Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Carta à Berta / Desabafos de um Vagabundo / Miga, a Formiga / Estro

Julho de 2022: blogs do Senhor da Bruma, assinados por Gil Saraiva, são reunidos em "alegadamente": Estro (poesia), gilcartoon (cartoons) e Desabafos de um Vagabundo (plectro). Tudo deve ser entendido no âmbito do alegadamente.

Julho de 2022: blogs do Senhor da Bruma, assinados por Gil Saraiva, são reunidos em "alegadamente": Estro (poesia), gilcartoon (cartoons) e Desabafos de um Vagabundo (plectro). Tudo deve ser entendido no âmbito do alegadamente.

Carta à Berta: Reino Unido Decide Vacinar Imigrantes Ilegais

Berta 671.jpg

Olá Berta,

Sem querer sequer ser controverso eu sempre tive a noção que os britânicos, principalmente os ingleses, são tradicionalmente dos povos mais racistas que eu conheço. Porém, eu que adoro, como sabes, andar de chapéu hoje tiro-o ao Primeiro-Ministro Boris Johnson. Faço-o porque, segundo notícia do Jornal de Notícias quer os imigrantes ilegais quer os indocumentados no Reino Unido vão ter o direito de ser vacinados gratuitamente contra a pandemia, sem serem obrigados a provarem que têm direito de residência ou visto para se encontrarem no Reino de Sua Majestade, segundo o que anunciou, ontem o Governo britânico à comunicação social.

A divulgação foi acompanhada do seguinte discurso, traduzido pelo JN: "As vacinas contra o coronavírus serão oferecidas gratuitamente a todos os que vivem no Reino Unido, independentemente de seu estatuto de imigração. Os que estão registados com um médico de família serão contactados o mais rápido possível e estamos a trabalhar em estreita colaboração com parceiros e organizações externas para contactar aqueles que não estão registados e garantir que tenham acesso à vacina”.

Aliás, embora o Ministério do Interior tenha acesso a certos dados sobre os pacientes registados em centros de saúde do sistema nacional, o Governo fez questão de avisar os seus funcionários que a vacinação e igualmente a testagem (e ainda o tratamento contra a Covid-19) não estariam sob a alçada da necessidade de controle de vistos.

Porém, porque o seguro morreu e velho, a organização representante dos médicos, a British Medical Association, pediu a devida suspensão da transmissão de informações sobre estes imigrantes durante a pandemia, bem como uma comunicação "clara e ampla" da medida. O diretor britânico da comissão de ética da ordem dos médicos, afirmou inclusivamente que: "Para que a campanha de vacinação seja um sucesso, é fundamental que o maior número possível de pessoas seja vacinado". Acrescentando que a sua preocupação vai para o impacto da Covid-19 no seio das minorias étnicas existentes no Reino Unido.

Ora, sendo verdade que o país já leva mais de 112 mil mortes desde que a pandemia teve início, sendo aquele que maior número de óbitos tem na Europa e estando em quinto lugar no mundo em termos absolutos, o que importa no momento é que a vacinação seja um sucesso.

Para isso, a atual campanha de vacinação de larga escala, envolvendo meios que vão desde o exército, passando pelos profissionais de saúde, até aos milhares de voluntários que ajudam neste complexo processo, procurou trabalhar com a finalidade de se conseguir uma ampla vitória neste que é um projeto de gigantes.

Este raciocínio já permitiu administrar uma primeira dose a mais de 12 milhões de pessoas, mas as autoridades temiam que pudessem existir categorias da população que não fossem vacinadas por desconfiança, especialmente entre as minorias, o que levou às declarações prestadas ontem pelo Primeiro-Ministro, Boris Johnson.

Se todo este processo for sério e honesto, eu, minha querida Berta, não apenas tiro o chapéu a Boris, como quase me proponho a comê-lo a seco, embora o chapéu custe a digerir, tal é o meu grau de espanto. Nada mais há a dizer, a não ser que a história me provará se devia ter ou não mastigado o ornamento craniano. Despede-se com um beijinho o teu amigo, repleto de saudades,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta: Covid em Dia dos Namorados

Berta 468.jpg

Olá Berta,

Faltam oito dias para o dia de São Valentim, o Dia dos Namorados. São tempos estranhos estes que vivemos. Tão estranhos que não me lembro de os ver relatados sequer na ficção. Em Portugal, pela primeira vez desde que tenho memória, não se recomenda a troca de beijos nem mesmo o famoso abraço apertado entre pessoas que se amam.

É claro que, para quem já vive no mesmo domicílio em comunhão de leito com o amor da sua vida, estas recomendações não se aplicam e apenas são recomendados alguns conselhos especiais, sobre as atividades antecedentes aos mimos, por parte de cada um dos elementos do casal. Por exemplo, são desaconselhadas partilhas de intimidade com elementos estranhos ao casal. Entre outras recomendações mais ou menos bizarras.

