Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Carta à Berta

Carta à Berta é o local dos Desabafos de um Vagabundo, do Senhor da Bruma, essa bruma a que chamam de internet, de um Haragano, o Etéreo, qual cavalo selvagem que galopa entre cartas alegadamente, quiçá, sem fundamentos.

Carta à Berta é o local dos Desabafos de um Vagabundo, do Senhor da Bruma, essa bruma a que chamam de internet, de um Haragano, o Etéreo, qual cavalo selvagem que galopa entre cartas alegadamente, quiçá, sem fundamentos.

Carta à Berta: Registos da Memória - X - Cabo Verde, Ilha do Sal, Cidade de Santa Maria - Mulheres

Sal RM 10.JPG

Olá Berta,

 Oiço muitas vezes em Lisboa falar mal dos cabo-verdianos. Diz-se que têm máfias terríveis, gente ruim e que são dos mais terríveis bandos organizados que existem no nosso país. Não faço ideia se tais acusações têm algum fundo de verdade. Podem ate ter. Porém, desde que tenho memória, nunca me foi dado a conhecer um único cabo-verdiano que corresponda a essa descrição.

Dos meus testemunhos, e já foram muitos, só tenho a dizer deste povo acolhedor, afável, alegre e cheio de vida. Ainda não conheci nenhum que me quisesse mal. Muito menos roubar ou assaltar ou maltratar. Mas isso sou eu e a minha sorte. No entanto, não podia acabar estes registos da memória sobre a Ilha do Sal, sem homenagear esta gente que me acolheu de coração aberto e a quem só tenho que agradecer.

Na azafama de mais um dia em Cabo Verde, a ida ao mercado de ar livre na cidade de Santa Maria, ali, na Ilha do Sal, faz parte dos hábitos de todos os dias. Depois é preciso levar as compras para casa antes de tratar do almoço. Hospitaleiros, afáveis e de uma simpatia contagiosa, os habitantes, homens e mulheres, gostam da interação com quem os visita.

Uns 15 minutos depois desta fotografia estive à conversa com estas cinco ilustres representantes do sexo feminino. Foi uma conversa de quase um quarto de hora e não mais porque as damas estavam com alguma urgência em regressar a casa. Da esquerda para a direita conversei com Melissa e Kiara (presa pelo pano vivo de azul às costas da mãe), e também com Eliane, Luana (ainda na barriga da mãe e a quem desejei um feliz nascimento) e Mayara, a pequenina que completava o grupo.

Fui inclusivamente convidado para o almoço, que declinei, por já ter marcado refeição num dos restaurantes da artéria principal da cidade. A simpatia chegou ao ponto de me informarem que o local que eu havia escolhido não era grande coisa e era caro, sendo mais um sítio para explorar turistas burros. Agradeci os elogios e elas riram todas com gosto. Depois deram-me os nomes das casas onde poderia comer bem, por menos de metade do preço, e seguiram na sua rotina habitual.

E assim termino mais esta carta, minha muito querida Berta, fazendo votos que estes dez pequenos relatos sobre Santa Maria te tenham agradado e deixado com vontade de visitar o arquipélago. Garanto-te que vale a pena. Despeço-me com um abraço virtual, este teu amigo,

Gil Saraiva

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

Em destaque no SAPO Blogs
pub