Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alegadamente

Este blog inclui os meus 4 blogs anteriores: alegadamente - Carta à Berta / plectro - Desabafos de um Vagabundo / gilcartoon - Miga, a Formiga / estro - A Minha Poesia. Para evitar problemas o conteúdo é apenas alegadamente correto.

Este blog inclui os meus 4 blogs anteriores: alegadamente - Carta à Berta / plectro - Desabafos de um Vagabundo / gilcartoon - Miga, a Formiga / estro - A Minha Poesia. Para evitar problemas o conteúdo é apenas alegadamente correto.

Carta à Berta nº. 653: A Primeira Rainha do Egito e a Última Rainha do Egito

Berta 654.jpg Olá Berta,

Esqueçamos, por uns instantes, a atualidade frenética que atravessamos. Hoje vou-te falar, querida confidente, de duas histórias que remontam à 5.000 e 2.000 anos atrás. A primeira começa no Egito. Foi noticiado, no dia 20 de outubro deste ano, que uma equipa de arqueólogos em Abydos, no centro do Egito, fez uma incrível descoberta que pode revolucionar a história do antigo Egito. Um estudo publicado esta segunda-feira, minha amiga, pela Universidade de Viena dá conta de uma descoberta impensável feita no inacreditável túmulo da rainha consorte e regente do antigo Egito, rainha Meret-Neith da Primeira Dinastia Egípcia, que ao que parece poderá ter sido a primeira mulher faraó.

Porém, Berta, na altura em que Meret-Neith existiu a designação de faraó ainda não existia. Certo é que, no local, foram descobertos bens dignos da realeza, incluindo centenas de jarras de vinho seladas, e são das provas mais antigas de vinho alguma vez descobertas, indicando bem a sua autoridade e influência excecionalmente elevadas.

A escavação efetuada parece provar que as construções que compõem o túmulo de Meret-Neith foram feitas por etapas durante um longo período. Em 1900, minha amiga, quando da descoberta inicial, ficou claro que o túmulo foi executado com materiais como tijolos de barro, argila e madeira e que continha os restos mortais de 41 acompanhantes.

A 20 de Outubro deste ano, Berta, a equipa de arqueólogos no local sugere que as inscrições no interior do túmulo levam a pensar que Meret-Neith desempenhou importantes funções governamentais por volta de 3.000 a.C., incluindo o controle do tesouro real. O seu nome já fora encontrado ao lado do seu filho, numa lista de governantes, no túmulo deste, em Saqqara, indicando que ela pode ter sido a regente do Egito durante a juventude de Den. Porém, apesar de Meret-Neith poder ter sido uma governante do Egito, como já referi, nunca terá sido tratada como “faraó”, uma vez que este título só apareceu mais tarde na história do Egito. O interessante é que estes escritos parecem provar que ela pode ter sido a primeira Rainha do Egito, há 5.000 anos atrás.

A segunda história é sobre a última Rainha do Egito, Cleópatra, e é dela o busto que te mando, amiguinha, junto nesta carta. Cleópatra subiu ao trono ainda com 17 anos e veio a falecer aos 39. Ela era uma mulher fabulosa e culta e dominava 10 línguas. A língua do Antigo Egito, tendo igualmente aprendido a ler hieróglifos, coisa que, na sua dinastia foi caso único. Dominava também o grego e o romano, as línguas dos partos, hebreus, medos, trogloditas, sírios, etíopes e árabes. Isso permitia-lhe ter um conhecimento abrangente do seu mundo. Com esse conhecimento, qualquer papiro ou livro da época estava ao seu dispor.

Porém, minha querida confidente, ela também estudou geografia, história, astronomia, diplomacia internacional, matemática, alquimia, medicina, zoologia e economia entre outras áreas do seu interesse. Ela procurava mesmo abranger todo o conhecimento disponível da sua época. Os dados revelavam que passava muito tempo numa espécie de laboratório antigo. Foram, inclusivamente, encontrados alguns trabalhos seus relacionados com ervas e cosméticos. Galeno, que estudara o seu trabalho, Bertinha, conseguiu transcrever algumas das receitas elaboradas por Cleópatra.

Nos papiros de Cleópatra, cara amiga, havia um pouco de tudo, desde um remédio especial, em creme, que ajudava os homens carecas a recuperar cabelo, a conselhos de beleza ou curas com ervas. Era evidente a sua influência nas ciências e na medicina nos primeiros séculos do cristianismo. Ela foi, sem margem para dúvidas, uma figura única na história da humanidade.

A Rainha do Egito também viveu com Júlio César, todavia, é historicamente claro aos egiptólogos que Marco António foi o único amor da sua vida. A união anterior com César terá sido apenas estratégica, diplomática e política. Curioso é que, até hoje, o seu túmulo continua por encontrar. Espero que tenhas gostado destes pedacinhos de história. Por hoje é tudo, deixo um beijo,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta nº. 652: A Era das Suscetibilidades e do Melindre Fácil e Absurdo

Berta 652.jpg Olá Berta,

Entrámos, desde há um tempo a esta parte, na era das suscetibilidades e do melindre fácil e absurdo. Basta observar cuidadosamente, minha amiga, como isso é evidente nos novos canais de “streaming” (ou seja, um fluxo contínuo, fluxo de média ou transmissão contínua, que é uma forma de distribuição digital, em oposição à descarga “o download”).