Contudo, para aqueles que ainda se encontram na fase de namoro (propriamente dita), ainda sem partilha de um teto ou uma cama de forma permanente e continuada, é que as coisas se tornaram quase absurdas. Se em janeiro de 2020 alguém dissesse que se iria pedir a um casal de namorados para não se abraçarem ou beijarem, já para não falar de partilhas mais íntimas, seria chamado de lunático, idiota ou pior ainda, seria insultado com aquela forma, tão em voga nas redes, impregnada de essências viperinas e carregada de insultos e impropérios dos mais variados.

Porém, é isso mesmo que está a acontecer este ano. Aos namorados é recomendado que façam uso do distanciamento social e que se evitem mutuamente, quer não partilhando beijos, mãos dadas ou abraços de modo a ajudarem, com a sua atitude a prevenir a propagação da famigerada pandemia.

Só falta mesmo alguém ter a ideia brilhante de criminalizar o abraço, o beijo e a mão na mão, para que se atinja o cúmulo da paranoia “covidiana”.  Mas já há quem defenda que, estes namorados (os que ainda não coabitam juntos) só troquem mimos, seja de que ordem for, se ambos estiverem testados e dados como negativos no que concerne ao coronavírus.

Agora experimentem imprimir alguma lógica a isto quando se dirigem a um casal na casa dos 13 aos 17 anos, por exemplo, seja este constituído ou não por heterossexuais, mas ambos com as hormonas aos saltos e em ponto de ebulição, sem serem, devido a essa mensagem, tratados com o devido escárnio por parte dos visados.

É que, principalmente para os jovens e com maior enfase nos adolescentes, é inconcebível que lhes seja solicitado que evitem os impulsos e as interações amorosas próprias destas idades tão especiais. É o tempo deles. Aquele tempo que recordarão para toda a vida com a famosa expressão “no meu tempo”.

Enfim, minha querida Berta, tudo isto para dizer que ainda não vi esta matéria devidamente tratada, pelos especialistas, com o cuidado e a atenção que deveria efetivamente merecer por parte de quem decide.

Educar é um processo complicado e é preciso fazê-lo tendo em conta as especificidades de cada ato educativo e do grupo alvo que se pretende formar. Faltam oito dias para o Dia dos Namorados… despede-se este teu amigo, com um beijo virtualíssimo, sempre ao dispor, saudosamente,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta: As Vacinas em Portugal

Berta 467.jpg

Olá Berta,

Embora tu, minha querida amiga, já me tenhas pedido para falar do plano de vacinação em Portugal, por queres saber a minha opinião sobre o assunto, eu, muito sinceramente tenho evitado trazê-lo para as nossas cartas. Porém, como algum dia terá de acontecer, pode até ser já hoje. Apenas sublinho que vou dizer o que penso sobre o assunto sem mais delongas.

Quanto ao plano em si, e as prioridades definidas para a toma de vacinas eu acho que irá sempre haver quem o conteste e quem se sinta injustamente deixado para uma segunda ou terceira linha, seja qual for o critério de prioridades. Quanto às que atualmente estão em vigor estou de acordo que existam e que se façam cumprir da melhor maneira possível e com a celeridade projetada.

Penso, no entanto, que o grupo responsável pelos critérios irá fazendo pequenos ajustes às prioridades, consoante assim se achar melhor, durante o processo, e não vejo mal algum em que o façam. Um plano rígido era por si só muito mais absurdo. Cheguem atempadamente as vacinas da Europa e o serviço tratará de as distribuir atempadamente e julgo mesmo que sem problemas de maior.

Não sou arauto da desgraça, nem sequer sou uma Clara Ferreira Alves que, ainda ontem, ouvi dizendo que tudo estava e seria um caos. Pois bem, no meu entender isso não corresponde à verdade dos factos. A vacinação está a correr muito bem e acho que assim continuará. Também discordo com a jornalista comentadora do Eixo do Mal, quando ela vê e prevê um fim à vista para António Costa, todavia isso são contas de outro rosário e não vale a pena falar nisso presentemente.

No que respeita às vacinas que têm sido dadas indevidamente, a pessoas que não constavam nas prioridades, existem dois grandes tipos de situações. As que foram dadas a qualquer pessoa, para não desperdiçar doses que sobraram e que já estavam descongeladas, numa altura em que ainda não existiam alternativas definidas para o efeito, e as que foram alvo de abusos seja de que ordem for. Enquanto que o primeiro caso não foi grave, foi residual e serviu para serem criadas listas de suplentes para as sobras, a segunda é mais séria e merece ter as devidas consequências consoante a gravidade de cada caso.

Apenas acho que no caso nacional, onde essa divergência, sobre o que estava planeado, é inferior a 0,1% das vacinas já efetuadas e que entre primeiras e segundas doses já atingiram o meio milhão praticamente, é deveras irrelevante. Dito isto todos os casos devem ser analisados e punidos quando for realmente o caso.

Por hoje fico-me por aqui minha querida Berta. Despede-se este teu velho amigo, sempre ao dispor onde e quando me achares necessário, com um beijinho,

Gil Saraiva

Carta à Berta: Graça Freitas Infetada com Covid-19

Berta 402.jpg

Olá Berta,

Graça Freitas, a Diretora-Geral de Saúde, está doente. O primeiro a anunciar o facto foi o Expresso, que declarou perentoriamente que foi já confirmada uma infeção e informada a senhora diretora, de 63 anos, esta manhã, de que se trata de SarS-CoV-2, ou seja, Covid-19.

