Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Alegadamente

Este blog inclui os meus 4 blogs anteriores: alegadamente - Carta à Berta / plectro - Desabafos de um Vagabundo / gilcartoon - Miga, a Formiga / estro - A Minha Poesia. Para evitar problemas o conteúdo é apenas alegadamente correto.

Este blog inclui os meus 4 blogs anteriores: alegadamente - Carta à Berta / plectro - Desabafos de um Vagabundo / gilcartoon - Miga, a Formiga / estro - A Minha Poesia. Para evitar problemas o conteúdo é apenas alegadamente correto.

Carta à Berta nº. 643: Ter ou Não Ter Queixas

Berta 643.jpg Olá Berta,

A propósito de um comentário de Faty Santos, onde afirmava que as pessoas se queixam demais, no passado dia 21, no grupo Campo de Ourique, relativas aos problemas que as afligem ou condicionam, achei que o assunto era merecedor de uma reflexão. Ora, minha querida Bertinha, afinal, criticar é próprio do ser humano, mais ainda quando vemos as mesmas regras a serem quebradas diariamente pela maior parte das pessoas.

Contudo, minha querida, acho positivo que se fale no assunto, uma vez que os diretos a respeitar são exigidos a ambos os lados, ou seja, Campo de Ourique, por exemplo, há muitos passeios largos e dá perfeitamente para que as esplanadas possam existir e para que as pessoas possam passar em simultâneo.

O problema, cara amiga, é quando alguém abusa do seu direito e resolve, por exemplo, colocar duas filas de mesas, a par, numa esplanada apenas autorizada para uma fila única, conforme consta na licença que pagaram à Junta de Freguesia, mas a ânsia do lucro tem essa tendência.

Com os carros passa-se o mesmo. Todos os condutores sabem que não podem estacionar os carros com as rodas da frente em cima do passeio, nas passadeiras, nas esquinas das ruas, porém, continuam a fazê-lo descaradamente, uns por desleixo, outros por manifesta falta de estacionamento, outros por pura arrogância.

Os motivos variam bastante, Berta. Alguns até são bastante compreensíveis, todavia, independentemente disso, as consequências são sempre as mesmas. Ora, as queixas existem por isso mesmo, porque o mau estacionamento prejudica quem anda a pé, quer exista por detrás um bom ou um mau motivo para este ter acontecido.

Ontem à noite, ao regressar a casa, o meu passeio, por exemplo, logo a seguir à passadeira de quem atravessa a Rua Almeida e Sousa, vindo da Pastelaria Aloma, para a esquina do takeaway 10 Prá Uma, Cantina do Bairro, estava um carro estacionado, quase todo, em cima do passeio. Até à parede da loja faltavam talvez uns 30 a 40 centímetros, minha amiga, por ali nunca passaria alguém de moletas ou bengala, um carinho de bebé ou um cego. Aliás, nem uma pessoa normal, porque entre a parede e o carro estava “arrumada” uma trotinete. E esta, hem, Berta?

Tive pena, de não estar com a minha máquina fotográfica, algo que já tinha feito na noite anterior, para ilustrar esta carta, Bertinha. Porém, ao contrário da opinião de Faty Santos, do grupo do Facebook, Campo de Ourique, eu acho que é bom haver críticas. Criticar tira-nos stress de cima, principalmente quando percebemos que as autoridades e a Junta têm filhos e enteados, no que respeita ao cumprimento das normas. Isso, mais do que o resto, não devia existir. Deixo um beijo,

Gil Saraiva

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em destaque no SAPO Blogs
pub