Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Carta à Berta

Carta à Berta é o local dos Desabafos de um Vagabundo, do Senhor da Bruma, essa bruma a que chamam de internet, de um Haragano, o Etéreo, qual cavalo selvagem que galopa entre cartas alegadamente, quiçá, sem fundamentos.

Carta à Berta é o local dos Desabafos de um Vagabundo, do Senhor da Bruma, essa bruma a que chamam de internet, de um Haragano, o Etéreo, qual cavalo selvagem que galopa entre cartas alegadamente, quiçá, sem fundamentos.

Carta à Berta: O Malandro Tipicamente Português - O Marginal de Trazer por Casa - Parte V - V/VI

Berta 411.jpg

Olá Berta,

Neste que é hoje o quinto episódio do Malandro Luso é tempo de me referir ao «Marginal de Trazer por Casa». Este é um Malandro que pode ter cadastro. Nada de grave, alguns delitos menores, como ser apanhado a vender aos amigos algum material que caiu de um camião quando ele ia a passar, uma pequena lata com 10 cigarritos de haxixe a um hippie reformado e com artrite reumatoide ou até um bilhete para o próximo jogo de futebol no Estádio da Luz já com público nas bancadas.

Na verdade, o «Marginal de Trazer por Casa» é o típico desenrasca, para os amigos. É possível encontrá-lo em pequenos circuitos, seja na sociedade recreativa de um bairro ou aldeia, num pequeno clube desportivo que já viu melhores dias e onde hoje o que mais se pratica é o dominó e a sueca e até nas feiras e mercados que atravessam o país de uma ponta à outra. Contudo, para quem tenha conhecidos ou amigos junto da etnia cigana, não terá dificuldade em chegar a um destes artistas honrados que tentam sobreviver mesmo sobre o risco da lei.

Aliás, este tipo de Malandro é o herdeiro natural do antigo contrabandista de outros tempos e mantem a aura romântica de outrora ainda com alguma luz. Não se mete em grandes alhadas ou esquemas que o possam levar para o xadrez por demasiado tempo, mas não deixa de correr alguns riscos.

É, por assim dizer, um desenrasca com pinta de bandido o quanto baste. Se trouxer consigo uma arma ou não leva balas ou já nem funciona, apenas serve para manter o respeito, um certo mistério e a admiração do seu grupo de conhecidos e amigos.

A sua rede de contactos é admirável. Ele conhece o eletricista que aldraba os contadores de luz analógicos, o advogado que apenas cobra uma comissão nos casos em que há dinheiro envolvido, o talhante que vende bife do lombo ao preço do de peru, o gajo das apostas clandestinas, caso não seja ele próprio o negociador, a casa de penhores que aceita ouro e joias por fora sem perguntar a origem, o examinador da carta de condução que precisa de uns trocos extras para acabar a cozinha, porque a esposa lhe anda a massacrar a cabeça, o médico que coze uma facada de um meliante sem fazer perguntas ou que passa a receita “xpto” para a tiazinha que já não arranja outra forma de comprar o Victan.

Em resumo, o «Marginal de Trazer por Casa» é um desenrasca e conhece quem faça tudo o que ele diretamente não entrega pronto. É um pintas com pinta. Para além disso tem um peculiar, mas elevado, código de honra. É amigo do seu amigo e incapaz de fazer o papel de bufo seja lá do que for, independentemente da tentativa de coação que lhe tentarem aplicar. Por hoje é tudo, minha querida Berta, espero que te encontres bem, recebe um beijo de despedida do teu amigo sempre pronto,

Gil Saraiva

 

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

Em destaque no SAPO Blogs
pub