A notícia caiu que nem uma bomba na Direção Geral de Saúde e a equipa especial que testa as altas individualidades passou uma noite muito atarefada, tendo-se deslocado mesmo a Leiria para testar o Secretário de Estado Adjunto e da Saúde. O mesmo aconteceu no Instituto Ricardo Jorge que esteve atarefadíssimo a tentar descortinar os resultados dos testes feitos pelas duas equipas especiais que esta madrugada estiveram no terreno a recolher diversos testes inerentes aos grupos de contactos da senhora Diretora-Geral da Saúde e aos seus respetivos agregados familiares e de proximidade.

Marta Temido, parece não ter o que temer, pois, tal como o seu Secretário de Estado Adjunto e da Saúde, António Lacerda Sales, bem como o Secretário de Estado da Saúde, Diogo Serras Lopes, acusou negativo.

Agora o que mais me espantou, para além da infeção por Covid-19 de Graça Freitas, foi ficar a saber que existiam equipas de testagem e de rastreio para as altas individualidades do Estado e que estas podiam ser convocadas para trabalhar fora de horas. Assim como desconhecia que o laboratório de referência, o Instituto Ricardo Jorge, podia mandar uma equipa laborar noite adentro.

Foi emitido esta manhã um comunicado da DGS. “A Direção-Geral da Saúde informa que a Diretora-Geral da Saúde, Graça Freitas, testou ontem positivo para a infeção por SARS-CoV-2, estando neste momento em isolamento. A Dr.ª Graça Freitas manifesta sintomas ligeiros da doença. O rastreio de contactos pela Autoridade de Saúde Regional está atualmente em curso, para identificar todas as pessoas potencialmente expostas. A conferência de imprensa que estava hoje prevista na DGS fica cancelada”.

De toda esta lubrificada e eficiente máquina do Estado, que achei deveras eficaz, fiquei com aquela sensação de que, realmente, o “Sol Nasce Para Todos” apenas a aurora ocorre mais cedo naqueles que habitam ou coabitam, lá no cimo das altas esferas do Estado. Não ligues amiga Berta, são só ciúmes de cidadão invejoso que tem de esperar 4 dias pelo resultado de um teste.

Por Hoje é tudo, despeço-me com carinho, como sempre, este teu amigo que sempre te traz na memória e no coração com alegria e saudade,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta: As Quatro Cores da Pandemia

Berta 393.jpg

Olá Berta,

Entrámos hoje num novo Estado de Emergência. Agora temos o país dividido, face à pandemia, em 4 cores. Quanto mais carregada é a cor, mais grave é a situação do concelho assinalado. Os graus de gravidade são igualmente quatro: moderado, elevado, muito elevado e extremamente elevado. Até aqui a coisa parece clara.

Contudo, se não há diferença entre as consequências entre muito elevado e extremamente elevado, a criação dos escalões perde algum sentido. Qual é a motivação que um concelho tem para descer do nível máximo para o imediatamente anterior? Ah! A responsabilidade de combater a pandemia. Certo. Mas isso chega em termos de incentivo? Tenho as minhas dúvidas, sabendo eu como funciona o poder local, sem prémio não há motivação.

Se os níveis agora anunciados, para classificar o risco pandémico, servissem para esclarecer os efeitos na performance masculina sobre o efeito do viagra e similares, a situação seria bem mais divertida e muito menos perigosa, quiçá mesmo competitiva. Um concelho com uma performance extremamente elevada, principalmente nos idosos seria, nesta hipótese demonstrativa, um concelho feliz. Contrariamente à pandemia nenhuma região iria querer fazer parte do escalão dos moderados. Aliás, conhecendo o povo português, rapidamente seriam alcunhados.

Já estou a imaginar o Correio da Manhã a fazer manchete, em gigantescas parangonas, com as autarquias dos pilas-moles ou o Expresso a apresentar um Estudo ou uma douta Opinião Especializada e aborrecida, sobre as consequências, do efeito extremamente elevado, nos séniores portadores de doenças cardiovasculares, entre outras.

De uma forma ou de outra, a imprensa e a comunicação social em geral, haveriam de arranjar maneira de tirar todo o divertimento aos efeitos na performance masculina sobre o efeito do viagra e similares no escalão sénior da sociedade. Porém, tenho dúvidas se com isso afetariam a competição saudável que esta luta pela busca dos prazeres básicos iria certamente suscitar.

Estava a imaginar, aqui com os meus botões, como seria este novo mapa nacional a quatro cores. Que concelhos estariam em ambos os extremos do mapa? À partida, eu que de sexologia, enquanto ciência, sei muito pouco, sou levado a pensar que o Norte continuaria a ser o grande detentor do tom carregado próprio da classificação de extremamente elevado.