Com efeito, caríssima, as antigas categorias tradicionais e claras dos filmes e das séries como, por exemplo: comédia, ação, aventura, guerra, drama, policial, terror e suspense, western, ficção científica ou thriller, só para citar alguns, deram lugar a secundárias designações absurdas e completamente disparatadas, com vista a esclarecer o sensível espectador que tipo de filme ou série tem pela frente.

Basta vermos, minha amiga, qualquer um dos 4 principais canais pagos de “streaming”, nomeadamente o Prime vídeo da Amazon, o Disney +, o HBO Max ou a Netflix, para que entendas o que eu estou a dizer. Com efeito, as designações secundárias agora em voga causam-me arrepios, mesmo as mais fofinhas. Eu não preciso que estes canais me venham com classificações da sua lavra, tentar descrever o que se vai passar no filme, se é algo que possa ferir a minha suscetibilidade ou se é um filme ou série para toda a família.

Se quem assiste ao filme ou à série não gosta do que vê pode simplesmente sair e mudar para outra coisa qualquer. Agora, Bertinha, virem-me classificar vídeos com categorias secundárias é simplesmente ridículo e passa a ideia de que eles consideram de que estão a lidar com mentecaptos, que precisam ser guiados naquilo que podem ou devem ver. É absurdo. Mas eu dou exemplos. Um filme de comédia, romântico ou familiar pode ter ainda, para além do escalão etário a que se destina e que devia ser suficiente, as seguintes “boas” classificações suplementares, de que dou alguns exemplos, porque há mais:

Meigo, irresistível, sério, inspirador, de ir às lágrimas, divino, amoroso, comovente, atencioso, envolvente, tímido, social, empolgante, marcante, excitante, onírico, divertido, para toda a família, para rir, cómico…

Já num filme de aventura, drama, suspense, ação, policial, entre outros, amiguinha, podem ser encontradas classificações secundárias bem mais negativas ou bizarras. Dou apenas mais uns exemplos:

Moralista, sem sentido, terrível, humor negro, sanguinário, avassalador, louco, sofisticado, cerebral, tecnológico, emocional, intenso, mordaz, endiabrado, de culto, sombrio, aflitivo, brutal, erótico, zombies, distópico, assustador, religioso, anárquico, fantasia, pavoroso, fanático, sangrento, soturno, jogo mortal, malicioso, deprimente, mundo épico, arrepiante, animalesco, psicótico, armagedão…

Por fim, Berta, aparecem as classificações secundárias que me tiram do sério e que roçam o disparate ou um puritanismo bacoco e moralista que me irrita seriamente, dou só mais uns exemplos esclarecedores:

De grande impacto visual, luzes cintilantes, esquisito, atmosférico, internacional, violência, uso de substâncias, uso de álcool, linguagem grosseira, conteúdo sexual, nudez, fumar…

Por amor da santa, Bertinha, porque raio é que me alertam de que há gente no filme ou na série que aparece, no decurso do vídeo, a fumar ou a beber e com conteúdos de nudez ou conteúdo sexual, francamente, não há pachorra e já te explico porquê.

Na semana passada, amiguinha, vi um filme em que aparecia uma mulher nua, de costas, apenas visível da cintura para cima (e esta era a única cena do género em todo o filme), seguidamente um homem aproximava-se da senhora, virava-a para si, sem que a câmara deixasse sequer ver os seios da jovem. Por fim, deitava-se com ela, sendo que a cena que regressava à tela era passada debaixo de lençóis, com os movimentos ondulantes de quem está a fazer amor. Não existia no filme mais nenhuma outra interação do género até final e a classificação secundária anunciava nudez e conteúdo sexual.

Para que raio é que me interessa saber se no filme se bebe uma cerveja ou se fuma um cigarro ou um charro? Vou deixar de ver o filme ou a série por causa disso? Por acaso fico bêbado, intoxicado ou atordoado por ver essas imagens? Não, não fico. Odeio condescendências parvas e bacocas, minha cara confidente, principalmente vindas de canais em que eu pago para ver e onde escolho apenas o que quero ver, no meio de uma parafernália de opções que me são dadas. Todas elas cheias destas ressalvas idiotas, como se isso purificasse o canal de “streaming”.

Sabes, Berta, se há 10 anos me dissessem que isto ia acontecer eu negaria logo essa possibilidade por ser rodeada de falsos puritanismos, condescendente, bacoca e ridícula, mas a verdade é que me teria enganado. Por hoje é tudo, este amigo de sempre te deixa com um beijo saudoso,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta nº. 651: Nas Costas de António Costa

Berta 651.jpg Olá Berta,

António Costa pediu ao Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, que aceitasse a sua demissão do cargo de Primeiro-Ministro do Governo de Portugal. Isto passou-se ontem, no dia 7 de novembro de 2023. Minha cara, o homem que durante 8 anos aguentou casos e casinhos, que sobreviveu à queda de uma vintena de ministros e secretários de estado, que aguentou estoicamente uma imprensa dominada pelo lóbi da direita no país, cai, por vontade própria, quando a sua seriedade é posta em causa com a abertura de um inquérito entregue pela Procuradora Geral da República ao Supremo Tribunal de Justiça.

Ao contrário do que ouvi ontem ser dito por vários líderes da oposição e por muito comentador à esquerda, mas principalmente à direita, cara amiga, Costa cai, mas cai de pé. O poder judicial leva à queda de um Primeiro-Ministro que detinha uma maioria absoluta em Portugal, com um simples parágrafo vago, onde refere que Costa é citado no caso do lítio e do hidrogénio verde, onde foram constituídos 5 arguidos, até ao momento, entre os quais, o Ministro das Infraestruturas, João Galamba.

