Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Carta à Berta

Carta à Berta é o local dos Desabafos de um Vagabundo, do Senhor da Bruma, essa bruma a que chamam de internet, de um Haragano, o Etéreo, qual cavalo selvagem que galopa entre cartas alegadamente, quiçá, sem fundamentos.

Carta à Berta é o local dos Desabafos de um Vagabundo, do Senhor da Bruma, essa bruma a que chamam de internet, de um Haragano, o Etéreo, qual cavalo selvagem que galopa entre cartas alegadamente, quiçá, sem fundamentos.

Carta à Berta: O Colecionador de Beijos - Introdução - Parte II - IV/VII

Berta 388.jpg

Olá Berta,

Nestas sete crónicas sobre a parte do livro “O Colecionador de Beijos” que não descreve propriamente os beijos em si, espero que fiques com a visão global da razão porque me meti nesta verdadeira aventura de compilar tanto beijo e de os descrever o melhor que consegui. Segue-se a segunda parte da introdução:

 

“Introdução

 

Também não descuro os anos de aprendizagem, na área das Artes Plásticas, passados com o grande Mestre da Pintura, conhecido como o pai do Neorrealismo em Portugal, Isolino Vaz e com a Pintora Susana Olga e os conhecimentos de Português, Latim e Grego adquiridos desde a infância, com a minha mãe, a Professora Maria José Gil Alexandre. Tudo ajuda na formação das ideias, na produção da criatividade e na elaboração de contos, romances, poemas, ensaios e fábulas. Até na criação de um simples quadro a óleo existe um distinto olhar sobre o mundo e uma perspetiva diferente de o observar.

Mas porque refiro eu, nesta introdução, este tipo de historial pessoal? Apenas é só porque o tempo acumulado no exercício da profissão de jornalista e investigador, a longa viagem de estudos académicos e universitários, a convivência com mestres, criativos e gente das letras e a consequente aprendizagem adquirida, permitiram, por fim, a deteção da falta de sistematização ensaística do beijo, enquadrado enquanto ato sociológico relevante, nas diferentes civilizações da história e da atualidade. É este olhar diferente que me proponho a deixar aqui registado. Porém, conforme já deixei subentendido, nem o tema acaba com as conclusões deste ensaio, nem o beijo se esgota numas dezenas de páginas sobre ele. Mas é um início, um instrumento de trabalho, um princípio, enfim. Depois dos pressupostos apresentados, que por si só justificam a presente escolha, importa sublinhar alguns aspetos relevantes sobre o beijo. Para além de se tratar, por um lado, de um laço do foro privado, entre duas pessoas, ele é, por outro, uma manifestação de cariz público, se bem que com uma relevância absolutamente diferente do anterior. Assim sendo o beijo acontece quer se cumprimente alguém ao chegar a um determinado lugar, quer nas despedidas, quer ainda nos atos de afeto, simpatia, carinho e, como não podia deixar de ser, de amor.

Poderíamos apelidar o beijo de ser o reóstato perfeito do relacionamento humano. Assim, a sua falta assinala com frequência um estado deteriorado de uma relação específica, no caso dos amantes, um historial clínico depressivo, na convivência social ou o estado de uma relação afetiva dependendo da intensidade deste. A deteção destes factos pode ajudar os envolvidos a efetuarem reavaliações e a procurarem corrigir essa falta procedendo ao seu resgate. No plano íntimo ele funciona como uma dança, quando mais se pratica, melhor é a execução e o prazer que dele se extrai.

Porém, nem tudo é positivo, uma pessoa doente pode transmitir através de um beijo, constipações, gripes, sarampo, rubéola, mononucleose e herpes, embora esses problemas não sejam culpa diretamente do beijo, mas sim, do estado clínico de um dos seus participantes.

No que se refere à sua origem, o beijo tem um passado algo obscuro. Não há certezas quando começou a ser praticado, porque se iniciou esta prática, nem mesmo onde é que esta possa ter a sua origem. Os primeiros registos encontrados, onde se faz prova do seu uso têm, porém, cerca de quatro milénios e meio. Com efeito, são de 2.550 a.C. os primeiros registos de beijos, talhados na pedra, pelas paredes dos templos de Khajuraho, na Índia.”

É com uma despedida oriental, à moda indiana, que termino esta carta. Porém, ciente das minhas limitações relativas a estes rituais fica omissa a respetiva descrição. Recebe também mais um beijo e um até amanhã do teu amigo,

Gil Saraiva

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

Em destaque no SAPO Blogs
pub