Nunca saberemos. Como sempre parece haver pouco interesse em medir e aferir a verdadeira felicidade do povo, pois é mais dramático e vende mais massacrá-lo com os níveis da desgraça nacional. Todavia, não me admiraria se a sombra de um chaparro não contribuísse positivamente para uma atividade mais dinâmica, mas isto sou só eu a pensar. Fico-me por aqui, querida amiga, recebe um beijo de até amanhã deste que não te esquece,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta: Covid-19 >>> Portugal - União Europeia - Europa - Mundo

Berta 313a.jpg

Olá Berta,

Como bem sabes não sou um fã da desgraça e muito menos desta pandemia que assolou o mundo. Não gosto de coitadinhos e não aprecio gente que se faz de vítima para conseguir a atenção e a solidariedade de terceiros. Porém, reconheço que muita coisa vai mal e pior ainda agora, principalmente, desde que fomos invadidos por esta coisa chamada de Covid-19. A pandemia pôs a nu fragilidades e, em muitos casos e situações, revelou mais nitidamente muitas das assimetrias existentes por este mundo a fora.

Não sou, nem nunca fui um nacionalista ferranho, todavia, adoro ser português e tenho muito orgulho em sê-lo. Considero que vivemos num país especial. Não é apenas o facto de estarmos estrategicamente situados no centro do mundo Ocidental. É o sermos o melhor destino turístico do mundo já há três anos consecutivos, é mantermo-nos como o terceiro país mais pacifico e seguro do globo, apenas ultrapassados pela Islândia (que conta com menos de meio milhão de habitantes) e pela Nova Zelândia (que tem uma população que é em número menos metade da portuguesa), ou seja, estou convencido que vivo num país realmente especial, moderado em usos e costumes, moderado no clima e cujo passado de mais de oito séculos muito me orgulha, independentemente das asneiras que alguns dos nossos líderes foram fazendo ao longo da História.

Ultimamente, por causa do novo aumento de infeções, andam por aí umas vozes a dizer que o país perdeu o rumo, que não soubemos sair do confinamento, que agora é que está tudo a caminhar para o caos.

Desculpa que o diga de uma forma mais grosseira, amiga Berta, mas é tudo uma grande treta. Continuamos a ser um país moderado até quanto à pandemia. Nos indicadores que importam estamos proporcionalmente colocados se levarmos em consideração a população de Portugal face aos outros países e territórios. A tabela do «worldometer» que divulga, entre outros dados, os números da pandemia em termos mundiais e europeus, é disso a melhor das provas, não deixando dúvidas sobre o tema.

Mas analisemos mais de perto os dados europeus. O site que referi identifica 48 países e territórios na Europa (podes consultar, minha amiga, a tabela que te enviei a ilustrar esta carta com os primeiros 14 países em termos de população). Ora, dos 48 referidos existem 13 que não chegam ao milhão de habitantes, e que vão desde o Vaticano ao Luxemburgo. Depois há mais 10 que não conseguem ultrapassar a barreira dos 5 milhões, situados em números entre a Estónia e a Irlanda. Em seguida vêm mais outros 10 que se ficam abaixo dos 10 milhões e acima dos 5, enquadrados em crescendo entre a Noruega e a Hungria. Em resumo existem 33 países e territórios na Europa cuja população não alcança os 10 milhões de habitantes.

Quando imaginamos que somos um país pequenino no Velho Continente, convém sabermos que há 34 países e territórios na Europa com uma população menor que a nossa, pois a Suécia, embora ultrapasse os 10 milhões de habitantes, tem menos umas largas dezenas de milhares de pessoas do que nós. Aliás apenas, 13 países nos ultrapassam em população, desde a Grécia com mais 222 mil indivíduos que Portugal até à Rússia com quase 146 milhões de habitantes… e sim, estou a contar com a Rússia, que abrange 2 continentes, estendendo-se bem Ásia adentro.

Pelo que atrás vai dito ficamos com a perfeita noção que somos o décimo quarto país mais populoso da Europa. Ora, não é, portanto, estranho que ocupemos igualmente esse mesmo lugar no que respeita aos países mais infetados do continente. A proporção é a mesma. Também somos o 14.º no que aos novos casos diários de infeções diz respeito e isso também acontece já há mais de uma semana. Pode parecer estranho, contudo, é também essa a posição que ocupamos quanto ao total de mortos e ao número de casos críticos em cada país ou território europeu.

Mas as coisas ainda são melhores se pensarmos nos casos recuperados da pandemia onde estamos em sexto lugar em números absolutos. Já quanto ao número de mortos diários e no número total de infetados por milhão e de óbitos por milhão de habitantes ocupamos orgulhosamente o 18.º nos primeiros dois e o 19.º no último destes parâmetros.

De referir que somos o décimo país (de 27) com mais população no seio da União europeia e igualmente o décimo com mais casos registados até ao momento. Todavia, no número absoluto de testes realizados por cada país europeu estamos orgulhosamente acima da média, no 10.º lugar entre os 48. Mas se olharmos para os testes por milhão de habitantes passamos rapidamente para o terceiro lugar do ranking, só sendo ultrapassados pela Rússia, logo seguida do Reino Unido. O destaque ainda é mais espantoso porque podemos dizer que somos o país da União Europeia que mais tetes realiza por milhão de pessoas. Ao todo já testámos mais de 20% da população nacional. Um facto absolutamente revelador da nossa firme determinação em combater a pandemia, com mais testes por milhão de habitantes que Alemanha, França, Itália, Espanha, Holanda, Polónia, Roménia, Grécia ou Bélgica, só para falar dos casos mais flagrantes.

