Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Carta à Berta

Carta à Berta é o local dos Desabafos de um Vagabundo, do Senhor da Bruma, essa bruma a que chamam de internet, de um Haragano, o Etéreo, qual cavalo selvagem que galopa entre cartas alegadamente, quiçá, sem fundamentos.

Carta à Berta é o local dos Desabafos de um Vagabundo, do Senhor da Bruma, essa bruma a que chamam de internet, de um Haragano, o Etéreo, qual cavalo selvagem que galopa entre cartas alegadamente, quiçá, sem fundamentos.

Carta à Berta: O Pança de Porco

Berta 516.jpg

Olá Berta,

Cá estou eu, minha amiga, a tentar, com algum esforço, manter-te a par da minha recuperação pós-operatória. Fui tentar investigar o significado de ter sido operado pela chamada “técnica dos furinhos”. Descobri que o nome correto para a coisa é: laparoscopia, que significa que esta é uma técnica cirúrgica mais moderna, menos invasiva, e que utiliza pequenas incisões (com cerca de 5 mm) para realizar uma grande variedade de procedimentos cirúrgicos.

O cirurgião utiliza para esse fim um laparoscópio, que é uma câmara de alta resolução ligada a um cabo de fibra ótica, que lhe permite visualizar num ecrã os diferentes órgãos, por exemplo no abdómen. É assim possível tratar a área afetada de uma forma pouco invasiva e cómoda, tanto para o cirurgião como para o paciente, sem necessidade de fazer grandes incisões, sendo usada para a remoção de órgãos doentes, como a vesícula biliar ou o apêndice.

A noção é agradável e fiquei mais tranquilo depois de me inteirar do assunto, afinal, hoje era dia de mudar, pela primeira vez, os quatro pensos que tenho na barriga. Saber que ia ver quatro pequenas incisões com cerca de 5 mm cada, deixava-me completamente sossegado. Ainda me lembrava de o médico me ter dito que a minha operação tinha sido complicada, o que o obrigara a aumentar o tempo da mesma, da meia hora prevista, para duas horas e meia.

Porquê? Porque ele não encontrava a vesícula, que estava escondida debaixo do estômago e por detrás do meu intestino. Ainda por cima a dita cuja era enorme, muito espessa e estava repleta de aderências, queira lá isto dizer seja o for (sendo que cheira a complicações).

Ao olhar para a barriga, desprovida do habitual tapete de pelos caraterístico do macho latino, achei estranho o tamanho dos pensos originais. Eram enormes, tendo cerca de 5 cm de largura por 8 cm de comprimento. Ri-me. Tanto tamanho para tapar incisões de 5 mm. Via-se logo que eu fora operado num hospital privado, onde tudo é à grande e à francesa.

Removi os pensos e ia-me dando um ataque.  O furinho mais pequeno tinha 1,5 cm de diâmetro e os dois maiores 6,5 cm cada um, sendo que ainda havia um quarto de 2,5 cm, ou seja, no total a minha pança fora retalhada em 17 cm de extensão. A segurar as incisões estavam 17 agrafos metálicos arrepiantes cravados na carne.

Se aquilo era a famosa “técnica dos furinhos” eu era o Santo António a pregar aos peixes. A expressão vernácula que termina em “que o pariu” veio-me imediatamente à mona. As crateras abertas no meu bandulho insinuavam uma zona de guerra, onde não existira clemência. Os buracos situados nos extremos da pança distavam 25 cm um do outro e ainda havia outros dois de permeio, sendo que um orbitava na orla do meu umbigo com 7 agrafos a ornamentá-lo.

Ficou claro para mim que jamais poderia voltar a servir de modelo de nu para os alunos de Belas Artes. A arte do meu cirurgião, que se gabara à minha frente, já no recobro, de ter executado uma obra prima, parecia-me muito equivalente à do avô do meu primo, após acabar de retalhar o animal por altura das festas da aldeia, na matança do porco.

De um momento para o outro deixei de ser o “cara de cu” da antevéspera para passar a ser o “pança de porco”. Por isso as minhas dores eram o que eram. Qualquer movimento, tosse, espirro, repuxavam os 17 agrafos cravados na carne. Se somarmos a isso os órgãos remexidos pelo talhante, ainda à procura do seu lugar natural, não tinha porque me admirar de sentir o tipo de dores que efetivamente sentia.

Agora vivo na contagem decrescente para voltar a ver face a face o cirurgião que me operou. Faltam 9 dias. De momento parece uma eternidade, mas eu hei de olhar o homem olhos nos olhos e nessa altura discutiremos ombro a ombro o conceito de obra-prima “que o pariu”. Por hoje é tudo, Bertinha, um abraço do amigo,

Gil Saraiva

 

 

 

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

Em destaque no SAPO Blogs
pub