Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Carta à Berta

Carta à Berta é o local dos Desabafos de um Vagabundo, do Senhor da Bruma, essa bruma a que chamam de internet, de um Haragano, o Etéreo, qual cavalo selvagem que galopa entre cartas alegadamente, quiçá, sem fundamentos.

Carta à Berta é o local dos Desabafos de um Vagabundo, do Senhor da Bruma, essa bruma a que chamam de internet, de um Haragano, o Etéreo, qual cavalo selvagem que galopa entre cartas alegadamente, quiçá, sem fundamentos.

Carta à Berta: Cara Linda

Berta 460.jpg

Olá Berta,

Estamos de novo em véspera de fim-de-semana.  Estava aqui a pensar sobre que tema te haveria de escrever e ao passar os olhos pela imprensa de hoje, infetada de pandemia desde as reticências até ao ponto final, descobri algo que achei espantoso. O coronavírus, somado ao confinamento e ao isolamento das pessoas em suas casas fez disparar a vaidade na aparência pessoal das pessoas (não de todas, como é evidente, mas daquelas que se podem dar a esses luxos).

Com efeito, as operações plásticas no rosto e no corpo, de caráter puramente estético estão em alta. Em contra corrente à restante economia os indivíduos, cavalheiros e damas, das classes mais abonadas fizeram disparar os negócios da cirurgia estética. O aumento regista níveis entre os 15 e os 25%.

Uma das alterações de detalhe mais procuradas prende-se com os olhos. Tiram-se papos, anulam-se rugas de expressão ou de envelhecimento, retoca-se o olhar para lhe dar expressão ou profundidade, na tentativa de melhorar o que é visível no rosto a cima da máscara que virou moda e obrigação. Mas todas as operações estéticas subiram igualmente, seja ao nariz, à boca, ao queixo ou ao moldar do corpo, do rabo ou das pernas. Até as cirurgias às mamas tiveram um acréscimo significativo.

Em resumo, homens e principalmente mulheres, decidiram aproveitar a pandemia para se cuidarem em termos de aparência. Podes dizer que tal facto denota um certo egoísmo, dessas classes sociais, face à restante população, que luta contra questões ligadas ao desemprego ou à sobrevivência. Todavia o que me parece é que as pessoas (as que podem) estão a aproveitar este tempo de águas paradas para cuidarem mais de si.

Pessoalmente, prefiro olhar para o copo meio cheio em vez de meio vazio. Faz mais sentido. Afinal, nada nos diz que quem se submete a estas operações estéticas possa ser menos solidário com o momento que todos atravessamos devido à pandemia. A toda essa gente que quer (e pode) ficar mais bonita eu desejo o maior dos sucessos. Não fico mais feliz sentindo a infelicidade dos outros e, por isso, não vejo que seja criticável esta procura por uma mais cuidada preocupação estética.

Por hoje é tudo, minha querida Berta, espero que esteja tudo bem contigo. Despede-se este teu amigo, sempre à tua disposição, com um beijo cheio de ternura,

Gil Saraiva

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

Em destaque no SAPO Blogs
pub