Podia continuar com o mesmo tipo de comparação em relação ao mundo onde somos o 89.º país ou território do mundo com mais população, havendo 125 países ou territórios com um número de habitantes inferior ao nosso. Posso afirmar que relativamente ao globo, contando os países com população igual ou superior à nossa, ainda estamos mais bem colocados do que a nível exclusivamente europeu. Todavia acho que já seriam números a mais para uma só carta, pelo que me fico por aqui. Julgo que até me agradeces por não me alargar em demasia.

Porém, só para dar uma ideia, acima dos 10 milhões de habitantes somos o quinto país que mais testes faz, por milhão de habitantes, no mundo inteiro, apenas sendo ultrapassados por colossos como a Rússia, o Reino Unido, os Estados Unidos e Austrália.

Como podes comprovar, minha querida Berta, temo-nos portado muito bem nesta coisa do Covid. Recebe deste teu amigo um beijo de despedida e carinho, saudosamente,

Gil Saraiva

 

PS: Apenas um aparte, querida amiga, a saga do fogo em coberturas continua, agora alargada ao país. Desta vez foi a cobertura, no sótão, localizado no terceiro piso de um restaurante, em Felgueiras. Com este, em 4 dias úteis (desde a passada sexta-feira), já são 11 as coberturas, sótãos ou águas-furtadas que ardem pelo país. Espero que isto tenha um fim, pois não consigo compreender tanta coincidência.

 

 

 

Carta à Berta: DGS condena à morte o Desporto em Portugal. (o que vai ser do Clube Atlético de Campo de Ourique - CACO?)

Berta 307.jpg

Olá Berta,

Hoje, por causa das últimas notícias da DGS relativas ao Desporto, estava a pensar num clube pelo qual tenho um especial carinho. Estou a falar do CACO, o Clube Atlético de Campo de Ourique. O que vai ser desta gente se a DGS não alterar o seu comportamento? E o Ginásio Clube Português? E os Alunos de Apolo? E tantos outros pelo meu bairro e pelo país fora. Como poderão desenvolver-se as modalidades? Quem suportará a imensidão de testes à Covid requerida pela Autoridade de Saúde?

Aliás, generalizando, amiga Berta, sabias que existem em Portugal quase 700 mil atletas federados? É uma quantidade imensa de gente que faz mover o país como não fazia há 20 anos atrás, onde os praticantes eram menos de 50% do número atual. Se juntarmos a estes, aqueles que criaram os seus negócios e serviços para poder servir os desportistas e se lhes juntarmos a malta da dança, da música e dos eventos, e todos os que se movimentam à sua volta, estamos a falar de mais de 25% da população portuguesa.

Ora a DGS, fechada na sua sapiente redoma de idiotas intelectuais, está a condenar à morte o Desporto em Portugal. A quantidade de condições impraticáveis, que anunciou para que o desporto possa retomar, de alguma forma, à vida das populações, está a pôr em perigo eminente hábitos saudáveis e ativos com mais de 20 anos.

Ninguém diz que não devem ser tomadas medidas e cautelas para evitar a propagação da pandemia. Agora, criar normas e regras, para uma área tão vasta, sem ouvir os intervenientes, é absolutamente obtuso e absurdo, até mesmo intolerável.

Estará a DGS a apelar à desobediência civil? Quererá a DGS criar uma guerra aberta com mais de um quarto do país? O que se passa no mundo estranho e “pseudo-visionário” de Marta Temido e Graça Freitas?

Terá o poder subido à cabeça destas senhoras? Por favor, pela saúde e bem-estar de todos, regressem ao bom senso. Falem com as federações, as confederações, até mesmo com as associações, empresas do setor, sindicatos, todos os que sejam úteis, e o quanto antes, para não se verem com uma crise nacional de insurreição, dentro de pouco tempo, entre mãos.

O povo português é calmo, sereno e tolerante. Todos sabemos disso. Porém, não admite ser pisado e tratado sem respeito por muito tempo. Mais de dois terços das normas da DGS são inconstitucionais, violam descaradamente direitos fundamentais numa altura em que não existe um estado de emergência declarado, que as justifique. Isto tem de acabar o quanto antes. É preciso inteligência ativa no seio do Governo e muito rapidamente.

Nos termos presentes, a DGS condena à morte o Desporto em Portugal. Todavia, arrisca-se a mais cedo ou mais tarde ter de se sentar no banco dos réus. A pena de condenação efetiva sucederá, certamente, pouco depois. Deem um passo atrás enquanto é tempo. Não fiquem sentados de camarote à espera que o povo se revolte. Ele já foi paciente com a brincadeira de põe e tira máscara de Graça Freitas e do seu chorrilho de asneiras na altura.