O julgamento e a condenação de Costa e dos outros intervenientes no caso começou ontem a ser julgado e condenado na praça pública e é por isso mesmo que, desta vez, a situação no final, amiguinha, não pode aparecer como sendo um grande monte de nada.

Um pasquim refere que, por exemplo, João Galamba foi comprado com jantares pagos por investidores, como se não fosse normal as reuniões entre investidores e representantes do Estado decorrerem às refeições e estas serem pagas por quem solicita a própria reunião. Quando o Estado, minha querida, solicita uma reunião é o Estado quem paga os comes e bebes, quando são os privados, são eles quem, no final, arcam com a despesa, sempre que as reuniões têm almoço ou jantar pelo meio. É esta a forma não normativa, mas há muito instalada em Portugal, que vem de muito antes ainda dos governos de Cavaco Silva.

Toda a situação versa possíveis favorecimentos por parte dos representantes do Estado a um grupo de investidores interessados em desenvolver os negócios do lítio e do hidrogénio verde em Portugal. No nosso país, caríssima, inversamente à maioria dos estados ocidentais, a criação de lóbis é ilegal, por isso, existe uma linha muito ténue entre o que é aceitável alguém fazer ou tentar fazer para tentar influenciar um Governo a entregar-lhe um qualquer negócio e a prática de atos de corrupção ativa ou passiva.

Pelo que li, o Ministério Público e a Procuradoria Geral da República consideram, perante os factos apurados durante a investigação de quatro anos já efetuada, que há matéria suficiente para que seja considerada a possibilidade dessa mesma linha vermelha ter sido ultrapassada. Podendo, portanto, Bertinha, haver lugar a situações efetivas de corrupção.

Espero sinceramente que assim seja. Quero acreditar que em julgamento ficará provado o favorecimento ilícito por parte do Estado nos negócios apontados às empresas envolvidas. Mais ainda, simpática confidente, considero fundamental que a justiça prove igualmente o envolvimento de António Costa em toda esta trapalhada.

Se assim for, eu, enquanto socialista, espero mão pesada do poder judicial para os prevaricadores. Numa altura destas, a terminarmos o primeiro quartel do século XXI, não pode haver contemplações para quem se deixa comprar, sejam eles do meu partido ou não. Sinceramente, amiga, isso interessa-me muito pouco. Se houver culpa provada, tem de haver uma pena compatível a ser aplicada, doa a quem doer.

Dito isto, não posso deixar de estranhar o “timing” escolhido para agir no final de quatro anos de investigação, Berta. Não podia o processo ter sido desencadeado a 29 de novembro deste ano? O poder judicial mediu o prejuízo que iria causar ao país ao agir a poucos dias da aprovação final do Orçamento do Estado? Saberão estes senhores as consequências dos atos que praticaram ao antecipar o caso em vez de aguardarem pouco mais de 15 dias?

O certo é que, minha fiel amiga, é que interromperam a negociação com os médicos que estava em fase final de acordo, deixaram o SNS mergulhado num caos, puseram em risco os aumentos das pensões e reformas, da descida do IRS, do aumento dos salários de toda uma nação, apenas porque sim ou era realmente imperativo agir agora e não 15 dias depois?

A suspeição do “timing” da justiça levanta uma lebre de possíveis interesses ocultos por parte do poder judicial. Porque raio não queriam eles que fosse aprovado e votado o Orçamento de Estado para 2024? Quem beneficia com isso? Poderá existir, amiguinha, alguma agenda oculta que todos nós desconhecemos até ao momento?

Espero bem que nenhuma destas dúvidas faça sentido. Espero igualmente que fique claro que a justiça não podia mesmo ter esperado os 15 dias pela aprovação do Orçamento do Estado para 2024. Espero que não existam quaisquer interesses ocultos (políticos, partidários ou de outro nível) a fervilhar nas catacumbas do nosso poder judicial, porque isso, a ser verdade, Berta, seria bem mais grave do que o próprio caso em si. Seria mesmo pôr em risco a própria democracia em Portugal a poucos meses desta fazer 50 anos desde a sua implementação.

A Procuradoria Geral da República tem o dever de assentar a sua ação nos valores democráticos que nos regem. É imperativo que, num futuro muito próximo, fique provada a envolvência de António Costa em todo o processo. O Primeiro-Ministro deu as costas para suportar o peso das acusações e suspeitas em que foi envolvido. Ora, Portugal não é a Hungria, a Turquia ou Israel onde os valores democráticos são postos em causa pelo envolvimento político da justiça nos corredores da democracia. O Estado de direito não pode ser debilitado por quem devia defendê-lo a todo o custo. Enfim, amiga Berta, deixo-te com estas minhas preocupações. Um beijo, deste teu amigo de sempre,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta nº. 650: Falando de João Galamba

Berta 650 (1).jpgOlá Berta,

Não sei se te recordas, minha cara, que eu prometi falar-te do Ministro das Infraestruturas, João Galamba, na altura em que todos pediam que António Costa o corresse do Governo. Disse que não era o momento naquele instante, mas mais tarde, e que quando achasse que a conjuntura era mais oportuna, escreveria a minha opinião. Pois bem, a altura pode não ser ainda a ideal, mas já dá para explicar o que penso sobre esse assunto sem que gente, que nem me lê, me venha insultar sem motivo. De qualquer modo, para evitar processos legais, tudo o que eu escrever nesta carta fica, desde já, enquadrado no âmbito do alegadamente e não passa senão da minha opinião sobre o assunto.

