Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Carta à Berta

Carta à Berta é o local dos Desabafos de um Vagabundo, do Senhor da Bruma, essa bruma a que chamam de internet, de um Haragano, o Etéreo, qual cavalo selvagem que galopa entre cartas alegadamente, quiçá, sem fundamentos.

Carta à Berta é o local dos Desabafos de um Vagabundo, do Senhor da Bruma, essa bruma a que chamam de internet, de um Haragano, o Etéreo, qual cavalo selvagem que galopa entre cartas alegadamente, quiçá, sem fundamentos.

Carta à Berta: Covid-19 em Campo de Ourique

Berta 267.jpg

Olá Berta,

Sempre que me chegam aos ouvidos notícias sobre Campo de Ourique, o meu muito adorado bairro, tudo em mim se focaliza para tentar saber mais. Infelizmente, nestes tempos de transparência, cada vez as coisas são mais baças e obscuras. Uma situação irritante e quase atentatória do direito de informar, mas que teima em ser cada vez mais frequente e deveras preocupante.

Segundo uma fonte próxima da proteção civil, Campo de Ourique tinha, pelos dados de ontem, mais de 50 casos de Covid-19 ativos. A situação não parece alarmante, pois que apenas menos de uma dezena se encontra em instalações hospitalares da capital, estando a grande maioria a recuperar em suas casas ou nas instituições referenciadas pela proteção civil.

Um dos casos mais conhecidos foi, ainda no decorrer deste mês, a Sede da Fundação Lar de Cegos de Nossa Senhora da Saúde, na Rua Silva Carvalho, noticiada pela comunicação social no dia 17 deste mês, mas sobre a qual já existiam informações anteriores a circular, desde o dia 8 de julho, pelo menos, tendo o edifício sido descontaminado no passado dia 13. Ao todo, estão ainda com a infeção ativa 17 pessoas, sendo as mesmas: 13 utentes, 3 funcionárias e uma enfermeira. A Sic realizou mesmo uma peça de reportagem na entrada das instalações esta sexta-feira.

O que me aborrece é não saber nada sobre os outros 33 casos (ou mais), existentes no bairro. A minha fonte não quer ser publicamente identificada e recusa-se a avançar com mais detalhes informativos. Por outro lado, nos órgãos do poder local a uma coisa que se confirma é a garantia de não poderem dar informações desse género à imprensa remetendo, quem os questiona sobre estes assuntos, para a Administração Regional de Saúde da área em causa, neste caso  a de Lisboa e Vale do Tejo, que, por seu lado, diz não ter autorização do Ministério da Saúde para divulgar detalhes de freguesias.

Uma verdadeira pescadinha de rabo na boca nesta que devia ser a transparência informativa prestada a jornalistas profissionais que, apesar de tudo, apenas tentam fazer o seu trabalho de informar a população sobre o que se passa na sua zona habitacional, neste caso, no Bairro de Campo de Ourique e na sua freguesia.

Em resumo, apenas temos conhecimento oficial garantido de 17 ocorrências, fazendo, os outros 2 terços, parte de uma especulação que eu, pessoalmente, considero perigosa. Uma outra fonte, uma funcionária de limpeza do Grupo Jerónimo Martins, garante-me que alguns destes casos envolvem os 2 supermercados do Pingo Doce no bairro, estando vários funcionários confinados nas suas casas, por causa do problema, e assegura-me que o restante pessoal nem sequer foi testado, com receio do alarme que isso poderia provocar.

As coisas ganham ainda maior preocupação e relevância quando é publico que a Junta de Freguesia de Campo de Ourique, que durante este período de pandemia, dá apoio a doentes, idosos e grupos de riscos, na sua área de intervenção, nomeadamente, entregando produtos farmacêuticos e alimentares a esta gente, abastece-se, no que concerne à alimentação, graças ao estabelecimento de um protocolo, nos 2 supermercados Pingo Doce em exclusividade.

Os riscos que os cruzamentos destas informações levantam, geram um alarme preocupante que tem de ser evitado a todo o custo. É imperativo saber, se há algum fundamento na alegada existência deste problema que atribui parte das 33 ou mais ocorrências, por identificar no bairro, aos 2 supermercados Pingo Doce existentes em Campo Ourique.

Na minha situação a preocupação é imensa. Não só faço parte dos grupos de risco, como moro mesmo em frente a um dos Pingo Doce, na Rua Francisco Metrass. Ora, embora não compreenda a opacidade informativa do poder, considero uma obrigação do mesmo, um comunicado relatando a verdade dos factos ou até um desmentido sobre a possibilidade de existência de um surto nestes 2 supermercados.

Já nos chega a preocupação real com o caso do Lar dos Cegos, numa das principais artérias do bairro. A pergunta mantém-se: Quantos casos de Covid-19 identificados existem afinal em Campo de Ourique? Ou de outra forma: Quantos casos ativos existem em Campo de Ourique? Importa que alguém nos consiga esclarecer. A não informação ou a desinformação, numa zona onde vivem quase 30 mil pessoas em 1650 metros quadrados de área á assustadora fase à elevada densidade populacional, uma das maiores de Lisboa.

Desde ontem que medito sobre o meu dever de trazer ou não toda esta embrulhada à discussão pública, porém, tendo a informação chegado a mim, manter o silêncio parece-me mais grave do que expor um problema sobre o qual me faltam elementos para poder, cabalmente, compor uma notícia factual acertada. Espero, por isso mesmo, um possível desmentido sobre a gravidade da situação, um esclarecimento com transparência sobre quantas ocorrências já tivemos em Campo de Ourique e quantas ainda se mantém ativas.

Não serve de nada virem, por exemplo, dizer que não existem casos na Jerónimo Martins, alegadamente confirmados por uma funcionária de limpeza que trabalha no Grupo, e não nos esclareceram cabalmente sobre o que é que subsiste na realidade. Eu, e toda a população da freguesia, mediante a atual situação, temos o direito de ser informados, esclarecidos e se for o caso, descansados quanto ao alarme provocado pelo cruzamento destas notícias.

Desculpa lá este meu desabafo extra de hoje, amiga Berta, uma vez que até já te tinha enviado a costumeira carta diária, contudo, tenho de agir de acordo com a minha consciência e ela, neste momento, diz-me que tinha de fazer esta carta e este desabafo. Despede-se de ti este teu amigo, com o carinho de sempre e com um beijo,

Gil Saraiva

 

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

Em destaque no SAPO Blogs
pub