Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Carta à Berta

Carta à Berta é o local dos Desabafos de um Vagabundo, do Senhor da Bruma, essa bruma a que chamam de internet, de um Haragano, o Etéreo, qual cavalo selvagem que galopa entre cartas alegadamente, quiçá, sem fundamentos.

Carta à Berta é o local dos Desabafos de um Vagabundo, do Senhor da Bruma, essa bruma a que chamam de internet, de um Haragano, o Etéreo, qual cavalo selvagem que galopa entre cartas alegadamente, quiçá, sem fundamentos.

Carta à Berta: Quando o Covid-19 chegar a Campo de Ourique Parte I/III

Berta 126.jpg

Olá Berta,

O Covid-19, o novo nome do afamado Coronavírus, abre diariamente os telejornais de todos os canais generalistas e noticiosos. Por exemplo, sempre que a TVI ou a TVI24 nos mostra o mapa da propagação mundial do vírus fica cada vez mais evidente que o aparecimento dos primeiros casos em Portugal está por dias ou horas, não sabemos ao certo. Porém, a questão não é a de conhecermos a forma de como escaparemos à contaminação. Pensar isso seria um absurdo gigantesco que perdeu todo o sentido face ao apertar do cerco viral em torno da nossa Lusitânia. A verdadeira questão é, portanto, o quando, quando chega a Portugal o Covid-19?

Embora me preocupe com a problemática nacional, que tem uma imensa relevância para todos nós, vou tentar debruçar-me mais, nesta e nas minhas 2 próximas cartas, sobre o que a praga pode fazer em termos da freguesia de Lisboa onde resido, mais propriamente o Bairro de Campo de Ourique. É claro que primeiro terei de descrever o enquadramento geral antes de colocar o problema localmente.

Alegadamente, a minha opinião, não sendo eu um especialista em situações ligadas a pandemias, não vai além da exposição, minha querida amiga, de um raciocínio que considero lógico. O facto de ter sido filho de médico e de ser jornalista, realmente, não tem grande peso no assunto.

Todavia, a minha análise funciona como raciocínio coerente e é um parecer tão bom, como qualquer outro que esteja fora do círculo especializado de quem lida com isso profissionalmente. Mesmo esses apenas terão conhecimento daquilo que os circunda e não da panorâmica internacional e da realidade e abrangência e gravidade da situação. Os factos começam, cada vez mais a ser sonegados aos meios de comunicação, apenas chegando a público uma fração suficientemente preocupante para criar uma preocupação genuína nas populações.

Neste momento, o que me interessa verdadeiramente é saber como vou agir quando o vírus chegar e como vai reagir a zona onde moro, nomeadamente, todo o Bairro de Campo de Ourique. É por aqui que me vou movimentar, é aqui que eu moro, é esta a minha aldeia.

Para te explicar as minhas ideias vamos começar pelo geral e depois chegar ao particular. Em primeiro lugar, é fácil perceber que existe já um pânico generalizado e absurdo no que toca a esta pandemia viral. Só o pânico justifica a grave crise da cerveja Corona Extra do México, cujas exportações estão em risco de parar totalmente, bem como o seu consumo, até mesmo naquele país da América Central. Desde quando é que ter no nome de uma bebida a palavra Corona seria motivo para se deixar de consumir e vender uma cerveja se não fosse o irracionalismo generalizado das pessoas assustadas?

Também apenas o pânico justifica que o jogador do Futebol Clube do Porto, o Jesus Corona, se tenha visto obrigado a mudar o nome da camisola para Tecatito, a sua alcunha de criança e juventude. Lá porque o homem se chama Corona vai pegar alguma coisa a alguém? O pânico gera sempre comportamentos irracionais e o comportamento de manada que somos tentados a adotar prejudica ainda mais o discernimento e a razão.

No meu blogue, em gilcartoon.blogs.sapo.pt tenho brincado com o Covid-19 por diferentes ocasiões desde que a doença se tornou conhecida, mas o humor é apenas isso, brincar com coisas sérias sem fazer mal a ninguém e, muitas vezes, alertar para os disparates, como foi o caso da Cerveja Corona Extra. Os últimos 2 também têm a ver com o vírus e com o presidente da Venezuela andar a difundir que este pode ser uma arma contra a China. Também brinquei com o facto do Irão já ter perdido um deputado nacional.

Por muito que o presidente Maduro queira fazer do vírus uma arma contra comunistas ou povos a eles associados o absurdo continua e é tão grande como eu usar um cartoon para explicar que o deputado do Irão morreu, mas foi ter com as suas 7 virgens lá no paraíso muçulmano. Usar uma presidência para tentar passar uma imagem de que uma pandemia pode ser uma arma de guerra é grave, fazer cartoons a brincar com o assunto serve para suavizar a crise ou deveria servir.

Pelo menos é assim que eu penso e continuarei a pensar até prova em contrário. Tudo o que servir para retirar o medo quase que primitivo que se começa a instalar, ou que já se encontra genericamente incorporado nas pessoas, é bom. Todos os aproveitamentos e teorias da conspiração tentando tirar partido da pandemia têm e devem ser combatidos de todas as formas.

Aliás, só o pânico justifica o desaparecimento extremamente precoce, por exemplo, em Campo de Ourique, do stock total de máscaras e de gel desinfetante, em todas as farmácias do bairro, numa altura em que ainda não temos, sequer, um único caso confirmado do Coronavírus em Portugal. Estou a falar do bairro, contudo, o mesmo se passa em toda a cidade e em todos os aglomerados urbanos do país. A carneirada e o ditado: “mais vale prevenir do que remediar”, faz-nos tomar atitudes destas, mesmo que estas não tenham muita lógica, a não ser aquela que o medo inato em nós provoca.

Na minha próxima carta, tentarei, dentro daquilo que vislumbro aproximar mais o problema da minha comunidade específica. Temos de encontrar, todos unidos uma via inteligente para conseguirmos lidar devidamente com este fenómeno que nos torna primitivos e absolutamente irracionais. O “salve-se quem puder” é a última coisa que se deseja. Recebe um beijo e um abraço deste teu amigo,

Gil Saraiva

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

Em destaque no SAPO Blogs
pub