Em primeiro lugar, amiguinha, devo esclarecer que conheço João Galamba pessoalmente, mas pouco. Falámos uma vez há sete anos e tal, a quando da primeira campanha de Costa para eleições legislativas. Conforme sabes eu sou do PS, quer o partido ou o seu governo estejam na moda ou não. Não é uma coisa nova, começou mais ou menos depois de abril de 74 e filiei-me, por fim, há 35 anos atrás.

Mas, minha querida, uma coisa é ser do PS e outra, bem diferente, é ter opinião própria, que nem sempre é coincidente com as ações e posições do partido ou do Governo dele proveniente. O meu sentido crítico não morre só porque sou socialista. Com efeito, conforme considero ser normal, há ocasiões em que a minha posição é mais crítica do que a da própria oposição e das opiniões manifestadas pelos representantes de outros partidos. É a vida.

Feita esta reflecção, importa dizer que sempre estive convencido que António Costa não demitiria João Galamba, nem que a vaca tossisse. Na altura todos achavam que isso ia acontecer e fui gozado até por elementos do próprio Partido Socialista. Não sei se foi por sorte, minha amiga, mas o tempo deu-me razão. É que Galamba não era um acólito de Pedro Nuno Santos, como a comunicação social apregoava, nem nunca foi. João Galamba sempre defendeu e foi fiel a António Costa e a mais ninguém.

Para além disso, Galamba, não se importa nada de servir de escudo a Costa. Foi graças a este quase jovem Secretário de Estado e depois Ministro, que a exploração de lítio arrancou em Portugal, quando todos pensavam que esta matéria prima ia seguir o mesmo caminho do petróleo e do gás natural, sendo posta de lado a sua exploração. Mas Galamba, cara menina, fez mais, exigindo aos que explorassem o lítio que este fosse refinado e transformado em baterias no país, tornando a sua comercialização num produto de grande valor acrescentado, ou seja, um produto de ciclo completo dentro do território nacional. Um feito notável a que pouca gente parece dar a devida valorização.

Com a TAP, não foi Galamba quem atuou no processo da indemnização dos 500 mil euros à administradora. Foi Pedro Nuno Santos. O que Galamba fez, isso sim, minha querida, foi despedir um assessor do Ministério das Infraestruturas que, após a saída de Nuno Santos, servia de moço de recados do ex-ministro e lhe continuava a facultar cópias dos processos que este anteriormente acompanhava, sem autorização expressa de ninguém no Governo.

Das mentiras atribuídas a João Galamba, Bertinha, nenhuma ficou provada, mesmo no complexo jogo de horas e minutos escarafunchados até à exaustão pela Comissão Parlamentar de Inquérito sobre a TAP. No final, a Comissão Parlamentar proferiu um relatório para lamentar porque, mesmo sendo este efetuado por uma relatora socialista, não tinha como poder ser criticado pela oposição, sob pena de fugir do âmbito da própria comissão.

Ainda sobre a gestão da TAP, neste momento, tudo aponta que quem vai mesmo sair por cima, para além dos próprios portugueses, seja João Galamba e, por tabela, António Costa. Porém, amiguinha, ainda há dossiers Galamba com o destino por desvendar, o gasoduto até França, o alargamento do Porto de Sines, o Hidrogénio Verde, os combóis Rápidos até Madrid e Vigo, entre outros.

Galamba está pronto para continuar a ser o escudo de António Costa e, se algo correr mal, numa destas pastas, estou certo que será ele a assumir o ónus, sem beliscar Costa e isto incluindo a parte substancial da aplicação do PRR que é da sua competência.

Quer isto dizer, Berta, que, até 2026, João Galamba só sai se tiver de dar o corpo às balas por António Costa e mesmo assim, mesmo assim, duvido que o Primeiro-Ministro o deixe cair. É que a fidelidade tem um grande valor no mundo da política e não é compatível com falsas promessas, traições ou desamparos. Nada do que eu disse impede que a grande maioria dos portugueses deteste João Galamba, a comunicação social tratou de assegurar que assim fosse, mas isso não tem nada a ver com o que atrás escrevi. Por hoje é tudo, despeço-me com um beijo de saudade,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta nº. 649: TAP - Voar Mais Alto, Melhor e Mais Além!!!

Berta 649.jpg Olá Berta,

Voar parece ser o último grito de liberdade que podemos ter nos tempos modernos. Com efeito, minha querida, quando se dá tempo ao tempo, quando se acha que a razão nos assiste, não é invulgar que os resultados atestem que valeu a pena a resiliência contra tudo e contra todos. Não se pode dizer que esta seja uma correlação vulgar, mas aqui e ali, é bom que assim aconteça para dar alento às nossas próprias afirmações e convicções.

Contra a opinião de toda a oposição à direita o PS tomou conta, em duas fases, da totalidade do capital da TAP. Esta era a companhia aérea portuguesa que Passos Coelho e o PSD, minha cara, havia acabado de vender ao desbarato numa privatização deveras vergonhosa, mesmo nos últimos instantes da sua passagem pelo poder. Foi igualmente constrangedor ver a oposição de esquerda, depois da geringonça, opor-se às medidas julgadas necessárias, à época, para pôr a companhia nos eixos.