Por favor governantes deste país não estiquem mais a corda, porque na ponta pode estar um laço, que se vai apertando, e que poderá vir a ser a vossa condenação à forca popular. Ganhem juízo e senso enquanto há tempo. Tomem todas as medidas que tiverem de ser tomadas, porém com a devida ponderação e consultando sempre os setores afetados. É negligência e soberba não ouvir os interessados ou os seus representantes antes de anunciar comportamentos, normas e medidas. As coisas têm de ser exequíveis, ponderadas e delineadas cuidadosamente.

A DGS não é o Ministério da Agricultura, nem as pessoas podem ser tratadas como varas de porcos ou manadas de gado que se mandam abater. O respeito mútuo tem de ser um prossuposto imperativo.

Além disso, eu quero ver o CACO jogar, quer ganhe ou perca, principalmente no Hóquei em Patins, uma das modalidades mais queridas dos portugueses. O que vamos dizer às crianças? O que podem fazer clubes como estes que mal sobrevivem no contexto atual, e se sobrevivem é à custa do esforço conjunto dos seus dirigentes, atletas e apoiantes? O que mais quer a DGS deles?

Mais não digo, minha muito querida Berta, sinto-me triste por ver o desrespeito como o povo a que pertenço tem sido tratado. É preciso agir e quanto antes. Recebe um beijo de despedida, deste teu velho amigo,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta: Covid-19 - Vacinação Gratuita e Universal em Portugal. E Obrigatória?

Berta 300.jpg

Olá Berta,

A minha carta de hoje prende-se com a notícia, do Jornal Público, que anuncia que «o Governo investe 20 milhões em vacinação “universal e gratuita”», contra a Covid-19. Esta é realmente uma notícia que merece destaque. Contudo, e eu nunca fico plenamente satisfeito com as coisas que leio, esta declaração devia dizer mais. Assim, conforme é descrita a coisa, embora me agrade a divulgação da intenção, não me deixa completamente satisfeito. Sinto ausência de mais responsabilidade e de alguma determinação.

Com efeito, na modesta opinião de um cidadão anónimo como eu, sinto alguma falta de rasgo e determinação naquilo que é a narrativa do Estado, ou seja, acho que esta era uma boa altura para o Primeiro-Ministro ser claro e determinado nas intenções. Assim, o anúncio deveria dizer: Costa investe 27 milhões em vacinação obrigatória, universal e gratuita. Porém, eu não escrevi 20 milhões, mas sim 27.

Porquê? Porque acho que era uma ocasião soberba para os socialistas se anunciarem solidários, cooperativos, agradecidos e fraternos para com os países de língua oficial portuguesa e anunciarem a oferta de toda a vacinação necessária a países como Cabo Verde, São Tomé e Príncipe, Guiné e Timor-Leste pois estamos a falar de apenas mais 4 milhões, 72 mil e 122 pessoas, no total das 4 populações abrangidas. Um custo que não ultrapassaria os 7 milhões de investimento.

Angola, Moçambique e Brasil, já não precisam tanto do nosso apoio como os anteriores 4. Primeiro, porque têm entre 3 a 21 vezes mais população do que nós e, segundo, porque detêm outros recursos que os outros não abarcam. Talvez Moçambique pudesse ter algum apoio nosso, mas pela dimensão teria de ser sempre algo bem menos significativo do que para os países que referi logo à partida.

Todavia, ter anunciado a atitude e intenção com esta dimensão teria sido uma notícia de absoluta relevância. Seria sempre uma ação determinada, forte, atuante, séria, participativa, solidária e fraterna. Uma ação diferenciadora do que temos assistido no “venha a nós” de muitos outros países por este mundo fora.

Também a palavra obrigatória na vacinação deveria constar na notícia. É imperativo garantir à população de risco a segurança de uma vacinação plenamente universal, por isso obrigatória. Nestas coisas da vida e morte, da saúde e da doença, os paninhos quentes apenas nos dão uma falsa sensação de conforto, mas não resolvem os problemas pela raiz.

Contudo, e eu sou um crente nos homens, sempre e até prova em contrário, pode ser que algo de semelhante ao que acabo de desejar, venha a ser anunciado pelo nosso Governo, na pessoa de António Costa. De uma coisa tenho a certeza, nos próximos tempos jamais poderemos demonstrar tanta solidariedade e irmandade fraterna como desta vez, com um custo reduzido de apenas 7 milhões de euros. Despeço-me com o costumeiro beijo de até amanhã,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta: Campo de Ourique - Evolução Covid-19 - Votação sobre o dia de Aniversário do Bairro

Campo de Ourique 2.JPG

Olá Berta,

Peço imensa desculpa, sei que estás curiosa por saber qual é o meu próximo pensador, e que já deveria ter dado continuidade ao Diário Secreto do Senhor da Bruma. É verdade e tens razão. Quando assim é não há muito mais a acrescentar em jeito de desculpas, uma vez que, efetivamente, elas não existem.

