua sem mostrar sinais de diminuição no que concerne à polémica, não existindo qualquer abrandamento ou cedência de posição por entre aqueles que defendem cada um dos intervenientes e as opções e atitudes por estes escolhidas.

Os doutos defensores do ataque à posição de Rosa Mota, veem agora acusar a atleta por ter o seu nome associado ao consumo de cerveja e, por tabela, a uma bebida, por a atleta fazer parte da Confraria da Cerveja. Porém, digam lá estes cérebros o que disserem, uma coisa é, em termos estritamente pessoais uma pessoa estar associada a uma bebida, porque até gosta de a consumir na privacidade da sua vida, outra é, enquanto atleta, ver o seu nome misturado com uma marca alcoólica no seu pavilhão desportivo (“seu”, enquanto detentor do nome da desportista), ou será que Rosa Mota aparece equipada para correr a maratona, enquanto atleta, por entre os capotes dos confrades nas reuniões? Eu diria que esta é uma diferença bem superior à que existe entre a água e o vinho.

Todavia, outros ainda afirmam que existe uma publicidade da TAP, lançada no tempo da Maria Cachucha, na qual Rosa Mota, faz o papel de hospedeira e onde é filmada a entregar miniaturas de garrafas de Vinho do Porto, a pessoas que representam os passageiros. Ora, esta defesa dos “Superboqueiros Camarário-parvos” não faz o menor sentido. Primeiro, a publicidade é à TAP e não ao vinho, segundo, um dos papeis das hospedeiras passa pela entrega de bebidas aos passageiros e, certamente, o Vinho do Porto pagou para aparecer. Terceiro, duvido que o guião previamente entregue a Rosa Mota esclarece-se que isso iria acontecer, precisamente dessa forma, ou que tivesse um papel relevante (que não teve) no conjunto de toda a publicidade que constitui o anúncio. O que Rosa Mota estava a publicitar era a capacidade da equipa de bandeira em bem receber aqueles que transporta e não a demonstrar quão fácil seria transformá-los em bêbados perus de Natal.

Contudo, este espernear de pernas ou patas, não sei bem qual é o caso, traduzido pela busca minuciosa de situações que provem que Rosa Mota escapa por pouco  a fazer parte dos Alcoólicos Anónimos é de toda ridícula, mas demonstra, por outro lado, que alguém anda a gastar muito dinheiro em defesa das posições tomadas quer pela Câmara de Pilatos, quer pelos glutões da Super Bock. Espero bem que não seja o Rui Pilatos, pois nesse caso o dinheiro gasto a denegrir a atleta é de todos nós e eu, pela minha parte, não o admito.

Além disso, nas 2 situações que acima te descrevo tudo não passa de uma forma desajeitada de se tentarem misturar alhos com bugalhos, o que, não fosse a persistência desta gentinha, nem deveria ter merecido os comentários que te envio. Porque será que nem a Câmara nem a Cervejeira reconhecem o erro e o reparam? Só há uma razão possível: O dinheiro fala mais alto do que a honra, a palavra e a verdade!

Aliás, aproveito o facto para esclarecer aqueles que, usando o anonimato, atacam a Carta à Berta, no meu blog, alegadamente.blogs.sapo.pt, através de comentários, maioritariamente anónimos, que o blog só publica os pontos de vista concordantes com a posição política, social ou estética tomada no mesmo, não dando direito a contraditório naquilo que é um espaço de alegada opinião restrita e específica. Escusam por isso de continuar a espernear sobre o assunto neste local, ocultos no manto do anonimato, que por aquelas bandas jamais vos será atribuída voz.

Aliás, nada do que é referido anteriormente tem qualquer importância. O relevante aqui é saber se o Presidente Rui Pilatos Moreia pela Calada, faltou ou não à palavra dada, ao seu compromisso para com a atleta, que não precisa de respeito apenas pelo facto de ser atualmente uma sexagenária sénior da nossa sociedade, mas, principalmente, pela elevação do orgulho de se ser português, de que é total responsável, aos píncaros olímpicos mundiais.

Na sua frenética lavagem de mãos o referido Pilatos alega ainda não estar a par das conversações entre a atleta e a Super Bock, como que a insinuar que a atleta possa ter vendido o seu nome, secretamente, em troca de dinheiro ou de 2 grades de minis, à cervejeira, sem ter dado conhecimento do facto à entidade responsável pelo nome do pavilhão e agido mesmo à sua revelia. É neste ponto que o edil assume o papel de um personagem da BD chamado Grão-Vizir Iznogoud, um maléfico, dissimulado e ignóbil governante que queria ser Califa no lugar do Califa, criado pelo génio do falecido artista Jean Tabary, que aqui adaptei para a imagem ilustrativa desta carta que te envio, minha querida Berta. Neste caso, é mais uma questão de faltar à palavra dada, de esconder que se faltou ao prometido, de limpar uma imagem a todo o custo nem que para isso se seja badalhoco com outra pessoa que é um símbolo nacional.

Lembrando outras bandas desenhadas, considero que ao contrário das histórias de Spirou, não há “Refúgio para esta Moreia”. Desculpa o desabafo deste vagabundo que em tudo o que diz apenas faz afirmações alegadamente corretas, porém, ou muito me engano, ou este tema ainda me fará gastar mais um ou outro desabafo contigo.

Despeço-me com o carinho do costume, sempre saudoso. Recebe um beijo deste teu amigo do peito,

Gil Saraiva

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

Em destaque no SAPO Blogs
pub