Durante bastante tempo alimentaram-se escândalos, alguns escalados de modo artificial, amiguinha, no que respeitava a sua real importância e dimensão. Até assistimos à queda de um ministro por causa dos mesmos e a comunicação social era quase um espelho perfeito das oposições prevendo a total desgraça do Governo de Costa neste ponto em particular. Estavam todos à espera do desastre final.

Mas heis senão quando, à revelia dos arautos da desgraça, ainda antes da saída de Pedro Nuno Santos do Governo a TAP apresenta lucros. Eram apenas 60 milhões (e o que eu não fazia com 60 milhões), minha amiga, e embora este fosse o primeiro resultado positivo e fosse relativo ao ano de 2022, mesmo antes da saída do ministro, escutámos, mais uma vez, a oposição e os comentadores a relativizar a situação porque o lucro apresentado era fictício pois não tinha em conta x, y e z.

Sem se deixar levar pelo negativismo reinante, Bertinha, a gestão pública da TAP começava a provar que, a companhia mais escrutinada do país, tinha rodas para aterrar e asas para voar. Conforme vinha a ser feito, pelo menos desde a gestão estatal, os resultados da companhia continuavam a ser divulgados trimestralmente e desde o primeiro trimestre de 2023, logo seguido pelo segundo, as contas continuavam o seu rumo positivo acumulando no primeiro semestre 43 milhões de saldo positivo, no final de todas as contas.

Desta vez, minha querida, oposição e comentadores vieram dizer que isso não salvava os 3,2 biliões de euros que o Estado colocara na TAP e que a privatização prevista para 2024 nunca salvaria o fiasco do controlo da TAP pelo Governo. À margem das críticas nacionais, vários grupos ligados à aviação demonstravam já o seu interesse na compra do capital da TAP, mesmo com as condicionantes do Estado para a venda da companhia de bandeira.

Sim, porque era necessário salvaguardar o interesse nacional e não perder, principalmente em Lisboa, o papel da TAP com a diáspora, com a América do Sul e com África, depois da companhia ser vendida aos privados. Foi sem comentários de relevo na comunicação social e sem o alarido costumeiro da oposição, minha querida que a TAP anunciou que o terceiro trimestre de 2023 tinha como saldo final, após despesas, 180,5 milhões de lucros, exclusivamente relativos ao terceiro trimestre de 2023.

A manter esta trajetória, amiguinha, pois ainda faltaram revelar os resultados do quarto trimestre de 2023 e do primeiro e segundo de 2024 (pelo menos), quando a TAP for vendida, algures no segundo semestre de 2024, o valor da companhia aérea gerida pelo Estado arrisca-se a ser acima dos valores injetados na mesma pelos contribuintes. E mesmo que tal não aconteça, o que a TAP já representou em salvaguarda de interesses nacionais, em contratos e receitas indiretas para o turismo e em pagamento de salários e manutenção dos trabalhadores nacionais da companhia, já equipara, por si só, o investimento efetuado para a salvar, basta fazer as contas.

Contudo, Berta, se a TAP for vendida por 1, 2, 3 ou 4 biliões de euros isso será tudo lucro para Portugal, porque a amortização dos valores investidos já estará saldada pelo retorno que a companhia deu ao país. Despeço-me com um beijo, certo de que quem espera sempre alcança,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta nº. 648: Israel Versus Palestina

Berta 648.jpgOlá Berta,

Este ano fez 77 anos que os tratados pós 2ª. Grande Guerra Mundial permitiram a Israel fundar um Estado Independente em território que pertencia à Palestina. Os palestinianos não foram perdidos nem achados nesta decisão. Foi algo que lhes foi imposto por aqueles que acabavam de vencer os nazis. Nem sequer, alguma vez, em 77 anos, minha querida, tiveram direito a uma sondagem séria à sua vontade, a um referendo sobre o assunto ou ao que quer que fosse, como se apenas lhes restasse aceitar e calar.

Desde então, unilateralmente, minha amiga, Israel tem vindo a alargar as suas fronteiras, conforme poderás constatar na primeira imagem que te enviei junto com esta carta. Este facto constante obrigou muitos palestinianos a imigrar à medida que o seu território ia encolhendo assustadoramente. Hoje, dos 12, 370 milhões da população palestiniana, apenas 3,370 milhões ainda vivem nos territórios da antiga Palestina de 1945. Uns absurdos 9 milhões tiveram de emigrar para onde foram aceites ou tornarem-se refugiados nos países vizinhos da Palestina.

Berta 648 a.jpgPor estranho que possa parecer, Bertinha, nem sequer há grandes diferenças étnicas entre os dois povos. Uma esmagadora maioria de mais de 90% tem a mesma raiz étnica (isto segundo alguns estudos já realizados este século), as diferenças são efetivamente religiosas e culturais.

Acontece agora que, minha cara, um dos povos mais perseguidos e massacrados da História da Humanidade passou de vítima a opressor, esquecendo a sua própria História, onde o direito à tolerância e ao diálogo devia, em absoluto, ser a palavra de ordem.

Se há local no mundo onde seria muito provável prever o aparecimento e crescimento de terroristas, ele é, precisamente, a Palestina. Foi, Bertinha, exatamente o que aconteceu e já nem é um fenómeno novo, tem barbas bem maiores que as dos judeus ou que as dos palestinianos.

