Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Carta à Berta / Desabafos de um Vagabundo / Miga, a Formiga / Estro

Julho de 2022: blogs do Senhor da Bruma, assinados por Gil Saraiva, são reunidos em "alegadamente": Estro (poesia), gilcartoon (cartoons) e Desabafos de um Vagabundo (plectro). Tudo deve ser entendido no âmbito do alegadamente.

Julho de 2022: blogs do Senhor da Bruma, assinados por Gil Saraiva, são reunidos em "alegadamente": Estro (poesia), gilcartoon (cartoons) e Desabafos de um Vagabundo (plectro). Tudo deve ser entendido no âmbito do alegadamente.

Desabafos de um Vagabundo: Série II - n.º 3: Adeus Shinzo Abe - A História da Carochinha sobre um Assassinato Político

Desabafos SII - 03.jpg Desabafos de um Vagabundo

Adeus Shinzo Abe

A HISTÓRIA DA CAROCHINHA SOBRE UM ASSASSINATO POLÍTICO

Morreu ontem, tragicamente assassinado pelas costas, com aquilo que se diz ser uma arma artesanal composta por tubos metálicos, o ex-primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, em Nara, enquanto participava na campanha eleitoral do LDP, o Partido Liberal Democrático japonês, relativa às eleições que se realizam, já este domingo, no Japão.

Shinzo Abe, poderia dizer-se também, poderia ter sido, se este assassinato não tivesse ocorrido, eleito o próximo Primeiro-Ministro japonês. Primeiro porque nunca perdeu uma batalha eleitoral e já, por duas vezes, vencera as eleições nipónicas. Segundo porque ele era o homem que pretendia mudar, finalmente, a Constituição japonesa, escrita depois da Segunda Grande Guerra Mundial, pelos ocupantes americanos, tornando obrigatoriamente os japoneses numa nação pacifista, que não podiam utilizar armas nucleares.

A história da Carochinha sobre o assassinato de Shinzo Abe, que está a ser vendida na imprensa nacional e internacional, não passa de areia para os olhos dos analistas políticos a nível mundial.  Segundo esse relato infantil Tetsuya Yamagami, o suspeito do ataque, que terá utilizado uma arma artesanal, tendo sido apanhado pelos serviços de segurança de Abe e entregue polícia, que posteriormente revistou a sua casa, tendo encontrado no local armas semelhantes fabricadas pelo alegado autor. Reza a mesma fábula que Yamagami se encontrava desempregado desde maio. Ainda nos é dito que entre 2002 e 2005 integrou o exército nipónico, no âmbito do serviço militar.

Na minha perspetiva, a história oficial de um homem que se desloca até ao local do crime de comboio, com intensão de matar, ter admitido disparar contra o antigo primeiro-ministro, com uma arma feita em casa por guardar rancor contra uma “organização específica”, cujo nome ninguém divulgou, por acreditar que o antigo líder era um dos membros da dita organização, não tem pés nem cabeça, nem é provável que uma arma artesanal disparada à toa num comício, atingisse mortalmente a vítima no pescoço e no peito com uma precisão profissional. Afirma a mesma versão oficial, apesar disso, que esta foi mesmo a razão pela qual Tetsuya Yamagami matou Shinzo Abe.

Para cúmulo do disparate, para quem acredita neste tipo de conto fantástico, interrogo-me para que é que foi criada no Japão uma monumental task-force composta por 90 pessoas, para investigar o caso? Então o assassino não confessou? A arma do crime não eram uns tubinhos? O caso não está resolvido?

Num dos países do mundo onde a criminalidade é quase irrelevante, onde a própria máfia japonesa evita a todo o custo crimes visíveis no território nacional, onde a Constituição proíbe expressamente a violência, aparece um pacato desempregado, que depois de uma viagem de comboio chega a um comício, aponta dois tubos ao político no palanque, e o consegue matar, pelas costas, com uma precisão diabólica atingindo a vítima no pescoço e no peito. Nem num filme policial de quinta categoria, produzido nas Ilhas Far Away um argumento destes chegava à tela.

Porque é que não nos dizem que Shinzo Abe, que já por duas vezes, num total de 13 anos, levantara a economia japonesa, se preparava para fazer aprovar a mudança da Constituição japonesa, passar a fabricar armas nucleares e a instalar silos no seu território, obrigar a Rússia a devolver-lhe as ilhas japonesas anexadas a quando da Segunda Grande Guerra Mundial, entalando Putin entre a Europa, os Estados Unidos  e o Japão?

Quando as autoridades mundiais concordam em divulgar uma história da Carochinha para entreter a população e a comunicação social, enquanto ocorre, à vista de todos, um assassinato político, friamente calculado, algo vai terrivelmente mal neste mundo. Tenho pena de Tetsuya Yamagami que, com os seus dois pauzinhos para comer arroz, foi acusado de assassinato, mas sinto, com pesar, a morte de Shinzo Abe, mais uma provável vítima do regime soviético. Adeus Shinzo Abe.

Gil Saraiva

 

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em destaque no SAPO Blogs
pub