Contudo, há assuntos que queria referir e que não pretendia mesmo deixar cair no esquecimento. Eles têm surgido, uns atrás dos outros, em catadupa e não há como evitá-los. Espero, já amanhã, retomar o diário. A não ser que por ironia surja algo importante.

Ora eu, que quando penso que existem motivos para criticar não me coibo de o fazer, também estou disposto em dar a mão à palmatória quando, mesmo contra algumas das minhas perspetivas, as coisas correm de forma diferente, para melhor, daquilo que eu previa ou vaticinava. É o caso do tema de hoje.

Não é uma temática muito original, nem sei sequer quantas cartas para ti, amiga Berta, já dediquei ao Covid-19, mas foram bastantes, e hoje é mais uma delas. Embora esteja em pulgas para me referir ao caso específico de Campo de Ourique, vou começar do geral para o particular. Aliás, vou tentar ser sucinto e não partir para grandes devaneios, porém, quero deixar bem claro que tiro o meu chapéu à DGS.

Com efeito, a Direção Geral de Saúde, por competência efetiva, sorte ou mero acaso, nem importa qual das situações ocorreu, conseguiu um feito notável e nada esperado por este atento observador. Prefiro pensar, apesar de tudo, que o feito se deveu efetivamente à competência e não a um qualquer acaso.

Ora, relembro aqueles que se possam ter esquecido, nos 2 últimos dias de abril, do corrente ano, Portugal ocupava a décima quarta posição nos 213 países e territórios com casos de pandemia no mundo. Hoje, 3 meses e 3 dias depois, se tudo correr normalmente, devemos passar a ocupar o lugar 45 de um ranking em que descer é muito mais valorativo e importante do que subir.

Mas, mais relevante ainda é que, dos países com a mesma população que nós ou superior à nossa, atingimos a trigésima sétima posição, quando antes estivemos colocados no triste top 10. Aliás dos países com igual ou maior número de habitantes que Portugal, em termos de testes à população, só temos à nossa frente, em percentagem de testagem por milhão de habitantes, o  Reino Unido, a Rússia, os Estados Unidos da América e, nós, estamos num muito honroso quarto lugar, quando já estivemos quase no fim da tabela possível.

Tudo isto demonstra um trabalho gigantesco que tem vindo a ser feito pelo Governo e pela DGS a quem tenho efetivamente que elogiar neste momento.

Não farei o mesmo à Ministra da Cultura, pois a triste senhora devia estar colocada noutro Ministério, talvez o dos Estrangeirismos despropositados como o “drink” do outro dia em que se falava do estado deplorável em que se encontram muitos dos intervenientes do setor.

Finalmente o particular. Soube, de fonte fidedigna, que Campo de Ourique baixou, para menos de metade, o número de casos ativos que registava há uns 17 dias atrás. Uma recuperação assinalável que não podia deixar de evidenciar, nem de manifestar o meu vivo aplauso. Com efeito, é preciso uma boa consciencialização de todos para que algo deste género se consiga. Isto demonstra que a minha aldeia no meio de Lisboa se mantém atenta, embora, como em todo o lado, surjam, aqui e ali, alguns imbecis dispostos a contrariar a tendência.

Aproveito a ocasião para lembrar os utentes dos grupos de Campo de Ourique para o voto que se manterá ativo até final de agosto, no dia de aniversário de Campo de Ourique. Relembro aqui as datas possíveis, para votar é procurar o meu post do passado dia 16 de julho e efetuar a votação na opção pretendida. Todo o sistema e o que está em causa vem explicado na minha publicação desse dia.

Para os que desejem participar relembro que a votação termina no dia 31 de agosto e que só voltarei a fazer referência à escolha, no próximo dia 14 de agosto. Não deixem de participar.

O resultado será publicado, em todos os grupos participantes, a 4 de setembro.

DATAS PROPOSTAS PARA O ANIVERSÁRIO DE CAMPO DE OURIQUE E SUA ORIGEM:

  1. 5 de julho => Criação oficial, por atribuição de moradas aos primeiros residentes permanentes e instalados, do Bairro de Campo de Ourique, em 5 de julho de 1880.
  2. 12 de janeiro => Nomeação primeira, efetuada de forma oficial, da designação de “Bairro de Campo de Ourique” pela Câmara Municipal de Lisboa. 12 de janeiro de 1880.
  3. 15 de novembro => O projeto que dera entrada no mês anterior teve a sua aprovação oficial por parte da Câmara Municipal de Lisboa em 15 de novembro de 1878.
  4. 18 de outubro => Entrega na Câmara de Lisboa do 1.º Projeto de Edificação para a Tapada do Campo de Ourique em 18 de outubro de 1878.
  5. Nenhuma delas => Não acho nada disso relevante e Campo de Ourique passa bem sem aniversário.

Nota: Apenas o grupo “Nascemos Felizes em Campo de Ourique” não participou, pois não consegui a adesão, em tempo útil, ao grupo conforme tinha planeado.