Quando me perguntam se eu condeno o ataque bárbaro dos terroristas do Hamas a Israel, é claro que repudio em absoluto a barbárie que aconteceu. Não há em mim, minha amiga, sequer uma réstia de dúvida. O Hamas é um movimento terrorista e islamista palestino, de orientação sunita, e não tem mesmo qualquer desculpa.

Porém, Israel, Berta, enquanto Estado democrático, se bem que atualmente gerido sob a influência de uma extrema direita radical, não tem, nem nunca poderá ter, legitimidade para atuar barbaramente, ainda mais, precisamente, não sobre os terroristas do Hamas, mas sobre a população civil palestiniana. O que Israel está a fazer nesta guerra em que para combater os terroristas priva o povo palestiniano de quaisquer meios de sobrevivência é criminoso, bárbaro e deve ser criticado e combatido de forma bem vincada.

Não me quero alongar muito mais sobre o assunto, porque ver Israel a agir como um Estado terrorista exige que o mundo o trate como tal. Não tem qualquer direito a agir dessa forma. Mesmo a morte atroz de 1,200 israelitas não legitima a exterminação do povo palestino, um verdadeiro genocídio, que até ao momento já fez mais de 4,300 vítimas entre os palestinianos, por isso, Berta, fico-me por aqui no meu comentário. Despeço-me com um beijo,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta nº. 647: O Predador que Invadiu Portugal em 2007 Contra-Ataca

Berta 647.jpg Olá Berta,

Espero que esta carta de encontre bem depois do teu longo cruzeiro à volta do mundo. Se nos escrevêssemos por correio eletrónico não teríamos estado tanto tempo sem desabafar, mas, como ambos decidimos manter a tradição, estas coisas acontecem. Aproveito o teu regresso para te avisar sobre essa terrível espécie invasora que ameaça invadir o país de uma forma avassaladora já no próximo ano.

O animal, amiguinha, apareceu em Portugal em 2007 e logo aí gerou a extinção de uma outra espécie que, devido à forte implementação deste novo bicho, desapareceu por completo. Dizia-se na altura que era normal, que estava de acordo com a Teoria da Evolução das Espécies, com os escritos de Darwin e que pouco havia a fazer.

Afinal, era a lei do mais forte a substituir e a aniquilar o mais fraco. Dizia-se à época, Bertinha, que o bicho aparecera devido às alterações climáticas e que era uma consequência das mesmas, absolutamente inevitável. Rapidamente, qual praga, num só ano, alastrou pelo país qual réstia de fogo que se propaga em palheiro.

Os custos consequentes provocados à população nacional rapidamente se fizeram notar, não eram muitos os que conseguiam ficar imunes às despesas provocadas pelo animal. Porém, Berta, só aqueles que conseguiam abater a espécie de que o monstro se alimentava se viram livres dele.

O bicharoco, amiguinha, não é tão nocivo como um seu parente, bem mais antigo, que foi detetado em França pela primeira vez em abril de 1954 e que rapidamente invadiu o mundo, tornando-se numa das piores pragas da civilização e que hoje é considerado impossível de erradicar, porém, o animal de que falo, tem evoluído muito rapidamente,

O predador, minha querida, tem vindo a mudar de hábitos ao longo destes 16 anos. No início atacava mais afincadamente e de preferência, provocando mais danos, as mais fortes criaturas domésticas de que se alimentava, com especial incidência nas mais novas e tenrinhas, acabadas de nascer. Mas em 2024 a praga promete devorar as vítimas mais velhas e fracas, com pior voracidade do que o que faz com as mais novinhas. Para o ano, ou os donos abatem previamente os animais de que o predador se alimenta ou ele ataca todos os que vê pela frente, sem ter qualquer piedade pelos mais idosos e menos resistentes, onde ameaça ser fatal.

O bicharoco francês de que te falei há pouco, minha amiga, é conhecido em Portugal pelo nome de IVA e está em toda a parte, atacando tudo o que vê pela frente. Já o animal que apareceu no país em 2007, dá pelo nome de IUC, e só ataca veículos foi ele que extinguiu o ISV. Agora promete devorar avidamente os mais velhinhos e pode vir a causar uma extinção em massa de muitas das relíquias de um passado ainda não muito antigo. Tudo para fazer face, dizem eles, às alterações climáticas.

 E é assim, amiga Berta que, por hoje, me despeço de ti. Tem cuidado com os bichos papões e troca de carro que o teu é uma relíquia de 1984, senão o IUC vai dar cabo dele e das tuas finanças. Deixo um beijo muito saudoso,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta nº. 646: "O Mistério do Triângulo"

Berta 646.jpgOlá Berta,

Gostei de te rever nestas minhas férias pelo Algarve, mais propriamente pela maravilhosa vila da Fuzeta. A ilha continua deliciosa e de águas tépidas. Já a praia na Ria Formosa, junto à vila, antes chamada dos namorados, parece ter adotado, definitivamente, a designação de “praia dos tesos”. Contudo, continuo sem saber ao certo se a designação “tesos” se deve à presunção de que só lá vai quem não tem dinheiro para pagar os 5 minutos de barco de ida (e volta também) para a ilha da Fuzeta (há muito ligada à ilha da Armona) ou se o cognome se deve à quantidade anormal de preservativos que se encontram pelo areal ao amanhecer.

Seja porque for, a originalidade do nome é merecida. Aliás, Berta, cada vez mais ficamos com a impressão de que vivemos num país de tesos. Serão, sem dúvida, mais aqueles que o são pela insustentável leveza da carteira do que os outros assim chamados pelo vigor imponente de um mastro firme e hirto, mas ambos são efetivamente “tesos”.

