Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Carta à Berta

Carta à Berta é o local dos Desabafos de um Vagabundo, do Senhor da Bruma, essa bruma a que chamam de internet, de um Haragano, o Etéreo, qual cavalo selvagem que galopa entre cartas alegadamente, quiçá, sem fundamentos.

Carta à Berta é o local dos Desabafos de um Vagabundo, do Senhor da Bruma, essa bruma a que chamam de internet, de um Haragano, o Etéreo, qual cavalo selvagem que galopa entre cartas alegadamente, quiçá, sem fundamentos.

Carta à Berta: Campo de Ourique - Incêndio III - Um Fogo Que Arde Sem Se Ver - Edifício Inabitável

Berta 310.JPG

Olá Berta,

Afinal, contrariando a ideia de serenidade que me tinha sido transmitida quando te escrevi a última carta, parece que o Incêndio à Minha Porta em Campo de Ourique, na Rua Francisco Metrass, 59, é como as novelas mexicanas, ou seja, tem sempre mais uma volta na ponta. Desta vez com possibilidade de vir a gerar ainda mais danos, para além daqueles que o próprio fogo infligiu.

Vou resumir os episódios passados e somar em simultâneo os novos dados, porque, infelizmente, por ser vizinho acabo por vir a saber mais do que o que é aparente.

Na passada sexta-feira um incêndio (provocado por uns grelhados na varanda de umas águas-furtadas, devido à distração de um ancião de 80 anos, a que chamei carinhosamente de “senhor Manuel”) fez arder as coberturas do edifício, direito e esquerdo do número 59.

Os danos foram afinal bastante superiores aos que primeiramente me foram relatados. No relatório oficial da fiscalização às condutas do gás, que abastece o prédio, acabou por prevalecer a conclusão que o mesmo teria de ser integralmente reinstalado, ou seja, o edifício teria de colocar uma nova infraestrutura para abastecimento de gás, sem a qual continuaria inabitável por força dos danos causados na conduta geral. Este dano afetou igualmente o Restaurante Cervejaria Europa, por a instalação ser a mesma.

Face a isso, não só deixou de haver abastecimento de gás para os vários andares como o restaurante Cervejaria Europa, conforme referi, se viu privado de confecionar os habituais acompanhamentos para as refeições tendo que fechar.

Assim, nesta segunda-feira, a Cervejaria Europa estará encerrada. Só a Farmácia Porfírio continuará a funcionar porque não utiliza qualquer fonte de gás para a sua atividade.

Já os estragos no prédio foram bem piores do que aquilo que se pensava no início. Os três andares (direito e esquerdo) foram declarados inabitáveis e o edifício encontra-se vazio de moradores. No terceiro piso as duas águas-furtadas (direita e esquerda) terão de ser reconstruídas de raiz, o mesmo acontecendo com o segundo andar direito, pertencente à proprietária da Farmácia e que de momento se encontrava vago para alugar.

Contudo, todos os apartamentos restantes precisam de obras de restauro. Quanto aos inquilinos, à parte do senhor Manuel (que segundo fonte do prédio, foi transferido ontem da casa de um dos filhos para um lar), todas as outras 4 famílias estão alojadas provisoriamente em casa de parentes próximos, solidários com a situação.

De solidariedade também fica a precisar o restaurante Cervejaria Europa e de uma forma urgente.

O fogo que arde sem se ver vem precisamente da situação em que ficam as 6 pessoas que trabalham no estabelecimento. Na verdade, ainda a tentar recuperar dos danos causados pelo fecho imposto pelos tempos de confinamento, o senhor Paulo, gerente da empresa de restauração em causa, vê-se agora a braços com mais um encerramento forçado, sem conseguir fazer uma ideia de quanto tempo esta situação poderá vir a demorar, face à problemática entretanto criada, na divergência de opiniões entre a Cervejaria Europa e o filho do “senhor Manuel” que aparentemente se assumiu como o responsável pelo pagamento da substituição das condutas do gás.

A coisa apresenta agora, com alguma tristeza, todos os ingredientes de um diferendo que poderá muito bem vir a terminar na insuportável teia dos tribunais portugueses. Mas o que se passa afinal? De uma forma simples são duas opiniões opostas. O filho do “senhor Manuel”, que assumiu pelo pai a responsabilidade das obras nas condutas de gás, exige a orçamentação de todos os custos inerentes aos trabalhos por parte de um conjunto de empresas especializadas, enquanto o restaurante prefere usar o mesmo empreiteiro que já foi responsável por quase todas as últimas obras do prédio, desde a da rede elétrica à da reconversão do apartamento do segundo andar, direito, propriedade da Doutora Graça, da Farmácia Porfírio. A razão desta preferência prende-se com a rapidez na execução dos trabalhos a realizar.

O senhor Paulo alega a possibilidade deste construtor poder ainda hoje substituir tudo e pedir inspeção amanhã ou depois, porque não só conhece bem o edifício, como tem disponível tudo o que é necessário para a completa realização dos trabalhos. Isso permitiria ao restaurante não ter 6 pessoas sem trabalhar durante demasiados dias e evitar que a situação da Cervejaria Europa se possa afundar mais, numa altura em que ainda mal começara a recuperar do fecho obrigatório derivado do confinamento.

A situação é de tal forma grave que a gerência da Cervejaria pondera levar o caso para tribunal, exigindo indeminizações (à empresa e aos funcionários) à outra parte, por todo o tempo em que estiverem de estar fechados, por força na demora nas orçamentações, na escolha de empreiteiro consoante os orçamentos apresentados, no tempo imposto para a conclusão da obra e, finalmente, na respetiva inspeção das condutas por parte da entidade responsável pela verificação dos trabalhos.

Porém, vistas as coisas na perspetiva do filho do “senhor Manuel”, a orçamentação por vários empreiteiros poderá evitar custos acrescidos numa despesa que não se avizinha pequena. Ambas as situações me parecem plausíveis de terem argumentos válidos.

Do meu ponto de vista, amiga Berta, o melhor seria que todos se entendessem por forma a evitar mais conflitos, problemas e situações que podem acabar mal.

A melhor solução, mas quem sou eu para opinar, seria um entendimento de meio termo. O empreiteiro do costume faria as obras já, em troca de não haver pedidos de indeminização fosse de que tipo fosse por parte da gerência do restaurante. Todavia, isto sou eu que estou de fora a falar. De qualquer maneira espero que impere o bom senso. Com um beijo me despeço, querida amiga, seguido de um até amanhã, deste que nunca te esquece,

Gil Saraiva

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

Em destaque no SAPO Blogs
pub