 

Hoje fico-me por aqui, recebe um beijo deste teu amigo eterno, minha querida Berta, contigo sempre na memória me despeço, este que sempre te recorda,

Gil Saraiva

 

 

 

Carta à Berta: Covid-19 em Campo de Ourique - Parte II

Berta 268.jpg

Olá Berta,

Graças à simpatia de um elemento do Grupo Tertúlia de Campo de Ourique, no Facebook, o Senhor Abel Rosa, que até discordava com a crónica, tive acesso a uma notícia da passada sexta-feira, publicada no jornal diário Público, a qual trazia alguns dados sobre a pandemia em Lisboa. Neste grupo gerou-se um debate vivo a propósito da carta que te enviei ontem intitulada “Covid-19 em Campo de Ourique. Dá a origem desta parte II.

Foi um debate muito interessante, com uma elevada participação das pessoas que me pareceram genuinamente interessadas em saber mais, aliás, os 93 comentários, 35 manifestações de gosto, tristeza ou espanto e mais de 2 milhares de visitas ao blog onde publico as tuas cartas, são disso prova evidente. A destacar convém ainda referir as intervenções dos administradores do grupo, neste caso pai e filho, nomeadamente Marcelino Laranjo e César Laranjo.

Este último, mais irreverente, bastante contrariado com a forma como a crónica estava escrita, considerando-a até desnecessária e alarmante, entre outras coisas. O pai, foi mais simpático e garantiu-me saber, de fonte segura, que não existiam casos de infeções ativas nos supermercados do Pingo Doce em Campo de Ourique, esclarecendo a dúvida que, sobre esse assunto, eu levantara na crónica, o que me descansou mais, pois moro em frente a um deles. Gostei muito, também, das intervenções de Joana De Mello Moser.

Infelizmente a divulgação do jornal Público não reporta o número de casos acumulados desde o início da pandemia, nem quantos desses já recuperaram. Apenas refere o número de óbitos existentes em cada uma das freguesias, quantos são os casos ativos e como se comportaram as freguesias entre o dia 9 e dia 15 de julho no que concerne a novas infeções. No caso de Campo de Ourique, a atualização avança até dia 17 pois podemos somar os casos divulgados pela reportagem da Sic.

Junto envio a informação do jornal Público colocada num quadro que permite uma melhor leitura da informação, onde já incluo a atualização da Sic, 2 dias depois, em 17 de julho, que apenas respeita o “upgrade” dos casos no caso Lar dos Cegos em Campo de Ourique.

Dados Covid-19 Lisboa 15 de julho.jpg

Porém, da análise dos dados torna-se evidente que os 55 casos ativos no Bairro, avançados por mim, na carta de ontem, nada tinham de alarmante e correspondem exatamente à verdade. Contudo, alegadamente cai, sem que por isso me caiam os parentes na lama, a hipótese de existirem infeções nos supermercados Pingo Doce da freguesia.

Deves ter reparado, amiga Berta que mudei a imagem principal nesta sequência da Carta de ontem. O desagrado à forma como a imagem estava composta pareceu-me por demais evidente e por isso tinha que ser trocada. Espero que a apresentação dos factos acalme os mais alarmados.

Infelizmente, eu, no meu caso concreto e pessoal, fiquei bem mais alarmado com os factos do que estava anteriormente. Primeiro o ritmo de crescimento de casos em Campo de Ourique (em 9 dias), num total de 13, parece-me imenso. E depois, tendo em conta a área de Campo de Ourique (1,65 quilómetros quadrados) e o número de habitantes, com uma densidade populacional de 13,4 mil pessoas, a segunda maior de todo o Concelho de Lisboa, depois de Arroios que tem 14,8 ainda fico mais preocupado.

Afinal, Santa Clara, que tem 3,36 quilómetros quadrados, ou seja, pouco mais do dobro da área de Campo de Ourique e sensivelmente o mesmo número de habitantes, na casa dos 22 mil, está confinada. Com uma densidade de 6,69 habitantes por quilómetro quadrado tem 110 casos ativos. Precisamente o dobro da nossa freguesia. Porém, tem também o dobro da área o que significa que, por quilómetro quadrado, temos tantos infetados ativos (55) como a única freguesia confinada do Concelho de Lisboa.

Não sei se me estou a deixar influenciar pelo facto de ser uma pessoa pertencente a 2 grupos de risco, mas sinto-me realmente preocupado com a situação. Mas cada caso é um caso e não quero que se pense que estou a fazer um grande alarde dos dados ou a tentar gerar qualquer tipo de pânico em quem quer que seja. Já basto eu. Os números estão na imagem que te mando e qualquer um, tal como eu fiz, pode fazer qualquer outro tipo de análise mais otimista.

Uma coisa é certa, amiga Berta, a situação é séria e recomendo a todos os máximos cuidados quando se deslocam por Lisboa, afinal, 1200 casos ativos, no Concelho, representam mais de 25% de todos os casos de Lisboa, desde o início da pandemia, ainda por resolver. Se todos os infetados cumprirem o confinamento os riscos serão bem menores. É o que desejo.

Por hoje fico-me por aqui, despeço-me com o habitual beijo de saudades, deste teu amigo de todos os dias, que não te esquece nunca,

 

Gil Saraiva

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em destaque no SAPO Blogs
pub