Foi nestes dois areais que eu me deparei com um novo paradigma, um verdadeiro “Mistério do Triângulo Concavo que Não É das Bermudas”. Estou a falar dos novos biquínis que vestem ou despem senhoras e raparigas nesta temporada estival de 2023, conforme podes facilmente constatar, minha amiga, sempre que estiveres na praia.

Com efeito, minha querida, a parte de trás da cueca da maioria dos biquínis, que vi a revestir os corpos do belo sexo na praia, deixaram de servir para cobrir uma boa parte das nádegas e o rego traseiro, para se dedicarem a revestir, num minúsculo triângulo concavo, o fundo das costas, deixando por completo a descoberto os cus que deveriam ocultar.

Poderão uns argumentar que a nova moda é sexy, outros dirão certamente, Bertinha, que dependerá muito do tipo de “peida” que fica a descoberto. É que esta cueca, de utilidade duvidosa, foi adotada pela generalidade das mulheres e não apenas pelas catraias elegantes e ainda sem celulite nos glúteos.

Assim sendo, até um qualquer observador menos atento, se vê obrigado a reparar, ao detalhe, nas cordilheiras de banha, celulite e carne a descoberto pelas praias do país. Ora, minha amiga, eu nem sou sequer um defensor de pudores arcaicos e em desuso e penso mesmo que as mulheres devem ter todas as liberdades que conseguirem conquistar. Todavia, acho evidente que esta nova moda apenas beneficia uma pequena minoria do sexo feminino.

Aviso até que se no verão de 2024 aparecer uma moda de praia em que os homens metem a “gaita e os tomates” num saquinho diminuto preso por um lacinho, eu, sempre coerente, Berta, jamais usarei tal peça estival, nem que o Papa a recomende. Por hoje é tudo, deixo um beijo,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta nº. 645: Parabéns ao Grupo CAMPO DE OURIQUE e Obrigado!

Berta 545.jpg Olá Berta,

No passado dia 23 de maio, faz hoje um mês, o grupo Campo de Ourique tinha exatamente tantos membros, como no dia 18 de maio, cinco dias antes, altura em que publiquei uma post sobre o assunto. Nomeadamente, amiga querida, a Carta à Berta n.º 639. No total o grupo Campo de Ourique possuía uns notáveis, 6.905 membros.

Estava contente com o facto de sermos o segundo maior grupo de Campo de Ourique, só ultrapassado pelo irmão, 3 anos mais velho, o grupo Fãs de Campo de Ourique, magistralmente gerido pela Administradora Clara B. Fonseca, tendo este grupo, à data, uns incríveis 9.089 membros. A diferença, entre os dois grupos era imensa, minha amiga, mais precisamente 2.184 membros, porém, eu estava muito satisfeito. Eu herdei o grupo Campo de Ourique em setembro de 2020, numa altura em que eramos apenas o sexto maior grupo de Campo de Ourique, o que, mesmo assim, já era bastante significativo.

Em setembro de 2020, Berta, por altura do sétimo aniversário do grupo, tínhamos uns relevantes 5.455 membros. No top 5 da tabela estavam os grupos: Fãs de Campo de Ourique; Crescemos em Campo de Ourique; Campo de Ourique Bairro de Campeões; Campo de Ourique: mais que um bairro, um estilo de vida; Tertúlia de Campo de Ourique.

Pode agora parecer pouco, amiguinha, mas eu estava orgulhoso do trabalho do anterior administrador do nosso grupo. Acontece que, devido a algumas mudanças na sua vida, ele teve de passar o grupo a alguém, principalmente por falta de tempo para o continuar a acompanhar devidamente.

Passei o primeiro ano a tentar, como sabia e podia, a não deixar que o grupo perdesse relevância, pois o bairro tem este caráter único que, no Facebook, se traduz pela existência de quase 30 grupos a ele alusivos, querida amiga. Não era opção deixar o grupo desaparecer do top 10 dos grupos de Campo de Ourique.

Em setembro de 2021, um ano volvido, doce amiga, tínhamos conseguido crescer à razão de 5 membros por mês e terminamos o oitavo ano com 5.515. Para mim, envolto nesta nova responsabilidade, foi como uma lança em África. Infelizmente no ranking não tínhamos conseguido chegar ao quinto lugar.

Todavia, Berta, no segundo ano, eu já tinha umas ideias sobre como poderia ajudar o grupo a evoluir de forma mais substancial. Chegámos ao nono aniversário do grupo, em setembro de 2022, com 6.201 membros, tendo sido angariados mais 686 elementos, com uma média de 57 novos membros por mês, quase dois por dia. Quanto ao ranking, para minha felicidade, entrámos no top 5. Algo que dois anos antes eu julgava impossível de atingir. Mas a vida não é só desgraças, tem as suas coisas boas também.

Nos meses de outubro, novembro e dezembro de 2022, a média de novos membros por mês continuou a aumentar. Na altura, da passagem de ano eramos já 6.452, caríssima, chegando a ultrapassar as 83 novas adesões mensais. Tendo subido para o quarto lugar do ranking dos grupos de Campo de Ourique.

Chegados a 23 de maio de 2023 a minha admiração pela colaboração de todos atingiu um patamar de excelência, amiginha, que julgava impensável de acontecer: o grupo atingia os 6.905 membros, tendo aumentado mais ainda o número de elementos aderentes, agora com uma média de mais de 93 membros por mês.

No entanto, minha querida, no dia 18 de maio eu escrevi a Carta à Berta n.º 639, a solicitar o apoio do grupo. Entre o dia 12 de maio e o dia 23 de maio, não tinha havido qualquer crescimento de novos membros, os que entravam eram compensados pelos que saiam. Pensei que tínhamos chegado ao nosso topo. O grupo não ia crescer mais. Fiz vários pedidos de apoio aos membros do grupo, depois daquele dia de 18 de maio.

A esperança não era muita, mas agora que já eramos, há alguns meses, o segundo maior grupo do bairro, Bertinha, e o objetivo era ainda tentar chegar a setembro com 7.500 membros. Não sei se fui ouvido ou não, afinal eu acho que esta mania de crescimento é mais uma teima minha do que de todo o grupo. Pouca gente se importa por fazer parte do sexto ou do segundo maior grupo do bairro.  Gostam do grupo e isso chega-lhes. Todavia, eu sou teimoso nos meus objetivos.

Ora, hoje, minha querida amiga Berta, passado um mês, sobre o dia 23 de maio, o grupo não só passou os 7.000 membros como também já chegou aos 7.101. Em 30 dias crescemos em quase duzentos membros, mais propriamente, 196, algo inacreditável para um grupo de bairro que vive do povo que o integra e que não possui vedetas famosas do jet-set nacional que se saiba. Somos só nós, o povo do bairro, a lutar pela nossa própria visibilidade.

A todos, os que ajudaram a que isto acontecesse ou aos que apenas ficaram a assistir com curiosidade, o mais profundo agradecimento. Sabes minha amiga, muitos dos que por aqui andam, conforme referi atrás, não querem saber se somos o segundo ou o sexto maior grupo do bairro, todavia, mesmo assim, e porque eu acho que pode fazer diferença, obrigado a todos aqueles que me têm ajudado a alcançar o protagonismo que o grupo merece. Afinal, somos Campo de Ourique!

Faltam 3 meses para o décimo aniversário do grupo, a todos peço ajuda para o celebrarmos com 7.500 membros. Obrigado. Quanto a ti, Berta, deixo um beijo,

Gil Saraiva

Ah! Já agora aproveito para dar as boas-vindas aos nossos novos membros da última semana:

José Santos,

Esmeralda Amoroso,

Thalita Araujo,

Antonio Gouveia,

Jaime Lane,

Manuel Pereira,

Luis Marques Matias,

Rita Gonçalves,

Tiago Magalhães,

Lívia Pinheiro,

Joao Garcia Pereira,

Liliana Beato Teixeira,

Lara Sofia,

Miguel Mendes,

Lopes Herinquis,

Silva Rod Ana,

Jorge Madeira - Kw,

Sílvia Bettencourt,

Miguel Santos,

Rita Leitão,

Luis Muchacho,

Ana Campos,

José Duarte,

Ambitur Profissionais,

Inês Gromicho Chenrim,

Daniel Baião,

Mariana Ramos Rocha,

Clara Araujo,

Ana Luisa

Estamos muito gratos pela vossa escolha, boa participação.

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta nº. 644: Quem Pode, Pode!!!

Berta 644.jpg Olá Berta,

Aqui estou eu novamente, saudoso como sempre, para te comunicar que, estou em vias de, abandonar o sapo.pt e os blogs do sapo. O email do Sapo sobre o qual tenho registado os meus blogs tem vinte e três anos, pois foi registado o ano 2.000.

Há uns oito anos tendo aderido à MEO eles anexaram o meu email antigo à minha conta e agora que sai da empresa, sem mais nem menos, suspenderam-me esse email, mesmo sendo ele muito anterior à minha adesão aos outros serviços, em vez de o voltarem a libertar. O que te parece, Berta?

É assim, minha querida, eles querem, podem e mandam. Por sorte o meu email principal é, como bem sabes, um gmail.com, mas, se não fosse, agora estava tramado. Foi já para prevenir coisas destas que eu o criei uns dias antes de aderir à MEO, embora a menina do atendimento me tivesse garantido que nunca perderia o email antigo se um dia deixasse a companhia.

Agora, amiguinha, vou tentar passar para o blogger.com, mas, para já, ainda ando às voltas com ele, a ver se me desenrasco. A disposição para me entender com estas coisas é que já não é a mesma de quando tinha 50 anos, mas vou ter de fazer um esforço. Tenho muita pena pelo meu histórico de poemas, desabafos, cartoons e carta à Berta ir ficar nos Blogs do sapo.pt, mas nada posso fazer.

Para já, Berta, a MEO tem dias em que me deixa aceder ao editor dos meus blogs e outros em que não me permite a entrada, avisando que o email está suspenso. Portanto, se um dia destes, ainda não sei quando, me quiserem continuar a ler, vão ter de me procurar no blogspot.com, num endereço novo, porque o alegadamente está tomado. Assim, passarei a usar o: https://presumivelmente.blogspot.com/, quem quiser pode guardar o endereço do blog. Afinal, seja onde for, serão sempre bem-vindos. Já eu, espero vir a adaptar-me rapidamente.

Pode ser que um dia, minha amiga, com sorte, volte a recuperar o meu email do sapo.pt e com isso consiga aceder à edição dos meus blogues permanentemente, contudo isso pode nunca chegar a acontecer. Enfim, terei de seguir em frente… deixo um beijo,

Gil Saraiva

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em destaque no SAPO Blogs
pub